Biografias

Gosto muito de ler biografias. Prefiro ainda mais as autobiografias – elas indicam o estado de espírito dos seus autores, as tendências, as amizades e as múltiplas inimizades, oposições ou ódios de estimação, mas dão um retrato mais fiel de uma época do que uma biografia. Encontro outra vantagem no género literário: lê-se com muita clareza, conta muitas histórias, com personagens e episódios em listas intermináveis, naquilo a que Umberto Eco chama de poética do excesso (em livro recente e aqui assinalado precisamente na mensagem abaixo, na página 160). As biografias podem ser de políticos, de jogadores de futebol, de patrões e magnatas, mas eu escolho as que mostram estrelas de cinema, jornalistas, arquitetos e escritores, talvez pela ressonância espiritual das suas vidas mescladas com coisas de gente comum, principalmente porque se ligam às indústrias culturais. Por último, embora dependendo da dimensão do livro, ele consome-se com rapidez, em dois serões ou numa noite de insónias.

Recentemente, sairam dois livros de biografias, o de Maria Eugénia. A menina da rádio, de Rute Silva Correia (Leya/Oficina do Livro, 2011) e Trabalhos e paixões de Fernando Assis Pacheco, de Nuno Costa Santos (Tinta da China, 2012). Não importa aqui a minha preferência pela escrita de um ou outro mas o destaque às personalidades retratadas. Ambos são livros sérios sobre gente fascinante: a estrela da entendida época de ouro do cinema português, Maria Eugénia Branco (curioso o facto do nome de família ser omitido no título, para haver maior familiaridade com a estrela) (1927-); o escritor e jornalista Fernando Assis Pacheco (1937-1995). Na biografia, há sempre um inequívoco elogio, pois muitas das fontes ouvidas são familiares, amigos, próximos e pessoas que têm uma relação de estima e reconhecimento. Por outro lado, a biografia narra, nem sempre linearmente, os feitos, os trabalhos, as paixões, a família, as curiosidades. Fotografias e outras imagens garantem uma maior compreensão dos biografados, enquanto crianças, jovens, maduros, mais velhos, nos locais de trabalho ou de lazer, em imagens de grupo ou com a família. Por vezes, as biografias trazem um prefácio produzido por uma figura pública da indústria cultural, atestando o que o(a) autor(a) escreve e em estilo de panerígico (Júlio Isidro sobre Maria Eugénia, Miguel Esteves Cardoso na contracapa do livro sobre Fernando Assis Pacheco). Muitas vezes, os autores dos livros omitem a atividade produtiva da indústria dominante a que pertence o biografado, muito embora o número de entrevistados e/ou entrevistas para obter um retrato mais preciso possa ser grande (38 entrevistados para o livro sobre Assis Pacheco, 16 entrevistas da escritora com a própria Maria Eugénia).

O livro Maria Eugénia. A menina da rádio, de Rute Silva Correia, divide-se em três partes com 20 capítulos (de pequena dimensão): contextualização da época, atividade nas indústrias culturais, epílogo em termos de carreira (com o casamento e o nascimento do filho). O livro Trabalhos e paixões de Fernando Assis Pacheco, de Nuno Costa Santos, tem 14 capítulos dedicados a distintos momentos e elementos da vida do jornalista, poeta e escritor, como a história de amor de Fernando e Rosarinho, a vida militar em Angola, a profissão dominante (jornalismo), os seis filhos, o programa de televisão A visita da Cornélia, os avôs galego e de (em) S. Tomé. O livro sobre a atriz e cantora recorre mais à imagem tipo livro-álbum, o livro sobre o jornalista tem um pendor mais ensaístico.

Os propósitos dos dois livros são, para o leitor, semelhantes. Rute Silva Correia enaltece a história daquela que foi uma das mais promissoras estrelas de cinema português em apenas quatro anos (1944-1947), protagonizando filmes como A menina da rádio (1944) e O leão da Estrela (1947), e surgindo em 15 capas de revistas e jornais, como O Século Ilustrado, Modas e Bordados, Rádio Nacional, Diário de Notícias. A autora refere-se à biografada do seguinte modo: “Ainda hoje, todos conhecemos Maria Eugénia como «a menina da rádio», simplesmente: o rosto juvenil e simpático cuja voz alegrou os serões radiofónicos de muitos portugueses” (p. 27). Nuno Costa Santos, por seu turno, indica que “Guardo boas memórias deste trabalho – como as visitas à Galiza dos seus antepassados [de Fernando Assis Pacheco], para conhecer a aldeia que recriou no romance cujo título inspira este livro, Trabalhos e paixões de Benito Prada, e almoçar um «caldo gallego», «merluza cazuela» e «jarrete asado» num restaurante da sua predileção, o San Miguel, em Ourense. Entre os momentos mais fortes estão aqueles em que pude respirar na cave da sua casa, na Travessa do Patrocínio, e abrir pastas e caixas com originais dos seus livros de poesia e cartas, primeiro acompanhado do seu filho João e depois sozinho, como quem se entrega ao milagre de poder explorar um pequeno tesouro” (p. 8).

Leituras: Rute Silva Correia (2011). Maria Eugénia. A menina da rádio. Lisboa: Leya/Oficina do Livro, 175 páginas
Nuno Costa Santos (2012). Trabalhos e paixões de Fernando Assis Pacheco. Lisboa: Tinta da China, 213 páginas


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.