Arquivo da categoria: Indústrias Criativas

O que são e para que servem as indústrias culturais e criativas?

Hoje, publiquei as notas de uma disciplina iniciada este ano na licenciatura de Comunicação Social e Cultural com o nome de Indústrias Culturais e Criativas. Por opção pessoal, foi também o último ano que a lecionei. Dividi-a em três blocos – matéria teórica, leituras para fazer e apresentar na aula por parte da turma e presença de convidados. O que são e para que servem as indústrias culturais e criativas, perguntei à partida. Trata-se afinal do tema central deste blogue alimentado desde 2003, responsabilidade que eu nunca pensei em prolongá-la por tanto tempo.

A uma introdução rápida do conceito fundador de Adorno e Horkheimer em 1947, alarguei o âmbito do tema e falei de conceitos retirados de Bernard Miège, David Hesmondhalgh (2007, The Cultural Industries. London: Sage), Justin O’Connor (2007, The Cultural and Creative Industries: A Review of the Literature, texto de trabalho não editado), Christiane Eisenberg, Rita Gerlach, Christian Handke (eds., 2006, Cultural industries. The British experience in international perspective) e Dieter Putcha, Friedrich Schneider, Stefan Haigner, Florian Wakolbinger e Stefan Jenewein (2010, The Berlin Creative Industries. An empirical analysis of future key industries. Heidelberg: Gabler). Acrescentei o fantástico livro de Rosamund Davies e Gauti Sigthorsson (2013, Introducing the Creative Industries. Los Angeles e Londres: Sage), o necessário embora controverso Richard Florida (2002, The Rise of the Creative Class: and how it’s transforming work, leisure, community. Nova Iorque: Basic Books) e o relatório de Augusto Mateus sobre indústrias criativas (2013), com as sinergias cultural, turística e industrial. Dos convidados, tive presente Alexandre Rodrigues (fãs de videojogos), Pedro Russo Moreira (música e rádio no Estado Novo), Joana Linda Correia (fotografia e artes performativas), Pedro Lopes (produção de ficção televisiva), Ana Garcia Martins (blogues, moda e tendências de consumo), João David Nunes (gestão das indústrias culturais), João Porto (audiências dos media), Anabela Mota Ribeiro (jornalista), Miguel Fernandes e Francisco Garcês (comunicação audiovisual no poder local) e José Carlos Alfaro (livreiro). Após estas presenças inquiri a turma para catalogar cada convidado nas três categorias de organização como o livro de Davies e Sigthorsson explica: freelancers, pequenas e médias empresas, grupos de media e indústrias criativas.

O trabalho produzido na turma foi muito rico, como os seus trabalhos finais refletem. A aluna polaca escreveu sobre as indústrias culturais e criativas de Varsóvia, a aluna basca escreveu sobre a realidade em Bilbau, ensinando que há mais coisas além do museu Guggenheim, os alunos portugueses escreveram sobre Lisboa. Um elemento da turma ficou tão entusiasmado que me falou querer já estagiar numa nova empresa aqui em Lisboa na área das indústrias culturais e criativas. Outro elemento de alegria foi o falarmos uma linguagem nova, com conceitos que, de início, pareciam estranhos. Quase todos os elementos da turma destacaram as discussões tidas entre eles sobre o que ouviram dos convidados e os ensinamentos recolhidos nesses contactos.

A profissionalização de um blogue

Na aula de hoje, tivemos uma escritora profissional de blogues. Licenciada em ciências da comunicação e antiga jornalista especializada nas áreas da cultura, moda, beleza e consumo, começou a escrever o seu blogue nessas temáticas. Onze anos depois de o iniciar, tem mais de 50 milhões de visitas, 200 mil seguidores no Facebook e Instagram, parcerias rentáveis com marcas e um público alvo estimado de mulheres vivendo em Lisboa e Porto entre os 20 e os 45 anos. Já em 2008, uma editora convidara-a a escrever um livro em papel com os melhores textos publicados no blogue. A evolução do blogue levou-a a criar uma marca de produtos e a abrir uma loja com uma amiga e agora sócia.

Para a convidada na aula, as empresas descobriram os blogues como veículos de maior propagação que os meios de comunicação mais tradicionais. A escrita em blogues é mais directa que esses outros meios. O estilo da sua escrita oscila entre o humor e a ironia, com um lado de cronista social. No começo, escreveu também sobre colegas, ainda numa fase de anonimato. Depois, quando o seu primeiro livro saiu, ela publicitou o nome e, apesar de perder alguma originalidade inicial, continuou a crescer em número de visitantes e comentários, granjeando mais popularidade.

As perguntas da turma foram estimulantes. Porque não criou uma revista em papel, que papéis desempenha, onde trabalha, como trabalha, como se relaciona com as marcas e os leitores, é isenta ou parcial, o sucesso foi preparado ou foi acontecendo por acaso, vê-se a escrever no blogue até à reforma, como articula texto e imagem (fixa e em movimento), como separa a informação que lhe chega à caixa de correio.

