Arquivo da categoria: Artes Criativas

Caricaturistas em 1966

Tenho andado à procura do nome de um caricaturista que trabalhou na Flama durante a década de 1950 e começos da década seguinte. Não encontrei pistas até aparecerem estes dois textos na revista em números seguidos (12 de Agosto e 9 de Setembro de 1966), assinados por Aniceto Carmona, um dos “novíssimos” artistas. Nestes aparecem duas gerações de caricaturistas ou desenhadores humoristas, a mais antiga e a mais nova. Todos aparecem nas fotografias de caneta sobre a prancheta assente numa mesa de trabalho, muitos ainda vestindo gravata e atentos ao seu trabalho. Figuras do tempo, personagens inventadas pelos caricaturistas e cenas de acontecimentos são os três tópicos que elenco a partir dos trabalhos expostos. Fico informado de condições de trabalho, remunerações e jornais ou revistas por onde se estende a actividade destes criativos. Por vezes, este trabalho é de tempos livres pois os artistas têm profissões distintas.

Mas continuo sem conhecer o nome do colaborador da publicação, pelo que tenho de investigar mais [subsídio para um melhor conhecimento da revista Flama: http://www.clubedejornalistas.pt/uploads/jj31/jj31_54.pdf].

H1H2H3H4H5

A Journey Through London Subculture: 1980s To Now

ZL_ZMIsto não é uma exposição mas um projecto. Melhor ainda: A Journey Through London Subculture: 1980s To Now é uma experiência ou experimentação, em que o Institute of Contemporary Arts (ICA), de Londres, procura testar a existência de um legado cultural e artístico interligado desde a década de 1980. Para tal, foi criado um ambiente no Old Selfridges Hotel, na Orchard Street, quase junto à Oxford Street, não muito distante do Marble Arch [imagem: Kinky Gerlinky, década de 1980].

don't obey

Fotografias, design, vídeos, objectos reunidos em assemblages, imagens de revistas e vestuário expressam colectivos e artistas de vanguarda e alternativos mas também cenas de clubes nocturnos, restaurantes e espaços industriais. Uma contra-cultura bem vincada, rodeada por memórias da música, de doenças como a SIDA e da comercialização da arte e do consumo conspícuo.

journey1journey2ica

Verbas para apoio da criação artística em 2013

Na edição da última quinta-feira, o jornal Público (Tiago Bartolomeu Costa) fazia um retrato da lista (ainda provisória) de apoios públicos à criação artística para 2013. As verbas atingirão quase 23 milhões de euros para 113 projectos nas áreas de teatro, dança, música, artes plásticas, arquitectura, design e fotografia. O número de projectos divide-se do seguinte modo: teatro (54), música (26), dança (17), conjunto de arquitectura, artes plásticas, artes digitais, design e fotografia (10) e cruzamentos disciplinares (6). O valor é mais reduzido se comparado com o ano de 2012 (menos 7,2 milhões de euros).

Serralves

Hoje, na Festa do Outono na Casa de Serralves, com entrada gratuita entre as 10:00 e as 19:00, vi muitas crianças acompanhadas pelos pais. Dia bonito e muitos visitantes de todas as idades, mas em especial os mais jovens à procura de oficinas, flora e animais da quinta e muito mais coisas, além de uma burroteca.

No museu, duas exposições. À esquerda, as obras da holandesa Marijke van Warmerdam (1959), conjunto intitulado De Perto à Distância (Close by in the Distance), com variados vídeos e filmes de 16 mm. Estes são feitos com câmara fixa, desaceleração, repetição, sem histórias específicas mas momentos. Manifestos e instalações, de que destaco Light (2010), filme que revela diversas posições das lâminas de um estore, alternando luz, sombra e escuridão. À direita, o búlgaro Nedko Solakov (1957), com o título All in Order, with Exceptions, uma retrospetiva da sua obra. Em Solakov, veem-se diversos materiais e formatos: desenhos, pinturas, murais, fotografias, vídeos, reconstituição de instalações, numa permanente provocação de imagens, formas e expressões.

