Arquivo da categoria: Jornais

O Diário de Notícias no tempo em que esteve na rua dos Calafates

O livro de Pedro Foyos, O “Grande Jornalzinho” da Rua dos Calafates, revela-nos o Diário de Notícias nos primeiros anos de edição. Ou, escrevendo melhor, conta a história deste velho e importante jornal enquanto esteve instalado na rua dos Calafates agora chamada do Diário de Notícias antes de se mudar para a avenida da Liberdade perto da praça do Marquês de Pombal, aqui em Lisboa (de 1864 a 1940).

Lê-se o livro de uma só vez. Muito bem escrito e debruçando-se sobre as pessoas que fizeram o jornal, os temas, as histórias à volta do jornal. Eu gosto deste tipo de livros que, parecendo menores ou despretensiosos, dão uma imagem nítida e profunda da realidade que tratam. Começo pelo índice, uma originalidade cheia de riqueza, em que há títulos de capítulo com os nomes de “Tudo sobre o país e o mundo por metade do preço do sabão-de-macaco”, “Que fazer quando o rei é assassinado «em cima» da primeira página já fechada” ou “Do «Notícias Ilustrado» para os graúdos ao «Cavaleiro Andante» para os miúdos”.

Pego no exemplo do capítulo sobre o assassínio do rei D. Carlos I (1 de Fevereiro de 1908). Quando chegou a notícia ao jornal, a primeira página já estava composta. Refazer a página estava fora de questão, pois isso atrasaria a saída do jornal. As tecnologias da época não permitiam voltar rapidamente a fazer tudo de novo, o que nos causa espanto hoje. A inclusão de um suplemento também não se ofereceu viável. Restou a hipótese de deslocar para baixo o texto da página já composta e incluir uma nova entrada. Isso levou a que a parte final da página ficasse ceifada e a que a notícia do atentado ficasse mesmo por cima da secção de “Festas e diversões do dia” (p. 77).

Um grande mérito do livro, além da elegância do texto escrito, é a percepção perfeita do leitor que o autor leu a totalidade das edições do jornal Diário de Notícias ao longo do período estudado. Não há falhas, como quando identifica as edições sucessivas de um dia. À escrita, o livro junta um elemento gráfico essencial, a ilustração de páginas do jornal, fotografias, gravuras e reproduções de pinturas, que dão uma noção mais rigorosa do tempo a que o texto se refere. Por vezes, há páginas tipo extra-texto, onde Pedro Foyos destaca pedagogicamente alguns elementos, fora o capítulo “Pequenas e Grandes Notícias Perdidas no Tempo”, com uma proposta de cronologia de histórias, anos de ocorrência de determinados factos e fotografias a eles alusivas. Evidencio ainda a colaboração, para o livro, de texto de Maria Augusta Silva, com uma possível entrevista ao primeiro director do jornal, Eduardo Coelho (chamada “póstuma”), recriação muito curiosa e que remete para a cultura da época do jornalista.

Na badana do livro, lê-se que Pedro Foyos trabalhou no Diário de Notícias, onde integrou a chefia de redacção. O seu amor ao jornal está reflectido no livro. A única pequena crítica que faço ao livro é ele não ter um mínimo de aparato académico, com indicações bibliográficas ou de páginas do jornal.

Leitura: Pedro Foyos (2014). O “Grande Jornalzinho” da Rua dos Calafates. Lisboa: Prelo, 149 páginas, 16,5 euros

Diário de Notícias

A notícia já tem uns dias, mas eu não falei sobre a saída de João Marcelino de director do Diário de Notícias, cargo para o qual fora nomeado há sete anos. Vindo do vencedor Correio da Manhã, que dirigia, esperava-se dele uma melhoria a nível de vendas. O modelo de notícias mais curtas foi aplicado ao Diário de Notícias, o jornal parecia mais colorido, mas as vendas não descolaram. Recentemente, o jornal mudou de accionistas e foi noticiado um despedimento de muitos profissionais do grupo Controlinveste. O director do Jornal de Notícias saiu e foi ocupar um lugar de destaque no Porto Canal, canal de televisão a cabo com sede no Porto, agora seguiu-se o director do Diário de Notícias.

A meu ver não está em causa uma questão de carácter do jornalista mas um modelo de meio de comunicação com grandes dificuldades económicas. Na transição da ditadura para o regime democrático, em 1974-1975, houve também uma profunda alteração nos media impressos. Jornais antigos como O SéculoJornal do Comércio e As Novidades, vindos do século XIX, desapareceram. Ficou o Diário de Notícias. Mas há 40 anos, havia confiança numa nova geração e numa nova vontade social e cultural. Agora, parece não haver. Além de que os media digitais trazem outras perspectivas.

