Arquivo da categoria: Artes Criativas

ENSAIO SOBRE TIPOGRAFIA

Quando vi o pequeno livro (12,5×18,7) de Eric Gill (1882-1940), Ensaio sobre tipografia, já não o deixei ficar tranquilo na estante da livraria. E pensei logo em cotejá-lo com o escrito por Susana Durão, Oficinas e tipógrafos. Cultura e quotidianos de trabalho [embora este não caiba na presente mensagem].

tipografia2.jpgtipografia1.jpg

No começo da nota prévia ao livro de Gill, escrito por João Bicker, lê-se: “A selecção dos textos para esta colecção tem resultado sempre de motivações emocionais. Editamos livros que amamos, autores que admiramos, textos que de alguma forma nos inspiram e influenciam. Assim aconteceu com o texto de Eric Gill”. Mais à frente, Bicker anota, a propósito da necessidade de adaptar a edição original ao formato da portuguesa: “pareceu-nos desde logo claro que o uso do Joanna, um dos mais bonitos e menos usados tipos de Gill, era inquestionável. Já o desenho da página teria que ser alterado. […] a página mantém, contudo, algumas das suas características mais relevantes: tipo, corpo e entrelinhamento, relação com as margens, inserção e legendagem das imagens, cabeças e numeração das páginas”. A aproximação ao original justificaria o uso frequente do “&” e do “sinal.JPG“.

Nascido em Brighton (Inglaterra), desde cedo demonstrou uma inclinação para o desenho, vindo a frequentar a Central School of Arts & Crafts de Londres e, mais tarde, o Westminster Technical Institute, onde estudou gravura e lettering. Escreveu muito sobre arte, religião, política e vestuário, indica Luís Ferreira na introdução. Criou tipos (11, embora apenas um tenha o seu nome: Gill Sans) e foi designer tipográfico. O seu tipo Joanna, nome de uma das filhas, seria o usado no livro Ensaio sobre tipografia [imagem retirada do sítio Eric Gill Prints].

Escreve Eric Gill: “temos uma tradição de escrita à mão que parece dar pouca, ou nenhuma, atenção à letra impressa ou pintada […]. A caligrafia de juízes, advogados, eclesiásticos e outros, continuaram no seu calmo percurso, sem qualquer sinal aparente de serem influenciados por aquilo que pudesse ser a moda do seu tempo” (p. 84). Logo depois, Gill estabelece uma comparação entre a escrita à mão e a impressão de placa de cobre. A moderna escrita à mão pode “sê-lo através da aplicação de um bom conhecimento da técnica de caligrafia a um conhecimento de boa impressão, & não pelo ressuscitar da caligrafia medieval” (p. 83).

O autor releva a importância das letras romanas, que “se fixaram num tipo definitivo cerca do primeiro século d.c. Embora, ao longo dos séculos, tenham sido feitas inúmeras variações de pormenor, as letras romanas, no essencial, não se alteraram. Quatrocentos anos depois do talhe da inscrição de Trajano, fizeram-se as inscrições na placa da capela de Henrique VII, e nenhum romano iria encontrar qualquer dificuldade em ler as letras” (p. 50) [na imagem seguinte, retirada do sítio Identifont, vêem-se as letras do tipo Joanna, desenhadas por Gill].

O conflito entre métodos antigos de escrita e o industrialismo, ainda salientados por Gill, chegou ao fim. Escreve ainda o mesmo autor (2003: 157-158): “”No estado actual das coisas, a caligrafia foi estragada, porque toda a gente é obrigada a garatujar. Só se usa a caligrafia, hoje, na comunicação pessoal entre amigos, e, apesar de todas as melhorias & baixas nos preços das máquinas de escrever, as pessoas terão sempre necessidade de comunicar pela escrita à mão”. Mas, o uso do computador relega cada vez mais a escrita manual para o dedilhar das teclas. Perde-se individualidade e identidade própria e ganha-se em uniformidade. As letras escritas à mão degradam-se, como as parcelas de texto escritas por mim com um intervalo de 17 anos (1988-2005). Claro que fica o lettering dos livros, da publicidade e também da internet e dos blogues.

escrita4.jpgescrita5.jpg

Leitura: Eric Gill (2003). Ensaio sobre tipografia. Coimbra: Almedina. 163 páginas, €13,50.

