Arquivo da categoria: Indústrias Culturais

O que são e para que servem as indústrias culturais e criativas?

Hoje, publiquei as notas de uma disciplina iniciada este ano na licenciatura de Comunicação Social e Cultural com o nome de Indústrias Culturais e Criativas. Por opção pessoal, foi também o último ano que a lecionei. Dividi-a em três blocos – matéria teórica, leituras para fazer e apresentar na aula por parte da turma e presença de convidados. O que são e para que servem as indústrias culturais e criativas, perguntei à partida. Trata-se afinal do tema central deste blogue alimentado desde 2003, responsabilidade que eu nunca pensei em prolongá-la por tanto tempo.

A uma introdução rápida do conceito fundador de Adorno e Horkheimer em 1947, alarguei o âmbito do tema e falei de conceitos retirados de Bernard Miège, David Hesmondhalgh (2007, The Cultural Industries. London: Sage), Justin O’Connor (2007, The Cultural and Creative Industries: A Review of the Literature, texto de trabalho não editado), Christiane Eisenberg, Rita Gerlach, Christian Handke (eds., 2006, Cultural industries. The British experience in international perspective) e Dieter Putcha, Friedrich Schneider, Stefan Haigner, Florian Wakolbinger e Stefan Jenewein (2010, The Berlin Creative Industries. An empirical analysis of future key industries. Heidelberg: Gabler). Acrescentei o fantástico livro de Rosamund Davies e Gauti Sigthorsson (2013, Introducing the Creative Industries. Los Angeles e Londres: Sage), o necessário embora controverso Richard Florida (2002, The Rise of the Creative Class: and how it’s transforming work, leisure, community. Nova Iorque: Basic Books) e o relatório de Augusto Mateus sobre indústrias criativas (2013), com as sinergias cultural, turística e industrial. Dos convidados, tive presente Alexandre Rodrigues (fãs de videojogos), Pedro Russo Moreira (música e rádio no Estado Novo), Joana Linda Correia (fotografia e artes performativas), Pedro Lopes (produção de ficção televisiva), Ana Garcia Martins (blogues, moda e tendências de consumo), João David Nunes (gestão das indústrias culturais), João Porto (audiências dos media), Anabela Mota Ribeiro (jornalista), Miguel Fernandes e Francisco Garcês (comunicação audiovisual no poder local) e José Carlos Alfaro (livreiro). Após estas presenças inquiri a turma para catalogar cada convidado nas três categorias de organização como o livro de Davies e Sigthorsson explica: freelancers, pequenas e médias empresas, grupos de media e indústrias criativas.

O trabalho produzido na turma foi muito rico, como os seus trabalhos finais refletem. A aluna polaca escreveu sobre as indústrias culturais e criativas de Varsóvia, a aluna basca escreveu sobre a realidade em Bilbau, ensinando que há mais coisas além do museu Guggenheim, os alunos portugueses escreveram sobre Lisboa. Um elemento da turma ficou tão entusiasmado que me falou querer já estagiar numa nova empresa aqui em Lisboa na área das indústrias culturais e criativas. Outro elemento de alegria foi o falarmos uma linguagem nova, com conceitos que, de início, pareciam estranhos. Quase todos os elementos da turma destacaram as discussões tidas entre eles sobre o que ouviram dos convidados e os ensinamentos recolhidos nesses contactos.

A profissionalização de um blogue

Na aula de hoje, tivemos uma escritora profissional de blogues. Licenciada em ciências da comunicação e antiga jornalista especializada nas áreas da cultura, moda, beleza e consumo, começou a escrever o seu blogue nessas temáticas. Onze anos depois de o iniciar, tem mais de 50 milhões de visitas, 200 mil seguidores no Facebook e Instagram, parcerias rentáveis com marcas e um público alvo estimado de mulheres vivendo em Lisboa e Porto entre os 20 e os 45 anos. Já em 2008, uma editora convidara-a a escrever um livro em papel com os melhores textos publicados no blogue. A evolução do blogue levou-a a criar uma marca de produtos e a abrir uma loja com uma amiga e agora sócia.

Para a convidada na aula, as empresas descobriram os blogues como veículos de maior propagação que os meios de comunicação mais tradicionais. A escrita em blogues é mais directa que esses outros meios. O estilo da sua escrita oscila entre o humor e a ironia, com um lado de cronista social. No começo, escreveu também sobre colegas, ainda numa fase de anonimato. Depois, quando o seu primeiro livro saiu, ela publicitou o nome e, apesar de perder alguma originalidade inicial, continuou a crescer em número de visitantes e comentários, granjeando mais popularidade.

As perguntas da turma foram estimulantes. Porque não criou uma revista em papel, que papéis desempenha, onde trabalha, como trabalha, como se relaciona com as marcas e os leitores, é isenta ou parcial, o sucesso foi preparado ou foi acontecendo por acaso, vê-se a escrever no blogue até à reforma, como articula texto e imagem (fixa e em movimento), como separa a informação que lhe chega à caixa de correio.

