Camille Claudel

CCbinoche claudelCamille Claudel (Camille Athanaïse Cécile Cerveaux Prosper, 1864—1943) foi uma escultora com uma história de vida muito infeliz. Começando cedo a trabalhar com  Auguste Rodin, teve uma paixão profunda por ele mas enfrentou a concorrência da primeira namorada do escultor, Rose Beuret, e perdeu. A violenta separação e a morte do pai de Camille precipitaram o seu futuro de doença (esquizofrenia), tendo sido internada num asilo, onde viveu os seus últimos trinta anos de vida.

Agora, Camille Claudel 1915 é um biopic (filme biográfico) escrito e dirigido por Bruno Dumont, de 2013, que não se preocupou com a obra de Claudel nem com a sua paixão com Rodin, mas seguiu os arquivos do asilo de Avignon onde Camille Claudel [imagem à esquerda] esteve, além dos arquivos pessoais da escultora, e mostrou o universo duro da loucura. Juliette Binoche [imagem à direita] tem no filme um desempenho portentoso na interpretação do papel da escultora [na imagem seguinte, a peça mais conhecida de Claudel: Sakountala ou Çacountala  ou L’Abandon ou Vertumne et Pomone (1886-1905)].

sakountalaO filme tem uma estrutura harmoniosa, de planos próximos do rosto da actriz, mostrando uma personagem frágil, doente e assustada, de começo falando por monossílabos, mas apresentando depois um discurso mais seguro sem largar o medo e o incómodo de estar num sítio onde não podia expressar a sua criatividade. Melhor, o filme é de uma grande austeridade, com uma narrativa que se compreende rapidamente mas que leva o espectador a reflectir sobre a condição da vida. A ausência de banda sonora, com silêncios entrecortados pelo cantar e chilrear dos pássaros e pelos gritos dos outros doentes do asilo, realça mais o ambiente fechado para o futuro. Às presenças dos doentes somam-se as figuras das freiras que trabalham no asilo, sombras permanentes que actuam rapidamente quando surgem problemas.

Camille espera impacientemente a visita do irmão Paul, escritor, pensando ser ele sensível ao seu argumento de deixar o asilo. Mas o irmão não a compreende, possuído que está por um forte ideal místico, que o leva a ver o mundo de uma forma especial, onde o sofrimento pessoal é pouca coisa dentro do seu universo. Parece haver uma outra forma de esquizofrenia, que o realizador revela de um modo claro, talvez com duração excessiva.

Registo, em esboço, outras ideias que o filme me despertou: a ideia de limpeza, patente no banho que ocorre logo no início do filme, alguma amizade, se isso se pode dizer, entre uma doente mental e Camille, que esta nem sempre suporta, as tentativas de aprendizagem de artes (piano, teatro) por parte das doentes, a certeza de uma natureza quase perfeita e de uma vida humana menos perfeita, onde se procura estabelecer um equilíbrio através da contemplação dessa mesma natureza (a árvore florida, o vento no cimo do monte).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.