Agência Portuguesa de Revistas

A Agência Portuguesa de Revistas nasceu em Março de 1948 e desapareceu em 1988, como indica o texto bem elaborado de João Manuel Mimoso (ler aqui; destaco também o trabalho do mesmo autor sobre os reis do vinil – canção portuguesa de 1958 até 1964).

Aqui, reproduzo um texto publicado na revista Plateia (nº 369, de 27 de fevereiro de 1968), onde se dá conta da atividade da Agência Portuguesa de Revistas. O texto conta a história de dois amigos – António Joaquim Dias e Mário de Aguiar, ligados à venda e distribuição de livros e revistas e que decidiram formar uma pequena empresa com o capital inicial de 50 mil escudos cada um. Uma casa na rua do Arsenal serviu como sede da empresa, que criou lentamente uma rede de distribuição nacional. A primeira revista editada seria Mundo de Aventuras, que a este leitor que agora escreve deu horas de grande prazer. O aspeto gráfico era inovador para a época. Pouco depois, saíam livros recortados infantis, coleções de cromos e livros ao preço de 40 centavos. A revista Plateia, mais adiante identificada, passaria a englobar o portefólio da Agência Portuguesa de Revistas (atingiria 35 mil exemplares), além da revista Colecção Cinema, baseada em filmes de grande interesse popular, e da Crónica Feminina.

A revista Plateia fora lançada, como se lê no sítio de João Manuel Mimoso (de onde retiro igualmente a imagem ao lado), “em  1 de Abril de 1951. Inicialmente de publicação quinzenal, ao preço de 2$50, Plateia incluíu desde o nº 1 a separata a cores com a fotogravura de um artista (Clark Gable no nº 1; Esther Williams vestindo um duas-peças de praia no nº 2, etc.) cuja valia tão bem comprovara a experiência d’O Mundo de Aventuras. Apesar de ser lançada num meio editorial com diversos concorrentes, Plateia parece ter sido um sucesso instantâneo a que talvez não tenha sido totalmente alheia a publicação de fotografias de starlettes estrangeiras em sugestivas poses e desnudadas até ao limite permitido na época a uma publicação familiar. A partir do nº 2 foi utilizado um papel de maior gramagem, que corrigiu o único verdadeiro defeito do número inicial da revista, e as antigas Plateias, com capa e interiores ilustrados a preto e branco, ainda hoje têm procura no mercado alfarrabista e ainda mantêm um discreto encanto. Mas a Plateia não foi apenas mais um título, como tantos que viriam depois. Na verdade abriu perspectivas num campo de grande mercado – a cinefilia – que em breve seriam exploradas pela venda de fotografias de artistas e pelo lançamento de spin-offs de grande circulação. Também permitiu a exploração de novas ideias de uma maneira barata e pouco arriscada: ocasionalmente eram publicados suplementos a determinados números da Plateia, com o mesmo aspecto gráfico, o mesmo preço, e incorporando, até, a sua própria separata. Alguns eram verdadeiros números únicos, como o que foi dedicado à então recentemente falecida Rainha D. Amélia. Outros, como os dedicados à selecção portuguesa de hóquei em patins (“Suplemento desportivo ao nº 5 de Plateia”), ao toureiro Manuel dos Santos, ou ao filme A Túnica, podem ser considerados experiências na publicação de títulos mais genéricos nos campos respectivos”.

A referência (diria que elogiosa) a esta publicação e à sua editora carece de enquadramento teórico e histórico por parte deste leitor que agora escreve. Estou a encontrar elementos indispensáveis para compreender a época que a revista cobre e que serve para comparar com outros materiais disponíveis. Importa realçar o que se editou e as razões e contextos culturais e económicos em que ocorreu. Uma investigação histórica sobre uma época, como a que me anima presentemente, implica a pesquisa de todos a informação existente, em total independência dos gostos estéticos pessoais.



Citar este post
Rogério Santos (2012, 18 Fevereiro). Agência Portuguesa de Revistas. INDÚSTRIAS CULTURAIS. Recuperado em 18 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/qbj7

10 thoughts on “Agência Portuguesa de Revistas”

  1. Boa tarde
    Gostaria de saber como ter acesso ao espolio da APR uma vez que possuo cerca de 50 cartões originais das pinturas que deram origem à colecção de cromos POVOS E COSTUMES EXÓTICOS, pintados pelo artista José Baptista, entretanto falecido, que também assinava JoBat ou Baptista, mas gostaria de completar o mais possível a colecção de 200 correspondentes ao numero de cromos publicados.
    Também serve como informação útil o acesso aos familiares deste artista que eventualmente queiram vender alguns cartões dessa colecção.
    Muito obrigado
    José Vitorino

  2. Caro amigo, un servidor, que fue el Director General de la Compañía Walt Disney en España y Portugal en las décadas de los 60 y 70, recuerda con cariño las más de cien reuniones de trabajo con sus clientes, primero, don Mario de Aguiar, y, después, el Sr. Días, en las que combinábamos las ediciones de publicaciones de Disney. Recuerdo, en primer lugar, el grato olor a chocolate que percibía en cuanto dejaba mi coche en las inmediaciones de la rua Saraiva de Carvalho, debido a la fábrica que estaba en frente de la editorial. Y, en segundo lugar, el trato siempre afable de mis citados clientes, con los que llegó a unirme una buena amistad. Me impresionaba visitar los muelles de salida de libros y revistas, cuyas cajas estaban colocadas en varios “tapis roulants” que desembocaban en la zona de carga de camiones. En estos puntos podían leerse letreros que rezaban “Lourenço Marques”, “Luanda”, “Cabo Verde”, “Macau”, etc. , dando a entender el variado y exótico destino de aquellas cargas. Todavía era la época en que Lisboa era la metrópoli de un vasto imperio diseminado por el mundo; una prueba más de la gran gesta de exploración y colonización realizada por Portugal a lo largo y ancho del mundo. Son muchas las anécdotas e historias que podría contarle sobre mis vivencias con la A.P. de R. Pero éste no es lugar adecuado. Puede contactarme cuando guste a mi e-mail (peperomagosa1@yahoo.es. – Cordiales saludos. Pepe Romagosa Gironella,

  3. Prezado Sr.Rogerio

    Tenho um querido amigo português que , nos idos dos anos 70, teve sua imagem publicada em algumas novelas da Revista Plateia. Como posso obter informações sobre tais trabalhos fotográficos e onde encontrar alguns números desta revista?
    Agradeço por qualquer informação que me posso dar e aguardo ansiosa por uma resposta. Atenciosamente, auriadoria

  4. gostaria que me informassem como posso obter (comprar) os cromos da selecção Portuguesa de futebol que participou no Mundial 82 em Espanha, precisava dos cromos e da respectiva página da caderneta,

  5. Bom dia

    Pretendia saber qual o último livro publicado da colecção CONDOR (capa amarela) e em que data?

    Obrigado

  6. colaborei na revista plateia ( 1984 ) – e gostaria de adquirir os numeros, onde se encontram artigos meus redigidos. Como posso fazer?
    obrigada.

    1. pois minha linda srª eu comecei a trabalhar na apr quando tinha 16 anos apos esses anos quando tinha 30 fiquei sem emprego a partir dai foi mt compliado, mas agora estou com um pouquinho mas vamos indo gostei de saber que tinha algo com a plateia ( revista) porque naquela altura era a revista que eu adorava mt abrigado por tudo e tudo de bom para a SRª UM ABRACO ATE SEMPRE O MEU FACE É manel teixeira, tenho foto e um dia quem sabe podemos desabafar algo xau um abraco ate sempre

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.