O jornalismo ao longo do século XX

O Jogo da Glória – o Século XX Malvisto pelo Desenho de Humor, tema de exposição e livro organizado pelo Museu da Presidência da República, reflete o século que acabou há pouco mais de uma década.

Do texto inaugural de João Paulo Cotrim, destaco a importância dada a publicações como Sempre Fixe, de Almada, Botelho e muitos outros, Parada da Paródia, de António Gomes de Almeida e Gustavo Fontoura, Gaiola Aberta, de José Vilhena, A Mosca, de João Abel Manta e Manuel Vieira, e Os Ridículos, de Alonso e Stuart. A caricatura, o cartoon, o desenho de humor eram levados ao limite, atravessando muitas publicações e intervenções. De Rafael Bordalo Pinheiro, com o seu Zé Povinho, aos mais recentes Guarda Ricardo, de Sam, Bartoon, de Luís Afonso, Cão e Traste, de Cid, Cravo & Ferradura, de Bandeira. Isto é, cruzando o polícia, o barman, o mendigo, a dona de casa, um qualquer empregado de escritório com o humor sobre as situações do quotidiano, em especial as de matriz política.

Um texto que me atraiu no livro foi o escrito por José Miguel Sardica, intitulado Jornais e Jornalismo. Apostolado Cívico, Voz do Dono ou Quarto Poder Frustrado. O autor equaciona bem a dicotomia liberdade e censura: houve censura no século XVIII, liberdade com a construção do espaço público burguês no tempo do fontismo, liberdade e censura no final da Monarquia e na Primeira República, censura na Ditadura Militar e no Estado Novo, liberdade e censura no PREC, liberdade no Portugal democrático e europeu (p. 295).

O estudo de José Miguel Sardica abarca o período do final da Monarquia até aos nossos dias, da fase industrial da imprensa, apoiada no telégrafo e no telefone, nas correspondências e nos noticiários de agência de informação, à diversificação qualitativa da imprensa na dobragem do século XIX para o XX, ao surgimento de semanários de caricatura e revistas ilustradas, como o Occidente e a Ilustração Portugueza, por distinção da imprensa partidária e comercial, esta com informação comercial e politicamente imparcial, e imprensa no final da I República, com um tom crítico face à demagogia política e à anarquia social. Sardica também analisa a repressão trazida pelo Estado Novo, referindo Gomes da Costa, responsável militar pelo golpe de 28 de maio de 1926: os militares iniciaram a censura aos jornais quando os jornalistas começaram a “incomodar”.

Os inspetores e os funcionários do lápis azul nasciam. Não eram do lápis vermelho, porque esta era a cor do comunismo (p. 300). A censura tornava-se poderosa. O autor escreve que no Estado Novo a censura foi maior que a propaganda, porque a primeira sujeitava todos os jornais, ao passo que a segunda só era seguida pelos títulos da Situação. José Miguel Sardica entende que a censura nem sempre foi igual: mais ativa e forte nos anos de consolidação institucional do regime e dos perigos externos (Guerra Civil de Espanha, II Guerra Mundial), mais branda e rotinizada nos anos de ouro do regime (1945-1958), redesperta com o “terramoto” Humberto Delgado e a partir de 1961 (começo da guerra nas colónias em África, perda de territórios na Índia).

A década de 1960 foi um tempo de profundas transformações (economia, tecnologia, algum rejuvenescimento e feminização da redações). O arranque da televisão tornaria o poder mais interessado nos media (mais Caetano que Salazar). O regime morreria a 25 de abril de 1974, com os jornais em sucessivas edições a ostentarem a tarja que dizia não terem sido visados pela censura, o que acontecia muitas décadas depois. Jean Paul Sartre, ao analisar a imprensa portuguesa do período do PREC (1974-1976), disse que aquela opinava muito mas explicava pouco. A propaganda predominava sobre a informação, o comentário e a análise, como escreveu Mário Mesquita (p. 303).

A Lei da Imprensa de 1975 e a adesão do país à União Europeia em 1986 foram dois elementos estruturantes dos media nacionais, com novas e profundas alterações: declínio dos vespertinos, restyling da imprensa (aparecimento de títulos: Correio da Manhã, um popular paper, e Público, um quality paper), explosão das rádios locais, após a lei de 1987 (de que destaco o projeto TSF), abertura da televisão privada após 1992 (SIC, TVI). Mais para o final do século XX, nascia o webjornalismo.

Leitura: Diogo Gaspar e Rui de Almeida (coord.) (2012). O Jogo da Glória – o Século XX Malvisto pelo Desenho de Humor. Lisboa: Museu da Presidência da República, 409 páginas


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.