Arquivo da categoria: Audiovisual

Animação digital

O título da notícia do Expresso de ontem era apelativo: “Portugal no mapa da indústria de animação digital”. O conteúdo revela a realização de um evento mundial em Troia, a segunda edição do Torjan Horse was a Unicorn, terceiro evento de maior impacto mundial de entretenimento digital, segundo o CreativeBlog (a seguir ao Siggraph America, de Vancouver, e Siggraph Asia, de Shenzeng), com 500 participantes de 33 países e com 33 oradores internacionais a animarem conferências e workshops. Alguns dos nomes mais conhecidos são Syd Mead (Blade Runner), Sven Martin (Games of Thrones), Andy Jones (Avatar) e Rob Legato (Titanic, Hugo). Os organizadores do evento, André Luís e Inês Silva, conseguiram o entusiasmo de Scott Ross, ligado aos efeitos especiais dos filmes de George Lucas. Festival a decorrer entre 17 e 20 de Setembro.

A segunda parte do texto esclarece o título do artigo: as eventuais receitas do festival revertem para o desenvolvimento da indústria de entretenimento digital e atribuição de bolsas de estudo.

troia

AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual

PrimeirOlhar_2013_1609b1fA AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual foi fundada em Dezembro de 1994 e é uma associação sem fins lucrativos. Tem por fim a produção e a divulgação audiovisual, bem como a cooperação para o desenvolvimento, na área do ensino, educação e cultura, designadamente através da divulgação das realidades dos
países em vias de desenvolvimento junto da opinião pública.

Abertura de inscrições até 5 de Abril de 2013, para o Prémio PrimeirOlhar. Secção competitiva dos Encontros de Cinema de Viana, com o objectivo de promover o documentarismo e destinado ao melhor documentário realizado por alunos das escolas de cinema, de audiovisuais e de comunicação, ou por participantes em cursos de formação nessa área, de Portugal e da Galiza.

ESTRATÉGIAS DO AUDIOVISUAL SEGUNDO RUI CÁDIMA


Talvez ainda mais importante que o estudo da ERC, aqui discutido ontem, é o livro que Francisco Rui Cádima lançou a semana passada, A Crise do Audiovisual Europeu. 20 Anos de Políticas Europeias em Análise. Escreve ele: “Mais de vinte anos depois, o essencial permanece imutável. A «obra europeia» neste sector confunde-se com o «telelixo»” (p. 93).

Acrescenta o autor, pessimista com o rumo que o audiovisual tem tomado na Europa, que os canais públicos prosseguem estratégias comerciais sem colocar primazia na cidadania ou na ética, enquanto se agrava o défice comercial no audiovisual face aos Estados Unidos, sem nada ser feito no domínio da educação para os media.

O audiovisual, continua, não é visto na dimensão social e cultural, mas na de “serviço económico” e “mercado”. Salienta ainda a ausência de investimento na formação de recursos humanos em áreas como computação e gestão de projecto multimedia. Cádima aponta igualmente a ausência de uma avaliação rigorosa da Directiva comunitária Televisão sem Fronteiras e a necessidade de um “controlo efectivo dos géneros de programas, metodologias e estatísticas referentes a quotas de programas dos operadores”.

Se o estudo da ERC identifica ao pormenor o caudal de programas e serviços noticiários nos canais televisivos e aponta os pontos fortes e as fragilidades no âmbito nacional, Cádima olha a legislação da Comunidade Europeia e detecta os múltiplos equívocos nas estratégias (ou sua ausência) da política comunitária do audiovisual. Assim, os erros ou defeitos comunitários reflectem-se necessariamente sobre o tecido audiovisual nacional, tarefa que não compete à ERC na sua análise.

A CRISE DO AUDIOVISUAL EUROPEU


A crise do audiovisual europeu – 20 anos de políticas europeias em análise, de Francisco Rui Cádima, em edição da Media XXI, é um dos livros a lançar na 8ª Conferência Mundial de Economia e Gestão dos Media (8th WMEMC), a realizar na Universidade Católica Portuguesa, nos dias 19 e 20 deste mês.


