Arquivo da Categoria: Audiências

AUDIÊNCIAS

Ontem, a Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM) juntou canais de televisão, anunciantes e agências de meios. Aí deveria ser anunciado o nome do vencedor do concurso para medir as audiências televisivas nos próximos cinco anos. Das candidatas (TNS, Nielsen, Euroexpansão, GfK e Marktest), as duas últimas pareciam as que reuniam mais consensos mas não o suficiente para atribuir unanimidade. Segundo os jornais, a decisão de eleger a próxima entidade responsável pela medição de audiências em tempo de televisão digital Portugal fica adiada e sem uma data limite para uma posição. Assim, mantém-se a Marktest como empresa que fornece informação sobre as audiências televisivas.

CIBAR10

CIBAR’s 2010 conference will be held in Amsterdam, The Netherlands, at the invitation of Radio Netherlands Worldwide (RNW). Dates are 15th-17th November 2010. Countries and regions of the greatest interest to broadcasters these days are often those where research is most difficult to do. Can we get better research by pooling resources, funding and people? Are there places where the odds will always be against us? How should research design deal with fragmenting audiences available on multiple platforms? Should researchers seek to manage client expectations more forcefully, or just continue to do the best we can? Read more.

CIBAR10

CIBAR’s 2010 conference will be held in Amsterdam, The Netherlands, at the invitation of Radio Netherlands Worldwide (RNW). Dates are 15th-17th November 2010. Countries and regions of the greatest interest to broadcasters these days are often those where research is most difficult to do. Can we get better research by pooling resources, funding and people? Are there places where the odds will always be against us? How should research design deal with fragmenting audiences available on multiple platforms? Should researchers seek to manage client expectations more forcefully, or just continue to do the best we can? Read more.

AUDIÊNCIAS

A CAEM convidou as empresas Marktest, Kantar Media/TNS, GFK, AGB Nielsen e Euroexpansão para o concurso do novo sistema de audimetria, enviando cartas com informação sobre o caderno de encargos (especificações técnicas e projecto de contrato). Espera-se que as empresas indiquem o seu interesse ainda esta semana. No fim de Outubro, a CAEM deverá receber as propostas, com o objectivo de ter o fornecedor e o novo sistema de audimetria até Dezembro. O contrato, com práticas internacionais, tem a duração de cinco anos [Meios & Publicidade de hoje].

MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS

A CAEM arranca hoje com o concurso para o novo sistema de medição de audiências de televisão, com a entrada da televisão digital terrestre. Segundo a newsletter da Meios & Publicidade, são quatro empresas a concorrer: Marktest, Kantar Media/TNS, GFK e AGB Nielsen. O actual sistema de audimetria está em vigor desde 1998 e é da responsabilidade da Marktest. Este é o quarto concurso de medição de audiências de televisão em Portugal. O primeiro fornecedor foi a Ecotel, o segundo a AGB e o terceiro a Marktest.

NOVO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS

  • “AGB Nielsen, Kantal Media/TNS, GFK e Marktest são as empresas abordadas pela CAEM no âmbito do processo do novo sistema de medição de audiências de televisão, adiantou ao M&P Fernando Cruz, director-executivo da entidade que reúne representantes dos media, anunciantes e agências de meios. As empresas de estudos de mercado foram abordadas pelo organismo para averiguar do seu interesse em participar num eventual concurso público que a Comissão de Análise de Estudos de Mercado venha a avançar para o novo sistema de audimetria. A decisão sobre a forma como a CAEM irá abordar o mercado (concurso público, consulta ou ajuste directo), explica Fernando Cruz, levará em linha de conta o feedback das empresas contactadas, sendo a decisão tomada na próxima reunião da CAEM prevista para 7 de Setembro” [in Meios & Publicidade de hoje].

AUDIÊNCIAS DE RÁDIO

A audiência acumulada de véspera da rádio é de 57,1%, considerando o universo dos residentes no Continente com 15 e mais anos para primeiro semestre de 2010, segundo os dados da Marktest. Para o estudo agora divulgado, são os residentes na Grande Lisboa os que têm maior consumo deste meio (61,6%).

Os dados relativamente às regiões mostram outros elementos interessantes (imagem retirada da informação da Marktest). Assim, a Grande Lisboa, o Litoral Centro e o Sul possuem uma afinidade positiva com as rádios do Grupo Media Capital, com um consumo superior à média. O Sul e a Grande Lisboa apresentam uma afinidade positiva com as rádios do Grupo RDP. A maioria das regiões apresenta uma afinidade positiva com as rádios do Grupo Renascença, exceptuando apenas o Interior Norte e o Sul. Já a TSF regista maior afinidade nas regiões da Grande Lisboa, Grande Porto e Interior Norte.

O CONSUMO DE TELEVISÃO PELOS JOVENS

Dados da Marktest Audimetria e da MediaMonitor, ao longo da última década, mostram estabilidade nas audiências de televisão do grupo etário 15-24 anos. Tomando como referência os anos limites da análise, a audiência total de televisão (Reach) passou de 71,0% em 2000 para 72,6% em 2009 e a audiência média de televisão (Rat) dos jovens dos 15 aos 24 anos de 11,0% em 2000 para 10,8% em 2009 (Marktest). O pico da televisão para este grupo era, em 2009, entre as 21:30 e as 22:00, quando atingia 26,5% de audiência média (26,6% entre as 21:45 e as 22:00).

Isto põe de lado a transferência de consumos da televisão para a internet nos mais jovens, como se lê em alguns sítios, o que torna mais complexa a leitura dos consumos dos media em Portugal.

AINDA AS AUDIÊNCIAS DE TELEVISÃO

Esta semana, fiz referência aqui a um problema de medição de audiências da televisão. A revista das sextas-feiras do Diário de Notícias, “Notícias TV”, traz alguns esclarecimentos e explicações, texto que sigo muito de perto nesta mensagem. Tudo começara com a transmissão de um jogo de futebol pela TVI, ausente dos programas mais vistos no dia. A correcção pela empresa de audimetria colocou o jogo como o segundo programa mais visto do dia, não impedindo a auditoria que a CAEM (Comissão de Análise de Estudos de Meios) irá efectuar.

As medições de audimetria baseiam-se nos dados recolhidos em mil lares (cerca de três mil pessoas), amostra a que depois se aplica o universo do país (9459000 indivíduos). Os lares são escolhidos e contactados pela empresa de audimetria, a Marktest, obrigados a sigilo e a responder a inquéritos regulares feitos pela Marktest e pela CAEM, de modo a saber se os programas vistos correspondem ao que os dados estatísticos indicam. Cada lar permanece até um máximo de quatro anos no painel.

Uma das dificuldades presentes é a ausência de medição fora de lares. Isso é mais patente quando se trata de mega-eventos transmitidos pela televisão, como os jogos de futebol, vistos por muita gente fora do lar, caso de restaurantes ou ecrãs gigantes colocados em praças e espaços públicos. A próxima chegada da televisão digital terrestre vai obrigar a uma remodelação total dos audímetros em 2012, que passarão a registar o som emitido pelo televisor e comparar automaticamente com todas as emissões no ar, o sistema audiomatching, a ser utilizado no Reino Unido, por exemplo. Tal significa uma maior exactidão na recolha de dados, o que traduz um investimento inicial elevado: cada audímetro (aparelho, instalação, ligação, manutenção) está estimado entre um a dois mil euros (se um lar tiver três televisores, o investimento multiplica-se por este número), embora o valor não seja o mais rigoroso (o texto que sigo aqui indica um valor de três mil euros por audímetro e ano).

No blogue, continuaremos a acompanhar o tema com muita atenção.

MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS DA MARKTEST

“A TVI exigiu que seja feita uma auditoria urgente ao sistema de medição de audiências da televisão utilizado pela Marktest alegando existirem falhas e falta de qualidade do serviço, anunciou a administração da estação em comunicado. A declaração surge na sequência de um erro nas audiências relativas a sábado e publicadas pela Marktest que, segundo a TVI, constituiu “o culminar de um processo de descrédito total do actual sistema de mediação de audiências de televisão em Portugal”” (Meios & Publicidade de ontem).

AUDIÊNCIAS DE RÁDIO (3º E 4º TRIMESTRE DE 2008)

Os dados da Marktest referentes aos 3º e 4º trimestres de 2008 permitem ver algumas variações interessantes. Assim, no grupo Renascença, a RFM baixou e a Renascença e a Mega FM subiram, enquanto aparecem já valores referentes à Rádio Sim. No grupo Media Capital, a Rádio Comercial e a M80 subiram mas as restantes estações do grupo mantiveram ou desceram em termos de share de audiência. A TSF subiu. No grupo RDP, houve movimento positivo nas Antenas 1 e 3 e manutenção na rádio de música clássica. As outras rádios somaram 18,9% no 3º trimestre e 17,2% no quarto trimestre, e respostas não sabe/não responde baixaram de 2,1% para 1,8% nos períodos acima identificados, o que significa uma mais fina compreensão dos inquiridos e maior precisão das respostas.

MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS


Em 30 de Abril de 2004, publiquei aqui um texto sobre medição de audiências. Um leitor atento enviou-me, hoje, algumas rectificações, que coloquei na referida mensagem e replico aqui, agradecendo a amabilidade desse leitor:

1. O primeiro estudo de audiência de imprensa foi realizado e publicado, em 1952, pelo Dr. Salviano Cruz, na Revista de Pesquisas Económicas e Sociais (vol.II, Setembro-Dezembro 1952),

2. Entre 1980 e 1982, a Teor instalou um painel semanal de audiência e avaliação dos progamas da RTP,

3. A NORMA realizou Estudos de Audiência de Meios até 1990, criou a primeira base de dados interactiva online, com a audiência de todos os meios de comunicação, para utilização pelas agências de publicidade e outros clientes. Em 1990, instalou o sistema de audimetria para a audiência de televisão.

DADOS DE TELEVISÃO E INTERNET


Em termos de audiências de televisão, na semana de 5 a 11 de Maio, a TVI teve 30,2% de share de audiência, seguindo-se a SIC com 26,5%, a RTP1 com 23,1%, a RTP2com 5,3% e o cabo e outros canais com 14,9%. Na lista dos dez programas de maior audiência, os programas de informação lideraram (seis), seguindo-se as novelas (três) e o programa de comentários ao jogo de futebol da Liga Bwin.

Quanto à internet, foi de 1964 milhares o número de utilizadores únicos de internet que acederam a partir de casa, baixando face a semanas anteriores. O tempo de navegação repartiu-se pelos domínios de topo .com (51,7%) e .pt (36,5%). Os restantes domínios de topo representaram na semana 11,8% do tempo dedicado a este meio.

[informação e imagens a partir de Marktest]

AUDIÊNCIAS DE IMPRENSA


Também de acordo com a newsletter de hoje da Meios e Publicidade, a próxima vaga do Bareme Imprensa já irá conter alterações na metodologia de recolha de informação, ao incluir uma percentagem (5,4%) realizada através da internet na amostra. Também o próximo Bareme Rádio verá incluído na amostra contactos pela internet.

Igualmente o telemóvel será um meio de contacto com os inquiridos, mas apenas para solicitar outro meio de contacto (telefone fixo ou e-mail). A localização geográfica, que o telemóvel não dá, é uma variável importante na recolha de dados.

AUDIÊNCIAS DE FIM DE ANO


De acordo com o Diário de Notícias e a Meios & Publicidade, o programa mais visto na noite da passagem de ano foi a final de Cantando e Dançando por um Casamento de Sonho, que atingiu uma audiência média de 10,2% (segundo o Diário de Notícias) ou 9,9% (segundo a Meios e Publicidade), seguindo-se o programa dos Gato Fedorento na RTP1 (9,4% segundo o Diário de Notícias e 9,2% segundo a Meios e Publicidade).

Como ainda não tenho dados da Marktest, não compreendo onde reside a discrepância dos dois meios de informação. Há uma observação da Meios & Publicidade que diz que, “Na análise por períodos horários, a RTP1 liderou entre as 22h e as 24h, com uma audiência média de 9,1%, enquanto que a TVI alcançou a liderança entre as 24h e as 2 da manhã do dia 1 de Janeiro de 2008”.

Poderá estar aqui a diferença. Note-se que o programa da RTP acabou muito mais cedo que o da TVI. Mas vale a pena confirmar, para não haver confusões.

Actualização às 18:20

O programa Diz que é uma espécie de Reveillon (com os humoristas dos Gato Fedorento), na RTP1 começou cerca das 22:20. A novela Fascínios (TVI) acabou cerca das 21:50. A TVI, líder das audiências nessa altura (38,3%), perdeu para a RTP, que começara minutos antes com a transmissão do programa dos Gato no pavilhão Atlântico (Lisboa). A TVI recuperou a liderança à RTP1 por volta das 23:30 (37,1% contra 28,6%) [refira-se que na meia hora antes de voltar a líder, a TVI estava mesmo atrás da SIC], perdendo de novo a liderança por volta das 2 horas do dia 1, quando o programa Casamento de Sonho acabou (Campo Pequeno). Refira-se que o programa dos Gato Fedorento e Família Superstar (este na SIC) acabaram por volta das 00:50, quando a TVI alcançou 61,2% de share [para ver melhor o gráfico, fazer duplo clique sobre a imagem].

Isto significa que a TVI não foi líder de audiência em toda a noite, mas apenas na parte final dos programas das outras estações. Casamento de sonho foi um programa que capitalizou o interesse depois das 23:30 – em crescendo, pois o mais importante era saber quem ganhava, revelação que veio muito mais tarde que no programa da SIC e levou os espectadores a fixarem-se na TVI. A quebra da RTP face à TVI explica-se igualmente por este interesse em quem ia ter o “casamento de sonho”; o programa dos Gato, sem o efeito da expectativa de vencedores, estaria já a cansar os que seguiam em casa o seu programa. Um casamento – “de sonho” ou não – continua a despertar a curiosidade popular!

Há um outro pormenor: a geografia dos espectáculos. Ao Coliseu dos Recreios, durante anos o espaço por excelência de espectáculos ao vivo em Lisboa, juntaram-se o Pavilhão do Atlântico e o Campo Pequeno, ambos espaços destinados a actividades ao vivo e de características populares.

QUEBRA DE AUDIÊNCIAS: GRUPO PRISA LEVA A NIELSEN A TRIBUNAL


A Prisa, grupo espanhol de media (detém, entre outros activos, o jornal El Pais e a cadeia de rádios Cadena Ser e a televisão portuguesa TVI), vai levar a tribunal a empresa americana Nielsen. Motivo: no presente ano, uma revisão da medição de audiências feita pela Nielsen ao sítio do El Pais indicou uma quebra de acessos. Para a Prisa, houve uma negligência por parte da Nielsen, dando valores inferiores à realidade.

Os dados fornecidos pela Nielsen são importantes em termos de estatísticas de visitantes dos sítios de internet, com efeito directo nos preços a cobrar na publicidade.

[via European Journalism Centre]

AUDIÊNCIAS DE TELEVISÃO EM NOVEMBRO


Em Novembro, a TVI obteve 29,1% de share de audiência, a RTP1 26,6%, a SIC 23,6%, a RTP2 5,0% e o vídeo e outros canais 15,7%, segundo os dados da Marktest Audimetria/MediaMonitor agora publicados.

No mês passado, o futebol liderou destacadamente, como nos dois meses anteriores, ocupando dez posições nos principais quinze programas, seguindo-se três programas de informação e duas novelas. Na lista dos 15 programas mais vistos em Novembro, oito foram exibidos pela TVI e sete pela RTP1 (entre os quais, as 4 primeiras posições), programas que marcam o peso da audiência nesses canais, um comercial e outro público.



A quebra da SIC tem alertado os seus dirigentes, razão pela qual Ricardo Costa foi nomeado recentemente director geral-adjunto do canal.

MARTIN ALLOR (1996) SOBRE AUDIÊNCIAS


Desde meados dos anos de 1980 que, aos estudos dos media, regressou o tema das audiências. Tem-se como audiência uma categoria analítica fixa que é objecto de conhecimento e intervenção. Do mesmo modo que outros intelectuais ou grupos, como publicitários, especialistas de sondagens, programadores de televisão, reguladores, os investigadores dos media olham as audiências com inusitada atenção.

Martin Allor (1996) argumenta contra a utilidade de audiência enquanto conceito abstracto de uma totalidade. E segue Bourdieu, com a ideia de pares antagónicos ou antinómicos: teoria/prática, micro/macro, agência/estrutura, sujeito/objecto, materialismo/idealismo, qualitativo/quantitativo, teoria/método. A investigação está entre a definição de audiência como passiva e activa e a de audiência como parte de um público ou agente social.

Os dois conjuntos de oposições operam em níveis diferentes de abstracção. O primeiro faz interpretações analíticas das práticas individuais; o segundo especifica o tipo de ser social com que a audiência se relaciona. Allor chama a atenção para a instabilidade do conceito audiência, pois ele implica um complexo campo semântico/discursivo (e até contraditório). Designa um conjunto de níveis: co-presença de sujeitos numa situação de recepção, relação social activa da interpretação colectiva, mercado de um bem cultural específico, construção imaginária dos criadores culturais, público de um género particular, totalidade dos potenciais receptores de um dado meio. Além disso, a audiência tem ligações discursivas a outros termos do século XIX que designavam colectivos: massa, multidão, popular, público. Hoje, associar-se-ia a: interface do utilizador, estilos de vida no marketing, perfis na pesquisa do audiovisual. A polissemia relativa de audiência traduz-se nos pares antagónicos de activo/passivo e de espectador individual/membro de um público.

Allor evidencia dois de investigação: 1) predomínio da recepção do audiovisual, a televisão em particular, 2) epistemologia da descodificação leitura/significado como modelo dominante no processo de recepção. A epistemologia da leitura exclui outros aspectos da prática social relacionada com os media e os indivíduos. As relações semióticas implicam construir um texto e (re)construir o texto do leitor/espectador.

Talvez a mais importante tendência tenha sido a da estratégia etnográfica. Ao focar uma prática contextualizada, a investigação etnográfica opera a complexidade nas relações entre agentes e mediação cultural. As metodologias etnográficas (entrevista, focus group, observação participante) utilizam dados de âmbito limitado, mas referem-se a modelos globais de audiência.

Recentemente, avançou-se para um terceiro modelo, assente em práticas de consumo de bens e tecnologias domésticcas. Os bens culturais e as tecnologias domésticas são enquadrados como objectos problemáticos a tratar nos inquéritos. Projectos de investigação liderados por Roger Silverstone (já falecido) e David Morley sobre as relações entre tecnologia doméstica, estruturas familiares e reprodução do nacional são elementos importantes. Neste tipo de trabalhos surgem noções de economia moral do lar e consumo (doméstico e familiar), mas não tomados como valores universais.

Leitura: Martin Allor (1996). “The politics of producing audiences”. In James Hay, Lawrence Grossberg e Ellen Wartella The audience and its landscape. Oxford: Westview Press, pp. 209-218

Caracterização dos públicos. Teorias principais em Esquenazi

esquenazi1esquenazi2O PowerPoint que se apresenta nesta mensagem é um resumo do livro de Jean Pierre Esquenazi, Sociologia dos públicos, editado o ano passado pela Porto Editora (na verdade, o autor cobre sete teorias principais e eu apenas reflicto em seis).

Aqui, já escrevi sobre Esquenazi em 22 de Novembro de 2005 e 21 de Dezembro de 2006.

Mensagem dedicada aos meus alunos de Públicos e Audiências.

AUDIÊNCIAS


Trata-se de um PowerPoint com definições sobre medição de Audiências em especial aplicadas à televisão. Audiência média por segundo (rating), quota de audiência (share), tipologia de amostras e audiências trabalhadas pela Marktest são algumas das ideias presentes no ficheiro em anexo. Para complementar a leitura, procurar em Marktest.

Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!

ESTUDO DAS AUDIÊNCIAS SEGUNDO ALASUUTARI


Pertti Alasuutari (1999) fala em três gerações de estudos de recepção (audiência) e etnografias de audiência. Refere igualmente a riqueza da investigação nesta área [imagem do autor retirada do sítio da Universidade de Tampere, na Finlândia].

A primeira geração remonta ao trabalho de Stuart Hall (1974), Encoding and Decoding in the Television Discourse. A investigação em media studies associa-se, desde o começo, ao Birmingham Centre (CCCS), mas também ao paradigma dos usos e gratificações e à crítica literária alemã dos anos 1960. Os media studies ingleses integram-se nos cultural studies.

O modelo de Hall não é muito diferente do de Shannon e Weaver (teoria da informação). Mas introduz a ideia que uma mensagem codificada por um programador de televisão pode ser descodificada diferentemente pelos receptores. Não é o grande salto, mas distinguem-se valores diferentes na codificação e interpretação, na perspectiva semiótica. Hall fala em três tipos [Alasuutari descreve quatro]: 1) dominante-hegemónico, em que a codificação é aceite em termos de significado preferido, 2) negociado, onde o receptor aceita/adopta e rejeita alguns elementos da mensagem, 3) oposicional, em que o receptor compreende o sentido denotativo mas interpreta-o ao contrário (rejeita-o totalmente). O esquema de Hall foi aplicado ao estudo da recepção de programas de televisão, nomeadamente um desenvolvido pelo britânico David Morley (The Nationwide Audience, 1980).

A segunda geração trabalha com o modelo da etnografia da audiência. Houve uma mudança de paradigma, em especial a de género, pois a entrada de mulheres na investigação levou ao interesse em programas de ficção, caso das séries românticas como as telenovelas. Se isso aconteceu no Reino Unido, podemos dizer o mesmo em Portugal, com Isabel Ferin (Universidade de Coimbra) como a maior representante. Olhava-se a recepção dos programas dentro da ideia de comunidade interpretativa (John Fiske, em texto de 1979). Estuda-se o quotidiano de um grupo (social; vizinhos, família) e o uso que fazem dos programas e da televisão. A análise etnográfica é assente em entrevistas em profundidade com um grupo de pessoas.

