Estudar a televisão

A televisão é um dos media mais estudados pela academia. O fascínio da imagem, a programação e as possibilidade de endereço público contam-se entre os tópicos escrutinados. Neste quadro, eu englobo duas obras recentes.

O texto de Nilza Mouzinho de Sena, A Televisão por Dentro e por Fora (2011), é um trabalho mais clássico e com um formato adequado a uma tese de doutoramento, o seu objectivo inicial. Por isso, tem uma ambição excessiva visível logo no título: por dentro e por fora, a que se junta a análise do perfil do serviço público e dos canais comerciais portugueses, ao longo de dezasseis anos de programas. A autora parte da premissa da mudança da oferta televisiva, estuda a competitividade entre os canais, observa a tendência mais generalista ao longo dos anos, pergunta como vai ser o universo televisivo com a tecnologia digital. Trabalho que já indiquei aqui, por leitura directa da tese de doutoramento, e que distingue quatro modelos de televisão (regulado, desregulado, serviço público, privado), a autora caracteriza a paisagem mediática portuguesa nas décadas de 1980 e 1990 em três linhas de evolução: 1) privatização dos media, 2) comercialização da propriedade dos media, 3) concentração da propriedade dos media.

Já o trabalho de Felisbela Lopes, Vinte Anos de Televisão Privada em Portugal (2012), é mais aberto e simples. O que quero dizer com estas palavras? Há um texto inaugural curto de tendências e um conjunto vasto e diversificado de entrevistas com os principais actores da televisão em Portugal desde 1992, quando a SIC começou a emitir, tais como Francisco Pinto Balsemão, José Eduardo Moniz, Miguel Paes do Amaral, Nuno Santos, José Alberto Carvalho, Júlia Pinheiro, Alberto Arons de Carvalho. São patrões, jornalistas, animadores de programas, políticos. No texto teórico, a autora aborda a neotelevisão (por oposição ao modelo inicial de paleotelevisão, designações que encontramos em Umberto Eco), a qual caracteriza como tendo géneros estruturantes (talk show, realiy show), um discurso individual que se sobrepôs ao discurso institucional anterior, o que torna a televisão uma espécie de prolongamento das conversas interpessoais (p. 15), centrada no cidadão comum em cuja vida interfere. Além do levantamento do estado de arte da televisão portuguesa, Felisbela Lopes anota cinco tendências que esperam este meio de comunicação: 1) desvalorização da televisão generalista, 2) uma televisão dos espectadores, 3) plateaux (palcos de acção) informativos mais diversificados e explicativos, 4) um novo serviço público de media, capaz de englobar os media digitais e a internet, 5) novas organizações e negócios.

Leituras: Nilza Mouzinho de Sena (2011). A Televisão por Dentro e por Fora. Coimbra: MinervaCoimbra, 185 p., 17 €
Felisbela Lopes (2012). Vinte Anos de Televisão Privada em Portugal. Lisboa: Guerra e Paz, 284 p., 17,99 €


One thought on “Estudar a televisão”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.