Edvard Munch

Edvard Munch (1863-1944) pintou durante quase de cinquenta anos, mostrando uma ligação entusiástica com a litografia, a pintura a óleo, o desenho, a fotografia, em exposição na Tate Modern (Londres) até ao próximo dia 14 de outubro (sigo de perto o texto de Simon Bolitho, no desdobrável que acompanha a exposição).

Munch, que viu familiares muito próximos morrerem de tuberculose, fez parte de um círculo boémio de pintores e escritores que rejeitavam valores tradicionais. Após permanecer em Paris e Berlim, o pintor expressou as suas fantasias e ansiedades nas obras, dominadas mais pelos estados emocionais que pela representação naturalística. Na sua longa carreira, foram múltiplas as imagens que ele fez de si próprio (autoretratos), muitos delas apresentando-o de perfil, quer na tela quer enquanto fotógrafo. Munch fez repetidos retratos junto às suas obras, o que permite escrutinar como eram os locais de colocação desses trabalhos, além de compreender uma sua característica: ele gostava muito das suas obras, as suas crianças, como dizia.

Outro elemento que possibilita entender o trabalho do pintor norueguês foi a permanente revisitação à sua obra, pintando telas com o mesmo tema, algumas delas distanciadas dezenas de anos, permitindo ver e estabelecer comparações estilísticas e de conhecimento do seu estado psicológico, um “trabalho em progresso” como designou o próprio pintor. Foram os casos das obras A Criança Doente (a sua irmã Sofia, falecida com treze anos), Raparigas na Ponte e O Beijo e o Vampiro.

O olhar quanto ao espaço ótico com que Munch preenche a tela torná-lo-ia famoso, caso de O Grito. Mas o modo como desenha o espaço é claro em obras como Os Trabalhadores no Regresso a Casa (1913-1914). O espaço adquire efeitos de perspetiva que alargam o sentido de distância e que podem remeter quer para o impressionismo quer para a impressão japonesa. O cubismo e o futurismo exerceram influência embora ele se tenha mantido bastante fiel à representação naturalista. O motivo de O Quarto Verde seria compulsivo no pintor norueguês, série de trabalhos que mostram um interior claustrofóbico. A imagem evoca um momento dramático de uma mulher.

As novas tecnologias da sua época atrairam-no sobremaneira, caso do cinema. Ele foi um amador do filme. Além de ir frequentemente ao cinema, onde levava o seu cão, entusiasmou-se e fez muitos filmes, após a sua visita a Paris em 1927, onde comprou uma Pathé-Baby. Ele fez imagens do quotidiano (cenas de rua, tráfego automóvel, amigos), muitas vezes com a câmara em movimento, contrariando o que o livro de instruções da máquina indicava: manter a câmara fixa.

Munch dedicou igualmente atenção às artes performativas, sendo responsável pela cenografia de uma peça de Henrik Ibsen Fantasmas, produzida em Berlim, no novo teatro Kammerspiele, onde atores e público partilhavam um espaço íntimo. Foi esse o período em que trabalhou o tema O Quarto Verde, como acima explicito.


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *