Arquivo da categoria: Artes Criativas

INTACTA: TEATRO, PERFORMANCE, MÚSICA, DANÇA


Direcção, Texto e Música de Teixeira Moita; Interpretação, Coreografia e Figurinos de Fabíola Fernandes, voz-off de William Gavião e com assistência e produção de Carlos Pinto Vinagre. Work in progress, o espectáculo é “revisto e aumentado”, após apresentação no auditório da Sociedade Portuguesa de Autores (Lisboa), com novas ideias e propostas que foram surgindo. “Junta-se sem misturar, num mesmo espaço cénico, diferentes expressões e linguagens artísticas, tendo como base um corpus dramático fixado em texto” (texto da organização). Dia 1 de Julho, pelas 21:35, nas Galerias de Paris (Rua das Galerias de Paris, Porto).

O ARTISTA COMO TRABALHADOR

No Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-ISCTE), encontra-se disponível para download o texto de Idalina Conde, Artists as Vulnerable Workers. Nele, indica-se que os artistas são trabalhadores vulneráveis quanto a contingências profissionais (subemprego, trabalho intermitente e múltiplo, contratos precários, baixos salários em certas categorias) mas também em termos de identidade dependente exposta a formas específicas de poder simbólico, desigualdade e processos de reconhecimento.

O texto pode ser lido integralmente aqui.

ARTE DE RUA EM STAHL


No século XX, dois movimentos artísticos foram da rua para o museu, a Pop Art (caso de Warhol) e o Fluxus (caso de Marchetti, imagem retirada do sítio do museu Vostell Malpartida), hoje vistas como épocas clássicas da arte moderna. A diferença entre as duas é fundamentalmente de marketing, com a primeira a ter uma audiência mais vasta e a segunda a permanecer relativamente obscura.

O mesmo pode acontecer com a arte de rua, após a comercialização dos “artistas” do graffti – os grafiteiros como gosto de chamar -, segundo a conclusão de Johannes Stahl [imagem em baixo] em livro recentemente editado pela h.f.ullmann e chamado Street Art (2009, p. 145). Claro que os grafiteiros mudam, ao passarem da parede da rua para a tela do museu, com a posição de ilegalidade e espécie de sociedade secreta compensada pela visibilidade artística, o sujo face ao limpo. Stahl chama de arrogante a posição assumida pelos grafiteiros quando se autonomeiam como Alta Arte Popular Urbana ou Arte de Metropolitano ou Arte Pós-Graffiti (p. 151). O spray perde a mensagem política, se a tinha, e adquire o estatuto de bonita imagem.

No meu entendimento, têm de se fazer mais investigações sobre esta matéria. Ao pós-moderno e virtual (a cultura digital) opõem-se as novas corporeidades como os graffiti e as tatuagens (a híbrida cultura analógica e moderna).

Johannes Stahl estudou história de arte, literatura alemã, filosofia e urbanismo nas Universidades de Bona e Marburg (1978-1985). Até 1991, foi crítico de arte. Mais tarde, trabalhou na Bonner Kunstverein e na Escola de Artes Visuais de Leipzig, sendo actualmente pesquisador no College of Art and Design da universidade Burg Giebichenstein (Halle, Alemanha).

TAPEÇARIAS

O Museu da Presidência da República, em colaboração com a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre e o Museu da Tapeçaria de Portalegre-Guy Fino, tem patente até 31 de Julho a exposição Nós na Arte-Tapeçarias de Portalegre e Arte Contemporânea, no Palácio de Belém.


De entre os artistas presentes, destacam-se Vieira da Silva, Almada Negreiros, Júlio Pomar, Júlio Resende, José de Guimarães, Carlos Botelho, Camarinha, Le Corbusier e Cargaleiro e, de entre os mais jovens, Rui Moreira e Rigo.

COLECÇÃO ANTÓNIO CACHOLA


António Cachola esteve em Londres pela primeira vez em 1973, onde visitou todos os museus que pode. Começava aí o seu interesse pela arte e pelo colecção de obras de arte. Licenciado em economia e com uma pós-graduação em finanças públicas, o seu grande hóbi é a arte, e fá-lo na qualidade de um quase profissional. A abertura do Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE) com a colecção dele próprio foi um momento de grande alegria. No catálogo de apresentação do museu e da colecção, escreve o próprio António Cachola: “O objectivo não passa apenas pela descentralização da arte ou da cultura mas pela sua naturalização, por transformar a arte em algo natural e acessível a todos” (ver o vídeo, onde registei uma curta conversa com o coleccionador).