Agora, o trabalho da turma vai ser enquadrar a actividade desta autora de blogue e livros com a de criadora de negócios numa área emergente das indústrias culturais e criativas.

Curto apontamento sobre a escrita de um guião

Hoje, na aula de Indústrias Culturais e Criativas, esteve um produtor de conteúdos televisivos, em especial telenovelas. Ele falou sobre escrita para televisão e guiões. Um guião não é um processo literário mas visual, uma história contada em imagens, diálogos e descrição de uma estrutura dramática dentro de um contexto. O autor do guião já se transformou, nos Estados Unidos, em alguém de importância crescente na indústria cultural da televisão, enquanto na Europa ainda se fala do estatuto do realizador.

Nas indústrias culturais, existe um triângulo: autor, público, crítica. Com frequência, despreza-se o público. mas também se olha a televisão como mau produto cultural, incluindo a novela. O reconhecimento pela novela portuguesa, a nível de prémios internacionais, como o Grammy, indica que tem qualidade enquanto artefacto. Uma novela conta uma história, que pode ser iniciática, de catarse, e que lembra mitos e elementos da relação humana desde sempre. Assim, um guião significa uma história dentro de um contexto, enquanto organização linear de incidentes, episódios e eventos relacionados, com associação de conflitos internos e externos e escolhas. O desenho clássico de um guião que a indústria audiovisual desenvolveu é composto por tempo linear, um protagonista rapidamente identificado, uma realidade coerente, um final fechado e causalidade.

Como conclusão, não se deve esquecer que escrever um guião significa conhecer a audiência e que a arte da escrita reside na capacidade de provocar pensamento e sentimentos nos espectadores.

Exposição Frenéticas no Pós-Guerra em Cascais

frenéticas

O Museu da Presidência da República, em parceria com o Museu Nacional do Traje, apresenta a exposição Frenéticas no pós-guerra, mostra de acessórios de moda no feminino onde se retrata a década de 1920 em Portugal (Palácio da Cidadela de Cascais). No total, estão expostas mais de 100 peças e documentos originais.

“Na ânsia de viver frivolamente em liberdade, as mulheres saem, pela primeira vez, da esfera doméstica para aparecer em público, pisando firmemente terrenos que até então lhes eram interditos. Nas suas salomés coloridas, novos sapatos confortáveis e elegantes, mostrando o tornozelo e os joelhos, de vestidos curtos e de cintura descaída, maquilhadas e de cabelo curto à garçonne, experimentam a emoção de conduzir, praticar desporto, fumar e dançar ao som de uma jazz-band” (texto fornecido pela organização do evento).

Os filhos do Zip Zip

Helena Matos 001Helena Matos (1961-), para este livro, serviu-se de jornais e revistas da época, com destaque para o Diário Popular, jornal que dava muita atenção ao quotidiano, Diário de Lisboa, O Século, Diário de Notícias e O Século Ilustrado, ao longo da década de 1960 e até 1974. Ela usou outras fontes, como indica no final do livro. O livro, no seu todo, resultou de trabalhos que lhe foram encomendados, em especial a consultoria histórica feita, a pedido da RTP, para a série Conta-me Como Foi. Mais recentemente, ouvi Helena Matos em trabalhos feitos para a Antena 1, onde ela comentava o quotidiano dos portugueses nos anos em volta de 1974, a propósito dos 40 anos de implantação do regime democrático no nosso país.

O título do livro, Os Filhos do Zip Zip, constitui uma referência a um programa de televisão famoso na época e que marcou uma espécie de transição ou, pelo menos, de anseio de mudança política. Esta, como sabemos, veio a fazer-se por via militar e não civil, embora abrisse caminho a uma vasta alteração na sociedade civil.

A obra Os Filhos do Zip Zip divide-se em seis partes, cada uma delas com título apelativo e que reflecte valores partilhados na época: adeus aldeia, nós por cá vamos andando, estranha forma de vida, os desejados, mundo de aventuras, conversas em família. E tem 23 capítulos, onde identifica problemas muito sentidos então: subúrbios, delitos, guerra colonial, Tempo Zip (o programa de televisão e de rádio), questões femininas, amor, rock’n’roll, juventude, notícias sobre mistérios, sangue na estrada, conversas em família de Caetano, “por motivos alheios à nossa vontade” (diapositivo mostrado quando o programa da RTP sofria alguma avaria), primavera marcelista.