Sobre a criatividade

Quando, há meses, vi a dança de Anne Teresa de Keersmaeker, no CCB, não compreendi. As bailarinas tinham movimentos repetidos, em torno de um círculo imaginário, um passo à frente, outro atrás, abrindo ou fechando o chapéu de chuva, sentadas em cadeiras para a frente ou para trás, num momento ou outro de maior volúpia quando levantavam o vestido. A música anunciada no programa ouvia-se escassamente. Mas, durante grande parte do bailado, imperou o silêncio, que não desobrigou as bailarinas a movimentos síncronos de sentar, levantar, andar, rodopiar, ir para a penumbra, desaparecer para dar lugar a outra peça. Estou a ficar muito conservador, disse para mim.

Agora que leio que ela acabou a temporada em Lisboa, recupero a memória desse longo bailado. Os espaços largos e livres das peças então dançadas afiguram-se-me, agora, de uma grande novidade e ousadia criativa.

Num outro registo, recordo o concerto de música de Sara Zalcíková, no teatro Helena Sá e Costa (Porto). Pianista e compositora, ela apresentou esta semana três peças experimentais e que deram um grande gozo estético a quem assistia. Com Ivo Medek, ela tocou Inside, peça de ambos, cuja base era a experimentalidade sonora das cordas do piano. Mas Seven preludes for a silent piano, do grego Dimitris Andrikopoulos, uma referência a Debussy e uma homenagem a Beethoven, foi mais a perceção antropológica de um ser que desconhece o piano, as suas funções sociais, e o vê como um objeto que desempenha novas funções. Tais como espaço de acolhimento (a zona baixa do instrumento funciona como quarto com candeeiro e onde guarda objetos) e de exploração (o piano fechado é percorrido e caminhado pela pianista; ela coloca cartazes indicando ser zona de perigo, desenrola um novelo e tece uma urdidura). A exploração das teclas retira sonoridades que ecoam e a assustam, sob uma base de música eletrónica gravada previamente. O texto do programa indica haver um cisma entre a realidade da fita magnética e a performance da pianista, como se o piano e os seus sons tivessem um duplo – alguém que encontra sonoridades e funções novas.

Afinal, há sempre outras estéticas a abordar. Com outros pontos de vista, outros usos, outras categorias de afirmação. Às vezes, são-nos mostrados com estranheza. Ou falta de referências anteriores, onde se possam assentar as nossas estruturas de pensamento, o que nos confunde. Isto é a base da arte.

Eduardo Salavisa. A drawer of the daily / Um desenhador do quotidiano (a film by José Alfaro)

Eduardo Salavisa defines himself as a drawer of the daily. Throughout his life as professor, he has deployed the graphic diary as an educational tool for encouraging students to draw. He continues to share that pleasure and runs graphic diary training programs. He has published several books and his drawings are frequently found in Portuguese periodicals. Eduardo Salavisa is online at diário gráfico and diário gráfico. A film by José Alfaro (Bicho-do-Mato), assistent: Bernardo Rodrigues, translation: Kevin Rose.

A política vista através do Carnaval de Torres Vedras

Imagens do Carnaval 2012 de Torres Vedras: numa, Durão Barroso (presidente da Comissão Europeia desde 2004) é o treinador do já cansado Passos Coelho (primeiro ministro), a quem ministra uma pomada e tem a toalha na outra mão, para apoiar um possível desfalecimento deste, enquanto Paulo Portas (líder do segundo partido da coligação e ministro dos Negócios Estrangeiros) parece pairar no ar, quase indiferente; noutra, o Zé Povinho é arremessado como se fosse um martelo (descartado do apoio da União Europeia por um homem hercúleo e de botas cardadas; será um representante da Alemanha? Ou do FMI?). As imagens do Carnaval refletem os nossos atuais medos, numa mistura de ironia, análise política e folia.

Mi Casa Es Tu Casa em Guimarães

Fernando Alvim (na imagem) é o criador de Mi Casa Es Tu Casa, o evento que vai transformar Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura, na cidade onde a música é ambulante e chega diretamente a salas, sótãos e casas de banho. O evento – a realizar no sábado, 28 de Janeiro, das 12:00 às 22:00 – vai virar de cabeça para baixo a definição de concerto: se até hoje os concertos são planeados e pensados para um espaço público para onde os espectadores afluem, neste sábado são os concertos que vão invadir os espaços privados do público. Aldina Duarte, António Zambujo, Luísa Sobral, Mafalda Veiga, Guta Naki, Virgem Suta e Samuel Úria são alguns dos nomes que vão literalmente entrar nas trinta e duas casas do centro histórico de Guimarães que aderiram voluntariosamente à iniciativa. A Fundação Orquestra Estúdio, formação sinfónica composta por 83 músicos, constituída como eixo central de toda a programação de música clássica da Capital Europeia da Cultura, fará parte do cortejo por volta das 12:00. À meia noite, a noite prolonga-se com Fernando Alvim na cabina DJ do Centro de Artes e Espectáculos São Mamede.