Queda nas vendas de jornais

Entre janeiro e outubro de 2013, as vendas dos principais títulos da imprensa generalista  continuaram a baixar (Expresso, de onde retiro a informação e segundo dados da Associação Portuguesa para o  Controlo de Tiragem e Circulação). O Correio da Manhã tem uma  venda média de 115 mil de exemplares por edição, seguindo-se o Expresso, com 94 mil. Depois, vêm o  Jornal de Notícias, com uma média de vendas de 66 mil exemplares, o Público com uma média de 28 mil  jornais diários, o Diário de Notícias com uma média diária de 21 mil jornais por edição e  i com 5 mil  jornais por dia.

A atual condição da imprensa

“nos media, a situação da imprensa é particularmente grave. Não apenas porque, nos países industrializados, a imprensa atravessa a fase mais difícil de toda a história pós-gutenberguiana. Mas porque a imprensa em Portugal talvez nunca tenha conhecido uma verdadeira «idade de oiro». Pelo menos desde o início da longa noite escura do salazarismo. E nunca certamente depois do 25 de Abril. Só que, noutros países europeus, a crise preocupa há muito os responsáveis políticos. Debates surgem regularmente nos meios profissionais (dos editores, jornalistas, publicitários), universitários, parlamentares ou governamentais. Dando lugar a propostas de conceções editoriais inovadoras, de novas fórmulas de distribuição e de assinaturas, de apoio público. Como as que levaram a Google a ter de remunerar conteúdos produzidos pelos jornais. Ou as que consistem em taxar os suportes eletrónicos que permitem o acesso à produção jornalística. Em Portugal, pouca importância se tem dado ao estado calamitoso da imprensa (nacional e regional) de informação geral. A indiferença dos meios políticos, parlamentares e governamentais é verdadeiramente assustadora, inquietante” (do texto de J.-M. Nobre-Correia de hoje no Diário de Notícias).

Jornalistas sobre pressão

“Jornalistas sobre pressão” é o tema do mais recente número da revista Jornalistas & Jornalismo (nº 52, de Out/Dez 2012). No sumário do tema lê-se: “Os jornalistas estão sob pressão, mergulhados numa profunda crise de identidade e, tal como outras profissões intelectuais, num claro processo de proletarização. Mas a fragilização dos jornalistas não os afecta apenas a eles e ao jornalismo – são os direitos dos portugueses a uma informação livre, rigorosa e pluralista e é a própria democracia que estão em causa”.

No seu texto, Fernando Correia aponta diversos tipos de pressão: laboral, profissional, ética, empresarial, de autonomia, político-ideológica. Do mesmo trabalho, ressalto o seguinte: “a sobrevivência de uma empresa só será possível se os jornalistas tiverem condições materiais e concretas, mas também subjectivas, para o exercício das suas funções; se forem em número suficiente e suficientemente remunerados; se a sua dignidade e identidade profissionais forem respeitadas; se a deontologia não for vista como um empecilho mas como uma garantia de qualidade; se os mais velhos não forem considerados como um incómodo mas sim como um factor de preservação da memória e um precioso manancial de experiência; se os mais novos deixarem de ser mera reserva de trabalho disponível para tudo, ou mão de obra barata, eternamente temporária e facilmente descartável”.

Carla Baptista, no seu texto, apresenta quatro histórias de jornalistas desempregados: António Marujo (51 anos), Leonor Figueiredo (56 anos), Isabel Lucas (42 anos) e Pedro Quedas (30 anos). Histórias de gente com muita qualidade e que tem (sobre)vivido com altos e baixos de uma profissão entusiasmante mas onde essa qualidade tende a não ser reconhecida. Lembro a especialização de Leonor Figueiredo, quando no Diário de Notícias escrevia sobre saúde. Ganhou prémios e prémios pelo seu trabalho. Um dia, o ministério da Saúde convidou-a a fazer parte do júri de um prémio pela razão dessa sua especialização. Ela recusou. Para a minha tese de doutoramento, sobre notícias de saúde, ela foi uma fonte privilegiada, dado o seu conhecimento dessa matéria. Agora, fez o mestrado em História Contemporânea, candidatou-se a uma bolsa para investigação no doutoramento e publicou algumas obras, mas não faz o que mais gosta de fazer: jornalismo.

