Livro de Adelino Gomes sobre jornalismo televisivo

Foi hoje ao fim da tarde na FNAC do Chiado que o livro de Adelino Gomes Nos Bastidores dos Telejornais RTP1, SIC e TVI, editado pela Tinta da China, teve lançamento, com apresentação de José Alberto Carvalho, diretor de informação da TVI (ver vídeo abaixo). O texto resulta da tese de doutoramento que Adelino Gomes defendeu no ISCTE, como relatei aqui, em 4 de julho de 2011. O livro tem três partes e 10 capítulos. O primeiro capítulo, teórico, parte do conceito do modelo de propaganda, de Noam Chomsky e Edward S. Herman (Manufacturing Consent) e dos limites da autonomia jornalística, centrando-se em textos de Pierre Bourdieu (conceito de campo jornalístico), Erving Goffman (conceito de metáfora teatral), Stuart Hall, Nelson Traquina, José Luís Garcia e Herbert Gans, entre outros.

Depois, a partir do segundo capítulo, entra no trabalho empírico – a observação direta da construção do noticiário das 20 horas nos três canais de televisão, onde permaneceu uma semana em cada canal (nas conferências de redação e na régie de emissão) e entrevistou e inquiriu diretores, editores e jornalistas seniores sobre os critérios usados na construção dos noticiários: seleção de temas, alinhamento, influência das audiências e do zapping (pp. 321-322), em 2007 e 2008. A observação permitiu-lhe descrever, analisar e refletir sobre a conferência de redação, o alinhamento e o frisson do intervalo (a vigilância que cada canal faz aos canais concorrentes em especial a hora de intervalo, pensando no efeito do zapping). Alinhamento e seleção de factos a transformar em notícia constituiram dois elementos principais da tese agora tornada livro, pois constituiram o essencial dos capítulos seis e sete.

Uma das fontes de observação mais evidenciada no livro foi o jornalista José Alberto Carvalho, então a ocupar o lugar de diretor-adjunto da informação televisiva da RTP, que confiou as suas ideias sobre alinhamento e abertura do noticiário. Sobre este (p. 274), o jornalista tinha os seguintes princípios: menor probabilidade de abrir com futebol, assegurar o princípio do contraditório. Mas, como observou o autor, os noticiários não abrem com internacional e fecham sempre ou quase sempre com faits-divers. E, no lançamento do seu livro, Adelino Gomes pediu para os canais darem mais notícias de cultura e de internacional. Na mesma ocasião, mostrou grande desagrado pelo próximo encerramento do programa Câmara Clara (RTP2).

O trabalho de observação participante permitiu a Adelino Gomes mostrar: 1) ritual diário de consulta das audiências, 2) hierarquização dos conteúdos não pela relevância editorial mas pela ordem mais adaptada à captação de audiências (pp. 323-324). Isto conduz a um tipo de jornalismo tablóide e sensacionalista, com um pano de fundo de maior precariedade do trabalho por parte dos jornalistas.

Chama-se a atenção para uma parcela do capítulo 1 (pp. 107-115), onde o investigador revela dados sociológicos dos jornalistas da RTP, até agora nunca trabalhados, e que nos facultam a sua melhor compreensão: em 1967, em termos de jornalistas, havia 29 homens e 1 mulher; em 1977, 171 homens contra 16 mulheres; em 2007, 124 homens contra 137 mulheres. Em 1967, havia 16 jornalistas com o ensino básico, 13 com o secundário e 1 com o bacharelato ou licenciatura; em 1977, 59 tinham o ensino básico como formação, enquanto que 48 possuiam o secundário e 20 o bacharelato ou licenciatura; em 2007, 7 tinham o ensino básico, 81 o secundário, 169 o bacharelato ou licenciatura, 4 o mestrado (não há dados de doutorados, embora pelo menos José Rodrigues dos Santos tivesse obtido o grau em 2001). Em 1967, havia 17 homens a chefiar serviços de informação e 0 mulheres; em 1977, 50 homes e 11 mulheres; em 2007, 36 homens e 26 mulheres.

Adelino Gomes tem 42 anos de actividade jornalística, tendo passado pelo Rádio Clube Português, Rádio Renascença, RDP, TSF, RTP e Público. Especializou-se nomeadamente na reportagem. Mais perto no tempo, foi provedor do ouvinte na RTP (Rádio e Televisão de Portugal) (2008-2010). Embora obedeça a todos os cânones académicos, o texto agora editado tem um forte cunho jornalístico, o que é uma virtude do trabalho: objetividade, clareza e profundidade, combinando a procura da verdade, a independência e a responsabilidade social, valores do jornalismo (e que o autor expressa na página 325).

Leitura: Adelino Gomes (2012). Nos Bastidores dos Telejornais RTP1, SIC e TVI. Lisboa: Tinta da China. 429p., 15,90 euros

[atualização do texto em 8 de dezembro de 2012, pelas 22:00, com a leitura total da obra]


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.