Sobre a criatividade

Quando, há meses, vi a dança de Anne Teresa de Keersmaeker, no CCB, não compreendi. As bailarinas tinham movimentos repetidos, em torno de um círculo imaginário, um passo à frente, outro atrás, abrindo ou fechando o chapéu de chuva, sentadas em cadeiras para a frente ou para trás, num momento ou outro de maior volúpia quando levantavam o vestido. A música anunciada no programa ouvia-se escassamente. Mas, durante grande parte do bailado, imperou o silêncio, que não desobrigou as bailarinas a movimentos síncronos de sentar, levantar, andar, rodopiar, ir para a penumbra, desaparecer para dar lugar a outra peça. Estou a ficar muito conservador, disse para mim.

Agora que leio que ela acabou a temporada em Lisboa, recupero a memória desse longo bailado. Os espaços largos e livres das peças então dançadas afiguram-se-me, agora, de uma grande novidade e ousadia criativa.

Num outro registo, recordo o concerto de música de Sara Zalcíková, no teatro Helena Sá e Costa (Porto). Pianista e compositora, ela apresentou esta semana três peças experimentais e que deram um grande gozo estético a quem assistia. Com Ivo Medek, ela tocou Inside, peça de ambos, cuja base era a experimentalidade sonora das cordas do piano. Mas Seven preludes for a silent piano, do grego Dimitris Andrikopoulos, uma referência a Debussy e uma homenagem a Beethoven, foi mais a perceção antropológica de um ser que desconhece o piano, as suas funções sociais, e o vê como um objeto que desempenha novas funções. Tais como espaço de acolhimento (a zona baixa do instrumento funciona como quarto com candeeiro e onde guarda objetos) e de exploração (o piano fechado é percorrido e caminhado pela pianista; ela coloca cartazes indicando ser zona de perigo, desenrola um novelo e tece uma urdidura). A exploração das teclas retira sonoridades que ecoam e a assustam, sob uma base de música eletrónica gravada previamente. O texto do programa indica haver um cisma entre a realidade da fita magnética e a performance da pianista, como se o piano e os seus sons tivessem um duplo – alguém que encontra sonoridades e funções novas.

Afinal, há sempre outras estéticas a abordar. Com outros pontos de vista, outros usos, outras categorias de afirmação. Às vezes, são-nos mostrados com estranheza. Ou falta de referências anteriores, onde se possam assentar as nossas estruturas de pensamento, o que nos confunde. Isto é a base da arte.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.