Resultados da auditoria ao sistema de audiências de televisão

Da newsletter Briefing de hoje, retiro a seguinte informação sobre a auditoria ao sistema de medição de audiências da CAEM: “O relatório preliminar da auditoria efetuada pela consultora PwC ao sistema de audimetria da CAEM não assinala questões que possam pôr em causa o contrato celebrado com a GfK”. O relatório fez uma análise exaustiva dos aspetos relativos ao sistema de audimetria mas não produz uma conclusão definitiva. A newsletter da Briefing continua assim: “A consultora PwC enuncia um vasto conjunto de questões, desde o establishment survey, ponto de partida para a criação da amostra de telespetadores, até às condições de segurança das instalações onde os dados são guardados. O relatório preliminar valida ainda os aspetos metodológicos relacionados com a instalação do painel e analisa a infraestrutura técnica do sistema, nomeadamente testando o limiar da perda de som e da falta de matching, aspetos suscitados publicamente nas primeiras semanas de funcionamento do novo sistema. É ainda referenciada a existência de indicadores de audiência de canais que não estão disponíveis free to air em boxes instaladas em lares que declararam não deter TV por subscrição. Os técnicos da PwC fizeram ainda um levantamento de riscos relacionados com a segurança do sistema. O relatório preliminar, sendo muito exaustivo na identificação das questões relacionadas com a prestação de serviços da GfK e, inclusivamente, com as convenções definidas no seio da CAEM, omite, no entanto, qualquer referência à eventualidade de os procedimentos adotados poderem pôr em causa a fiabilidade do sistema de audimetria. A apresentação foi feita na segunda-feira à CAEM, a entidade autorreguladora que agrupa as televisões, as agências de meios e os anunciantes”.

Já para o Diário de Notícias, “A auditoria independente ao novo sistema de medição de audiências arrasa a GfK, a empresa que desde 1 de março é responsável pela operação. A Pricewaterhouse não poupa críticas à empresa de audimetria. O relatório preliminar, a que o DN.pt teve acesso, enumera vários erros da GfK, quer na constituição do painel, quer em falhas técnicas, quer em procedimentos no apuramento dos resultados. Desde a presença de espectadores não portugueses no painel, à segmentação social diferente da contratada inicialmente, passando por longos períodos de emissão sem qualquer espectador, são várias as deficiências apontadas pelos auditores. A auditoria foi encomendada pela Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM), depois da polémica criada em redor dos resultados, desde 1 de março, quando a GfK substituiu a Marktest na medição do consumo televisivo”.

Esperam-se comentários oficiais a este relatório e a posições tão contraditórias nos media a que eu acedi.

[atualizado em 20 de junho de 2012]

“A SIC e a TVI emitiram esta tarde comunicados a defender ser «prematuro tirar conclusões sobre o relatório preliminar» da auditoria da PriceWaterHouse ao novo sistema de medição de audiências televisivas da GfK. Na sequência das notícias contraditórias publicadas ontem e hoje na imprensa portuguesa sobre as conclusões deste documento preliminar, as duas estações privadas anunciam em comunicado que só «farão uma análise detalhada ao relatório final da auditoria para decidir as medidas a tomar» em função dessas conclusões. Contactada pelo Expresso, fonte oficial da RTP também remeteu para as próximas semanas «uma posição oficial sobre o relatório final da auditoria», depois de devidamente analisadas todas as conclusões do documento. Ontem, no entanto, e após o envio do relatório preliminar para os associados da Comissão de Análise de Estudos de Mercado (CAEM) – a entidade de auto-regulação do sector -, a RTP emitiu uma peça nos seus serviços informativos a informar que «a auditoria à medição de audiências televisivas arrasou o sistema da GFK». Em causa estariam, segundo a peça da RTP,  resultados preliminares que demonstrariam «que a amostra foi mal constituída pela GFK» e que «foram identificadas falhas técnicas por parte da empresa» no novo serviço de audiências que substituiu o anterior sistema da Marktest”. Ler mais: Expresso (20.6.2012, às 15:04)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.