Diário de uma estagiária de televisão (2)

(continuado) 

Observei reuniões diárias da redação (diretor, chefe de agenda, editor do noticiário). A primeira ocorre habitualmente cerca das 10:00, onde se decidem os temas de reportagem e as alterações de alinhamento do noticiário das 13:00. A segunda reunião ocorre a meio da tarde. Aqui, há um peso importante da agenda de acontecimentos oficiais. Anotei igualmente as agências noticiosas que mais servem o canal de televisão, caso da Lusa. Verifiquei também que os jornalistas encontram temas de notícias na leitura de jornais nacionais e estrangeiros.

Os editores têm um papel fundamental na escolha de notícias, com propostas de temas do dia para reportagens e histórias exclusivas. A informação chegada à redação é um ponto de partida do trabalho dos jornalistas. Há uma espécie de ciclo da notícia, que começa num meio noticioso, tem impacto e leva outros media a tratarem o tópico, como li num trabalho académico. Por isso, como me disse o orientador quando leu o meu relatório de estágio, há temas que reaparecem nas notícias quando nada fazia prever o seu ressurgimento – uma jornalista leu um artigo e lembrou-se de escrever sobre o assunto. Isso é visível, por exemplo, quando há uma doença ou uma ameaça de epidemia, porque toda a gente começa a escrever lembrando outros casos antigos.

O trabalho diário permitiu-me (obrigou-me) a aprofundar conhecimentos em áreas como a economia ou a política internacional, o que funcionou quase como se fosse um seminário de mestrado. Também escrevi sobre desporto, área que não me despertara interesse anterior, mas da qual gostei dada a grande quantidade de fontes de informação e a existência de tantas e variadas opiniões pouco científicas mas emotivas. Ao fim de semana, o noticiário aposta igualmente na cultura e em temas mais leves, por falta de matéria política.

Constatei a importância da escolha de imagens, dos planos a empregar, da música e do grafismo a acompanhar as peças. Isto sem referir o destaque ao modo como se escreve: textos curtos, concisos e diretos. Como regras essenciais, aprendi que se devem dizer palavras curtas e não compridas, evitar palavras difíceis de pronunciar, não empregar adjetivos, falar sempre no presente e na voz ativa, não usar o cargo ou título do entrevistado, arredondar os números.

Apesar dos editores não gostarem muito da aplicação dos conceitos aprendidos na universidade, a distinção entre hard news e soft news foi adequada à minha aprendizagem, pois aquelas referem-se aos factos acontecidos e estas a reportagens mais aprofundadas sobre temas. As hard news são, de outra forma, o lado da pressão do tempo que é própria do jornalismo e da televisão. Muito recentemente, os canais generalistas estão a dedicar a segunda parte dos noticiários a reportagens, incluindo um separador e um grafismo próprio que distingue essa parcela da informação – grande reportagem ou jornalismo de investigação.

Aprendi igualmente a dimensão ideal da peça, de um a minuto e meio, um máximo de dois minutos, com off, vivo, texto com declaração dos entrevistados e texto do jornalista. Por exemplo, o pivot não pode ultrapassar os trinta segundos na apresentação de uma notícia, o que dá conta da superficialidade da informação televisiva, embora o mesmo aconteça na rádio. Essa limitação não acontece na internet, apesar da escassa concentração do leitor em mais do que um ecrã por notícia. Atualidade e concorrência entre notícias foram questões que me impressionaram no dia a dia da redação e que discuti com as minhas colegas de estágio, confrontando-nos com o que previamente tínhamos aprendido na universidade.

(continua)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.