No começo do seu novo livro, Cádima diz que o escreve

  • no contexto da emergência da nova Directiva do audiovisual europeu, designada genericamente Directiva “Serviços de Comunicação Social Audiovisual”. O texto da proposta da nova Directiva do audiovisual europeu, na sua justificação e objectivos, consagra agora, clara e explicitamente, a lógica económica do sistema – uma lógica “light touch” –, assim intitulada por Viviane Reding face a outra qualquer lógica, reconhecendo que “o mercado dos serviços televisivos europeus mudou radicalmente com a convergência das tecnologias e dos mercados” e que com base nessa realidade importaria mudar o clausulado da Directiva TVSF, de 1989, revisto em 1997.

Docente da Universidade Nova de Lisboa, autor de vários livros sobre os media e a televisão e primeiro director executivo do Obercom, Francisco Rui Cádima tem ainda uma actividade cívica (o blogue irreal tv, onde escreve sobre televisão). Recentemente, está a organizar o ciclo Os Presidentes e a Televisão, onde convida antigos Presidentes da República (eu não tenho dado destaque, dado o muito trabalho que tenho tido).

O NOVO LIVRO DE NÉSTOR CANCLINI

  • Já não dizemos vejo-te no café; dizemos vejo-te no Messenger (Canclini, 2007: 77)

Néstor García Canclini está perto dos 70 anos (nasceu em 1939 na Argentina). Reparte, com Jesús Martín-Barbero, o lugar de maior investigador em comunicação, cultura e sociologia do quotidiano na América do Sul. Ganhou o Book Award da Latin American Studies Association pelo livro Culturas híbridas, em 2002 considerado o melhor livro sobre a América latina.


A idade deu um brilho especial ao radicalismo de Canclini, tornando Lectores, espectadores e internautas um livro notável (editado pela Gedisa em 2007). Ou seja, a linha ideológica está viva, mas a experiência de pensamento e acção do autor conduziram a um trabalho cuja leitura é muito agradável.

Como o título indicia, a viagem de Canclini faz-se pelos universos audiovisuais em tempos pós-modernos. A escrita das 136 páginas é recentíssima (em dois lados diferentes do livro ele refere Maio de 2007). Lectores, espectadores e internautas é uma espécie de dicionário, com 29 entradas, umas mais previsíveis – como cinéfilos e videófilos, convergência digital, globalização -, mas outras menos esperadas – abertura, assombro, suspeitas, tele-solidariedade. Um olhar atento, corrosivo por vezes, como quando escreve sobre pirataria (p. 115):

  • A concepção jurídica predominante nos países latinos atribui a propriedade intelectual ao criador das obras literárias, artísticas, musicais, audiovisuais ou científicas. O direito anglo-americano estabelece o copyright, noção centrada nos direitos de reprodução que abarca um espectro mais amplo: gravações sonoras, emissões radiofónicas e televisivas, incluindo ou tratando de incluir recentemente os suportes digitais.

Ou nas pp. 60-61:

  • Enquanto os pós-modernos celebram a mobilidade e o nomadismo,a desterritorialização e a facilidade com que nos comunicamos, na verdade nem todos podem escapar à exigência de disponibilidade constante, a vigilância de quem te recorda que pertences a uma empresa e um lugar ainda que estejas numa outra cidade ou outro país.

MOVIMENTO PARAOLÍMPICO

a2.JPGComo sabem, estão a decorrer na Grécia, os Jogos Paraolímpicos. A primeira medalha de prata por um nacional foi ganha ontem, na prova de dez mil metros, por Carlos Ferreira, um cego total. Todos os portugueses ficaram contentes com esta magnífica prestação nacional [esperemos que mais medalhas sejam conquistadas], atendendo às dificuldades específicas dos atletas em competição.

A campanha publicitária é, a meu ver, muito bonita, como esta imagem o ilustra (fotografia de Kenton Tatcher e apoio do banco Totta para a Federação Portuguesa de Desporto para Deficientes). Assente sobre uma coluna, a atleta lança o dardo, numa pose que lembra as imagens gregas da cultura clássica.