Agora, o trabalho da turma vai ser enquadrar a actividade desta autora de blogue e livros com a de criadora de negócios numa área emergente das indústrias culturais e criativas.

Mais elementos sobre as indústrias criativas

Hoje, a aula andou à volta da instituições, propriedade e empreendedorismo, a partir do texto de Davies e Sigthorsson (Introducing Creative Industries, 2013). Os autores partem de três tipos de estrutura organizacional: freelancers, PME e grandes empresas. Uma tendência empresarial resultado das transformações sociais e económicas da década de 1980 foi a desregulação, a desarticulação de empresas organizadas verticalmente, com subcontratação (outsourcing), e a abertura de mercados internacionais (globalização).

Os autores identificam outra tendência – o empreendedorismo – articulada com uma ecologia especial, composta de grandes empresas e um número maior de freelancers. Tal leva à discussão sobre prós e contras do trabalho flexível. Por um lado, há mais liberdade de participar em projectos que se gosta mais; por outro lado, a concorrência e a precariedade conduzem a um permanente desgaste psicológico do desemprego, a pagamentos mais baixos e a mais horas de trabalho.

Um outro elemento destacado no texto de Davies e Sigthorsson é o ligado aos locais de trabalho das indústrias criativas (do lar ao estúdio, à garagem e ao palco), com contactos face a face mais privilegiados que os contactos via internet, estruturas de trabalho (pequenas empresas e trabalhadores criativos independentes) e padrões de trabalho, no que eu também chamo cadeia de valor ou cadeia de produção (investigação da ideia e pré-produção, produção e pós-produção). Davies e Sigthorsson aconselham a que o trabalhador criativo trabalhe a sua trajectória da carreira e o seu portefólio. Finalmente, o texto traça perspectivas nacionais e internacionais do mercado das indústrias criativas.

A análise teórica completou a apresentação prática de ontem. A artista convidada, trabalhando áreas distintas como a fotografia, o vídeo, os cartazes de cinema e o teatro, defendeu duas ideias centrais: processo criativo (em que o tema vai evoluindo da concepção à realização final) e pensamento estratégico (do trabalho criativo compulsivo à criação do portefólio).

Exposição Frenéticas no Pós-Guerra em Cascais

frenéticas

O Museu da Presidência da República, em parceria com o Museu Nacional do Traje, apresenta a exposição Frenéticas no pós-guerra, mostra de acessórios de moda no feminino onde se retrata a década de 1920 em Portugal (Palácio da Cidadela de Cascais). No total, estão expostas mais de 100 peças e documentos originais.

“Na ânsia de viver frivolamente em liberdade, as mulheres saem, pela primeira vez, da esfera doméstica para aparecer em público, pisando firmemente terrenos que até então lhes eram interditos. Nas suas salomés coloridas, novos sapatos confortáveis e elegantes, mostrando o tornozelo e os joelhos, de vestidos curtos e de cintura descaída, maquilhadas e de cabelo curto à garçonne, experimentam a emoção de conduzir, praticar desporto, fumar e dançar ao som de uma jazz-band” (texto fornecido pela organização do evento).

Consumer preferences, cultural product types, and the export potential of cultural industries in small countries

“This paper challenges the assumption that, while the production of cultural goods and services is still locally specific and culturally informed, cultural consumption has become globalized. It argues that consumers generally require some degree of cultural knowledge or cultural affinity with cultural products in order to understand and appreciate them. Thecognitive distance between producer and consumer should therefore not be too great. This implies that producers from areas that take up a low position in the global cultural hierarchy, experience more difficulties exporting their cultural products than producers from more culturally influential areas. It also implies that we should distinguish between cultural products according to the degree to which they demand specific cultural knowledge from the consumer. Distinctions between cultural products along these linesmay be expected to correspond with very distinct (global) geographic patterns of industry concentration, as well as with different types of organization of production” (Consumer preferences, cultural product types, and the export potential of cultural industries in small countries. Lessons from the Dutchpublishing industry, by ).

Cultura oral integrada no currículo educacional do Quénia

O Quénia vai integrar a cultura oral no currículo nacional de educação, de modo a encorajar os estudantes a terem interesse em temas artísticos, segundo um alto responsável da educação daquele país. A cultura oral é um meio importante para a preservação e propagação da cultura indígena, além de contribuir para a produção nas indústrias criativas.

O olhar da China

Beijing, a capital da China, quer estreitar a cooperação com Macau nas indústrias culturais e criativas. Antigo território administrado por Portugal, Macau continua a ser uma porta de entrada e de saída para os países de língua portuguesa, onde o Brasil se inclui. Este ano, Beijing planeia investir 31 mil milhões de yuans (cerca de 3,8 mil milhões de euros) em projetos culturais, o que se traduz em muitas oportunidades de negócio para Macau.