A MAIS NOVA EDIÇÃO DA NEWSLETTER DA RUA DE BAIXO

Tenho acompanhado com muito carinho a edição digital da newsletter da Rua de Baixo. Na mais recente, os seus responsáveis dão conta do final de uma história: “Finalmente vamos descobrir o final desta net-novela que nos acompanhou durante um ano. Devido ao grande número de novos utilizadores e amigos que nos acompanham na rua de baixo, gostaríamos de relembrar o conceito desta net-novela. No inicio do ano passado, propusemos um desafio ao nosso colaborador e amigo, Paulo Kellerman. A ideia era simples: criar uma história que tivesse como pano de fundo a rua de baixo e um grupo de amigos. Todos os meses, seria editado um capítulo, sem uma sequência pré-definida, directamente ligado a uma personagem e um ano. Durante todo o ano passado fomos conhecendo os problemas e vivências deste grupo de amigos. Agora chegamos finalmente ao climax. Vão surpreender-se”.

modalisboa.JPGA newsletter também destaca, entre outras actividades, a ModaLisboa 24. Lê-se na newsletter: “A LisboaFashionWeek está de volta sob o tema Fast-Forward para ditar as tendências das estações Outono/Inverno 05/06 em Portugal. Entre 17 e 20 de Março, o armazém Terlis vai voltar a ser o cenário de todo o fascínio e curiosidade que as passerelles criam à sua volta. Desta vez, esperamos, sem incidentes políticos”. Contam-se com os estilistas portugueses Alexandra Moura, Alves & Gonçalves, Ana Salazar, Anabela Baldaque, Dino Alves, José António Tenente, Katty Xiomara, Lidija Lolovrat, Luís Buchinho, Maria Gambina, Miguel Vieira, Nuno Baltazar, Osvaldo Martins, e Pedro Mourão.

ISTO NÃO É UM CATÁLOGO

Na realidade, são apenas quatro folhas de informação (capa, informações sobre Olga Roriz e a sua companhia, um texto dela sobre a peça e a ficha artística e técnica)roriz.JPG

Para mim, também o bailado Confidencial não é um bailado, excepto na última cenografia. O resto é um cruzamento de artes (indústrias culturais e artes artesanais – ou artes simplesmente). Com recurso a memórias do cinema de animação (o homem borracha), ao music-hall (directa ou indirectamente a Elis Regina, Marlene Dietrich, Astor Piazzolla), à música tradicional (russa), ao circo, à mímica, à performance. E ao teatro, em especial.

Já estou de acordo quando Olga Roriz escreve “não procuro nas palavras mas nas acções, na violência da música, na obsessão de um cenário repetitivo”. E entusiasmei-me com a sua inventividade – das cadeiras de bar ou café, aos baldes com flores, às penas de ave (ou era uma matéria sintética?) na parte final do espectáculo e aos jogos coreográficos desenvolvidos pelos cinco bailarinos, a parte mais empolgante de todo o trabalho.

Mas continuei sem ver bailado. Apenas transgressão, como o paraíso ao negro [no título, procurei a referência de Magritte, aqui a obra de Yourcenar], com um casal fazendo amor e um homem defecando. E memórias, que a pequena Sara Cal nos lembrava, tirando continuadamente as suas fotografias Photomaton, num piscar de olhos para que não esquecessemos que estávamos a assistir a uma obra de arte. É isso, a peça de Roriz é arte pela arte, é um olhar estético cheio de volúpia. Sem o poder telúrico do seu Pedro e Inês, de Julho do ano passado, onde os elementos terra e água são fundamentais na coreografia, ela própria uma contaminação de outras artes e em que as tecnologias de informação assumem um peso imprescindível.

SPAM – OU DA CARNE DE PORCO EM LATA PARA O LIXO NA INTERNET

Spam, contracção das palavras Spiced Harm, é uma carne de porco em lata produzida pela Hormel Foods Corporation. Empresa fundada em Austin, no estado de Minnesota, por George A. Hormel, em 1891, as latas são produzidas desde 1937. A carne de porco da Spam foi um dos poucos tipos de alimentação excluidos do racionamento alimentar inglês, durante e alguns anos após a II Grande Guerra, e também alimentou o Exército Vermelho, da União Soviética, no mesmo conflito. Na Coreia do Sul, a carne Spam é considerada um acepipe. 

A fábrica da Spam produz 435 latas por minuto, 228 das quais para o mercado norte-americano. Como curiosidades, refira-se que a Spam tem um clube de fãs, que elegem o Jovem do Ano, competição que envolve 16 feiras regionais em vários estados americanos, e um museu, que expõe 4752 latas.

Mas SPAM também é o termo usado para referir a existência de mensagens de correio não desejadas que surgem diariamente na nossa caixa electrónica. Uma empresa que se oferece para limpar o spam dos computadores apresenta assim a sua publicidade: “SPAM…not just Spiced Ham, anymore. The problem of receiving a vast amount of SPAM email is increasing for everybody”. Um pormenor interessante é que a Hormel não agiu judicialmente para evitar a associação da marca ao lixo electrónico.

Mais recentemente, está a surgir um movimento artístico que usa o spam como elemento criativo. É o caso da poesia, como escreve Toni Blanco, do jornal La Vanguardia, de 4 de Agosto último. A justaposição de frases provenientes de diversas mensagens de correio produzem resultados aparentados aos da técnica de cut-up de William Burroughs, sem querermos ir mais atrás a Tristan Tzara e aos surrealistas. Além disso, o spam aproxima-se da linguagem de marketing, com a repetição de estruturas curtas e que facilitam a anáfora ou o paráfrase.