A escolha do tema, já há dias sugerido por P. C., é uma (também, e ainda que pequena) homenagem a António Silva, o blogueiro de A Minha Rádio. Depois de longos meses de contactos por meio da internet e dos blogues, fui conhecer o António à Faculdade de Letras do Porto (a minha primeira casa de aprendizagem universitária, se bem que noutro edifício), na passada sexta-feira. Em quase duas horas de amena e amiga conversa, ele explicou-me como trabalha o blogue e como editou as minhas imagens, numa altura em que eu ainda não possuía a destreza tecnológica para o fazer. Ao António basta um teclado igual ao meu e um sintetizador de voz para publicar as mensagens e colocar as imagens (o monitor e o rato, embora presentes, são prescindíveis). Custou-me, inicialmente, a entender o português com sotaque brasileiro que o software acoplado ao seu computador produz. Mas, depois, habituei-me a ouvir essa voz mecânica.

Um muito obrigado, António – extensível à Maria João, que também conheci -, pelo que aprendi nessa deslocação à minha velha faculdade de letras. Claro que não fiquei frustrado por ter ido aí. Pelo contrário, saí muito contente, senti-me maravilhado ao perceber que a maior adversidade não pode ser obstáculo à realização pessoal. Apenas obriga a maior esforço e preserverança. Registo, e espero que não leve a mal a minha inconfidência sobre o que me disse, a sua saudade em ler um livro em papel, de o folhear. Sabe, António, eu também não gosto de ler os jornais na internet. Prefiro a leitura aleatória em vez de sequencial, como me contou – eu, que nunca pensara nesses tipos de leituras e nas suas diferenças.

A IMPORTÂNCIA DA CADEIA DE VALOR NA INDÚSTRIA AUDIOVISUAL

[texto publicado quase nesta forma na revista MediaXXI, nº 71, de Junho/Julho de 2003]

Tem crescido, nos últimos anos, o peso da indústria audiovisual na vida dos indivíduos, como consumidores e como produtores. Muito do que sabemos sobre o mundo aparece nos jornais, na televisão, na rádio e na Internet. Formamos a opinião sobre os acontecimentos e as grandes causas mobilizadoras da sociedade daquilo que nos chega dos media. Muito do nosso lazer reside em filmes, livros, discos e DVDs, nos jogos vídeo ou da Internet. Do lado da produção da indústria audiovisual, o volume de emprego cresce, para satisfação de um mercado cada vez maior de telenovelas ou séries, de informação ou documentários e de entretenimento em geral. Nascem ou desenvolvem-se profissões ligadas à produção, à distribuição e à sua publicitação. Além disso, um dos fenómenos recentes mais marcantes é o da transformação tecnológica, a digitalização, que tem percorrido toda a indústria audiovisual. E que promete continuar, por exemplo, com a digitalização na televisão terrestre, capaz de produzir um forte impacto económico e cultural.

A indústria do audiovisual não é mais um conjunto de actividades isoladas, com cadeias de concepção, produção e venda separadas, mas entrelaçadas e em que os interesses económicos e empresariais se fortalecem, com aquisições, fusões e surgimento de grupos de empresas. Num recente documento publicado sobre o desenvolvimento do mercado da indústria audiovisual até 2010, e destinado à Comissão Europeia, a empresa de consultoria Arthur Andersen (2002) usou um modelo de análise da cadeia de valor, o qual identificava diferentes papéis, agrupados em três categorias principais de actividades. Assim, no primeiro grupo, integram-se os produtores de conteúdo, que incluem produtores de conteúdo, detentores de direitos de autor e de direitos dos distribuidores. No segundo grupo, inserem-se os programadores e os agregadores (responsáveis pela aquisição de programas) e, no terceiro grupo, os difusores, que englobam redes, fornecedores de acesso e vendedores de equipamentos.

Claro que cada país, no caso da União Europeia, apresenta diferentes dimensões e capacidades financeiras, além de que cada mercado nacional tem uma porção diferente de rendimento consoante os meios de comunicação. Por exemplo, a publicidade nos media é maior na televisão em países mediterrânicos como Portugal, Espanha ou Grécia, relativamente aos outros meios, ao passo que os jornais no Reino Unido ou na Alemanha arrecadam uma maior fatia. Outro exemplo é o do mercado de distribuição de televisão, com pesos distintos conforme se trate de cabo, satélite ou via hertziana. Um mercado de televisão gera mais ou menos receitas se pago (cabo e canais codificados em satélite ou televisão digital) ou gratuito (acesso aos canais generalistas por feixe hertziano tradicional).

