Estudos sobre a rádio de João Paulo Meneses

Bertold Brecht, que escreveu sobre teoria da rádio nas décadas de 1920-1930, usaria hoje um aparelho de mp3 para ouvir música, parece ser a conclusão de João Paulo Meneses no seu novo livro Estudos sobre a rádio. Passado, presente e futuro. Pelo menos, é o que se depreende da capa do livro.

O livro vai além disso, pois reflete sobre a história da rádio, aprecia o presente e deixa uma antevisão do futuro, indicando que a rádio está a sofrer uma forte transformação, a maior desde o aparecimento da televisão. Reune textos publicados anteriormente em revistas e livros, comunicações a congressos e trabalhos inéditos, escritos entre 2006 e 2011, com uma bibliografia e uma webgrafia abundantes e atuais. O autor identifica pontos forte e fracos do meio rádio, num momento em que a internet se desenvolve a um ritmo alucinante e em que o Google não existia há 15 anos ou o Facebook era quase desconhecido há três anos (p. 9). O autor publica também neste livro os textos que foi escrevendo para o jornal digital Meios & Publicidade.

João Paulo Meneses explica-nos que a rádio generalista é um anacronismo nos principais mercados do mundo mas permanece dominante em Portugal (p. 13), a oralidade do jornalismo radiofónico desenvolve o que o autor chama de estética do erro (p. 45) (tópico que retomo à frente), fala do insucesso da rádio em plataforma clássica quanto a audiência (p. 63) e das ameaças da rádio musical por causa da internet (p. 81), da possibilidade do podcasting sem podcasts (p. 97) e destes como arquivos inteligentes (p. 101), dos novos utilizadores ativos, a chamada geração iPod (p. 109), que abandona a rádio clássica e que o autor identifica como geração perdida (para a rádio) (p. 131) , meio que não evoluiu mas se adaptou (p. 159).

Um dos textos que mais me chamou a atenção foi o da estética do erro (pp. 45-59). O autor trabalhou o conceito encontrado em livro de Emilio Prado que o retirou do jazz e que é um dos fatores que contribuem para a conceção da improvisação do jazz (p. 53). Isto é, está diretamente ligada ao improviso. No jornalismo radiofónico, a estética do erro pode ser usada como recurso. João Paulo Meneses distingue locutores profissionais que desenvolveram uma técnica de leitura perfeita e virtuosa, as máquinas falantes (p. 50), e os que parecem ler de improviso, com oralidade que se aproxima da realidade, mas sem perder o rigor, as regras radiofónicas e a deontologia. Pode haver uma oralidade virtual e aparente, de proximidade e cumplicidade com o ouvinte, com uso de palavras próximas da linguagem média, frases curtas, em discurso direto e na voz ativa (p. 51). O autor, quando pensa na realidade nacional, identifica um jornalista, Francisco Sena Santos, que lê mas também improvisa, que conversa mas também se submete ao rigor dos factos, que prepara (escreve) tudo o que diz embora pareça que está a improvisar (p. 57).

João Paulo Meneses tem 45 anos, trabalha na TSF e, nas horas vagas, vê os jogos do Rio Ave (Vila do Conde) e cria bonsais.

Leitura: João Paulo Meneses (2012). Estudos sobre a rádio. Passado, presente e futuro. Porto: Mais Leituras, 224 páginas


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.