A terceira geração sitia-se na década de 1980, e tem autores como Ien Ang e Lawrence Grossberg. Critica-se o conceito audiência enquanto construção discursiva produzida por um olhar analítico específico. Mas também se critica a etnografia. A pergunta é: quais os interesses culturais à volta do uso dos media e das mensagens nos media. Há um aumento da reflexividade e um peso maior na sociologia face à psicologia social. Desconfia-se da ideia do receptor activo, do consumidor resistente. A cultura de massa fixara a ideia da legitimidade do consumo cultural. Muda-se da esfera estética para a esfera política. Trata-se de um modelo politizado. Mas com pontos que merecem reflexão profunda. Por exemplo, se se entrevista alguém sobre consumos de televisão, há uma resposta politicamente correcta – vê-se programas informativos e raramente se vê telenovelas ou outros programas de ficção. Omite-se o que as estatísticas indicam para “mostrar” cultura. É a ideia de hierarquia moral da programação, que esconde o voyeurismo.

Alasuutari conclui o seu texto caracterizando os discursos em volta dos media, uso dos media e audiências como formando um círculo à volta da intersecção da vida quotidiana, política e pesquisa dos media. Por exemplo, os profissionais da televisão – jornalistas, produtores, realizadores – têm a sua imagem construída do que é a audiência, muitas vezes a partir de construções como os indicadores de audiência média. Tal discurso sobre audiência torna-se parte do conhecimento comum, o que afecta as noções sobre os media e o seu uso.

Leitura: Pertti Alasuutari (1999). “The shape of audience research”. In Pertti Alasuutari (ed.) Rethinking the Media Audience. Londres, Thousand Oaks e Nova Deli: Sage

AINDA ENTRE OS PÚBLICOS E AS AUDIÊNCIAS


Na relação entre público e audiência, Sonia Livingstone tem uma posição menos radical que Dayan (quase-público) e Esquenazi (não-público). Ela é contra a polarização redutora de público e audiência, argumentando que as pessoas vivem em contexto mediático na vida quotidiana. Os media fornecem uma janela sobre o mundo, moldam a identidade e a diferença, a participação e a cultura. A questão está no modo como definimos público enquanto participação. Hoje, público significa também media, em especial numa sociedade global. Ora, os media medeiam, mediatizam: seleccionam, atribuem prioridades, moldam, conforme as instituições, as tecnologias, as convenções discursivas da indústria dos media. E acrescenta: os que preferem público a audiência dizem que aquele é normativo (serviço público, esfera pública) e esta é descritiva.

Compreende-se que a mediação do público seja vista com pessimismo, continua Livingstone – a refeudalização da esfera pública em que a discussão pública se torna publicidade, como indicou Habermas. O que nos leva a Horkheimer e Adorno, que indicaram que interesses concorrenciais influenciam as instituições mediáticas (economia, política, estética, profissional), guiam a produção de conteúdos, servem o carácter polissémico dos textos mediáticos.

Fiel à linha inglesa dos estudos culturais, Sonia Livingstone defende que as audiências não são totalmente passivas. É que as audiências atingem um patamar, ainda que ambíguo, de interpretação crítica. Por isso, apresenta um domínio intermédio entre público e audiência, um terceiro termo – a palavra cidadania. Esta é mais plural e abrangente que quase-público ou não-público, conceitos que tendem a menosprezar os telespectadores. Na senda de Dahlgren, sustenta que o cívico pode ser o pré-requisito para a política, o reservatório para a política. É uma espécie de público retirado na privacidade do lar, fora das actividades de uma comunidade, mas capaz de gerar o capital social necessário de envolvência política, com valores e formas culturais de identidade.

Leitura: Sonia Livingstone (2005). “On the relation between audiences and publics”. In Sonia Livingstone (ed.) Audiences and publics: when cultural engagement matters for the public sphere. Bristol e Portland, OR: Intellect, pp. 17-41

ENTRE OS PÚBLICOS E AS AUDIÊNCIAS


Aos meus alunos da disciplina de Públicos e Audiências (no dia em que as notas foram afixadas).

Este semestre foi, para mim, muito produtivo. O sucesso deveu-se, também, ao entusiasmo dos alunos. Elenco aqui as razões principais:

1. Os momentos mais intensos foram os das análises dos textos de Daniel Dayan (tipos de quase-públicos) e de Lawrence Grossberg (mapas de interesse, sensibilidade, afecto).