Na sua biografia, Helena Matos é apresentada como antiga professora do ensino secundário e jornalista. Dessa dupla vertente de pedagoga e de construtora de notícias surge uma capacidade de expor os temas com vivacidade e mantendo uma narrativa atraente. De produtora de notícias, ela passou a analista de notícias; daí, o recurso sistemático à análise das notícias e ao seu enquadramento histórico, social e linguístico. Isso verifica-se logo na entrada do livro – “Maio de 1973: os eléctricos deixam de circular na Estrada da Luz e também em Benfica. A Casa das Gravatas vai dar lugar a um banco e no Rossio fecha o Hotel Francfort” (p. 16). Logo depois, salta (e explica) para um fenómeno então a ter uma grande expansão: o crescimento urbano para a periferia de Lisboa. Sem o explicitar no texto, ela ilustra essa expansão com um anúncio de J. Pimenta, então um construtor afamado e que ficou conhecido através do slogan “Pois, pois, Jota Pimenta”, enunciado a significar que o problema da habitação estava resolvido com os seus empreendimentos.

O texto de Helena Matos tem de ser lido todo, para nos apercebermos das ironias, dos trocadilhos, das “coisas da vida” num país pequeno, pobre e silenciado. Basta atentar num dos cartunes publicados no livro (p. 48), retirado do Diário Popular, conversa entre o merceeiro e a cliente, com aquele a dizer: “É o que eu lhe digo, D. Rita: quando havia batatas, não havia bacalhau. Agora, que há bacalhau, não há batatas”. Era o custo de vida. No Natal de 1973, foi difícil arranjar bacalhau. Suspeitava-se que havia insuficiências de distribuição ou especulação (p. 47). Numa altura assim, dizia-se que os preços estavam “pela hora da morte”, exactamente o título do capítulo 3 da obra.

Da sua bibliografia, Helena Matos escreveu o livro Salazar, em dois volumes (A Construção do Mito; A Propaganda).

Leitura: Helena Matos (2013). Os Filhos do Zip Zip. Lisboa: A Esfera dos Livros, 359 páginas

Richard Hoggart

Não fora o magnífico texto de Miguel Bandeira Jerónimo no jornal em papel Público de hoje e eu não sabia da morte de Richard Hoggart, no passado dia 10 de Abril. Hoggart seria um dos fundadores do Center for Comporary Cultural Studies, junto à universidade de Birmingham, com Raymond Williams e E. P. Thompson. O nome mais famoso do CCCS seria Stuart Hall, falecido há dois meses.

O livro marca de Hoggart, As Utilizações da Cultura, em dois volumes editados pela Presença em 1973, daria conta das transformações ocorridas na cultura da classe trabalhadora (proletária, como se lia na contracapa) após o final da II Guerra Mundial e o modo especial que se podia atribuir à influência das publicações de massa. No fundo, os volumes reflectiam o percurso dos jovens como Hoggart, vindos de classes populares para a universidade e a vida académica.

Retiro um pouco do texto de Miguel Bandeira Jerónimo: os fundadores do CCCS “deram corpo a uma renovação crítica das ciências sociais e humanas, que em muito extravasou o seu contexto nacional de produção e institucionalização, o Reino Unido. O estudo das interrelações entre o poder, a cultura e a política”. E menciono os temas dos três primeiros capítulos do primeiro volume do livro de Hoggart: definição de classe trabalhadora; tradição oral, lar e família; “nós” e “eles”.

Consumer preferences, cultural product types, and the export potential of cultural industries in small countries

“This paper challenges the assumption that, while the production of cultural goods and services is still locally specific and culturally informed, cultural consumption has become globalized. It argues that consumers generally require some degree of cultural knowledge or cultural affinity with cultural products in order to understand and appreciate them. Thecognitive distance between producer and consumer should therefore not be too great. This implies that producers from areas that take up a low position in the global cultural hierarchy, experience more difficulties exporting their cultural products than producers from more culturally influential areas. It also implies that we should distinguish between cultural products according to the degree to which they demand specific cultural knowledge from the consumer. Distinctions between cultural products along these linesmay be expected to correspond with very distinct (global) geographic patterns of industry concentration, as well as with different types of organization of production” (Consumer preferences, cultural product types, and the export potential of cultural industries in small countries. Lessons from the Dutchpublishing industry, by ).

O olhar da China

Beijing, a capital da China, quer estreitar a cooperação com Macau nas indústrias culturais e criativas. Antigo território administrado por Portugal, Macau continua a ser uma porta de entrada e de saída para os países de língua portuguesa, onde o Brasil se inclui. Este ano, Beijing planeia investir 31 mil milhões de yuans (cerca de 3,8 mil milhões de euros) em projetos culturais, o que se traduz em muitas oportunidades de negócio para Macau.

Os cortes nas indústrias culturais no Reino Unido

O DMCS (Department of Media, Culture and Sports), organismo público britânico da área das indústrias culturais, anunciou um corte no orçamento de 5% nos museus e outras organizações artísticas e 10% no Instituto do Cinema (BFI). O corte nesta última instituição causou muita preocupação, dada a atividade cinematográfica (e no geral as indústrias culturais e criativas) ser muito elevada e considerada no Reino Unido. Um dos argumentos é que se considera as indústrias criativas uma das jóias da coroa inglesa mas, ao mesmo tempo, introduzem-se cortes significativos.