A colecção e o museu possuem arte contemporânea portuguesa criada da década de 1980 em diante. Nela observam-se artistas de plano internacional, de que se contam, entre outros, Rui Sanches, Xana, Joana Vasconcelos, Jorge Molder, Rui Chafes, José Pedro Croft, Fernanda Fragateiro, Pedro Cabrita Reis, Ângela Ferreira, Pedro Calapez, João Pedro Vale, Manuel Botelho, Edgar Martins, Francisco Vidal, Sofia Areal, Ana Vidigal. O director de programação é João Pinharanda.


O MACE abriu em Julho de 2007 num edifício anteriormente hospital da Misericórdia de Elvas, em estilo barroco tardio de meados do século XVIII. A adaptação do edifício para museu teve o contributo do arquitecto Pedro Reis e dos designers Filipe Alarcão e Henrique Cayatte. A colecção tem cerca de 300 obras que se expõem segundo temáticas diferentes.

PINTURA E ARTES VISUAIS

Paulo Variz, de quem escrevi no blogue aqui, é tema de um ensaio no blogue el pintor de la vida moderna, de Carlos Primo. Para o autor do blogue:

  • Este joven artista portugués compagina su empleo diario como macroeconomista con una multitud de actividades creativas que él ejerce con frescura y sin prejuicios de ningún tipo. Diseña moda, pinta, hace collages y construye esculturas e instalaciones. Además, de vez en cuando trabaja como modelo. Lo más interesante de todo es el modo en que integra todas estas facetas bajo un fuerte contenido intelectual que sabe fagocitar y exteriorizar a través de su siempre sorprendente obra.

ESPECTÁCULOS E SOCIOLOGIA DOS PÚBLICOS

A ARTEMREDE – Teatros Associados, associação cultural criada em 2005 e que representa 16 municípios e uma escola, publicou recentemente o seu Plano Estratégico 2008-2015 (agradecimentos a Carlos Filipe Maia, que mo deu a conhecer).


De 2002 a 2006, abriram mais de 130 recintos em todo o país, entre bibliotecas, museus, teatros e centros culturais, alargando a oferta de programação e com melhores condições de acesso à cultura. Isso quer dizer que as autarquias têm dado um relevo especial à agenda da cultura.

Entre 1986 e 2003, houve um crescimento na evolução da despesa dos municípios (613%), mas processa-se uma inversão desde então, reflexo da crise económica. Por seu lado, o investimento do Ministério da Cultura foi mais elevado em 2001 e 2002.

O Plano Estratégico 2008-2015 distingue, no caso específico das artes do espectáculo, o finalizar o projecto de construção de teatros e cineteatros (financiados pelo POC/FEDER). O programa Difusão das Artes do espectáculo esteve em vigor em 2000-2002, complementando as redes de recintos. Há hoje mais espectáculos, festivais e eventos de rua. Contudo, processou-se uma quebra de público. A razão reside na oferta demasiado elevada face aos recursos financeiros e tempo disponível da população.

O texto agora disponível dá uma ênfase especial aos espectáculos promovidos pela ARTEMREDE – Teatros Associados, com 9253 espectadores em 2005 e 16740 em 2007. Quanto a formação, a associação realizou cursos de operador de som e imagem, técnico de palco, serviços educativos, gestão e programação de teatros municipais, marketing cultural e relações públicas, e-comunicação, percursos pela arte e cultura do século XX e outros. O plano mostra igualmente a importância da cultura em rede, com espaços de debate e reuniões. Nos anos de 2005 a 2007, o orçamento de promoção de espectáculos e actividades culturais alcançou cerca de 317 mil euros e as receitas atingiram um total de mais de 70 mil euros, enquanto os hotéis locais registaram ganhos de quase 48 mil euros e as gráficas locais um crescimento de quase 56 mil euros.

Das principais metas de consolidação e crescimento, o plano aponta cinco: novos associados (mais 5 a 10), orçamento de programação (aumento de 5% ao ano), públicos (mais 10% ao ano), criação artística (um mínimo de dois espectáculos novos por ano) e mecenato (correspondente a 5% do orçamento de programação). Desse modo, os eixos de intervenção estratégicos são seis: programação, públicos, formação, qualificação da gestão e funcionamento, sustentabilidade, governação e cultura de rede.

