Cuenca

A mulher a descascar alhos no restaurante lembrou-me, de repente, as pinturas de Johannes Vermeer. Os músicos do Sax Ensemble (Francisco Martínez, Francisco Herrero, Pilar Montejano e Miriam Castellanos), em actuação no Teatro-Auditório da cidade, trouxeram à actualidade composições antigas (Georg F. Haendel, Elliott Carter, Jean Françaix, Aldemaro Romero e Tierry Escaich), num presente contínuo como escreve David Hesmondhalgh (Why music matters, 2013: 117). O museu de arte abstracta nas casas colgadas traça uma longa história desde a sua construção, em meados do século XV, à sua recuperação e organização como museu, quando, em 1955, Fernando Zóbel viu uma primeira exposição de pintura contemporânea espanhola e logo traçou o sonho de um espaço para a glorificar, agora com Luis Feito, Manuel Millares, Antonio Saura, Antoni Tapies, Gustavo Torner e outros. Na cozinha, na música e na pintura há uma manualidade exercitada, especializada, algumas dessas artes mais efémeras que outras, umas mais espirituais e outras mais emocionais.

cuenca1cuenca2cuenca3cuenca4cuenca5cuenca6cuenca7cuenca8cuenca9cuenca1cuenca2


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.