Desaparecimento de lojas dedicadas às indústrias culturais

Estavam localizadas na mesma rua, em esquinas opostas de uma transversal dessa rua. Uma era a livraria Círculo das Letras, outra o videocentro OMT. Com espaço de algumas semanas, ambas fecharam as portas. A informação sobre o encerramento pode ler-se nos vidros das portas. Não muito longe, o cinema Londres também deixou de ter cinéfilos a entrar nas suas salas. A crise financeira alastra de modo muito rápido e deixa as suas marcas. Ou, então, alguns negócios ligados às indústrias culturais, em especial o sector da distribuição (comercialização e venda direta), estão em profunda erosão e renovação.

IC1IC2

Colóquio “A música nas indústrias culturais em Portugal no século XX”

O colóquio A música nas indústrias culturais em Portugal no século XX vai realizar-se no próximo dia 15 de Setembro, no Museu da Música Portuguesa, em Cascais, em organização desta entidade e do Instituto de Etnomusicologia Centro de Estudos em Música e Dança. O colóquio insere-se num conjunto de actividades em torno da exposição Armando Leça: a música portuguesa nos novos meios de comunicação. Ele parte de uma figura que interagiu com diferentes meios de disseminação de música (o cinema, a rádio, o disco) para a abordagem da problemática das indústrias culturais que, ao longo do século XX, reconfiguraram a produção e o consumo musical em Portugal.

O programa é o seguinte:
9:30 – Sessão de Abertura
9:45 – Apresentação, Mário Vieira de Carvalho
10:00 – “A rádio na década de 1960: uma significativa mudança estética”, Rogério Santos
10:30 – “Música ao vivo e música gravada: alguns apontamentos sobre contextos, agentes e públicos”, José Neves
11:00 – “Para além do espectáculo: sinergias entre indústrias da música sob o escopo do Teatro de Revista”, Gonçalo Oliveira
12:00 – “As melodias de matriz rural e o ‘aportuguesamento da música ligeira’ na Emissora Nacional de Radiodifusão (1941-1949)”, Pedro Moreira
12:30 – “A Indústria fonográfica e a produção musical em Portugal”, António Tilly
14:30 – “A música no cinema português do início do sonoro aos anos 50”,
Manuel Deniz Silva
15:00 – “A música popular, a imprensa e os discos: mobilização política, crítica social e comicidade nos primeiros anos do século XX”, Rosário Pestana
15:30 – Encerramento

Relatório O Valor das Indústrias Culturais e Recreativas para a Economia Europeia

Na Europa, mergulhada em grave crise económica e financeira, com desemprego e desalento, há outra Europa, que cresce a taxas chinesas (10% nos anos recentes, 7% a 9% em 2012 e nos próximos anos), emprega milhão e meio de pessoas, com quase meio bilião de dólares [trilhão no original que estou a seguir] no PIB europeu: a Europa da indústria do luxo. Os dados constam do relatório O Valor das Indústrias Culturais e Recreativas para a Economia Europeia, divulgado pelo vice-presidente da Comissão Europeia e comissário europeu de Indústria e Empreendedorismo, o italiano Antonio Tajani, estudo encomendado à consultora multinacional Frontier Economics pela Aliança Europeia de Indústrias Culturais e Recreativas (ECCIA, de sua sigla em inglês), que reúne entidades das cinco maiores economias do continente: Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Espanha. O uso da palavra “luxo” está a ser discutido pelos integrantes da ECCIA, dado que isso engloba as indústrias culturais e recreativas: joias, alta moda (incluindo calçados, bolsas e todo o tipo de assessórios), perfumes, cosméticos, produtos de beleza, relógios, mobiliário, objetos de decoração, tapeçaria, bebidas exclusivas, chocolataria, bebidas finas, automóveis, barcos e mais produtos (a partir de Ricardo Setti para a revista Veja).

Indústrias Culturais e Criativas criam emprego em espaço rural

No dia 19 de julho, em Penafiel, vai decorrer a 3ª Conferência ICCER (Indústrias Culturais e Criativas no Espaço Rural), sob o tema Eventos Criativos e Programação. O projeto ICCER visa estimular o empreendedorismo e a competitividade nas zonas rurais a partir das indústrias culturais e criativas e promover a diversificação das atividades, a criação de riqueza e a melhoria da qualidade de vida, que se espera reverter na atratividade de novos residentes (ler mais em http://agrotec.pt/?p=1890).