Os cortes nas indústrias culturais no Reino Unido

O DMCS (Department of Media, Culture and Sports), organismo público britânico da área das indústrias culturais, anunciou um corte no orçamento de 5% nos museus e outras organizações artísticas e 10% no Instituto do Cinema (BFI). O corte nesta última instituição causou muita preocupação, dada a atividade cinematográfica (e no geral as indústrias culturais e criativas) ser muito elevada e considerada no Reino Unido. Um dos argumentos é que se considera as indústrias criativas uma das jóias da coroa inglesa mas, ao mesmo tempo, introduzem-se cortes significativos.

Conferência Internacional sobre Economia Criativa de Lisboa

O Festival IN – Festival Internacional de Inovação e Criatividade é um evento que integra os conceitos associados a criatividade e inovação. A primeira edição do Festival IN realiza-se na FIL – Feira Internacional de Lisboa entre 14 e 17 de Novembro de 2013. Engloba as seguintes áreas: artes visuais, artes performativas, arquitectura, cinema e vídeo, património, televisão e rádio, design, videojogos, música, edição e criação literária, multimédia, TIC, telecomunicações, publicidade e I&D.

Porém, já a 29 e 30 de Maio, há actividades (warm up). Ler mais aqui.

IC

Relatório O Valor das Indústrias Culturais e Recreativas para a Economia Europeia

Na Europa, mergulhada em grave crise económica e financeira, com desemprego e desalento, há outra Europa, que cresce a taxas chinesas (10% nos anos recentes, 7% a 9% em 2012 e nos próximos anos), emprega milhão e meio de pessoas, com quase meio bilião de dólares [trilhão no original que estou a seguir] no PIB europeu: a Europa da indústria do luxo. Os dados constam do relatório O Valor das Indústrias Culturais e Recreativas para a Economia Europeia, divulgado pelo vice-presidente da Comissão Europeia e comissário europeu de Indústria e Empreendedorismo, o italiano Antonio Tajani, estudo encomendado à consultora multinacional Frontier Economics pela Aliança Europeia de Indústrias Culturais e Recreativas (ECCIA, de sua sigla em inglês), que reúne entidades das cinco maiores economias do continente: Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Espanha. O uso da palavra “luxo” está a ser discutido pelos integrantes da ECCIA, dado que isso engloba as indústrias culturais e recreativas: joias, alta moda (incluindo calçados, bolsas e todo o tipo de assessórios), perfumes, cosméticos, produtos de beleza, relógios, mobiliário, objetos de decoração, tapeçaria, bebidas exclusivas, chocolataria, bebidas finas, automóveis, barcos e mais produtos (a partir de Ricardo Setti para a revista Veja).

Indústrias Culturais e Criativas criam emprego em espaço rural

No dia 19 de julho, em Penafiel, vai decorrer a 3ª Conferência ICCER (Indústrias Culturais e Criativas no Espaço Rural), sob o tema Eventos Criativos e Programação. O projeto ICCER visa estimular o empreendedorismo e a competitividade nas zonas rurais a partir das indústrias culturais e criativas e promover a diversificação das atividades, a criação de riqueza e a melhoria da qualidade de vida, que se espera reverter na atratividade de novos residentes (ler mais em http://agrotec.pt/?p=1890).

Festim 2012

Quatro grandes concertos em Águeda, no Largo 1º Maio (Agitágueda) no âmbito do festival intermunicipal de músicas do mundo Festim 2012: domingo, 8 de julho, 22:00: Blowzabella (Inglaterra); quinta-feira, 12 de julho, 22:00: Eliseo Parra (Espanha); quinta-feira, 19 de julho, 22:00: Taraf de Haïdouks (Roménia), com filme Taraf, três contos e uma balada (véspera, 21:00, na d’Orfeu); quinta-feira, 26 de julho, 22:00: Gaiteiros de Lisboa (Portugal).

Todo o programa em http://www.festim.pt/.

Indústrias criativas no Norte do país

“As indústrias criativas empregavam, em 2009, no Norte de Portugal e na Galiza, 64.000 pessoas, representando uma faturação superior a 2,3 mil milhões de euros, aponta um estudo a que a Lusa teve acesso” (via RTP). O mesmo texto indica que o estudo foi coordenado pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Galiza-Norte de Portugal, volume de 328 páginas. As indústrias criativas são apresentadas como “unha serie de actividades diversas que van desde os subsectores tradicionais ás de alto índice tecnolóxico ou ás orientadas á prestación de servizos. Deste xeito abranguen actividades tan diversas como arte folclórica, festivais, música, libros, pintura e artes dramáticas, industria do cine, fotografía, radiodifusión, animación dixital e videoxogos, deseño, arquitectura ou publicidade” (em galego no documento disponível).