LX FACTORY

Em Alcântara, Lisboa, instalou-se em 1846 a Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense, num espaço de 23 mil metros quadrados. Muitos anos depois, a área indústrial albergou a Companhia Industrial Portugal e Colónias, a tipografia Anuário Comercial de Portugal e a Gráfica Mirandela. Desde 2007, é a Lx Factory, com actividades e empresas nas áreas da moda, publicidade, multimedia, arte, arquitectura, música. Ao domingo, realiza-se uma feira de artesanato e novidades (saber mais aqui).

A Arqueolojista

A autora de Arqueolojista é uma “pessoa apaixonada por lojas antigas que se dedica à caça, descoberta e catalogação dos achados do comércio tradicional”. Mami Pereira é jornalista (por exemplo, foi editora da Le Cool), escreve em blogues e é fotógrafa. O seu sítio Arqueolojista, inaugurado hoje, promete histórias deliciosas sobre o comércio tradicional: a primeira é sobre Soares e Rebelo Hortelão, ali à Praça da Figueira, em Lisboa (imagens da autora). O sítio está escrito em português e inglês.

Mami Pereira is a journalist, blogger and photographer, based in Lisbon. After working with several magazines and cultural guides, she devotes herself to this inspiring project: Arqueolojista. For her, this is a science that studies shops and their special characteristics through the unique items, the smiles, the stories of those who work behind the counter and the witty banter of the customers. Her stories are written both in Portuguese and English.

LIVRO DE ISABEL CAPELOA GIL LANÇADO HOJE NO MUDE

O MUDE (Museu do Design e da Moda) foi o espaço para apresentação do livro mais recente de Isabel Capeloa Gil, Literacia visual. Estudos sobre a inquietude das imagens. A apresentação coube a António Pinto Ribeiro, ensaista, curador e professor [na fotografia, da esquerda para a direita, Pedro Bernardo (Edições 70), a autora, Bárbara Coutinho (directora do MUDE) e António Pinto Ribeiro, apresentador do livro].

Na capa do livro lê-se: “A construção visual do social e da cultura constituiu-se como marca do novo paradigma do século XXI. Esta visualidade complexa requer uma nova literacia, que possibilite um entendimento competente dos dispositivos de olhar que permeiam as sociedades, das estratégias de poder que constituem os campos de visibilidade e invisibilidade e a decifração dos poderes oblíquos que se refractam através dos suportes tecnológicos da imagem, da fotografia e cinema aos vídeo jogos e às novas plataformas de interacção virtual”.

O livro tem duas partes, a primeira intitulada Dispositivos do Olhar e a segunda Visualidade e Violência. Na apresentação do seu próprio livro, a autora escreve que o livro “resulta de uma paixão e de uma perplexidade. De uma paixão pelas imagens e pelo seu mistério, e da perplexidade pela infinita incompletude que resulta da compulsão de lhes dar sentido”. Isabel Capeloa Gil, directora da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, convoca autores tão distintos como Edgar Allan Poe, Baudelaire, Walter Benjamin, Ludwig Wittgenstein, Robert Musil, Spike Lee, J. M. Coetzee, Ernst Jünger, Martha Rosler, Barbie Zelizer e Slavoj Žižek.

Recentemente, a autora publicou em coordenação com Manuel Cândido Pimentel o livro Simone de Beauvoir. Olhares Sobre a Mulher e o Feminino (2010) e em coordenação com Adriana Martins o livro A Cultura Portuguesa no Divã (2011). O primeiro resulta de uma conferência promovida pelo CEFi (Centro de Estudos de Filosofia) e pelo CECC (Centro de Estudos de Comunicação e Cultura), em Novembro de 2008, sobre Simone de Beauvoir e que serviu para conhecer o seu pensamento e acção criadora, capaz de propor novos mundos e de combater pelas suas ideias, pela rebeldia de romper com ciclos de história e cultura. No encontro, agora editado em livro, reuniram-se contributos de filosofia, literatura, artes, cinema e media, em que, a partir de perspectivas diferenciadas, se analisou criticamente a obra e acção da autora. O segundo livro, saído de seminário realizado em Junho de 2010, procura abrir um novo caminho ao estudo da psicanálise e da cultura portuguesa, inquirindo a utilidade da abordagem psicanalítica para o estudo da literatura e das humanidades em geral, da filosofia e do cinema. Numa perspectiva transversal, juntou olhares nacionais e internacionais, cujo cruzamento de saberes contribuiu para decifrar os sentidos da cultura portuguesa na modernidade.

