O riso

“O que é o riso? O que mostra e o que esconde o riso? E o que diz o riso de quem ri, daquilo que ri, do tempo em que ri e do modo como ri? O que há de comum entre uma cara de palhaço, o sorriso da Gioconda, uma anedota de café, um enredo de comédia, um boneco das Caldas, uma blague de salão, o D. Quixote de la mancha, o Contra-Informação, um urinol a que um artista chamou obra de arte” (do catálogo da exposição RISO – Uma exposição a sério, patente no Museu da Eletricidade, em Lisboa, até 17 de março de 2013).

Lê-se num texto da exposição: “O riso não tem uma fisionomia: qualquer fisionomia é boa para rir. Rir convoca um conjunto impressionante de músculos e nervos faciais, e o rosto é o lugar privilegiado do rir e do sorrir”. Esta é uma exposição onde se juntam, entre muitos outros, Júlio Pomar, Eduardo Batarda, Ângelo de Sousa, Eija-Liisa Ahtila, Raul Solnado, Produções Fictícias, Gato Fedorento, Cristina Sampaio, Helena Vasconcelos.

Tomo de empréstimo uma passagem do livro de Henri Bergson O riso. Ensaio sobre a significação da comicidade (tradução feita no Brasil): “Muitas vezes se disse que os defeitos leves dos nossos semelhantes são os que nos fazem rir. Reconheço que há grande parcela de verdade nessa opinião, mas não posso acreditar que seja totalmente exata. Primeiramente, em matéria de defeitos, é difícil traçar o limite entre o pequeno e o grande: talvez não seja por ser pequeno que um defeito nos faz rir, mas, como por nos fazer rir o achamos pequeno, nada desarma tanto quanto o riso”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.