Os jornalistas hoje

Hoje, dia 26 de maio, o Fórum de Jornalistas organizou o seu terceiro colóquio subordinado ao tema Jornalismo em tempo de crise. Os convidados do primeiro painel foram Cândida Almeida (DIAP), João Botelho (cineasta) e Alberto Rui Pereira (Iniative Media). A magistrada Cândida Almeida destacou o papel da liberdade da imprensa e a necessidade da verdade da informação. Pôs a tónica na criação de informação falsa, prejudicial à democracia. O cineasta João Botelho preferiu o termo cidadão ao uso da palavra consumidor e entende haver hoje informação a mais e pensamento crítico a menos. Para ele, há uma perda da consciência política e a atividade do jornalista sofre uma autocensura permanente. Quer Cândida Almeida quer João Botelho mostraram uma maior simpatia pelos media clássicos e uma menor empatia com as redes sociais. Já o empresário Alberto Rui Pereira analisou o impacto das tecnologias no negócio dos media, considerando ter havido um aumento do consumo dos media mesmo no papel (jornais e revistas), o que contradiz o conhecimento que se tem da redução de tiragens dos jornais.

O segundo painel dedicou-se à apresentação e análise de um inquérito desenvolvido pela Universidade Católica Portuguesa, em parceria com o Fórum de Jornalistas (em baixo, recortes do Jornal de Negócios, Diário de Notícias e Expresso, além do PowerPoint de apresentação de resultados) e que envolveu respostas de 174 jornalistas (direção, chefia de redação e editores de 21 meios, incluindo papel, rádio, televisão e agência noticiosa). Alguns elementos do inquérito seriam: metade dos respondentes são editores, mais homens (70%) que mulheres, 43 anos é idade mais frequente, redações perderam jornalistas, papel e televisão cortaram mais, escrita e cultura geral valorizadas, perda de memória é o mais prejudicial, poucos recursos humanos no online, vídeo e edição online foram aposta, nacional e economia “muito essenciais”, economia e features ganharam espaço, novas fontes de receita procuram-se, conteúdos extra serão novas receitas, papel ultrapassa 50% dedicado a online, chefias estão simultaneamente preocupadas e optimistas e diretores mais confiantes a prever.

Ao interpretar os dados apresentados, José Vítor Malheiros destacou a questão da produtividade e a separação das matérias editorial e publicitária. Para ele, o jornalismo hoje enfrenta diversas crises: credibilidade, identidade, financeira e de ruturas tecnológicas. Adelino Gomes, no seu comentário, reforçou a ideia da credibilidade como marca identitária do jornalismo e analisou as respostas à questão da profundidade das notícias, hoje em perda relativamente a um passado recente, apesar do resultado do inquérito ser ambíguo quanto a essa questão.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.