Carla Baptista, num outro texto, mais analítico, mostra números de jornalistas em Portugal, a partir dos registos da Comissão da Carteira Profissional de Jornalista. O número de profissionais está a diminuir, estabilizando nos 6705 em dados de Outubro de 2012 (chegaram a 8948 em 2007). Apenas em 2012, prossegue no mesmo texto, a Impala fechou quatro revistas, num total de 29 jornalistas, o Sol despediu 20 jornalistas, o Diário Económico rescindiu com 22 jornalistas e avançou com o despedimento colectivo de seis jornalistas, o Público despediu 36 jornalistas e um layoff de 21 pessoas. 2012 foi um ano negro na história do jornalismo em Portugal, conclui a docente da Universidade Nova de Lisboa.

Outros temas da Jornalismo & Jornalistas: entrevistas ao jornalista Paulo Moura e ao professor Muniz Sodré, prémios Gazeta 2011 e um texto de história do humorismo, com apresentação da obra de Rafael Bordalo Pinheiro (por Álvaro Costa de Matos).

Quebras na imprensa escrita

Segundo o Expresso online, com base em notícia da Lusa, desapareceram 157 títulos de jornais em 2011. Os jornais baixaram de 696 em 2010 para 539 em 2011, conforme os Indicadores Sociais do Instituto Nacional de Estatística (INE) agora divulgados. Assim, diminuiram cinco jornais diários e 192 não diários, ao passo que as revistas perderam no conjunto 161 títulos.

A imprensa portuguesa segundo João Figueira

O livro A imprensa portuguesa (1974-2010), de João Figueira, foi hoje apresentado ao fim da tarde na livraria Almedina, ao Saldanha, Lisboa, por João Céu e Silva e por Ricardo Alexandre (este num curto vídeo com parte do seu texto). Ambos evidenciaram um texto bem escrito e fácil de ler, que conta a história do jornalismo do país numa síntese onde se abordam jornais, semanários e newsmagazines e alguns dos seus principais jornalistas e grupos económicos dos media. O som (podcast) inclui uma pequena parcela da apresentação do autor.

O livro tem cinco capítulos: jornalismo e política, a mesma luta; a idade moderna da imprensa portuguesa; newsmagazines e imprensa semanal; a afirmação dos grupos económicos; novos desafios e novas interrogações. Algumas conclusões do livro: ao longo de três décadas e meia, muitos jornais e revistas desapareceram mas surgiram novos títulos; segmentação de públicos; necessidade de informação credível; jornais gratuitos e novas plataformas desafiam o negócio até há pouco exclusivo dos media clássicos; jornalismo dentro de um espectro mediático dominado pelo entretenimento e espetáculo; grau de responsabilidade dos cidadãos na defesa de um jornalismo de qualidade e independente.

Leitura: João Figueira (2012). A imprensa portuguesa (1974-2010). Coimbra: Angelus Novus, 145 p., 9 euros

Venda de jornais em agosto

Os jornais diários de expansão nacional tiveram no seu conjunto um ligeiro crescimento na circulação no mês de agosto, de acordo com os dados da APCT – Associação Portuguesa para o Controlo da Tiragem (sigo a informação publicada na newsletter Briefing). Assim, o Correio da Manhã teve em agosto uma circulação (em parêntesis os números de janeiro) de 138 mil exemplares (122 mil), o Jornal de Notícias quase 78 mil (82 mil), Diário de Notícias com 32776 (33735), Público com 31769 (29996), i com 6160 (7067), Diário Económico com 10684 (14357) e o Jornal de Negócios com 9042 (11488).

Quebra na venda de jornais

De acordo com a Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação (APCT), entre janeiro e abril deste ano,  houve uma quebra de venda de jornais quando comparado com período homólogo de 2011.

O Correio da Manhã, que lidera o mercado com 51,96% de quota, vendeu nesse período 115.821 em média (contra 122.139 que vendia entre janeiro e abril de 2011), o Jornal de Notícias, com 29,50% de quota de mercado, com 65.753 exemplares por dia (82.591 entre janeiro e abril de 2011), o Público, com uma quota de mercado de 9,63%, vendeu 21.454 (vendia 24.734), o Diário de Notícias, com uma quota de 6,91%, com 15.406 exemplares por dia, e o i, com 2% de quota de mercado, com 4456 jornais por dia.

Tiragens dos jornais

Os media de sexta-feira passada noticiavam os dados da APCT (Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação) relativamente às vendas de jornais no período compreendido entre Janeiro e Agosto de 2011. Em termos de circulação paga, o Correio da Manhã atinge 127 mil exemplares diários ao passo que o Jornal de Notícias alcança 87 mil, o semanário Expresso chega a quase 105 mil exemplares e a revista Visão ultrapassa os 99 mil exemplares semanais.

