Arquivo da categoria: Dança

Marina Nabais em Barcelona

De Seda, a nova criação da coreógrafa Marina Nabais, estreia amanhã dia 4 de novembro em Barcelona, onde se inaugura o IF Barcelona, Festival. Única presença nacional na primeira edição do IF Barcelona, o trabalho de Marina Nabais é destacado pela gestora do Festival Giulia Poltronieri, em comunicado ao El País, pela sua transversalidade a públicos da infância e adultos – marca presente no trabalho da coreógrafa desde 2008. O festival prolonga-se até 10 de Janeiro de 2016 com vasta programação multidisciplinar (informação e vídeo enviados pela própria coreógrafa).

A dança para Salavisa

Jorge Salavisa escreveu as suas memórias, Dançar a Vida (2012). Ele pergunta na badana do livro: “porquê escrever estas memórias que não pretendem ser mais do que um relato por vezes desajeitado – mas animado e colorido, espero – dos meus encontros e desencontros profissionais, mas também e sobretudo das minhas relações de afeto profissional ao longo de mais de 50 anos”?

Os primeiros anos, África, Lisboa, Rudolf Nureyev, London Festival Ballet, viagem à Índia, Margot Fonteyn, Ballet Gulbenkian, Lisboa 94, Pina Bauch, Companhia Nacional de Bailado e Teatro São Luiz são alguns dos tempos e capítulos do livro.

O prólogo é triste: a doença levou-o a uma tentativa de suicídio. Alguém, na vida do bailarino, reapareceu para o ajudar. Mas as coisas não correram bem. Quando voltou ao hospital, a enfermeira Cláudia desvelou-se em cuidados. Ao ver os outros doentes, dignos na sua luta contra a enfermidade, José Jorge Salavisa, que tivera tantos triunfos na vida, entenderia que não devia desfalecer.

Do prólogo saltou para os primeiros anos, nascido nos finais de 1939. Memórias das tias, das férias nas Caldas da Rainha e de S. Martinho do Porto, do Portugal do tempo da II Guerra Mundial e dos judeus refugiados que passavam em direção aos Estados Unidos. Depois, Salavisa viveria em Angola, onde o pai engenheiro foi trabalhar. O regresso a Lisboa dar-se-ia em 1955. Descobriria o teatro, a ópera e a dança. Apaixonou-se pela dança: como diria Pina Bauch: “comecei a dançar para não ter de falar” (p. 44). Em 1958, estava já nos estúdios Vacker e de Lubov Egorova em Paris a estudar. Com Anna Mascolo, iria também a Londres. Paris e Londres seriam pontos essenciais na vida e carreira do bailarino. Depois veio uma viagem muito atribulada pela Índia, numa altura em que aquele país e Portugal ainda não tinham restabelecido relações diplomáticas, Margot Fonteyn, de nome familiar Fontes Hookham (p. 173), o Ballet Gulbenkian quando os alunos é que avaliaram o mestre (p. 188), o reforço do repertório em obras de dança contemporânea (p. 197).

Leitura: Jorge Salavisa (2012).  Dançar a Vida. Memórias. Lisboa: D. Quixote, 315 p., 19,90 euros

Coreografia de Filipa Francisco em Guimarães

A coreógrafa Filipa Francisco estreia A Viagem a 16 de março em Guimarães, Capital Europeia da Cultura. No final de janeiro, Filipa Francisco e a sua equipa chegaram à aldeia da Corredoura, em Guimarães, para uma residência artística com o grupo folclórico deste local. A proposta: criar um espetáculo em que a dança e as músicas tradicionais se cruzam com a música e a dança contemporânea. O grupo de cinquenta pessoas, com idades entre os 10 e os 80 anos, entrou nessa viagem com as suas danças e o seu imaginário – nenhum elemento tinha antes visto um espetáculo de dança contemporânea. Todos juntos sobem ao palco da Fábrica ASA para duas apresentações a 16 e 17 de março, pelas 22:00 (informação, imagem e vídeo fornecidas pela organização: Festival Materiais Diversos).

DANÇA CONTEMPORÂNEA EM GUIMARÃES

“O Centro Cultural Vila Flor (CCVF), de Guimarães, levará à cena o 1.º Festival de Dança Contemporânea nos primeiros meses deste novo ano. Com este evento artístico ampliará a já reconhecida qualidade da sua programação no domínio dos espectáculos vivos. Saudamos a iniciativa, tanto mais que a dança é, infelizmente, frequentemente relegada para segundo plano quando comparada com as áreas da música, do teatro, das artes plásticas” (Paulo Santos Pinto, aluno finalista do Curso de Estudos Artísticos e Culturais (FacFil/UCP/Braga) em Estágio no Centro Cultural Vila Flor (Guimarães), Diário do Minho, 26 de Janeiro de 2011).

HIP-HOP

Hip-Hpo Danza Urbana é um espectáculo lúdico e didáctico que conta a história e evolução do hip hop como cultura, sobretura na dança. Os bailarinos ilustram as diferenças dos estilos popping, locking, freestyle e bboying (breakdance). Um espectáculo organizado por Artemrede, a iniciar no Montijo (25 de Setembro) e continuando por Benedita (27 de Setembro), Barreiro (30 de Setembro), Torres Vedras (1 de Outubro), Palmela (2 de Outubro), Oeiras (3 de Outubro), Almada (7 de Outubro), Abrantes (8 de Outubro) e Alcanena (9 de Outubro).