Seguindo o texto da Lusa, Elvira Vieira, diretora do AECT, explicou que “Este setor tem uma vantagem porque o seu recurso principal é ilimitado, que é o capital intelectual e a criatividade. Assim, sem grandes recursos financeiros, pode ter um papel muito importante no aumento da competitividade empresarial e contribuir para o desenvolvimento económico e para a coesão do território”. Do lado português, que aparece com a indicação de Norte de Portugal [que julgo corresponder à área de atuação da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte], os dados de 2009 apontavam para 20703 empresas do setor, com 43355 trabalhadores, que representavam 6% do tecido empresarial da região. A faturação ascendeu a 1,2 mil milhões de euros, com 70% do volume de negócios a corresponder à produção gráfica, seguido do audiovisual (6%) e das artes cénicas (3%). Crítica: do total de volume de negócios, o atribuído ao audiovisual é muito baixo (6%) (p. 178), o que inibe um progresso dentro do feixe de atividades das indústrias criativas no sentido internacional do conceito.

Comentários: não haveria lugar a dados mais recentes dado estarmos no final de fevereiro de 2012? Os dados de 2009 são comparados a anos anteriores, e não são brilhantes: “en 2009 o número de empresas no Norte de Portugal que desenvolvía as súas actividades dentro das industrias culturais e creativas ascendía a 20 703, o que representa un 3,66 % menos que no ano 2008, e o 4,45 % menos que en 2007” (em galego no texto original) (p. 170). Haverá tendências mais próximas da atualidade onde se verifique de que modo a crise financeira está a prejudicar ainda mais as atividades culturais? O texto tem uma chamada para a assimetria do país: “Delas, o 37,21 % dedicábase a actividades relacionadas coas artes gráficas e a edición (impresión e edición de xornais e revistas, preimpresión, impresión, distribución, edición de libros, acabados etc.); outro 19,3 5% á publicidade, o 11,95 % á arquitectura e o 10,37 % ao deseño (tanto gráfico coma industrial e, neste caso, moi centrado no deseño de xoias). Chama a atención o reducido peso relativo da industria audiovisual no que se refire ao tecido empresarial, que ten a súa explicación na inexistencia de canle rexional (con todo o que para os efectos de demanda na xeración de contidos e na prestación de servizos auxiliares leva parello) e no centralismo nos servizos das nacionais en Lisboa” (em galego no original) (p. 174).

O texto volta a destacar a mesma tendência que caracteriza o panorama do Norte de Portugal face a Lisboa: “Desta clasificación por actividades pódese concluír que o 51 % das empresas que opera na industria audiovisual do Norte de Portugal presta servizos auxiliares, peso que non parece corresponderse coa madurez do sector. A xeración de contidos, que viría da man das empresas dedicadas á produción de cine, vídeo, TV ou de animación, representa só o 36 % do tecido empresarial, e faría referencia á verdadeira actividade cultural ou creativa. Finalmente, só o 13 % das empresas se decida a tarefas de distribución e á exhibición cinematográfica, un peso reducido que podería deberse a que a titularidade de moitas das salas de exhibición está en mans de grupos multinacionais con domicilio social en Lisboa” (p. 215).

O estudo aponta, contudo, “a xulgar polos datos de emprego ata agora comentados, é posible concluír que as industrias culturais e creativas na rexión Norte de Portugal mostran unha importante capacidade xeradora de emprego” (em galego no texto original) (p. 184).

Deixo apenas os dados respeitantes a uma atividade que venho seguindo de mais perto, a rádio, para se perceber do que se fala. De 2006 para 2009, houve uma quebra dramática de 53,18% na facturação (que se situa especificamente em 2007) e um pequeno crescimento no emprego. A situação será, certamente, ainda mais alarmante no momento presente.

As conclusões relativamente ao Norte de Portugal indicam “Ante a falta de peso do sector audiovisual dentro das ICC da rexión Norte, por non dispoñer de centros de produción autónomos que puideran ter un efecto de demanda de servizos a consecuencia do forte centralismo arredor de Lisboa, faise necesario impulsar un modelo de audiovisual propio para a rexión. O valor simbólico que a arquitectura ten en Portugal, que conta con figuras de renome no panorama internacional, non está apoiado cun valor/peso da arquitectura nas contas globais, o que fai pensar nunha falta de imaxe de marca e de carencias no que ás capacidades de internacionalización se refire.
 Algunhas das empresas tradicionais da rexión sobreviviron adoptando innovacións tecnolóxicas incorporadas nos equipos empregados no proceso produtivo, pero desatenderon a parte creativa e de deseño, que foi importado. Por iso faise preciso incidir na innovación de base non tecnolóxica e impulsar a transferencia do sector cultural aos sectores maduros da economía portuguesa (efecto polinización sobre outros sectores produtivos).
 Apréciase unha tendencia cara á confluencia da arte, a ciencia e a tecnoloxía, o que facilita a creación de traballos innovadores, converxentes e transnacionais, que fan máis doados os necesarios procesos de internacionalización.
 Os investimentos en incubadoras creativas e os programas de emprendemento non foron acompañados de capital risco-semente, ou de produtos financeiros que facilitaran a creación deste sector. Pero os instrumentos financeiros deben ser adaptados ás especificidades da industria creativa porque teñen modelos de negocio moi específicos e vinculados co inmaterial.
 É preciso que a axenda da cultura sexa converxente coa axenda da educación, de xeito que o sistema educativo incorpore a creatividade dentro das súas prioridades” (em galego no texto original) (páginas 301-302).