Os associados da ARTEMREDE – Teatros Associados são os municípios de (por ordem alfabética) Abrantes, Alcanena, Alçobaça, Almada, Almeirim, Barreiro, Cartaxo, Entroncamento, Moita, Montijo, Nazaré, Palmela, Santarém, Sintra, Sobral de Monte Agraço e Torres Novas. A meu ver, concelhos importantes como Cascais e Oeiras deveriam pertencer a esta associação.

Ver mais em ARTEMREDE.

ARQUITECTURA DE COIMBRA EM BERLIM

A Escada Mecânica no Castelo de Rivoli, em Itália, de João Mendes Ribeiro, e o aparthotel que o Atelier do Corvo projectou e está a ser construído em Angola são dois dos 21 projectos que compõem a exposição Arquitectura: Portugal fora de Portugal.

A exposição, promovida pela Ordem dos Arquitectos Portugueses, foi inaugurada no dia 4 de Março, na galeria Aedes/ Architekturforum em Berlim, por ocasião da visita de Estado à Alemanha de Aníbal Cavaco Silva. Está patente até 9 de Abril.

PROGRAMA DE CRIAÇÃO ARTÍSTICA DA GULBENKIAN


O Programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística é um livro agora editado pela Fundação Calouste Gulbenkian, a ser lançado no dia 18 de Fevereiro pelas 18:30 no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão. O livro cobre actividades de Janeiro de 2004 a Dezembro de 2008: realização de documentários, encenação de ópera, encenação de teatro, coreografia, realização de cinema, fotografia, argumento para cinema, cinema de animação 3D, artes visuais, artes de performance interdisciplinares e tecnológicas e videoarte.

Dizem os coordenadores do programa António Pinto Ribeiro e Catarina Vaz Pinto sobre os objectivos que levaram a Gulbenkian a avançar com o programa de Criatividade e Criação Artística: ausência generalizada de tradição no país da criação artística de autor, ausência e fragilidade das escolas de formação artística, falta de contexto de internacionalização, dificuldade de integração nos circuitos internacionais com as suas obras e discursos, dificuldade em legitimar a criação portuguesa nos fóruns internacionais, pertinência no ensaio de novos modos de incentivo à criação, produção e circulação de obras de artistas nacionais.

O programa foi possível tendo como orçamento anual a verba de 400 mil euros (que subiu para 450 mil a partir de 2006). As actividades decorreram no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão (Lisboa) e no Ar.Co (Almada, com o curso de artes visuais). Nalguns casos, criaram-se estratégias de follow up e de making of. Em termos de sequência, o INDIELISBOA 2006 criou uma sessão especial com o programa da Gulbenkian, incluindo três documentários e quatro filmes. Houve filmes feitos em colaboração com várias instituições universitárias e escolas profissionais de Portugal e de outros países. Os públicos receptores das formações tinham idades entre 22 e 35 anos (seleccionados de 1550 candidatos). No conjunto dos cursos produziram-se 166 obras.

MARIONETAS DA FEIRA


Não conheço directamente as Marionetas da Feira, mas sei que houve um espectáculo no passado dia 9, na Tertúlia Castelense, e que Rui Sousa, o seu director, vai estar no dia 18, pelas 11:30, na FNAC do Mar Shopping (Matosinhos), na construção de uma marioneta de manipulação directa, utilizando fita-cola crepe, papel de jornal e um pano colorido à escolha de cada formando. Depois, muito mais tarde, a 21 de Junho, estará perto, em Cascais – A Ver Navios (S.A.Marionetas) (ver Marionetas da Feira, de onde tirei as imagens e o vídeo).

Rui Sousa, além do trabalho de actor e manipulador, é produtor de espectáculos, construtor de marionetas e cenógrafo.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=wW28MHECZng&hl=en&fs=1]

ARTES DECORATIVAS


A Escola das Artes (Universidade Católica Portuguesa) vai abrir o I Curso Livre de Artes Decorativas Portuguesas, entre 7 de Fevereiro e 9 de Maio de 2009 (sábados, das 10:00 às 13:00).

Com duas opções de frequência (integral ou modular), o presente curso visa a abordagem de algumas das áreas mais originais das Artes Decorativas Portuguesas: Talha, Azulejaria, Mobiliário e Têxteis.

Local: Palma de Cima, Lisboa.

Email: artes@ea.lisboa.ucp.pt. Mais pormenores:
http://www.ea.lisboa.ucp.pt/.

Diários de Viagem, de Eduardo Salavisa

Diários de Viagem. Desenhos do quotidiano. 35 Autores Contemporâneos é um livro de Eduardo Salavisa, agora editado pela Quimera.