As múltiplas dúvidas sobre o texto de Dayan acabaram (quase todas) dissipadas, com a percepção da riqueza do trabalho do sociólogo francês. O texto de Dayan esquematiza-se em dois níveis: a) públicos, b) quase-públicos. Do primeiro, ele separa: a1) político, a2) de identidade, a3) de gosto. Do segundo, divide-o em: b1) fãs, b2) de televisão cerimonial, b3) das elites dos media europeus, b4) dos media de imigração.

Mas também a construção dos públicos de consumo – consumidores –, com origem na tipologia dos públicos de cultura do Observatório de Actividades Culturais. Eu partira dos textos de George Ritzer, pessimistas, criticando a McDonald’s e a sociedade de consumo, a quem ele designa de mcdonaldizada. Acresce-se que eu não tivera tempo de trabalhar a proposta optimista de Alan Bryman (The disneyzation of society, 2004). A sociedade de consumo, assente na previsibilidade e na calculabilidade em Ritzer, torna-se temática e híbrida em Bryman. Com Ritzer a admitir esta versão benigna, conforme o escreve na capa do livro de Bryman.

Este semestre, os alunos interiorizaram melhor conceitos do Observatório de Actividades Culturais como o capital escolar familiar: consolidado, recente, precário. E aplicaram nos seus inquéritos aos grupos de consumo: séries de televisão, centros comerciais, cultura.

2. Uma outra linha de análise foi a dos textos do Obercom, saídos entre finais de 2006 e a actualidade. Gustavo Cardoso e as(os) investigadoras(es) do Obercom traçam duas gerações de televisão – a iniciática (nascida entre 1950 e meados dos anos 1960) e a multimedia (nascida após 1985) [há ainda a geração intermédia entre as duas]. O ecrã, a sua multiplicidade ao longo de 50 anos, permite um contacto e um conhecimento diferente com os media, em termos de recepção activa. A geração iniciática tem na cultura impressa o seu modo principal de obtenção do conhecimento; a geração multimedia recebe o conhecimento através dos ecrãs, o que altera profundamente a estrutura da literacia.

Foi quando falámos da geração de electrodomésticos e dos consumidores regulares (dos que vão frequentemente ao McDonald’s). O que me levou, logo após a conclusão das aulas, a reformular e a assentar melhor as ideias ali discutidas. A geração iniciática do Obercom é a geração de electrodomésticos nas minhas aulas. A geração multimedia é a geração dos centros comerciais nas minhas aulas. Estava Portugal a aderir à CEE (actual UE) e inaugurava-se o centro comercial das Amoreiras (1985). Os meus alunos pertencem à geração dos centros comerciais (e dos gadgets electrónicos como o iPod e o MSN); eu pertenço à geração de electrodomésticos (massificação da televisão, do frigorífico, do automóvel). Nas duas gerações, há um sentido comum – o movimento, a velocidade, o cosmopolitismo. Mas há distinções: gostos, consumos, locais de permanência.

Os mapas de interesse, como Grossberg apresenta, são marcas que ficam com cada geração. Escreve ele que um mesmo objecto, com um significado e prazer semelhante, é diferente quando a relação afectiva muda. O afecto completa, é o que dá cor ou textura à experiência individual (durante o semestre não consegui introduzir os textos de Henry Jenkins, acabando agora por fazer uma recensão aos textos mais recentes, ambos de 2006: Fans, bloggers and gamers. Exploring participatory culture; Convergence culture. Where old and new media collide).

3. Dos públicos consumidores, refaço igualmente o que foi sendo traçado ao longo de uma aula: 1) consumidores regulares, a geração de 20-35 anos, urbana, que desde sempre entrou no McDonald’s, inicialmente para festas de colegas de escola, à espera do brinde merchandising do filme em exibição, e que aspira ou já está no mercado de trabalho, 2) consumidores irregulares ou ocasionais, a geração dos 35 anos em diante, urbana, com profissões estabilizadas e com mais dinheiro, que acompanha os filhos às refeições do McDonald’s, parte dela com lembranças de idas durante a adolescência mas já sinalizando os excessos dessa alimentação (gordura, nutrientes), 3) consumidores recentes, a geração das crianças até à adolescência, que começa a fomentar a ida a estes restaurantes, por causa de práticas de socialização, e que frequenta o número de vezes de acordo com a mesada que disponibiliza. Estas gerações – mais alargadas que as designações de gerações de electrodomésticos e de centro comercial – acompanham outros consumos visíveis nos centros comerciais, a ligação entre consumos de socialização e práticas culturais de saída, da refeição à compra e à ida ao cinema multiplex.