As indústrias criativas no congresso da SOPCOM

No congresso da SOPCOM, em realização no Porto, estive na sessão “Inova: O Futuro Provável: as Indústrias Criativas, os New Media e os Media Tradicionais”, ao final da tarde de ontem. Na mesa, apresentara-se quatro conferencistas: Pedro Sousa, coordenador de projecto na agência INOVA, sediada no Porto, Bruno Pereira, director e editor da Magnética Magazine, com sede em Lisboa, Luís Ismael, realizador de cinema ligado à Light Box, oriunda do Porto, e João Peres Alves, partner da Ayr Trends, consultora que aplica as tendências do consumidor aos negócios, com escritórios em Lisboa, Amesterdão, S. Paulo e Miami.

Em Portugal, o recente estudo de Augusto Mateus sobre o sector cultural e criativo, e debatido nas mensagens do blogue, trouxe uma ampla discussão pública, pelos valores divulgados quanto ao PIB das actividades das indústrias criativas, no sentido do tópico desenvolvido por Richard Florida sobre cidades criativas, economia criativa e indústrias criativas. Para avaliar as indústrias criativas, Florida elaborou dois índices, o índice boémio, que apresenta a produção cultural (actividades de grande público versus actividades de vanguarda), e o índice de diversidade social (tolerância ou aceitação em termos de variadas comunidades criativas). No país, e nomeadamente em Lisboa e no Porto, tem havido uma profunda discussão sobre as indústrias criativas e a sua aplicação no país. Por exemplo, ainda este ano, a Fundação de Serralves promoveu um ciclo de conferências O Imaterial: Os Novos Paradigmas da Contemporaneidade, iniciativa focada no pensamento contemporâneo com abordagens entre a economia e a cultura. Richard Florida descrevera e analisara mega-regiões, casos de Dallas-Austin (Texas) e Barcelona-Lyon, na perspectiva da economia da criatividade. A ADDICT (Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas) deu um passo essencial ao colaborar com a universidade do Texas (Austin) na promoção de uma rede global aberta constituída por cidade médias de todo o mundo, em que a partilha de tecnologias e talento estejam orientadas para o negócio. A agência tem, no plano de actividades de 2012-2013, objectivos como capacitar e valorizar os recursos criativos (criatividade individual) numa economia baseada no talento e criatividade (criatividade empresarial) e com maior massa crítica urbana e atractividade do território (criatividade urbana). A sua actuação reside em três pilares de actuação e competências: pessoas, negócios e lugares com conhecimento, conectividade e promoção. Os sectores prioritários do plano são design, arquitectura, audiovisual e software. Outros sectores como tecnologias da informação, publicidade, design de moda, música e artes performativas beneficiarão do valor daqueles sectores estratégicos. Também a agência INOVA – Associação para a Cultura e Criatividade, a promotora da mesa da SOPCM, tem como missão contribuir para a afirmação das artes, do sector cultural, das indústrias criativas e dos seus agentes como elementos fundamentais de desenvolvimento da sociedade portuguesa. O congresso da SOPCOM daria cidadania ao tema, convocando-o para o assunto central do seu VII congresso no geral e para aquela mesa em particular.

Pedro Sousa (INOVA) falou de uma imagem prospectiva, da relação com os novos media, do apoio a projectos e do número de pessoas que trabalham na área. Acabou por reconhecer que ainda não existe um cluster (feixe) de actividades no Porto ligadas às indústrias criativas, mas espera que isso possa acontecer. Para tal, torna-se necessário, acrescento eu, haver mais envolvimento nacional e internacional, projectos e capital de risco. Bruno Pereira falou essencialmente da sua revista, que eu aconselho a fazer uma visita: Magnética Magazine. Luís Ismael falou do sector deprimido que é o audiovisual no Porto, por oposição a um sector mais pujante aqui em Lisboa. Para ele, há necessidade de formar mais quadros técnicos e criar estruturas de produção regionais. João Peres Alves desenvolveu a ideia das tendências de consumo para os próximos anos e como os media (velhos e novos) podem ajudar a captar e centrar essas tendâncias. Ele disse ser preciso haver confiança e transparência na vida, de modo a que a relação entre consumidores e produtos se reforce. A onda (alteração momentânea) precisa de chegar a ser moda e, em especial, a tendência.

A sala onde decorreu a mesa sobre indústrias criativas estava bem composta de assistência, mau grado a forte concorrência da mesa paralela, onde se discutia a internacionalização da comunicação, a qual arrastou muitos dos conferencistas, caso dos jovens investigadores do sector.

A seguir, um pequeno vídeo com parcelas dos textos dos quatro comunicadores na fase de perguntas e respostas.

