Madrugada, pelo grupo de teatro Art’Imagem

Madrugada, texto e encenação de Pedro Estorninho, é o centésimo espetáculo do grupo de teatro Art’Imagem, integrado nos seus trinta anos de actividade. Pedro Carvalho e Helena Carneiro interpretam respetivamente o membro da polícia política (predador) que interroga a presa. Ele procura que ela revele nomes ligados ao seu movimento de pensamento,num país em que não existe liberdade de expressão.

Diz o interrogador: “Este é o meu trabalho, não estou de nenhum lado, livre de grelhas e chavões. Ninguém me espera mas todos me aguardam”. Diz a interrogada: “O que faz de predador presa ou presa livre? Eu neste momento sou maior que tu, eu sou a raiz”.

A peça dura cerca de sessenta minutos. Durante quase vinte e cinco minutos, a presa está na tortura dos braços levantados, com uma permanente máscara de sofrimento, o que implica um enorme esforço da atriz Helena Carneiro. Até aí, o polícia interroga – é ele que ocupa o palco com a sua voz poderosa. Ele fuma compulsivamente. Contei seis ou sete cigarros, apesar de dizer e repetir que estava calmo durante o interrogatório. Há uma repressão verbal constante mas não de confronto físico para além da posição de estátua da presa. A encenação é pobre no sentido de minimalista, como convém a uma cena de interrogatório, com os holofotes virados para a rapariga. O diálogo tem um elemento de fragilidade: mais do que um conflito político, parece haver um conflito de género, com a mulher a ser duplamente penalizada. No final, após receber um telefonema, o polícia indica à presa que pode ir-se embora, está livre (alusão a 25 de abril de 1974). Os holofotes até então apontados para a rapariga, passam a estar para o polícia, numa alteração total de posições.

O programa indica que a peça, uma coprodução entre os grupos Art’Imagem e TEatroensaio, se situa dentro do tema anual da segunda companhia “Migração, espaços físicos e psicológicos”. O autor coloca a ação em 1974, mas ela poderia ser noutro tempo e noutro sítio, percebendo-se melhor o seu pensamento quando, no final da representação de ontem, ele subiu ao palco, ao lado dos que fizeram a peça, e revelou que o seu combate é contra a ditadura ou outra forma de governo que procura acabar com o teatro e a arte.

[a imagem mostra o momento em que José Leitão, o responsável pelo Art’Imagem, dizia algumas palavras sobre a peça]

Pedro Estorninho (março de 1974, Lisboa) é ator, encenador e dramaturgo português. Neste momento, é encenador e diretor artístico do TEatroensaio. Foi conselheiro de cultura em Paris na casa de Portugal. Pedro Carvalho integra a direção do Teatro Art’Imagem desde 1985, onde é ator, encenador, designer de luz e diretor técnico dos festivais da companhia. Helena Carneiro é aluna finalista do curso de Teatro – Interpretação, na ESMAE-IPP (depois de frequentar Química e Comunicação Social, ambos os cursos em Braga). Fundadora da Associação Cultural PIF’H – Produções Ilimitadas Fora d’Horas (Braga, 1999). Música original de José Mário Branco (1942, Porto).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.