O postal também é dedicado a Catarina Burnay, minha colega da disciplina de Públicos e Audiências, pela partilha de programa, discussão de metodologias comuns de avaliação em turmas distintas e aulas com matérias diferentes dadas nas turmas do outro docente, no que foi uma experiência pedagógica muito significativa.

PÚBLICOS E AUDIÊNCIAS EM DAYAN


Daniel Dayan tem escrito bastante sobre públicos e audiências. Os leitores portugueses já o conhecem nomeadamente do volume organizado por ele e por José Carlos Abrantes, editado no final do ano passado com o título Televisão: dos públicos às audiências (Livros Horizonte e CIMJ). Um livro mais antigo, mas igualmente celebrado, foi o escrito de parceria com Elihu Katz, com o nome A História em directo. Os acontecimentos mediáticos na televisão (Minerva, 1999; original: Media events).

Um outro texto que eu considero de particular importância seria publicado no volume organizado por Sonia Livingstone Audiences and publics: when cultural engagement matters for the public sphere (Intellect, 2005). Apesar do título provocador e complexo, Mothers, midwives and abortionists: genealogy, obstretrics, audiences and publics, Dayan deixa-nos uma excepcional e clara percepção dos conceitos público e audiência, bem maior que a do volume editado o ano passado.

A preferência de Dayan vai para público, o qual implica sociabilidade, estabilidade, envolvimento e efectivação (performance). Para ser mais preciso, o público é uma entidade coerente cuja natureza é colectiva, em que o conjunto, para além da sociabilidade, significa identidade partilhada e um sentido dessa identidade. Público não é o simples espectador no plural, a soma de espectadores. O que o leva a apresentar os propósitos do seu capítulo, em número de três: 1) retratar uma noção chamada público, 2) observar a interligação entre públicos e audiências, 3) observar a posição dos que olham os públicos e propõem uma genealogia das entidades observadas.

Dayan arquitecta distintos públicos: de gosto, de questões (issues) – como os ligados à política – e de identidade – caso dos fãs de música, jogos e desporto. Separa público de espectadores, multidões, comunidades, activistas ou militantes, e testemunhas. E serve-se das profissões para diferenciar: quando o demógrafo olha os públicos, vê grupos etários; quando o semiótico olha os públicos, vê comunidades interpretativas. Para além da perspectiva geográfica: em França, as audiências tendem a ser, ao passo que os públicos tendem a fazer.

Os públicos possuem diferentes entidades (personae fictae), através das quais se liga a atenção pela reacção e resposta – públicos, audiências, testemunhas e espectadores. A primeira tarefa é reconhecer a diversidade deste conjunto heterogéneo. A tarefa seguinte consiste em olhar a recepção da (na) televisão.

Dayan fala da necessidade de distinção entre públicos e tipos de audiências. Pelo que propõe um duplo entendimento de público e um duplo entendimento de audiência. Quando se fala de públicos, há um tipo de actor colectivo, discreto, mitologizado, envolvido em processos políticos e culturais; mas também se pode usar público no sentido genérico. Quando se fala de audiências, podem discutir-se estas na pesquisa quantitativa mas também considerá-las no sentido dos estudos de recepção.

GEOGRAFIA DO CINEMA


O Bareme Cinema 2007 indica que, no período entre Abril de 2006 e Março de 2007, 2,511 milhões de portugueses com 15 e mais anos foram ao cinema (informações e imagens retiradas da newsletter da Marktest).

Conforme se lê na newsletter, “os concelhos de Lisboa e de Vila Nova de Gaia são os que mais cinéfilos atraem, respectivamente 582 mil e 323 mil. As duas grandes áreas metropolitanas de Portugal revelam assim dois comportamentos muito diferenciados. Enquanto Lisboa se assume como pólo receptor dos adeptos da sétima arte, já o Porto se coloca em segundo plano, ultrapassado por Gaia e Matosinhos. A esta realidade não se pode alhear a tendência seguida pelo sector nos últimos anos, com forte investimento na oferta em grandes complexos de cinema situados nos grandes centros comerciais. Na região do Grande Porto, estas superfícies têm-se localizado sobretudo nos seus concelhos limítrofes”.

Esta leitura desperta-me uma outra: o concelho do Porto tem desinvestido fortemente na cultura, o que abre condições para áreas geográficas limítrofes incentivarem os seus apoios. Basta percorrer as principais ruas da Baixa portuense para ficar com uma sensação de crescente abandono. Certamente que há mais do que uma explicação, mas poder-se-iam adiantar algumas, como a desertificação urbana e comercial desses espaços.