O BAIRRO ALTO VISTO PELA ANTROPOLOGIA

Heitor Frúgoli Jr. (Universidade de S. Paulo) deu hoje uma conferência na Livraria Círculo das Letras, em Lisboa, com o tema Bairro Alto de Lisboa. Um olhar antropológico. Frúgoli Jr. tem vindo a pesquisar desde 2007 este bairro: pessoas, moradores, frequentadores, lojas, bares, culturas e perspectivas. A assistência, bastante curiosa, pôs questões e animou muito o debate.

O conferencista é autor de São Paulo: espaços públicos e interação social (1995), Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole (2000) e Sociabilidade urbana (2007), e foi co-organizador da colectânea Shopping centers: espaço, cultura e modernidade nas cidades brasileiras, com Silvana M. Pintaudi (1992), e organizador do livro As cidades e seus agentes: práticas e representações, em conjunto com Luciana Teixeira de Andrade e Fernanda Arêas Peixoto (2006). Eu conhecia-o através de um capítulo que escreveu no livro organizado por Carlos Fortuna e Rogerio Proença Leite, Plural de cidade: novos léxicos urbanos (2009).

É exactamente do capítulo do livro citado em último lugar (“A cidade no diálogo entre disciplinas”, p. 57) que retiro algumas das ideias centrais do seu discurso de hoje: modos de vida, estratégias de sobrevivência, formas de sociabilidade, práticas religiosas, representações políticas, tráfico de drogas e redes de parentesco e vizinhança, dimensões do quotidiano e representações simbólicas, actores sociais, divisão social do trabalho e focos de produção simbólica.

ZOMBIE BOY AO LADO DE LADY GAGA

Rick Genest, de 25 anos, oriundo de Montréal, Canadá, tem o corpo todo tatuado, parecendo um morto-vivo. Daí o seu apelido: Zombie Boy. Ele trabalhava na limpeza de fachadas no centro da cidade para pagar as suas tatuagens até ao mês passado, quando a estilista de Lady Gaga, Nicola Formichetti, o indicou para entrar no último clip da cantora, Born this way, tornando-se assim estrela mundial, já visto mais de 13 milhões de vezes no YouTube. Ao mesmo tempo, aparecia em Janeiro último num desfile de Thierry Mugler em Paris, na prestigiada semana de moda masculina. Depois, na semana passada, associou-se à colecção feminina de Mugler.

As tatuagens de Genet, que o tornam uma espécie de homem repugnante, podem ser vistas na sua página do Facebook (informação a partir do texto de Hugo Damas, La Présse Montréal, 5 de Março).

RUI SOUSA E O MUNDO DAS MARIONETAS

A mensagem Marionetas da Feira é aquela que teve maior número de visitantes nos últimos dois anos do blogue. Escrito a 15 de Janeiro de 2009, o texto começa do seguinte modo: “Não conheço directamente as Marionetas da Feira, mas sei que houve um espectáculo no passado dia 9, na Tertúlia Castelense, e que Rui Sousa, o seu director, vai estar no dia 18, pelas 11:30, na FNAC do Mar Shopping (Matosinhos), na construção de uma marioneta de manipulação directa, utilizando fita-cola crepe, papel de jornal e um pano colorido à escolha de cada formando”. Seguia de perto a informação que me haviam endereçado por essa ocasião e que achei pertinente inserir no Indústrias.

Contudo, dois links ali colocados já não funcionam: o do sítio e o do vídeo, áreas de autor que não controlo. Por qualquer razão, o autor dos links desligou-os. Isso ilustra a fragilidade do mundo dos hiperlinks, pela sua interdependência.