Malaquias, pincha

Transmitido aos domingos às 13:00 na Ideal Rádio, dos Emissores do Norte Reunidos, durante as décadas de 1940 a 1960, A Voz dos Ridículos criou uma espécie de folhetim humorístico, onde Mena Matos, um dos maiores imitadores da época, criou a expressão pincha, Malaquias, pincha. Podemos atribuir à expressão o valor atual do “desenrasca-te”, tão popularizada nas décadas de cinquenta e sessenta e usada a propósito e a despropósito (equivalente ao mais recente “não havia nexexidade”, de Herman José, na personagem do provedor Diácono Remédios). Assim como o trabalha dedo, não tenhas medo, a expressão “refrão” de um dos intervenientes quando “usava” o telefone para fazer queixas de teor social, para a Câmara, a caixa de previdência, um hospital ou qualquer serviço público que estivesse ao alcance da crítica popular.

Mena Matos era a figura maior e como autores sobressaíam João Manuel, Bê Veludo e Antero Nunes (posteriormente aproveitados pelos Parodiantes de Lisboa). Também havia cantigas, ao jeito de revista, com o maestro José Quelhas ao piano e o locutor Ferreira da Cunha a cantar com letras trabalhadas sobre músicas populares mas com temas de incindência crítica muito diversificada. Todos funcionavam como um grupo de amigos e a receita publicitária era distribuída ao estilo “cooperativa”.

O programa A Voz dos Ridículos foi-se mantendo na Ideal Rádio, passou incólume à compra dos Emissores do Norte Reunidos pela Emissora Nacional e à nacionalização de dezembro de 1975. Só saíu daquela antena, a emitir da rua Alferes Malheiro, no Porto, porque a estação fechou. Na década de 1980, passou para a Rádio Festival mas sem o fulgor de outros tempos.

[a partir de texto, por solicitação minha, de Rui de Melo, antigo locutor e realizador de rádio e atual docente da Universidade Fernando Pessoa (Porto) sobre a expressão pincha, Malaquias, pincha. O meu agradecimento por tudo o que me contou sobre a história das rádios do Porto. Na linguagem popular daquela cidade, pinchar significa saltar].

Festim 2012

Quatro grandes concertos em Águeda, no Largo 1º Maio (Agitágueda) no âmbito do festival intermunicipal de músicas do mundo Festim 2012: domingo, 8 de julho, 22:00: Blowzabella (Inglaterra); quinta-feira, 12 de julho, 22:00: Eliseo Parra (Espanha); quinta-feira, 19 de julho, 22:00: Taraf de Haïdouks (Roménia), com filme Taraf, três contos e uma balada (véspera, 21:00, na d’Orfeu); quinta-feira, 26 de julho, 22:00: Gaiteiros de Lisboa (Portugal).

Todo o programa em http://www.festim.pt/.

Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo

Em março de 1946, constituiu-se a sociedade Rádio Triunfo, no Porto, dedicada à produção de discos, com os sócios Rogério Leal, José Cândido Silva e Manuel Lopes da Cruz. A inauguração da fábrica ocorreu em 1947.

1957 seria uma data importante na história da empresa, com o início dos cortes dos acetatos e da produção das matrizes de cobre em Portugal, atividades até aí feitas fora da fábrica do Porto. Além da produção dos discos de 78 rpm, a fabrica iniciou a produção de discos de microgravação (45 rpm). A primeira loja comercial abria na rua de Santa Catarina (Porto) no mesmo ano de 1957, alargando-se para outras lojas: rua de Santo António, hoje 31 de Janeiro (Porto), em 1961, e rua do Carmo (Lisboa), em 1962.

A produção de discos estereofónicos começou em 1969. No ano seguinte, abriu a secção de cassetes e cartuchos, enquanto que em 1973 se instalava uma linha de produção de alta velocidade. Ainda em 1973, abririam delegações em Angola e Moçambique. Em março de 1974, eram inaugurados estúdios de gravação em Lisboa. A Rádio Triunfo englobava, entre outras, as etiquetas Alvorada, Melodia, Harmonia e RT, e teria no seu catálogo, pelo menos no começo da atividade de artistas e cantores, nomes como Amália Rodrigues, Carlos do Carmo, Simone de Oliveira, Madalena Iglésias, António Calvário, Fernando Farinha, Tony de Matos, Maria de Lurdes Resende e José Afonso. A mudança de regime político em 1974 traria alterações à vida da empresa, com diversos artistas das suas etiquetas a sofrerem eclipse total ou quase total, dada a identificação musical (música ligeira), num momento em que irromperam outras estéticas, e as filiais fora de Portugal fechariam, dada a independência das colónias.