A MORTE DE PINA BAUSCH


Pina Bausch nasceu em 1940 e morreu agora. Os jornais deram muito destaque a esta bailarina que revolucionou a dança. Várias vezes passou em Lisboa (reproduzo parcialmente a capa da revista “Actual” do Expresso de 4 de Julho último).

Retiro uma frase do texto de Cláudia Galhós no referido número da revista: “Nessas passagens [por Lisboa], ela não dava entrevistas. Era uma mulher silenciosa, de silhueta frágil, consumida por um mundo de emoções”.

FESTIVAL AO LARGO

O Festival ao Largo, de 26 de Junho a 19 de Julho, no largo do Teatro Nacional de S. Carlos, envolve peças de música, dança e teatro ao ar livre e gratuito. Foi concebido pelo OPART. No espectáculo de ontem, contabilizavam-se já mais de 20 mil espectadores. O primeiro vídeo foi feito por mim (final do espectáculo com aplausos à CANTATA, de Mauro Bigonzetti, com arranjo e interpretação musical a partir de música original e tradicional do Sul de Itália pelo Gruppo Musicale Assurd (ao vivo); o segundo vídeo pertence à própria Companhia Nacional de Bailado.

[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=zH8gBywhXIE&hl=pt-br&fs=1&][youtube=https://www.youtube.com/watch?v=HxGfuMNjYbY&hl=pt-br&fs=1&]

DANÇA EM SÃO PAULO (BRASIL)

O Teatro de Dança (Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo, gerida pela Associação Paulista de Amigos da Arte – APAA) volta a receber o espetáculo Wabisabi, de Susana Yamauchi, estreado no programa Artista da Casa, agora de 10 a 12 de Junho. A “artista resgata vez suas raízes para criar uma visão caleidoscópica e singular que vai da cultura popular ao refinamento das artes superiores nipônicas como a Cerimônia do Chá, o Ikebana, a música imperial Gagaku e o teatro Noh” (do programa dos organizadores).


Mais informações: www.teatrodedanca.org.br e www.canalaberto.com.br.

“ÍMAN” REPRESENTA PORTUGAL NA 4ª EDIÇÃO DO RAMALLAH CONTEMPORARY DANCE FESTIVAL

O espectáculo de dança Íman, criado no âmbito do projecto nu kre bai na bu onda, considerado pela crítica como o melhor espectáculo de 2008, representa Portugal na 4ª edição do Ramallah Contemporary Dance Festival.


O festival vai de 21 de Abril a 10 de Maio em Ramallah e noutras cinco cidades da Palestina, assim como Jerusalém, Belém, Haifa, Nazaré e Nablus. A apresentação de Íman está programada para o dia 1 de Maio, às 19:30, no Al-Kasaba Theatre & Cinematheque, em Ramallah, e para o dia 3, à mesma hora, no Palestinian National Theatre, em Jerusalém.

[créditos – texto: alkantara@alkantara.pt; imagem: Ana Borralho]

DANÇA EM SÃO PAULO

Para comemorar 20 anos de coreógrafo, Anselmo Zolla realiza uma Gala nos dias 16 e 17 de Março, no TD – Teatro de Dança. No programa, serão apresentados trechos de criações encenados por convidados da Cia. Sociedade Masculina, Studio3 Cia. De Dança, Balé da Cidade de São Paulo e outros.


Espectáculo na APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte, Avenida Ipiranga, 344, Subsolo, Edifício Itália, São Paulo, Brasil (Metro República). Mais informações em http://twitter.com/canalaberto e www.canalaberto.com.br.

ESPECTÁCULO – 1


Cigano, espanhol, homem do mundo, assim se definiu Joaquín Cortés. Naquele espectáculo – o espectador pensou que fosse o dia mais intimista do dançarino, com grandes confissões pessoais -, Joaquín Cortés falou do sonho de um menino de onze anos que ensaiava horas a fio, de manhã à noite, deixando os pés ensanguentados, em busca de uma arte.

Conseguiu-o. Nascido em Córdoba (Espanha) em 1969, entrou no Ballet Nacional de Espanha com catorze anos e aos dezassete era solista. Em 1992, criou a sua própria companhia, Joaquín Cortés Ballet Flamenco. Depois de uma passagem pelo cinema (Almodóvar, Saura), foi para Nova Iorque, onde tomou contacto com outras tendências da dança e da música, corria o ano de 1999.

O espectáculo de agora tem o nome de Mi Soledad. Lê-se no catálogo: “Aos trinta e sete anos, Joaquín Cortés deu ao património do flamenco um baile com selo próprio. Um baile virtuosista que é o resultado do que ele chama fusão, um trabalho sério, rigoroso e continuado em que reflecte todas as influências numa busca insaciável de uma identidade própria”.

Observação: gosto de flamenco, mas o de Cortés desperta-me dúvidas. Acho que tem um ego excessivo; poderia repartir o seu repertório como outros artistas. Mas não deixei de apreciar todo o espectáculo, pelos cenários, pela música e músicos, pelo colorido das roupas, pelas histórias em torno de cada peça.