Dos dois jornais indicados como de qualidade, o Diário de Notícias e o Público têm cada um 33 mil exemplares vendidos diariamente. Como noutras situações análogas, comentei aqui o que os dois jornais diziam sobre as vendas, que mantêm a visão dos outros momentos. Os jornais estão cercados pela concorrência dos media como a televisão e, em especial, a internet, pelo que o volume de vendas está a decrescer. Contudo, o que cada um dos jornais escreve é como se a concorrência fosse apenas entre eles – pelo que dizem que o seu jornal cresceu e o outro diminuiu. Os dados agora revelados são interessantes: o Diário de Notícias subiu as assinaturas e baixou o número de exemplares vendidos em banca, o Público desceu as vendas em banca mas mantém supremacia sobre o outro jornal.

O valor de 33 mil exemplares vendidos diariamente em cada um destes jornais é um valor pequeno, atendendo a que os investimentos publicitários estão a baixar, em termos reais e em termos comparativos com anos anteriores. Como Francisco Pinto Balsemão (grupo Impresa) dizia esta semana, a democracia portuguesa pode estar em risco se os jornais fecharem ou verem reduzida a sua liberdade por falta de independência económica. Talvez por isso, o jornal i, na edição de ontem (citando a revista Sábado), tenha referido as alterações previstas no Público para 2012, uma “revolução” que me parece o definhamento económico e real do diário: desaparecimento da revista Pública, encerramento das secções de local de Lisboa e Porto e passagem do caderno diário P2, introduzido em 2007, a caderno semanal. A directora do jornal considera esta última alteração inevitável pelo surgimento dos smartphones.

RIGOR E CREDIBILIDADE DA INFORMAÇÃO

“Os jornais têm como missão clássica informar o público. A informação inclui notícias, reportagens, comentários, entrevistas e análises. Mas, como repositórios de informação, os jornais podem ser também produtores de serviços. Um jornal pode seleccionar informação relevante para um leitor tendo em conta a sua localização […]. Mas, para além da informação, um jornal pode também oferecer a possibilidade de aquisição de serviços, algo que já existe nos portais. […] A vantagem de um jornal como o Público sobre a web […] tem a ver com o rigor e credibilidade da informação” (António Câmara, director da edição de hoje do Público, comemorativa dos 21 anos de existência do jornal).

NOVO DIRECTOR DO EXPRESSO

A partir de Janeiro de 2011, Ricardo Costa substitui Henrique Monteiro à frente do jornal Expresso. Monteiro vai assumir o cargo de administrador não executivo da Impresa e a direcção e coordenação editorial da área de novas plataformas. “O Grupo Impresa está absolutamente convicto de que o futuro da imprensa passa, em grande medida, pelo inevitável crescimento das plataformas móveis, dos tablets em geral e do ipad em particular. Acredita pois, que é sua obrigação definir uma estratégia de crescimento para os próximos anos que seja coerente com esta visão, não hesitando em investir meios nem em alocar os seus melhores recursos à sua eficaz prossecução” (notícia do Público on line).

UMA CAPA DE JORNAL

O que domina a actualidade mediática portuguesa de hoje é a divulgação do acórdão do tribunal que julga o processo Casa Pia (pedofilia) há cerca de oito anos. Não vi ainda televisão, mas haverá um corropio de imagens do julgamento mais mediático em Portugal, tema triste e lamentável. A capa do Público de hoje reserva a parte superior ao regresso de Alexandra Lencastre ao teatro, para interpretar Blanche DuBois na peça de Tennessee Williams, Um eléctrico chamado desejo. Dentro do jornal, Eduardo Cintra Torres escreve sobre as tapeçarias de Pastrana, encomendadas pelo rei Afonso V, panos de armar com quatro metros de altura e 10 de largura, e compara-as a grandes acontecimentos mediáticos com a visão dos conquistadores (quando lá foi, o blogueiro teve muita vontade de tocar os panos com os dedos).

FIM DO JORNAL 24 HORAS

Na sequência do que já escrevi aqui, o jornal 24 Horas vai ter a sua última edição amanhã. Outro jornal do grupo Controlinveste, o gratuito Global Notícias, terá a sua última edição na quarta-feira. Sem discutir aqui a qualidade dos dois jornais, a reflexão a fazer é a gravidade da situação dos media impressos que encerram.

