De novo, o nacional-cançonetismo

aqui (8 de março de 2012) me tinha referido ao conceito nacional-cançonetismo. Hoje, o blogue Ié-Ié indica que a expressão surgiu no Diário de Lisboa de 19 de julho de 1969.

Conta Luís Pinheiro de Almeida, no blogue acima identificado, que “O termo surgiu-me [a João Paulo Guerra] como definição de um tipo de cançoneta vazia que o regime assumia como sua por oposição às cantigas de intervenção”, disse-me João Paulo Guerra, quatro décadas depois”. Nessa altura, havia outros estilos musicais fortes na rádio portuguesa, o fado e o folclore, de um lado, e a música rock, do outro lado. À dialética de oposições únicas junto a ideia de campo cultural mais complexo (à Bourdieu).

Basta pensar no que disse Adriano Correia de Oliveira (1942-1982), quando ganhou o prémio Pozal Domingues 1969, prémio de prestígio não pecuniário da Valentim de Carvalho: “Ainda não sei porque chamam ao meu estilo musical Balada e não compreendo porque, para todos os efeitos, a minha música é uma canção ligeira talvez um pouco moldada nas estruturas dos nossos motivos populares, mas sempre uma canção ligeira. [Os poemas] têm de ser qualitativamente bons, depois devem possuir um conteúdo atual e de acordo com as realidades da vida, no presente. Não podem ser aquelas coisas que se ouvem para aí, e não dizem nada; sucede sempre quando chegamos ao fim da audição não nos recordarmos do que estivemos a ouvir” (Plateia, 1 de julho de 1969).

Adriano Correia de Oliveira, depois identificado como cantor de intervenção, tinha editado um disco chamado exatamente Baladas, com música do autor e letras de José Afonso, Reinaldo Ferreira, António Ferreira Guedes, Urbano Tavares Rodrigues e Manuel Alegre, sairia numa edição da Arnaldo Trindade (Diário de Lisboa, 18 de junho de 1969). O prémio a Adriano Correia de Oliveira, entregue pelo guitarrista Carlos Paredes, fora atribuído na secção de música ligeira; daí a sua necessidade de explicar a relação do seu disco, ainda por cima chamado Baladas, com a música ligeira. Mas fica uma subtil e inteligente distinção que Adriano Correia de Oliveira faz à sua música relativamente à de cantores do campo da música ligeira conhecida por nacional-cançonetismo.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.