Maria Antonieta (Coro Feminino da Emissora Nacional)

Irmã de Maria Eugénia (atriz que fez o papel principal no filme A Menina da Rádio), Maria Antonieta trabalhou profissionalmente como arquivista musical na discoteca da Emissora Nacional/RDP. Pertenceu ao Coro Feminino da Emissora Nacional durante cerca de trinta anos, de 1951 até ao grupo desaparecer. No coro, foi colega de artistas consagradas como Maria de Lurdes Resende (a quem substituiu quando esta se lançou numa carreira a solo, não podendo estar em exclusividade no coro, que a exigia), Maria Fernanda Soares e outras.

Maria Antonieta tinha começado a cantar em programa de José Oliveira Cosme e a sua carreira de cançonetista, como gostava de ser associada, incluia músicas como pasodobles, viras, marchas e fados, participando em programas de rádio em direto. Gravou, sendo a sua música mais conhecida Boa Nova, com direção musical de José Belo Marques. Outro maestro do coro foi Armando Alberto Tavares Belo (1911-1993). Como cantora, percorreu o país todo, incluindo Madeira e Açores, aqui cantando para os militares americanos estacionados numa base aérea após a Segunda Guerra Mundial. Maria Antonieta cantou vezes sem conta em Vila Nova da Barquinha, convidada em anos sucessivos para participar nas festas daquele concelho ribatejano.

Como escrito acima, cantou integrada no Coro Feminino da Emissora Nacional, onde participou regularmente no programa A Hora da Fantasia. Este programa era constituído por diálogos teatrais, onde entraram artistas conhecidos como António Silva e Vasco Santana, a que se seguiam canções alusivas aos textos teatrais. Alguns dos cantores mais conhecidos que entraram no programa A Hora da Fantasia seriam José António, Maria de Lurdes Resende e Natália Viana.

[entrevista feita a Maria Antonieta por Luís Garlito (programa A Minha Amiga Rádio RDP), 9 de julho de 1991 (Arquivo da RTP, AHC 11865)]


One thought on “Maria Antonieta (Coro Feminino da Emissora Nacional)”

  1. Aqui vai o meu contributo:

    Há talvez 53 anos realizou-se no Pavilhão ods Desportos em Lisboa, uma festa de homenagem ao “Maestro maldito José Belo Marques”. ( era assim que o regime lhe chamava!!!!!!)

    No decurso de referida festa de homegagem, a emissora nacional da época, resolveu abandonar o palco, pretendendo retirar todos os seus artistas que colaboravam na referida homegem.

    Pretenderam tambem levantar o equipamento técnico, o que francamente não sei se foi feito.

    Houve uma Artista da emissora nacional, que se recusou a abandonar a festa de homenagem, falo de Maria de Lourdes Resende.

    Tinha 11 anos de idade e assisti a tudo isto.

    Helder Miguel Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.