Malaquias, pincha

Transmitido aos domingos às 13:00 na Ideal Rádio, dos Emissores do Norte Reunidos, durante as décadas de 1940 a 1960, A Voz dos Ridículos criou uma espécie de folhetim humorístico, onde Mena Matos, um dos maiores imitadores da época, criou a expressão pincha, Malaquias, pincha. Podemos atribuir à expressão o valor atual do “desenrasca-te”, tão popularizada nas décadas de cinquenta e sessenta e usada a propósito e a despropósito (equivalente ao mais recente “não havia nexexidade”, de Herman José, na personagem do provedor Diácono Remédios). Assim como o trabalha dedo, não tenhas medo, a expressão “refrão” de um dos intervenientes quando “usava” o telefone para fazer queixas de teor social, para a Câmara, a caixa de previdência, um hospital ou qualquer serviço público que estivesse ao alcance da crítica popular.

Mena Matos era a figura maior e como autores sobressaíam João Manuel, Bê Veludo e Antero Nunes (posteriormente aproveitados pelos Parodiantes de Lisboa). Também havia cantigas, ao jeito de revista, com o maestro José Quelhas ao piano e o locutor Ferreira da Cunha a cantar com letras trabalhadas sobre músicas populares mas com temas de incindência crítica muito diversificada. Todos funcionavam como um grupo de amigos e a receita publicitária era distribuída ao estilo “cooperativa”.

O programa A Voz dos Ridículos foi-se mantendo na Ideal Rádio, passou incólume à compra dos Emissores do Norte Reunidos pela Emissora Nacional e à nacionalização de dezembro de 1975. Só saíu daquela antena, a emitir da rua Alferes Malheiro, no Porto, porque a estação fechou. Na década de 1980, passou para a Rádio Festival mas sem o fulgor de outros tempos.

[a partir de texto, por solicitação minha, de Rui de Melo, antigo locutor e realizador de rádio e atual docente da Universidade Fernando Pessoa (Porto) sobre a expressão pincha, Malaquias, pincha. O meu agradecimento por tudo o que me contou sobre a história das rádios do Porto. Na linguagem popular daquela cidade, pinchar significa saltar].



Citar este post
Rogério Santos (2012, 8 Julho). Malaquias, pincha. INDÚSTRIAS CULTURAIS. Recuperado em 24 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/qbnc

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.