Lisboa, capital cultural

“A plataforma de indústrias criativas Induscria quer aproveitar a realização da Experimenta Design e da Trienal de Arquitectura, em 2013, para elevar Lisboa ao estatuto de uma «capital cultural». A projecção das iniciativas destas duas mostras, em emissões vídeo em tempo real, para todo o mundo, é um dos projectos avançados pela Induscria. «Não queremos interferir com a programação [das iniciativas]. Queremos potenciar a divulgação a nível internacional e catapultar a cidade de Lisboa e a região como cultural e criativa», explicou à Lusa Luís Serpa, galerista, programador cultural e responsável da associação Induscria. Dos contactos com a Câmara Municipal de Lisboa houve bom acolhimento, mas falta uma resposta definitiva, notou o responsável, que indicou que, no início do ano, novas apresentações devem acontecer. Com o Pátio da Galé no Terreiro do Paço em mente, Luís Serpa descreveu a criação de um auditório, a partir do qual se poderá transmitir em tempo real uma emissão vídeo contínua. Apresentações, concertos, entrevistas, espectáculos podem ser incluídos nesta «produção de conteúdos para ajudar na nova economia da cultura e os próprios eventos culturais». Provavelmente sob o patrocínio do Instituto Camões, que já é parceiro estratégico da plataforma, a Induscria também quer no início de 2012 intensificar o projeto dos itinerários e distritos culturais, que tem como experiência piloto a «Sétima Colina, a Romântica»” (Diário de Notícias).

A importância de identificar o negócio em museus e jardins zoológicos

John Lucas foi director operacional do Jardim Zoológico e Botânico de Cincinnati durante dez anos. Naquela actividade de indústrias culturais, ele aplicou conceitos inovadores de rentabilidade, incluindo ferramentas informáticas. Quando entrou no jardim de Cincinnati, havia quatro sistemas para pagamento de entrada, diversões específicas e alimentação, caso de velhas caixas registadoras de 1975. Ele identificou diferentes públicos-alvo, a quem programou actividades culturais distintas. Agora, tem um registo sempre actual das entradas e das vendas de bilhetes do comboio do zoo ou dos eventos especiais, além de pontos de venda com cartões com descontos de fidelidade para associados, incluindo entradas gratuitas. O jardim zoológico está a desenvolver um mapeamento geo-analítico de modo a percepcionar mais adequadamente as tendências de consumo.

Hoje, as notícias dão conta da entrada de John Lucas na BrightStar Partners, uma empresa da IBM dedicada a consultadoria analítica e software com uma área de negócio aplicada às indústrias culturais. As mesmas notícias falam de uma actividade que envolve mais de 260 jardins zoológicos e aquários e mais de 17 mil museus com um total anual de mais de 300 milhões de pessoas no mercado norte-americano.

Rui Catarino sobre indústrias criativas

Organizado pela Fundação Bracara Augusta, realizou-se na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga, na passada sexta-feira, um colóquio intitulado Indústrias Culturais e Criativas. A discussão partiu do texto de César Antonio Molina La cultura sin cultura, publicado no jornal El País, de 25.11.2010, onde quis opor cultura criativa, que despreza o mercado, a cultura industrial, menos elitista e mais divertida e consumista. Para ele, o poder da inteligência foi substituído pelo poder dos media que fabricam mais celebridades que os círculos de eruditos e intelectuais. Celebridades que dão opinião na sua falta de cultura como se fossem sábias” [ver abaixo notícias do Correio do Minho e do Diário do Minho, 6.11.2011].

Um dos participantes foi Rui Catarino, professor da Escola Superior de Teatro e Cinema (Instituto  Politécnico de Lisboa), de que retive no vídeo seguinte uma parcela da sua muito interessante intervenção.


INDÚSTRIAS CRIATIVAS

Na passada quinta-feira, dia 7, realizou-se uma tertúlia sobre Indústrias Criativas e Mundo Digital nas instalações do Fórum Dança, na Lx. Factory, com moderação de Madalena Zenha. Falaram Miguel Martins (jornal Expresso), Miguel Carretas (passmúsica e AUDIOGEST) e eu próprio [imagens de telemóvel com fachadas de edifícios da Lx. Factory e interior da livraria Ler Devagar].

Miguel Martins falou de crimes públicos (ou público criminoso) quando se consome internet. Para ele, pirataria já perdeu essa identificação passando a ser crime público, com base em três palavras do domínio da internet (upload, tag, share). Miguel Carretas considerou que é impossível concorrer com o gratutio e que, no limite, proteger a criação artística e proteger a liberdade de criação. Ele, profundo conhecedor da indústria da música, descreveu os modelos de negócio e identificou as perdas nas vendas, o que afecta os criadores e os artistas.