Leitura: J. A. T. Lourenço (coord.) (1997). A grande aventura da gravação: 100 anos de gravação sonora, 1877-1977. Porto: Rádio Triunfo

Compra da Assírio & Alvim pela Porto Editora

A editora Assírio & Alvim foi agora adquirida pelo Grupo Porto Editora. Em agosto de 2011, entre as duas entidades fez-se um acordo na área da distribuição. Depois, em outubro último, estabeleceu-se um protocolo que incluía a parceria editorial. Manuel Rosa, o anterior accionista maioritário da Assírio & Alvim, assume doravante o papel de colaborador externo, com propostas de obras para edição (e lançou uma editora própria). A Assírio & Alvim foi fundada em 1972. Na primeira metade da década seguinte, a editora estava quase a falir, quando Hermínio Monteiro assumiu a sua direcção e a tornou uma prestigiada editora, apostando em autores consagrados, como Mário Cesariny e Herberto Helder e revelando novos poetas (Monteiro faleceu em 2001). Dados os problemas que existem atualmente nas editoras de média dimensão, com grande rotação de livros nas livrarias, concentração económica das editoras e das livrarias, fragilidades da distribuição, decadência da rede livreira tradicional e prazos de pagamento mais dilatados, a Assírio & Alvim apresentava muitas dificuldades (sigo de perto o artigo do jornal Público). O mercado livreiro está hoje fortemente representado pela Leya, Porto Editora e Almedina.

Indústrias criativas no Norte do país

“As indústrias criativas empregavam, em 2009, no Norte de Portugal e na Galiza, 64.000 pessoas, representando uma faturação superior a 2,3 mil milhões de euros, aponta um estudo a que a Lusa teve acesso” (via RTP). O mesmo texto indica que o estudo foi coordenado pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Galiza-Norte de Portugal, volume de 328 páginas. As indústrias criativas são apresentadas como “unha serie de actividades diversas que van desde os subsectores tradicionais ás de alto índice tecnolóxico ou ás orientadas á prestación de servizos. Deste xeito abranguen actividades tan diversas como arte folclórica, festivais, música, libros, pintura e artes dramáticas, industria do cine, fotografía, radiodifusión, animación dixital e videoxogos, deseño, arquitectura ou publicidade” (em galego no documento disponível).

Seguindo o texto da Lusa, Elvira Vieira, diretora do AECT, explicou que “Este setor tem uma vantagem porque o seu recurso principal é ilimitado, que é o capital intelectual e a criatividade. Assim, sem grandes recursos financeiros, pode ter um papel muito importante no aumento da competitividade empresarial e contribuir para o desenvolvimento económico e para a coesão do território”. Do lado português, que aparece com a indicação de Norte de Portugal [que julgo corresponder à área de atuação da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte], os dados de 2009 apontavam para 20703 empresas do setor, com 43355 trabalhadores, que representavam 6% do tecido empresarial da região. A faturação ascendeu a 1,2 mil milhões de euros, com 70% do volume de negócios a corresponder à produção gráfica, seguido do audiovisual (6%) e das artes cénicas (3%). Crítica: do total de volume de negócios, o atribuído ao audiovisual é muito baixo (6%) (p. 178), o que inibe um progresso dentro do feixe de atividades das indústrias criativas no sentido internacional do conceito.

Comentários: não haveria lugar a dados mais recentes dado estarmos no final de fevereiro de 2012? Os dados de 2009 são comparados a anos anteriores, e não são brilhantes: “en 2009 o número de empresas no Norte de Portugal que desenvolvía as súas actividades dentro das industrias culturais e creativas ascendía a 20 703, o que representa un 3,66 % menos que no ano 2008, e o 4,45 % menos que en 2007” (em galego no texto original) (p. 170). Haverá tendências mais próximas da atualidade onde se verifique de que modo a crise financeira está a prejudicar ainda mais as atividades culturais? O texto tem uma chamada para a assimetria do país: “Delas, o 37,21 % dedicábase a actividades relacionadas coas artes gráficas e a edición (impresión e edición de xornais e revistas, preimpresión, impresión, distribución, edición de libros, acabados etc.); outro 19,3 5% á publicidade, o 11,95 % á arquitectura e o 10,37 % ao deseño (tanto gráfico coma industrial e, neste caso, moi centrado no deseño de xoias). Chama a atención o reducido peso relativo da industria audiovisual no que se refire ao tecido empresarial, que ten a súa explicación na inexistencia de canle rexional (con todo o que para os efectos de demanda na xeración de contidos e na prestación de servizos auxiliares leva parello) e no centralismo nos servizos das nacionais en Lisboa” (em galego no original) (p. 174).

O texto volta a destacar a mesma tendência que caracteriza o panorama do Norte de Portugal face a Lisboa: “Desta clasificación por actividades pódese concluír que o 51 % das empresas que opera na industria audiovisual do Norte de Portugal presta servizos auxiliares, peso que non parece corresponderse coa madurez do sector. A xeración de contidos, que viría da man das empresas dedicadas á produción de cine, vídeo, TV ou de animación, representa só o 36 % do tecido empresarial, e faría referencia á verdadeira actividade cultural ou creativa. Finalmente, só o 13 % das empresas se decida a tarefas de distribución e á exhibición cinematográfica, un peso reducido que podería deberse a que a titularidade de moitas das salas de exhibición está en mans de grupos multinacionais con domicilio social en Lisboa” (p. 215).

O estudo aponta, contudo, “a xulgar polos datos de emprego ata agora comentados, é posible concluír que as industrias culturais e creativas na rexión Norte de Portugal mostran unha importante capacidade xeradora de emprego” (em galego no texto original) (p. 184).