Verifica-se, na actual existência da indústria audiovisual, um constante cruzamento, reconfiguração e concentração da propriedade. Distingue-se a concentração horizontal (crescimento interno ou aquisição e fusão de empresas num só sector), vertical (cruzamento de actividades num sector alargado a duas ou mais etapas na cadeia de valor, caso do produção e distribuição de programas de televisão) e diagonal (presença de um grupo em várias indústrias, caso de jornais, rádio e televisão). O principal motivo da expansão horizontal é a economia de escala, pois a concentração reduz os custos da produção quando se orienta para uma maior audiência de leitores ou espectadores. Também a concentração vertical se traduz em menores custos, caso de elaboração de contratos entre empresas e da obtenção de informação sobre especificidades dos produtos ou mesmo do mercado em geral, sem esquecer o ganho de músculo financeiro e em produtos para enfrentar grupos económicos dominantes no mercado. Já a concentração diagonal – cuja distinção dos dois modelos anteriores nem sempre se mostra fácil – permite obter os ganhos sentidos nesses modelos e uma reformatação mais fácil e barata, de que o exemplo é a publicação electrónica ou a informação disponível num sítio da Internet. Em texto estimulante, Doyle (2002: 40) considera que a diversificação proporcionada pela concentração diagonal possibilita a assunção de maior risco empresarial no lançamento de produtos mediáticos originais, através do uso de variados formatos.

Um outro elemento importante é a compreensão dos ritmos de elaboração e entrega dos produtos audiovisuais. Se uma parte significativa da indústria audiovisual tem edição contínua (jornal, televisão), outra parte tem produção descontínua (filme, livro, disco), o que obriga a planificações e tipos de investimentos diferentes. Mas em ambas materializa-se a ideia de serialização, a série ou o continuado (ao jornal e programa de televisão diários juntam-se as séries no cinema, caso de Indiana Jones, ou nos livros, caso de Harry Potter). Torna-se, pois, necessária uma visão global das actividades do audiovisual, como aponta o investigador espanhol Enrique Bustamante. Para ele, as indústrias criativas (cinema, discos) fornecem matéria-prima para as fábricas mediáticas (rádio, televisão), numa interpenetração de interesses (Bustamante, 2002: 25). Acresce-se que as vendas dos produtos do audiovisual dependem, cada vez mais, da publicidade e do marketing feitos nos próprios media.

O surgimento das redes digitais, fenómeno associado mas distinto da digitalização de conteúdos, acelerou a própria transformação da estrutura industrial, no que constitui o último elemento fundamental desta análise. Formula-se a interactividade – cada produto do audiovisual pode ser reconstruído pelo receptor, num processo de codificação e descodificação –, enquanto se assiste à desmaterialização dos produtos da indústria audiovisual, orientados crescentemente para o domínio dos símbolos e dos valores culturais. Além disso, o digital e o multimedia estendem o âmbito do audiovisual às artes tradicionais, como o teatro e a dança, contaminadas com expressões fornecidas pelas tecnologias da informação, as quais retiram a aura do original, do irrepetível e do autêntico no espectáculo representado ao vivo (Couchot e Hillaire, 2003: 201).

Como resultado da cadeia de valor na indústria audiovisual sobre a recepção, assiste-se, por um lado, à formação de consumidores exigentes, esperando sempre novos produtos (ou, pelo menos, inovadores). Mas, por outro lado, desencadeia-se um aspecto negativo: o consumo igual por todo o planeta, controlado por um número pequeno de grupos empresariais gigantescos. O ideal será, pois, manter a inovação na indústria e alargar a diversificação na oferta de produtos.

Bibliografia
Andersen, Arthur (2002). Outlook of the development of technologies and markets for the European Audio-visual up to 2010 (acessível em http://europa.eu.int)
Bustamante, Enrique (coord.) (2002. Comunicación y cultura en la era digital. Barcelona: Gedisa
Couchot, Edmond, e Norbert Hillaire (2003). L’art numérique. Paris: Flammarion
Doyle, Gillian (2002). Media ownership. Londres, Thousand Oaks e Nova Deli: Sage