A primeira parte do meu texto abordou a distinção entre indústria(s) cultural(ais) e indústrias criativas. A origem do conceito indústrias culturais data da década de 1940, sofrendo alterações nas décadas de 1980-1990. As primeiras são do domínio da reprodutibilidade técnica (Walter Benjamin) e foram objecto inicial de análise de autores da corrente crítica: Theodor Adorno e Max Horkheimer. Eles, refugiados alemães nos Estados Unidos, contestaram a cultura de massa, como o cinema, a fotografia, a música (jazz) e, depois, a televisão. Viram a perda da ideia de cidadão, agora transformado em consumidor, alienado pela permanente novidade de produtos que se compram e vendem. Na década de 1980, autores franceses como Edgar Morin, Patrice Flichy e Bernard Miège deram conta das transformações do conceito. Por um lado, havia a arte e a criatividade inerentes às produções estéticas da cultura de massa. Por outro lado, o que se chamou de cadeia de valor (os estádios de produção) em cada indústria cultural era diferente. Por exemplo, a incorporação de valor num filme é distinta da do romance. Neste, há um autor que publica numa editora que o distribui por livrarias; naquele, o autor não é apenas um mas múltiplos ou múltiplas entidades: argumentista, realizador, actores, responsável pela fotografia, responsável pela música, produtor. Por outro lado ainda, distinguem-se obras de consumo imediato ou de fluxo (um jornal diário perde valor no dia seguinte) e de stock (um filme, um livro ou um disco podem ser vistos e ouvidos em qualquer tempo, desde que possua qualidade, fazendo parte do património da cultura humana). A economia e a racionalidade encontram a filosofia.

As indústrias criativas englobam as artes criativas e de performance, os locais e a arquitectura. Elas foram desenvolvidas na segunda metade da década de 1990, em especial em países como o Reino Unido e a Austrália. Por duas razões, a primeira das quais se prende com a compreensão do valor do PIB quando se juntam as indústrias de reprodutibilidade técnica (cinema, disco, televisão, imprensa) com as actividades da cultura (museus, exposições, concertos ao vivo, turismo, moda). As diferentes actividades e profissões cruzam-se. Um exemplo: um actor de teatro participa numa novela de televisão ou num filme. Outro exemplo: uma loja de vestuário pode incluir uma secção de adereços de teatro e ficar situado perto de estúdios de vídeo. A outra razão foi mais evidente no Reino Unido e transportável para áreas urbanas e industriais de outros países: indústrias como a de construção naval, têxtil, da metalurgia, entraram em decadência na Europa devido a preços mais baixos de produção no Oriente. Isso levou ao desemprego e a uma malha urbana empobrecida. Os sítios podem ser revitalizados com novas funções. Os museus de Londres (Tate Modern) e Bilbau (Guggenheim) deram uma nova vida aos locais onde estão implantados, com a criação de outras actividades complementares. A Lx. Factory, embora sem a criação de um pólo novo, pode servir de exemplo português.

GESTÃO DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS

Chris Bilton (2011: 31) considera que, na década de 1990, a palavra de ordem foi “o conteúdo é rei”. Mas, com a queda das empresas dot-com, por razões financeiras, e o crescimento avassalador dos conteúdos, houve uma desvalorização destes. A atenção dada hoje não é o que é o conteúdo mas o como se lança, a sua marca e as relações com os clientes. Por outras palavras: a gestão. Acostumados a receber conteúdos gratuitos, os consumidores foram persuadidos a pagar por um serviço de qualidade. E destaca o modelo de negócio que os Radioheads desenvolveram.

É aqui que entra Dave Itzkoff, quando publicou, no New York Times de 14 de Fevereiro último, que a banda britânica optou, logo após os Grammys (e, no Reino Unido, os prémios da British Academy of Film and Television Arts), por anunciar que o álbum The King of Limbs seria lançado em formato digital antes do lançamento físico em Maio. Contudo, ao contrário do álbum anterior, In Rainbows, em que os Radiohead permitiram aos seus fãs comprarem o disco pelo preço que entendessem, The King of Limbs não será vendido a preço flexível. No sítio The King of Limbs , a banda informa que a versão digital custa 7 euros (formato MP3) ou 11 euros (formato WAV).

O modelo parece solidificar-se. O novo disco da banda portuguesa The Gift, chamado Explode, começou a ser revelado hoje na internet, com o primeiro single RGB a poder ser ouvido (Diário de Leiria). Por seu lado, a cantora norte-americana Lady Gaga (Stefani Joanne Angelina Germanotta) lançou também hoje no seu sítio oficial o videoclip do single de avanço do álbum Born This Way, a conhecer na sua totalidade em Maio (Público).

Leitura: Chris Bilton (2011). “The management of the creative industries. From content to context”. In Mark Deuze (ed.) Managing media work. Los Angeles, Londres, Nova Deli, Singapura, Washington: Sage

INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS NO PORTO

A Fundação de Serralves promove o Ciclo de Conferências O Imaterial: Os Novos Paradigmas da Contemporaneidade, iniciativa que integra dez conferências focadas no pensamento comtemporâneo e que cruza novas abordagens a economia e a cultura. O ciclo é comissariado por Artur Castro Neves. A próxima conferência, a 17 de Março, das 21:30 às 23:00, no auditório da Fundação de Serralves (Rua Dom João de Castro, 210, Porto), tem como tema central “As Indústrias Culturais e Criativas Portuguesas”. São convidados da sessão Augusto Mateus, enquanto orador, e Alberto Castro, que fará a moderação do debate da sessão (fonte: Norte em Rede).