Deixo apenas os dados respeitantes a uma atividade que venho seguindo de mais perto, a rádio, para se perceber do que se fala. De 2006 para 2009, houve uma quebra dramática de 53,18% na facturação (que se situa especificamente em 2007) e um pequeno crescimento no emprego. A situação será, certamente, ainda mais alarmante no momento presente.

As conclusões relativamente ao Norte de Portugal indicam “Ante a falta de peso do sector audiovisual dentro das ICC da rexión Norte, por non dispoñer de centros de produción autónomos que puideran ter un efecto de demanda de servizos a consecuencia do forte centralismo arredor de Lisboa, faise necesario impulsar un modelo de audiovisual propio para a rexión. O valor simbólico que a arquitectura ten en Portugal, que conta con figuras de renome no panorama internacional, non está apoiado cun valor/peso da arquitectura nas contas globais, o que fai pensar nunha falta de imaxe de marca e de carencias no que ás capacidades de internacionalización se refire.
 Algunhas das empresas tradicionais da rexión sobreviviron adoptando innovacións tecnolóxicas incorporadas nos equipos empregados no proceso produtivo, pero desatenderon a parte creativa e de deseño, que foi importado. Por iso faise preciso incidir na innovación de base non tecnolóxica e impulsar a transferencia do sector cultural aos sectores maduros da economía portuguesa (efecto polinización sobre outros sectores produtivos).
 Apréciase unha tendencia cara á confluencia da arte, a ciencia e a tecnoloxía, o que facilita a creación de traballos innovadores, converxentes e transnacionais, que fan máis doados os necesarios procesos de internacionalización.
 Os investimentos en incubadoras creativas e os programas de emprendemento non foron acompañados de capital risco-semente, ou de produtos financeiros que facilitaran a creación deste sector. Pero os instrumentos financeiros deben ser adaptados ás especificidades da industria creativa porque teñen modelos de negocio moi específicos e vinculados co inmaterial.
 É preciso que a axenda da cultura sexa converxente coa axenda da educación, de xeito que o sistema educativo incorpore a creatividade dentro das súas prioridades” (em galego no texto original) (páginas 301-302).

Rui Catarino sobre indústrias criativas

Organizado pela Fundação Bracara Augusta, realizou-se na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga, na passada sexta-feira, um colóquio intitulado Indústrias Culturais e Criativas. A discussão partiu do texto de César Antonio Molina La cultura sin cultura, publicado no jornal El País, de 25.11.2010, onde quis opor cultura criativa, que despreza o mercado, a cultura industrial, menos elitista e mais divertida e consumista. Para ele, o poder da inteligência foi substituído pelo poder dos media que fabricam mais celebridades que os círculos de eruditos e intelectuais. Celebridades que dão opinião na sua falta de cultura como se fossem sábias” [ver abaixo notícias do Correio do Minho e do Diário do Minho, 6.11.2011].

Um dos participantes foi Rui Catarino, professor da Escola Superior de Teatro e Cinema (Instituto  Politécnico de Lisboa), de que retive no vídeo seguinte uma parcela da sua muito interessante intervenção.


SOBRE A TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO (POR CABO)

Impactos ZON na economia portuguesa é um livro-álbum daquela empresa de telecomunicações e indústrias culturais (televisão por cabo, cinemas) editado em 2011 pela própria. O organizador do volume é Nuno Cintra Torres e a obra de 125 páginas tem os seguintes capítulos: benefícios das TIC e da banda larga para a economia portuguesa, impactos no emprego, impactos no audiovisual, impactos na competitividade das telecoms, impactos na experiência de consumidor, impactos na inovação, criatividade, sustentabilidade e responsabilidade, e perspectiva histórica.

É sobre o último capítulo que vou dar relevo. A ZON nasceu em 2007, quando se separou do grupo PT (PT Multimedia) e se tornou uma empresa e um grupo independente e concorrente com a PT, apesar dos principais accionistas serem semelhantes. A ZON tem cerca de 10% do mercado das telecomunicações em Portugal e é ainda líder do mercado de televisão por subscrição. Aliás, é o cabo e a televisão que flui por ele que tornam a ZON uma empresa muito conhecida. A TV Cabo, como era então chamada, nasceu no começo da década de 1990. Em 1994, pertence à PT (Portugal Telecom), empresa que resultara da fusão de empresas públicas, passando lentamente para a esfera da actividade privada (o último episódio desta privatização ocorreu nas últimas semanas com a alienação de 500 acções douradas por parte do Estado). O licenciamento da TV Cabo pelo regulador deu-se em ainda em 1994, passando a transmitir 30 canais, incluindo os quatro canais generalistas portugueses (RTP1, RTP2, SIC e TVI). No ano seguinte e depois, surgiram outros projectos de televisão por cabo, mas operando em bases mais regionais (Cabovisão, TVTEL, Bragatel, Pluricanal). Em 1998, a TV Cabo tinha já meio milhão de clientes. Por essa altura, muda a designação para PT Multimedia.