Mas Rui Sousa e o seu teatro continuam activos, como se verifica no sítio Rui Sousa – Teatro e Oficinas de Marionetas. Lê-se: “Rui Sousa começou a sua viagem pelo mundo mágico das marionetas em 2000 nas oficinas do Festival Internacional de Marionetas de Ovar. Aí produziu o seu primeiro espectáculo “Brainstorming” tendo estreia nesse mesmo festival. […] Completou o curso superior de artes da ESAD em 1995 e desde então tem traçado um percurso ao encontro da arte. Frequentou várias formações para expandir o seu domínio de técnicas e novos materiais. Para além do trabalho de actor e manipulador, Rui Sousa é também produtor de espectáculos, construtor de marionetas e cenógrafo. Desenvolve também oficinas de construção de marionetas com jornais, outros materiais usados e resíduos”.

Links: www.myspace.com/ruisousa1975, http://www.aolharproboneco.blogspot.com/, https://www.youtube.com/watch?v=Vxmlcwa8qKE&feature=player_embedded.

ARTES VISUAIS E CRIATIVIDADE PEDAGÓGICA

Curso na Faculdade de Filosofia (Universidade Católica, Braga), composto por cinco seminários orientados por académicos nacionais e estrangeiros: Adolfo Lópes Quintás (Univ. Complutense, Madrid), Eileen Adams (Royal College of Arts, Reino Unido), Fátima Lambert (Instituto Politécnico, Porto), Fernando Ilídio (Univ. do Minho, Braga), Marko Rupnik (Fac. Hist. et Bon. Cult – PUG Pont. Athen. Anselm. Pont. Consiglio per la Cultura). Início: 19 de Novembro de 2010.

  • “A arte constitui-se esteticamente como um valor por si mesmo, capaz de transformar o nosso olhar, a nossa percepção da realidade e da vida. Mas, ao mesmo tempo, ela é indutora de novas formas, novos dispositivos, novas estratégias que nos permitem alcançar criativamente outros valores, outros âmbitos, novas finalidades. Docentes, psicólogos, pedagogos, educadores e, de um modo geral, todos os que desenvolvem actividades de comunicação e de intermediação cultural e social reconhecem que, com a arte, a mensagem “passa melhor”. Dentre o universo da arte, as artes visuais adquiriram desde cedo um estatuto estético e cognitivo cimeiro, precisamente porque se descobriu que os sentidos e os dispositivos que elas activam permitem-nos chegar mais longe, alcançar uma realidade mais ampla, conhecer melhor e mais profundamente a realidade envolvente. Não é por acaso que ao longo da nossa tradição cultural sempre se valorizou a dimensão visual” (texto da entidade organizadora). Ler mais aqui.

FUNDRAISING CHALLENGE IN EUROPE

Michael Kaiser, president of the John F. Kennedy Center for the Performing Arts, about The Fundraising Challenge in Europe, has written the following:

  • For the past ten years, my teaching abroad has focused on countries that are experiencing great political change and dramatic modifications in the arts ecology. I have taught in South Africa, Eastern Europe, the Arab World, Pakistan and China, for example. But a recent teaching trip to Lisbon, Portugal has me rethinking my strategy. Lisbon is a beautiful city with a strong arts tradition. One has only to walk down virtually any street to appreciate the beautiful architecture and the appreciation of aesthetics. […] The current economic challenges in the world are forcing the government to reduce, sometimes radically, its support for arts organizations in the nation. This is clearly not a unique situation. Governments throughout Europe are now cutting arts subsidies, either gradually (France) or radically (England). […] I remain convinced that some arts managers will be successful in building private philanthropy in Portugal and elsewhere. Already some are becoming successful. In England, for example, many major institutions can boast of highly sophisticated fundraising operations. It requires great discipline to keep at it, however. It takes courage to argue that a substantial portion of the budget will, one day, be financed by private contributions. And it takes a willingness to promote one’s organization in a way that attracts contributions. This aggressive approach to marketing is counter-cultural (The Huffington Post).

ARTE PÚBLICA

No dia 12 de Outubro, às 18:00, será lançado o livro Arte pública e cidadania: novas leituras da cidade criativa, de vários autores. A apresentação vai caber ao Prof. João Levy e a sessão irá ocorrer no Instituto Superior Técnico – Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura, 2º piso, sala 4.41. Haverá apresentação de imagens de algumas expressões actuais marcantes da Arte Pública.

