Morte de Judas

Em Março do ano passado, a Cornucópia levou à cena a peça de Paul Claudel (1868-1955), Morte de Judas, agora reposta. O monólogo, interpretado por Dinarte Branco, conta com a austera cenografia de Cristina Reis e a encenação de Luis Miguel Cintra, que também empresta a voz para ler um Evangelho.

Claudel, autor católico, daria uma versão própria da traição de Judas. Metido numa caixa, de onde se vê apenas o rosto e a cabeça, como se tivesse sido enforcado, a personagem interpretada por Dinarte Branco dá uma nova perspetiva da noite em que Jesus foi preso. Retenho o texto de José Tolentino Mendonça, que fez uma leitura dos acontecimentos inserida no catálogo da peça, a partir do beijo de Judas, que denunciaria Jesus, segundo os Evangelhos. O Evangelho de Marcos, que seria o primeiro, narra como Judas Isacriotes, a troco de dinheiro, indicou Jesus aos sacerdotes. O Evangelho de Mateus introduz mais detalhes, onde se fixa o preço a cobrar: trinta moedas de prata. Já o Evangelho de Mateus acrescenta um elemento de natureza teológica, ao indicar que Satanás entrara no corpo de Judas, enquanto o Evangelho de João indica que Jesus se referia a um dos Doze como sendo o diabo: Judas, o filho de Simão Iscariotes. Em João, também sabemos que Judas era o administrador dos bens do grupo, o que pode acarretar a suspeita de desonestidade.

Este Judas de Claudel é como uma carta de Tarot, de um lado cruz, do outro a figueira onde Judas se enforcou. Luís Miguel Cintra, em texto que acompanha a peça, estabelece um comparação de Joana d’Arc com Judas. Ambos são fundamentais para o cristianismo, aquela porque morre e a sua alma sobe ao céu, este porque as suas entranhas caem ao chão quando morre. O encenador e diretor da Cornucópia, que recentemente redescobriu a Bíblia e o Catolicismo, cita o Papa Bento XVI em texto que este escreveu em 2006: a traição levou à morte de Jesus e “ao espaço de amor salvífico e em entrega de si ao Pai”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.