A Escola de Teatro do Conservatório segundo Eugénia Vasques

Eugénia Vasques acaba de publicar A escola de teatro do Conservatório (1839-1901). Contributo para uma história do Conservatório de Lisboa. O livro está dividido em sete capítulos: alvores do ensino formal do teatro (1795-1840), primeiras reformas na Escola de Teatro do Conservatório (1839-1860), últimas reformas do século (1861-1901), profissão de atriz, frequência da Escola de Teatro, primeiros métodos de ensino do teatro na Escola, menos pedagogia, mais psicologia: aprendizagem cénica.

Destaco o capítulo sobre a profissão de atriz (pp. 109-129). A autora divide este capítulo nos seguintes pontos: vias de entrada na profissão; atrizes-crianças; filhas de artistas ou empregados no teatro; órfãs ou abandonadas pelo pai; teatros particulares, sociedades de curiosos (amadores), feiras, coristas ou bailarinas; atrizes oriundas de “boas famílias”. É um capítulo clínico, das virtudes e defeitos, dos amores e dos desgostos, da beleza e da velhice e miséria de muitas das atrizes, numa narrativa curta como se cada uma delas desempenhasse um papel pouco relevante. Do capítulo, aprendem-se as diferentes vias, e dolorosas com frequência, da chegada à profissão. Das atrizes órfãs ou abandonadas pelo pai, Eugénia Vasques mostra o percurso de algumas delas, como Emília Adelaide, Virgínia Dias da Silva ou Rosa Damasceno. Desta última, Júlio Dantas chamou-lhe a atriz dos poetas. No Alentejo, onde representava em teatros ambulantes, Damasceno foi descoberta e atuou em Lisboa no D. Maria, casando com o ator Eduardo Brasão mas tendo sido amante do rei D. Luís na sua juventude (p. 119). Numa nota de rodapé, a autora diz que hoje grande parte dos alunos que demandam o curso de teatro são igualmente órfãos de pai ou de mãe, embora ignore o significado sociológico de tal percurso.

O livro é uma sequência da investigação de Eugénia Vasques Mulheres que escreveram teatro no século XX em Portugal, concluindo ela pela vastidão de material sobre as reformas e vicissitudes da Escola de Teatro do Conservatório (p. 11), permitindo observar a evolução social e artística das gerações de atores. Na introdução, Eugénia Vasques analisa a proibição da representação às mulheres no tempo da rainha D. Maria I, os estilos de escrever, dizer e representar, os atores da geração de 1812 a 1839 e os atores da geração seguinte. Oriundos das classes mais pobres, tinham dificuldade em ler e escrever, o que se refletia na má qualidade do trabalho (p. 135). A investigadora nota, porém, a evolução da representação teatral à medida que o século XIX avança, dentros do quadro da revista, opereta, zarzuela, “mágicas” e vaudeville (p. 38).

Nas conclusões, a autora considera que a implantação de uma escola formal de atores em Portugal foi uma tarefa quase inglória (p. 189). No século XIX, houve diversos motivos externos à atividade, tais como a guerra civil (1846-1847), com alistamento de professores e empregados, a epidemia de cólera (1848-1853), as cheias do Tejo (1855), a febre amarela (1856). Entre 1846 e 1848, a escola não funciona por falta de alunos (p. 191). Em 1902, no final do arco histórico analisado, a autora indica a existência de 520 alunos no Conservatório mas apenas 20 na secção dramática (p. 193). O atributo da atriz deambulava entre a prostituição estética e a atriz dos poetas (ou santidade).

Eugénia Vasques tem um doutoramento em Hispanic Language and Literature (Santa Barbara, Califórnia) e é professora coordenadora na Escola Superior de Teatro e Cinema. Foi crítica de teatro do semanário Expresso (1985-2011). A autora projeta publicar um novo volume a cobrir o período de 1901 a 1971.

Leitura: Eugénia Vasques (2012). A escola de teatro do Conservatório (1839-1901). Contributo para uma história do Conservatório de Lisboa. Lisboa: Gradiva (214 páginas, 18,30 euros).


One thought on “A Escola de Teatro do Conservatório segundo Eugénia Vasques”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.