CURSOS DA ESAD

A ESAD – Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos – vai lançar o terceiro programa de formação aberta ESAD/LAB, para o ano lectivo 2009/10, com 20 novos cursos de curta duração como design social, serigrafia experimental, lighting design, ilustração 3D, banda desenhada digital, ilustração para moda e softwares da área, arte urbana/graffiti e veejaying.
DESIGN DE COMUNICAÇÃO
– Design Social
– Ferramentas de Criatividade – Mapas Mentais
– Apresentações Multimédia e Técnicas de Apresentação
ARTES DIGITAIS E MULTIMÉDIA
– Ilustração e Banda Desenhada Digital
– Intermédia: Processos e Tecnologias
– Ilustração 3D Módulo 1/ Interface e Modelação
– Ilustração 3D Módulo 2/ Texturas e Materiais
– Ilustração 3D Módulo 3/ Iluminação e Rendering
– Lighting Design para Produções Cénicas
– Arte do Veejaying
DESIGN DE PRODUTO
– Introdução ao Design de Transportes / Automóveis
DESIGN DE MODA
– Gestão de Moda
– Kaledo, Software para Moda
– Ilustração de Moda: Homem e Criança
– Ilustração de Moda: Senhora
– Moda/ Modelação de Vestuário
JOALHARIA
– Joalharia: 5 retratos / 5 identidades
ARTES
– Oficina Fotográfica: narrativa e retrato
– Serigrafia Experimental
Práticas de Intervenção Artística
– Caracterização e Maquilhagem para Televisão e Moda
– Maquilhagem para Moda/ Avançado
– Caractecrização para Cinema, Televisão e Teatro/ Avançado
– Arte Urbana: Graffiti
DESIGN de INTERIORES
– Luminotecnia
– 3D Studio Max Intro3D Studio Max Modelação Avançada
– 3D Studio Max Renderização Avançada com V-Ray
– 3D Studio Max – Personagens
– Photoshop para Arquitectura e Design
Mais informações: ESAD

EXPOSIÇÃO – I

Trabalhos de ilustração e animação de Pedro Lino estão patentes na galeria WHO, à rua Luz Soriano, 71, em Lisboa (fachada do edifício em imagem abaixo), como anunciei aqui.

A exposição, prevista para fechar hoje, vai-se prolongar por mais duas semanas, com uma festa de encerramento.

Pedro Lino é licenciado em design de comunicação pela Faculdade de Belas Artes do Porto e tem um master em ilustração pelo Camberwell College of Arts de Londres. Actualmente faz um estágio na Trunk Animation de Londres. Venceu o prémio Jovem Cineasta Português no Cinanima 2004 com o filme A Menina Gorda (que coloquei na mensagem aqui). Está a preparar um novo filme, O Homem da Cabeça em Papelão. Para além de três filmes de animação em exibição na exposição, esta conta com ilustrações relacionadas com os filmes e com a obra que está a produzir.

A MORTE DE PINA BAUSCH


Pina Bausch nasceu em 1940 e morreu agora. Os jornais deram muito destaque a esta bailarina que revolucionou a dança. Várias vezes passou em Lisboa (reproduzo parcialmente a capa da revista “Actual” do Expresso de 4 de Julho último).

Retiro uma frase do texto de Cláudia Galhós no referido número da revista: “Nessas passagens [por Lisboa], ela não dava entrevistas. Era uma mulher silenciosa, de silhueta frágil, consumida por um mundo de emoções”.

ESPAÇOS ALTERNATIVOS CULTURAIS EM LISBOA

O projecto de mestrado de Luísa Fernández Falcon, Espaços Alternativos. O seu Lugar na Cidade de Lisboa, hoje defendido na Universidade Nova de Lisboa, abordou as artes performativas na actualidade. O centro do projecto foi a comparação em oposição de espaços oficiais (Gulbenkian, CCB, Culturgest) e alternativos (Zé dos Bois, A Capital, Casa dos Dias d’Água). O tempo de análise foi o de três décadas (1970 a 2000). Nesse sentido, referenciou os movimentos teatrais pós-1974, como Cornucópia, Comuna, Artistas Unidos. Destacou em 1994 a Galeria Zé dos Bois (ZDB), no Bairro Alto. Mas distinguiu igualmente as periferias da cidade, como a Malaposta (Olival de Baixo), Ginjal (Cacilhas) e Fábrica da Pólvora (Barcarena), além do Teatro da Garagem. Depois surgiriam a Escola de Artes Visuais Maus-Maus e Alkantara.