Em 1999, era lançado o primeiro canal dedicado à informação, CNL (Canal de Notícias de Lisboa), com 24 horas diárias de informação, meteorologia, câmaras de trânsito, análise de imprensa, programas de debate sectoriais, conceito de jornalista/operador. O seu consumo começou a ser medido pela Marktest. O projecto não teve êxito e, em 2001, transformava-se na actual SIC Notícias. Em 2003, com a digitalização da rede e uma caixa digital de descodificação do sinal era também lançado o serviço em sistema de pré-pagamento, em especial para passagem de filmes. Saliente-se a importância do património da Lusomundo (salas de cinema mas principalmente o seu catálogo de filmes portugueses) e dos canais de desporto, separando a ideia de serviço básico e premium (este com canais pagos à parte do pacote inicial). E também a entrada de canais como o AXN e a Fox, com séries de televisão norte-americanas e que constituiriam de imediato canais de culto e frequentados por espectadores mais jovens. Em 2005, a oferta atinge 70 canais no total. O pay TV torna-se uma das mais importantes áreas da televisão por subscrição, onde os clientes vêem programas sem necessariamente seguirem a hora de emissão dessa programação.

GESTÃO DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS

Chris Bilton (2011: 31) considera que, na década de 1990, a palavra de ordem foi “o conteúdo é rei”. Mas, com a queda das empresas dot-com, por razões financeiras, e o crescimento avassalador dos conteúdos, houve uma desvalorização destes. A atenção dada hoje não é o que é o conteúdo mas o como se lança, a sua marca e as relações com os clientes. Por outras palavras: a gestão. Acostumados a receber conteúdos gratuitos, os consumidores foram persuadidos a pagar por um serviço de qualidade. E destaca o modelo de negócio que os Radioheads desenvolveram.

É aqui que entra Dave Itzkoff, quando publicou, no New York Times de 14 de Fevereiro último, que a banda britânica optou, logo após os Grammys (e, no Reino Unido, os prémios da British Academy of Film and Television Arts), por anunciar que o álbum The King of Limbs seria lançado em formato digital antes do lançamento físico em Maio. Contudo, ao contrário do álbum anterior, In Rainbows, em que os Radiohead permitiram aos seus fãs comprarem o disco pelo preço que entendessem, The King of Limbs não será vendido a preço flexível. No sítio The King of Limbs , a banda informa que a versão digital custa 7 euros (formato MP3) ou 11 euros (formato WAV).

O modelo parece solidificar-se. O novo disco da banda portuguesa The Gift, chamado Explode, começou a ser revelado hoje na internet, com o primeiro single RGB a poder ser ouvido (Diário de Leiria). Por seu lado, a cantora norte-americana Lady Gaga (Stefani Joanne Angelina Germanotta) lançou também hoje no seu sítio oficial o videoclip do single de avanço do álbum Born This Way, a conhecer na sua totalidade em Maio (Público).

Leitura: Chris Bilton (2011). “The management of the creative industries. From content to context”. In Mark Deuze (ed.) Managing media work. Los Angeles, Londres, Nova Deli, Singapura, Washington: Sage

INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS NO PORTO

A Fundação de Serralves promove o Ciclo de Conferências O Imaterial: Os Novos Paradigmas da Contemporaneidade, iniciativa que integra dez conferências focadas no pensamento comtemporâneo e que cruza novas abordagens a economia e a cultura. O ciclo é comissariado por Artur Castro Neves. A próxima conferência, a 17 de Março, das 21:30 às 23:00, no auditório da Fundação de Serralves (Rua Dom João de Castro, 210, Porto), tem como tema central “As Indústrias Culturais e Criativas Portuguesas”. São convidados da sessão Augusto Mateus, enquanto orador, e Alberto Castro, que fará a moderação do debate da sessão (fonte: Norte em Rede).

ENTREPRENEURIAL DIMENSION OF THE CULTURAL AND CREATIVE INDUSTRIES

The Entrepreneurial Dimension of the Cultural and Creative Industries is a report prepared by Utrecht School of the Arts (Netherlands): “The abundance of studies on the CCI […] have highlighted the critical impact of CCIs on growth and employment, and acknowledged their great economic, social, cultural and innovative potential. CCI activities act as important drivers of ‘economic and social innovation’ within the sector but also outside the CCI sector”. The aim of the study is to provide a better understanding of the operations and needs of companies in the CCIs, namely small and medium-sized enterprises (SME). The intention is to describe some of the problems and provide recommendations.The study indicates specific challenges that could hamper entrepreneurship and prevent CCIs from benefiting from the internal market and the digital shift. It provides an understanding of the key determinants such as access to finance, market barriers, intellectual property rights, education and training, innovation, and collaborative processes. Read more.