INDÚSTRIAS CRIATIVAS NA AUSTRÁLIA

Arts and creative industries. A historical overview; and an Australian conversation é um estudo feito pelo professor Justin O’Connor para o Australia Council como parte de uma relação de longo prazo estabelecida entre o conselho e o ARC Centre of Excellence on Creative Industries and Innovation da Universidade de Tecnologia de Queensland (QUT). O relatório começou em Junho de 2009 com entrevistas a artistas e agentes australianos ligados às práticas das artes e às políticas mundiais. Aos participantes perguntou-se quais as semelhanças, diferenças e relações entre artes e indústrias criativas.

ENTREPRENEURIAL DIMENSION OF THE CULTURAL AND CREATIVE INDUSTRIES

The Entrepreneurial Dimension of the Cultural and Creative Industries is a report prepared by Utrecht School of the Arts (Netherlands): “The abundance of studies on the CCI […] have highlighted the critical impact of CCIs on growth and employment, and acknowledged their great economic, social, cultural and innovative potential. CCI activities act as important drivers of ‘economic and social innovation’ within the sector but also outside the CCI sector”. The aim of the study is to provide a better understanding of the operations and needs of companies in the CCIs, namely small and medium-sized enterprises (SME). The intention is to describe some of the problems and provide recommendations.The study indicates specific challenges that could hamper entrepreneurship and prevent CCIs from benefiting from the internal market and the digital shift. It provides an understanding of the key determinants such as access to finance, market barriers, intellectual property rights, education and training, innovation, and collaborative processes. Read more.

CREATIVE INDUSTRIES IN ESTONIA, LATVIA AND LITHUANIA

Creative Industries in Estonia, Latvia and Lithuania 2010, annual review.

Discussions of the creative industries (CI) agenda in the Baltic countries date back to the beginning of 2000. The British Council has played a remarkable role in promoting the creative industries concept all over the world, and its contribution, through providing expertise and methodological
assistance in mapping endeavours, cannot be underestimated in the Baltic countries either. Attention first started to be paid to the creative industries at the national level in all three Baltic countries when the British Council (BC) introduced the concept to different ministries in the Baltics in 2005. As a result, the Ministries of Culture in all three countries seized the opportunity to adopt the definition and content into their cultural policy agenda. This period (of policy formation) saw the adaptation of the United Kingdom’s approach in terms of the ideas, structure and content of CI development. The first major steps at state level started with statistical mapping surveys of CI in Estonia, Latvia and Lithuania. The study processes included adapting the British definition of CI to the Baltic States – “The creative industries are those industries which have their origin in individual creativity, skill and talent, and which have the potential for wealth and job creation through the generation and exploitation of intellectual property” (DCMS, 1998). Estonia and Latvia have made some minor changes to this definition. In Estonia, a clause addressing ‘collective creativity’ was added – “Those industries that have their origin in individual and collective creativity, skill and talent and which have the potential for wealth and job creation through the generation and exploitation of intellectual property.” The Latvian Government in its political documentation pursues the following definition: [Creative industries involve] “activities, based on individual and collective creativity, skills and talents, which by way of generating and utilizing intellectual property, are able to increase welfare and create jobs. Creative industries generate, develop, produce, utilize, display, disseminate and preserve products of economic, cultural and/or recreational value. See more.

CRÍTICA ÀS INDÚSTRIAS CRIATIVAS

“A ideia da cultura como uma indústria, que obedeceria aos mesmos pressupostos de qualquer atividade econômica, teria sido negada pelas gestões Gil/Juca. “De nada adianta os velhos paquidermes da ‘indústria cultural’ quererem reciclar-se por meio da última balela do velho industrialismo capitalista, as ‘Industrias Criativas’. Esse pessoal gosta da forma ‘indústria’, ou seja, da forma da exploração do trabalho alheio. A cultura não é indústria, mas valor, ou seja, significação”, defende Giuseppe Cocco, professor da UFRJ. Os programas do MinC teriam buscado fortalecer pequenas iniciativas, nem sempre geradoras de lucro ou visibilidade, de modo a incentivar, por baixo, a vasta diversidade cultural do país. “Nós trabalhamos a cultura como fato simbólico, fortalecendo as condições para o desenvolvimento das linguagens e das manifestações culturais, como um direito do cidadão, ampliando a acessibilidade, e fortalecendo a economia da cultura”, disse o ministro Juca [Ferreira] em seminário recente” (texto de Leandro Uchoas, Correio do Brasil, edição de ontem, 31.12.2010).

Giuseppe Mario Cocco é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro, editor das revistas Global BrasilLugar comumMultitudes (Paris). Coordena colecções de livros, tem experiência em planeamento urbano e regional. Publicou com Antonio Negri o livro GlobAL: Biopoder e lutas em uma América Latina globalizada (2005). O último livro publicado é MundoBraz: o devir Brasil do mundo e o devir mundo do Brasil (2009).