A definição de alternativo constrói-se num duplo sentido: 1) negativo, a ideia de oposição, 2) positivo, valorizando a atitude independente ou original e realçando o papel dos fanzines (hoje: ezines) como meios de divulgação da cultura alternativa. Destaca os limites entre o alternativo e o institucional: as instituições apoiam os criadores inovadores; a presença dos criadores valoriza o trabalho das instituições. Para a investigadora, os espaços alternativos, se bem sucedidos, podem entrar em ruptura (dissidência) ao tornarem-se “oficiais”.

O texto fala de subculturas (a partir de Dick Hebdige) e o sentimento de pertença a uma comunidade relacionada com o desejo de exclusividade. Mas, refere, se os projectos ou espaços alternativos começam a ganhar visibilidade, aumentam os recursos económicos e arranjam projectos mais ambiciosos. Igualmente, o texto aborda o papel dos responsáveis dos espaços, distinguindo nacionais e estrangeiros.

A autora, agora mestre em Práticas Culturais para Municípios, observa que os espaços alternativos são estruturas de equipas pequenas com um grande capital de entusiasmo, acolhendo uma grande diversidade de iniciativas e eventos (artes plásticas, concertos, cinema, conferências, workshops, festas) voltadas para públicos específicos e artistas participantes [ver pequeno vídeo com a posição da autora].

A investigação de Luísa Fernández foi co-orientada pelos professores António Pinto Ribeiro e António Camões Gouveia. No final das provas públicas, foi aconselhada a publicação do seu trabalho sob a forma de artigo.

APRESENTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS PARA A CULTURA EM LISBOA


Hoje, ao fim da tarde, foi apresentado o trabalho Estratégias para a Cultura em Lisboa, coordenado por Pedro Costa e por uma equipa da Dinâmia/ISCTE, em encomenda da Câmara Municipal de Lisboa.

Do sumário executivo, retiro algumas ideias: “Lisboa tem uma oferta cultural variada e significativa, em termos quantitativos, e que tem crescido substancial e sustentadamente ao longo dos últimos anos, embora haja situações muito diferenciadas nas várias áreas culturais, exprimindo no entanto, e nalguns casos, um dinamismo que aparenta ser mais quantitativo que qualitativo”.

Quatro eixos principais propõe o texto Estratégias para a Cultura em Lisboa (p. 17): 1) promoção das competências cosmopolitas e da vocação internacional da cidade, 2) desenvolvimento das condições facilitadoras da criação e da produção cultural, 3) reforço da vivência da cidade e da sua memória e promoção do conhecimento, 4) revisão do modelo de governança cultural da cidade.

O resultado do trabalho agora tornado público é composto por 30 medidas e 14 projectos, como Pedro Costa salienta no pequeno vídeo em baixo. Das medidas (p. 126), destaco as duas primeiras: reestruturar a orgânica da Direcção Municipal de Cultura e reequacionar a missão e a estruturação orgânica da EGEAC – Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural. Ou seja: o trabalho recomenda que se comece por alterar a orgânica interna da autarquia, a sua governança. Na sequência, outras medidas sugeridas são igualmente importantes: instituição de concurso público para a nomeação de directores artísticos e programadores, definição de um quadro regulamentar de apoio financeiro municipal aos agentes culturais e mobilização dos agentes privados para o desenvolvimento das indústrias criativas na cidade. Dos projectos (p. 127), relevo a ideia de um canal de internet para a cidade (Lx Web TV), de um Centro de Arte Contemporânea de Lisboa, do Estudar Lisboa (programa de fomento à colaboração com instituições de ensino superior e centros de investigação da cidade) e Lisbon Summer of Arts (programa internacional de formação de jovens artistas).

De uma leitura rápida e em diagonal, saliento o que o texto diz sobre públicos da cultura: falta de estudos de públicos (p. 73), reconhecimento dos baixos níveis de rendimento económico dos cidadãos e da falta de hábitos culturais (p. 71), associados a uma baixo capital escolar. Apesar de tudo, o volume Estratégias para a Cultura em Lisboa indica a existência de uma procura significativa de eventos e equipamentos culturais, quer em termos de faixas etárias, públicos variados e poder económico. Depois, a enumeração dos territórios culturais, tais como a baixa pombalina, Chiado e Bairro Alto, Parque Mayer (a recuperar), o eixo da avenida Almirante Reis a partir do Martim Moniz, Santos, Parque das Nações, alguns bairros históricos.

[observação: em 23 de Novembro de 2008, escrevi sobre o tema e entrevistei o coordenador do projecto; ver aqui]

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=vmkFY7C0Z2Y&hl=pt-br&fs=1&]