O diário de viagem ou caderno de esboços ou diário gráfico é um caderno de capa grossa, com cantos e lombada de pano e que acompanha os artistas e escritores onde tomam notas, fazem apontamentos e desenham esboços, quando numa viagem ou num momento de reflexão e inspiração.

Eduardo Salavisa recolhe a opinião de um colega de profissão que indica ser o diário de viagem uma espécie de mini-estúdio ambulante que ajuda a criatividade durante o dia inteiro. O autor vê a viagem como um espaço de disponibilidade, com mais tempo e capacidade para observar e registar, sendo que, num caderno, cada desenho está dependente da série ou conjunto em que se integra (p. 16). Animador de um magnífico blogue, o desenhador do quotidiano, Eduardo Salavisa tem também no seu livro um subcapítulo dedicado à blogosfera, a qual obriga, segundo as suas palavras, a que as imagens editadas sejam feitas com mais atenção e frequência (p. 25) [na imagem ao lado, Eduardo Salavisa, ao lado de Cruzeiro Seixas, no lançamento do livro no passado sábado].

Após uma introdução, de ordem mais teórica e com inclusão de elementos sobre cadernos de viagem de autores conhecidos (Edward Hopper, Eugéne Delacroix, Frida Kahlo, Hugo Pratt, Le Corbusier e Pablo Picasso), o livro destaca autores contemporâneos (35), com um pequeno texto e um conjunto de imagens retiradas dos cadernos de cada artista. A terceira parte deste livro ricamente ilustrado é um curso de iniciação ao desenho pelo uso do diário gráfico. Lê-se: “Há uns anos iniciei a experiência de introduzir o Diário Gráfico como instrumento no ensino/aprendizagem nas disciplinas onde o desenho tem uma importância fundamental” (p. 237).

Eduardo Salavisa nasceu em Lisboa em 1950, é professor do ensino secundário e gosta de viagens sem itinerário marcado, de preferência pelo Sul, como América do Sul, Europa do Sul e Cabo Verde (de que aqui se reproduzem duas imagens, a primeira vem na p. 85 e a segunda nas pp. 6-7). Diz ele: “Normalmente ando com canetas de várias espessuras e uso-as conforme a escala do que quero representar. […] As cores, aguarelas, aplico-as depois à noite no hotel, ou onde estiver alojado. Permite-me relembrar o dia, escrever alguma coisa que acho que devia ser lembrada, colar algum bilhete ou outra coisa do género” (p. 80).

[os meus agradecimentos ao editor que forneceu os materiais para a construção da mensagem e permitiu a reprodução das imagens]

CADERNOS DE ARTISTA NA MOSTRA IMPULSO, A INAUGURAR AMANHÃ EM SÃO PAULO


A Mostra Impulso abre amanhã, ao fim da tarde, na Galeria Emma Thomas, em São Paulo, como anunciei aqui há dias. Trata-se de uma colectiva de cadernos de artista organizada por Marcio Renée e com 24 artistas brasileiros. O conjunto dos trabalhos apresentados resulta da selecção entre mais de 100 cadernos analisados pelo curador.

Participam da exposição: Constança Lucas, Fabio Celassis, G4, Gui Mohallem, Laerte Ramos, m.luisa.lobo.editore, Renato de Cara, Thereza Salazar (com colaboração de Eduardo Jorge) [as imagens referem-se a esses autores pela mesma ordem], Wash Dellacqua, Ana Nitzan, Cildo Oliveira, Adriana Afortunatti, Alexandra Ward, Fabio Maia, Fabiola Notari, Fabiola Salles, Lais Sobral, Lucas Simões, Miguel Bandeira, Nicholas Petrus, Patricia Kondo, Sandra Lapage, Sonia Gomes e Sonia Magalhães.

Retiro da informação da organização o seguinte:

  • O “caderno de artista” (pode ou não se tratar de um caderno) recebe esse nome por conta da aproximação semântica da superfície onde os artistas organizam suas referências visuais, suas anotações e projetos das obras. São apenas uma parcela do registro do processo de criação e revelam detalhes muitas vezes ausentes da obra final. Não raro, os artistas constroem os cadernos como um projeto final, uma obra, objeto ou até mesmo uma escultura, daí a escolha do curador em investigar sua pluralidade e plasticidade. Ao idealizar a mostra “Impulso” Marcio Renée não apenas os eleva ao status de obra de arte, antes revela o processo de concepção, o embrião e em muitos casos a própria obra finalizada.