Um dos sítios de poesia spam é o de Kristin Thomas, enquanto o sítio SpamRadio.com é um servidor que transforma em áudio o spam recebido por correio e o emite, como se fosse uma emissora de rádio non-sense, difundindo no formato streaming mp3. Por seu turno, a Spam Avenger reproduz conversas telefónicas e mistura frases em bases musicais.

HERRUMBRE [BARBÁRIE]

Como se pode associar o bailado às indústrias culturais? Pelos elementos de reprodutibilidade técnicas, como Walter Benjamin explicou, e pela cadeia de valor defendida pelos economistas da cultura e das indústrias culturais, caso de David Hesmondhalgh. É pela via dos catálogos que permanecem duradouros e das críticas de arte publicadas nos media que entro no espectáculo levado à cena entre 2 e 7 de Agosto no Gran Teatre del Liceu (Barcelona), pela Compañía Nacional de Danza (de Espanha), dirigida artisticamente por Nacho Duato. Como base, sirvo-me do catálogo e das críticas publicadas nos jornais El Pais (Madrid) e La Vanguardia (Barcelona), editadas em 4 de Agosto sobre a estreia ocorrida na segunda-feira dia 2.

O que diz o catálogo?

Cnd.JPGA violência chega-nos a casa através do uso quotidiano da televisão. Uma imagem dos prisioneiros afegãos na prisão de Guantanamo serviu de leitmotiv para a coreografia de Nacho Duato, estreada em absoluto no dia 2 de Agosto. Por isso, o horror – lê-se no catálogo, em texto assinado por Carmen del Val – faz parte da nossa vida diária. O bailarino e, desde 1990, responsável pela companhia espanhola de dança consideraria que, “cansado de ver imagens na televisão e na imprensa de todo o tipo de violência e tortura”, decidiu passar para o bailado essas cenas de horror.

E fez Herrumbre, uma violentíssima peça de 65 minutos, como será raro assistir. Para além das tragédias do Afeganistão e do Iraque, em Duato estão presentes, a montante, os crimes do 11 de Setembro de 2001 nos Estados Unidos e, a juzante, do 11 de Março de 2004 em Madrid. O cenário, centrado numa jaula, em que decorrem constantes actos de tortura e violação, é servido por uma mistura de música para violoncelo electrónico (David Darling, Dark Wood) e uma partitura constituída por ruídos de metal, que recriam ambientes de prisão e de golpes (Sergio Caballero).

O que dizem os jornais?

No El Pais, a crítica é Carmen del Val, a mesma que encontramos no catálogo. Com o título “Belo e surpreendente”, a jornalista escreve que o bailarino e coreógrafo procura despertar as consciências face à indiferença que provoca o horror da tortura. Criar uma coreografia que pode chegar a ser formosa sobre um tema tão escabroso como a tortura não era tarefa fácil, e Duato tê-lo-á conseguido. Mais à frente, Carmen del Val escreve: “No final, a tensão converte-se em calor, o que emanou da ovação de um público excitado posto de pé”. Para Joaquim Noguero, de La Vanguardia [a imagem abaixo reproduz parcialmente a página deste jornal], a peça de Duato fala-nos “sem ambiguidades da tortura, da dignidade e da indignidade humanas, da memória como homenagem aos mártires dessa ignomínia, recordados numa bela cena final em que o cenário se enche de velas”. Mas, ao contrário da jornalista do El Pais, Noguero escreve sobre parte do público que assobiou a peça, embora a maioria aumentasse “nos aplausos e nos bravos para sufocar essa tendência de protesto”.

cnd1.JPGApesar da beleza do “grupo de mulheres com os seus braços suplicantes asfixiados pela opressão” e do contraste dos torturadores, “agressivo e com olhar desafiante sem um resquício para a piedade”, como escreveu Carmen del Val, a verdade é que uma fatia pequena do público não apreciou a peça. Para isso contribuiu o cenário do iraquiano Jaffar Chalabi, que idealizou uma grande estrutura metálica amovível, parecendo-se com a fachada de uma prisão ou a porta de uma jaula. Por vezes, a posição da estrutura e a dança dos bailarinos, apoiada em iluminação convincente, deixava os espectadores tão aterrados como se vivessem fielmente a situação. Mas, sabe-se, há, em qualquer situação, fantasmas; nem toda a gente acha que a guerra do Iraque ou a prisão em Guantanamo merecem críticas de maior, porque o ponto de partida foi a injustiça. E o bailado é uma arte da beleza e da harmonia, para além da crueldade humana. As duas críticas jornalísticas desiguais face a um mesmo espectáculo dão conta das múltiplas leituras que fazemos do mundo. Logo: falar em objectividade no jornalismo levanta obstáculos.