A viagem no museu Machado de Castro (Coimbra)

“O Museu Nacional Machado de Castro abriu ao público em Outubro de 1913, tendo sido elevado à categoria de Museu Nacional no ano de 1965” (sítio sobre o museu). Para a primeira quinzena de outubro está prevista a abertura ao público das coleções do museu, objeto de requalificação e empliação dos espaços arquitectónicos e museológicos, em projecto da autoria do arquitecto Gonçalo Byrne, como o Criptopórtico romano de Aeminium. Joaquim Machado de Castro (1731-1822) nasceu próximo de Coimbra e foi escultor régio nos reinados de D. José I, D. Maria e D. João VI.

O 4º Festival das Artes, em Coimbra, até ao dia 29 de julho, decorre sob o tema Viagens. Hoje, no museu Machado de Castro, a viagem foi dada pela leitura das imagens de uma colcha indo-portuguesa do século XVII, que pertence à coleção de têxteis do museu. O pano e o seu bordado serviram de elemento físico e pretexto para compreender a viagem, o sincretismo das culturas portuguesa e indiana, a influência religiosa do cristianismo e do budismo, as histórias que uma tapeçaria nos conta como se fosse uma banda desenhada no corpo de linho bordado a fios de seda. Cultura e arte (também visíveis num objeto de uso comum como uma colcha, toalha ou tapeçaria), comércio e poder (trocas económicas e supremacia política e militar), tecnologia (da caravela à nau), religião (a conversão ao cristianismo) e procura intensa de produtos daquelas terras longínquas da Ásia que os portugueses trouxeram para a Europa em concorrência com outras rotas (como a da seda), em termos de especiarias mas também objetos estranhos à nossa cultura.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.