[os meus agradecimentos a Décio Hernandez Di Giorgi, pelo envio do material]

O BARRISTA JOÃO FERREIRA


aqui referi o trabalho do barrista João Ferreira ( joao.g.ferreira@sapo.pt) (5 de Maio deste ano). Conheci-o na festa do Senhor de Matosinhos deste ano. Os seus bonecos despertaram logo a minha atenção.


Por isso, agora, procurei-o em S. Martinho de Oleiros, Barcelos, terra de bonequeiros muito conhecidos, como alguns que refiro abaixo. Ainda não ganhei coragem para gravar um vídeo (ficará para outra ocasião). Mas surpreendi-o no seu local de trabalho, no seu ateliê – maioritariamente uma grande mesa perto da janela, onde se alinham peças já cozidas à espera de serem pintadas. Igualmente vi o seu forno e os bonecos que ele faz há quatro anos.

Não comprei todos os bonecos que queria. Na minha memória, ficou um boneco de maior dimensão que os que comprei – uma peça de belo design e que está também à venda no Museu da Olaria, em Barcelos (um cabeçudo).


Do primeiro contacto com os seus bonecos, surpreendera-me o conjunto de representações. Agora, pude inteirar-me melhor da colecção de figuras. Como escrevi
aqui, há uma tradição cultural mantida pelo barrista, nomeadamente a seguida por Rosa Ramalho, a neta Júlia Ramalho, Rosa Côta, sua vizinha de aldeia. Mas detecto inovações, um traço mais urbano – apesar de figuras populares semi-urbanas e rurais. Os rostos são alongados, os narizes emproados e com dois tipos fundamentais de olhos: salientes, sem saliência num rosto mais liso, por vezes com maçãs do rosto vincadas a cor viva. Os braços são finos, as camisas geralmente arregaçadas e pintadas a cinzento.


Os homens têm fartos bigodes e bocas pequenas. Na cabeça usam bonés, chapéus, bóinas. Engraxam calçado, trabalham em máquinas, tocam música. Mas uma mulher esguia, de saia comprida, toca um violoncelo, acompanhando certamente aquele outro músico.

Detenho-me na mulher com a criança ao colo. Orelhas grandes, para implantar as arrecadas (brincos) de ouro. A saia de grandes quadros é protegida por um avental que aperta atrás, como se vê se rodarmos o boneco. O cântaro na cabeça quer estabelecer o equilíbrio com a criança que traz ao colo, mais solidificada com os sapatos visíveis. A representação destes é um erro de representação, mas necessário para esse equilíbrio da figura central.

Apesar de transportar a criança, a mulher parece velha, desdentada, pois tem um queixo proeminente. Talvez seja uma imagem que o barrista conserva, pois terá visto vezes sem conta cenas deste tipo a partir da rua onde mora.

FRESH CIRCUS


Fresh Circus é um seminário europeu para o desenvolvimento do circo contemporâneo, a decorrer em 25 e 26 de Setembro em Parc de la Vilette (Paris).

São dois dias de ateliês e comunicações temáticas com o objectivo de formular recomendações endereçadas às instituições regionais, nacionais e comunitárias para uma melhor compreensão das especificidades da criação circense contemporânea.


Há representantes portugueses ou de instituições portuguesas que intervirão. São eles Giacomo Scalisi (Centro Cultural de Belém) e Tiago Bartolomeu Costa (chefe de redacção da revista Obscena).

Para saber mais, ver em Circostrada.

CONSTANÇA LUCAS EXPÕE NA GRAPHIAS – CASA DA GRAVURA (S. PAULO, BRASIL)


É a partir do dia 2 e até dia 28 de Agosto que Constança Lucas e Renata Gonçalves expõem desenhos, pinturas, gravuras e livros de artista na Graphias – Casa da Gravura, à rua Joaquim Távora, 1605, em S. Paulo (perto da estação do metro Ana Rosa).


Agradeço o convite para estar presente e a litografia que aqui reproduzo, mas o Brasil fica longe, do outro lado do Atlântico (imagem da artista feita por Renata Gonçalves que eu tirei do blogue Imagem e Palavra).

Retiro a seguinte informação deste blogue: “Os trabalhos apresentados são habitados por cães, figuras recorrentes pesquisadas em diferentes meios, fazendo uso de diversos procedimentos artísticos”. Há uma conversa com as artistas no dia 23 de Agosto, pelas 15:00.