História do Rádio Clube Português (4)

O incêndio nas instalações do Rádio Clube Português em 14 de setembro de 1935 levou a uma onda de apoio, formando-se uma comissão pró-rádio. O texto do número 7, de 1 de junho de 1965, de Antena destacava quatro elementos na reanimação da estação. Uma das atividades seria um espetáculo a 4 de novembro do mesmo ano, com um concerto da Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional e da Orquestra Aldrabófona de Lisboa (que atuaria depois em emissões em direto do RCP). Depois, o número de sócios do RCP atingia 7200, com apoios financeiros desses associados a somar a outros donativos. Em terceiro lugar, CT1GL, designação do RCP, voltava a transmitir, a 26 de novembro, dois anos depois da primeira emissão experimental. O texto não identifica a “melodia fresca [que] saiu daqueles escombros, levando já uma nova alma”. Finalmente, na assembleia geral de 9 de fevereiro de 1936 anunciavam-se duas boas novas: um emissor de 30 kW e a permissão para voltar a ter publicidade na programação. A visita de Salazar ao RCP em 17 de março de 1935 acelerara a resolução de um problema surgido algum tempo antes. Como escrito acima, a Orquestra Aldrabófona tocaria com frequência na rádio: formada por 26 músicos, “magros e gordos, altos e baixos, morenos e rosados, carecas e com cabeleiras para todos os gostos”, dirigida pelo maestro Aldrabowsky e com instrumentos como “um piano, dois harmónios, umas quatro violas, outras tantas guitarras, um pífaro, vários berimbaus e o resto constava, quase na totalidade, de harmónicas de boca”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.