JORNAL 24 HORAS

O jornal diário 24 Horas vai fechar, com alguns dos profissionais a passarem para outros títulos do grupo Controlinveste (O Jogo, Diário de Notícias). Tablóide, o jornal teve um período de grandes vendas, contando com frequência histórias de celebridades ligadas à televisão. Em Janeiro de 2006, ficou conhecido por ter revelado elementos ligados ao processo Casa Pia. Fundado em 1998 por José Rocha Vieira, seria comprado pela PT e, depois, pela Controlinveste. Pedro Tadeu, seu director durante seis anos, foi substituído por Nuno Azinheira em Agosto de 2009.

A DEMISSÃO DE MARTIM AVILLEZ

“Martim Avillez Figueiredo, director do diário i, do grupo Lena, demitiu-se do cargo. Numa carta dirigida à administração do jornal, Avillez Figueiredo afirma sentir-se «defraudado». […] Segundo informação da Lusa, André Macedo, director executivo do jornal, foi convidado a assumir o cargo, mas só dará uma resposta na segunda-feira” [Público online].

Havia uma certa previsibilidade na ocorrência, a partir do momento em que sairam notícias dando conta que o grupo Lena pretendia vender o diário e os jornais regionais que detém a propriedade. Depois, ao longo dos meses de existência do i, as vendas não subiram muito. O mercado de jornais em papel está muito difícil e um diário novo enfrenta uma concorrência muito grande. A incerteza quanto ao futuro torna-se maior.

HISTÓRIA DA IMPRENSA PERIÓDICA DESPORTIVA PORTUGUESA, 1875-2000

É o título da tese de doutoramento que Francisco Pinheiro vai defender no próximo dia 26 de Fevereiro, pelas 10:00, na Sala de Actos da Universidade de Évora.

Para o candidato, “Fazer a história da imprensa periódica desportiva portuguesa foi o objectivo da minha investigação de doutoramento, que
englobou a análise a 940 publicações periódicas desportivas, criadas em Portugal entre 1875 e o ano 2000. A construção desta história do jornalismo desportivo português permite compreender a importância e dimensão real desta área de especialização jornalística e fazer o seu enquadramento na história dos media em Portugal e no contexto internacional. Este estudo possibilitou ainda a identificação das principais linhas editoriais e tendências discursivas subjacentes à actividade jornalística desportiva portuguesa, assim como os diferentes trajectos e retóricas, em distintos espaços e dimensões temporais”.

Desejo boas provas a Francisco Pinheiro.

Francisco Pinheiro é autor do livro A Europa e Portugal na imprensa desportiva (1893- 1945), editado em 2006 pela MinervaCoimbra. Autor de outros livros sobre o futebol e organizador de tertúlias e exposições sobre aquele desporto, no livro acima identificado propõe “identificar e caracterizar os discursos produzidos, nos principais jornais desportivos portugueses, sobre a Europa e a nossa identidade nacional”, desde o começo do primeiro jornal desportivo (1893). Esse jornal fundador foi O Velocipedista (Porto), dedicado ao ciclismo.

A COMÉDIA EM PUBLICAÇÃO

Editado pela Intellect, o jornal Comedy Studies cobre múltiplos aspectos da comédia, com artigos sobre a comédia antiga e contemporânea, entrevistas a escritores e comediantes, cartas, editoriais e análise bibliográfica. O jornal procura ser um instrumento na criação de um discurso interdisciplinar sobre a natureza e prática da comédia, como se lê no editorial do primeiro número, agora editado:

“O lançamento da publicação Comedy Studies, pela licenciatura da Universidade de Solent atrairá muita atenção em termos de discussão da comédia. Para estudantes, fãs e profissionais da comédia, a pergunta é porque não se considerou antes a atenção da universidade à milenar tradição (de Aristóteles a Chris Morris)? A revista é um passo à frente no desenvolvimento do estudo da comédia como disciplina universitária, um fórum de discussão, análise e crítica da comédia. Para o qual oferece uma plataforma mundial aos académicos, autores e leitores interessados em comédia de modo a publicarem as suas opiniões e ideias”.

ACESSO PAGO À INTERNET

O jornal New York Times vai tornar-se o primeiro grande jornal a taxar o acesso à internet, introduzindo um modelo de “medição” a iniciar em 2011. Os leitores que excedam um dado número de artigos lidos passam a pagar as consultas seguintes. O magnata dos media Rupert Murdoch também tenciona cobrar os acessos aos sítios dos jornais que são sua propriedade (TimesSun e News of the World) [fonte: European Journalism Center].