Diário de uma estagiária de televisão (1)

[texto ficcional]

O meu estágio na redação de um canal de televisão prolongou-se por seis meses. O relatório de mestrado consistiu basicamente na descrição e análise do estágio que fiz, a que juntei uma pequena comparação com os noticiários das outras televisões generalistas, através da interpretação de um caso, como escrevo mais abaixo, com recolha dos alinhamentos dos noticiários desses canais. Uma crítica a este relatório é o curto prazo para a sua realização, mas a universidade não me permitiu mais tempo.

Integrar a secção de sociedade foi opção minha, porque pensava obter uma experiência muito rica, através da escrita televisiva diária. Tal veio a suceder. A editoria de sociedade vive da produção diária de peças e de reportagens noticiosas calendarizadas. Não há um lugar específico para cada jornalista; ele senta-se onde houver uma cadeira livre, acedendo ao seu email e escrevendo as suas peças após introduzir uma palavra de acesso no computador em frente a si. Os editores sentam-se na última fila da redação, a mais próxima do chefe de redação e dos jornalistas pivots ou âncora (anchormen). Compreendi como surgem as notícias, como se selecionam e como se processam as decisões.

Quando iniciei o meu estágio, havia mais três estagiárias, pelo que o nosso horário de trabalho foi dividido de acordo com os vários turnos (8:00-16:00; 9:00-17:00; 14:00-21:00; 18:00-01:00). O primeiro turno é o que tem mais jornalistas, pois se situa ao longo do dia da realização de eventos. Com alguma frequência, as peças do noticiário das 13:00 são recuperadas para o das 20:00, mesmo que com alterações e atualizações. O meu horário foi sendo adaptado aos meus interesses e aos interesses do canal de televisão. Por exemplo, estive a trabalhar no dia de Natal, pois a redação precisou de mim nesse dia. A redação do canal generalista tem articulação com o canal de cabo e com o sítio da internet, levando a estagiária a fazer trabalho para os três meios, e que serviu para um melhor conhecimento e aprendizagem própria.

Ao entrar na redação, a primeira coisa com que tomei contacto foi o programa de controlo da informação (blocos informativos, alocação das peças, textos, entradas e oráculos). Passado o primeiro mês de estágio, onde notei alguma desorganização da estação quanto ao meu acompanhamento, parti para o terreno a acompanhar jornalistas em reportagem. Então, o meu espírito de iniciativa e a atenção que dei aos acontecimentos de última hora começaram a ser apreciados e incentivados. Ao longo do estágio, fiz peças que foram para o ar, algumas recolhendo opiniões de vox populi, por exemplo, a opinião de um dirigente sindical a uma medida governamental. O ideal almejado pela estagiária é dar voz às peças, sinal de reconhecimento pelo trabalho efetuado.

O entusiasmo pela atividade diária não me permitiu fazer uma análise profunda da profissionalização da redação nem das condições de trabalho, como o meu orientador na universidade estava sempre a pedir. O que queria era escrever e participar, em especial nos fins de semana, quando havia mais falta de jornalistas na redação, o que permitia fazer peças de géneros mais variados.

(continua)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.