Arquivo da Categoria: Publicidade

PREPARAÇÃO DE PAINÉIS

Na Lx Factory preparam um painel artístico (Before I die), na avenida Lusíada montam um painel publicitário, que presumo ser sofisticado a avaliar pela duração de tempo na instalação e pelos meios utilizados (o anterior anúncio pertencia à Vodafone, como se vê abaixo). O primeiro é para ser visto pelo passeante apenas durante o dia e o segundo pelo automobilista dia e noite; o primeiro, produto artesanal, é conceptual e o segundo, com escala industrial, veicula uma mensagem comercial. Possivelmente, o primeiro é um projecto único e o segundo uma imagem que vemos em muitas cidades espalhadas pelo mundo. Um veicula apenas um sentimento estético, o outro apela ao marketing e ao consumo embora possua uma igual linha estética; um tem os artistas como produtores, o outro possui profissionais que executam um projecto delineado antes da obra.

PUBLICIDADE EM TEMPOS DE CRISE FINANCEIRA

“Contra o FMI, defendemos em bloco” é a continuação da imagem de Paulo Futre na publicidade do Licor Beirão, conforme anuncia o Diário Económico (hoje). Depois de uma conferência de imprensa considerada desastrosa em candidatura às eleições do Sporting, a prometer um jogador chinês que traria muitos compatriotas dele a Portugal, o antigo jogador participou em campanha bem humorada e volta a encher os mupis, em tom de campanha eleitoral. FMI e troika, devido ao pedido de resgate financeiro feito por Portugal, entraram no vocabulário comum e os publicitários estão a aproveitar a corrente. Por seu lado, o ACP (Automóvel Clube de Portugal) pegou na sigla FMI e lançou a sua mais recente campanha com o mote “Querida, tenho boas e más notícias! As más são que o FMI nos vai obrigar a popuar… as boas são que me fiz sócio do ACP”, spot que passa na rádio até ao final de Maio. Já a Dialogue, que trabalha na área digital, tem uma mensagem com o título “Prós-troika”. Parece que os portugueses admiram muito o humor negro, segundo o responsável da agência que ajudou a criar o vídeo “O que a Finlândia deve saber sobre Portugal”, quando aquele país ameaçava não contribuir para o empréstimo, e que já terá sido visto no YouTube por mais de um milhão de visitantes.

TELEVISÃO E PUBLICIDADE NOS MEDIA

Os jornais de hoje referem-se ao impacto que as eleições de 5 de Junho próximo podem ter no operador público de televisão (e rádio), pois o PSD, um dos partidos que ambicionam ganhar as eleições, propõe a privatização da RTP (Diário Económico). A segunda notícia (Jornal de Negócios) indica uma quebra de receitas de publicidade em 3% no primeiro trimestre deste ano.

Na notícia do Económico, os agentes do sector da publicidade estão na expectativa. Se o PSD propõe a privatização, um novo canal não suporta mais investimento publicitário, dizem. O PS, habitual defensor do serviço público de televisão, propõe mais publicidade no canal público, de modo a poder baixar o contributo do Estado, mas isso terá um efeito desastroso nos canais privados. A RTP, em 2010, recebeu do Estado uma indemnização compensatória de 121,1 milhões de contos e a contribuição do audiovisual chegou aos 109,6 milhões de euros, a que falta somar o investimento da publicidade. Os canais de sinal aberto valem, em termos de publicidade anual, cerca de 300 milhões de euros, metade do investimento publicitário do mercado nacional. Em coluna própria, Nuno Cintra Torres assume a privatização da RTP: para ele, o Estado manteria a propriedade das frequências, concessionando um canal para serviço público e outro para televisão privada, aproximando-se, pois, do modelo preconizado pelo PSD. Lembro que este modelo foi pensado já durante o governo de Durão Barroso, quando surgiu a proposta de canal da sociedade civil. Hoje, há outras variáveis a acrescentar: o mau estado financeiro do país e a maior concorrência  dos canais de cabo.

No texto do Negócios, a perda de investimentos atingiu três grupos: Cofina (de 12046 milhões de euros para 11454 milhões), Impresa (31226 milhões de euros para 30888 milhões), Media Capital (32512 milhões de euros para 31120 milhões). A SIC e os seus canais temáticos (Impresa) escapam à tendência. Não há informação sobre o grupo Controlinveste, mas as mexidas na direcção do Jornal de Notícias e a formação de uma equipa de economia fornecedora de informação específica para o grupo indicam iguais preocupações. Imprensa, outdoors e televisão generalista são os sectores de maior quebra. O ponto de vista desta notícia coincide com a anterior. Eleições, entrada do FMI e aplicação de um programa de austeridade geram incertezas. Uma responsável do sector ouvida pelo jornal considera que há marcas que não abrandam os investimentos de publicidade em períodos de crise e podem, por isso, ganhar força e diferenciação face à concorrência.

Contextualização: o Jornal Económico pertence ao grupo Ongoing (que detém cerca de 22% da Impresa) e o Jornal de Negócios é propriedade do grupo Cofina. Ambos os grupos ambicionam ter um canal de televisão generalista. Dois anos atrás falava-se de um quinto canal, hoje as perspectivas podem ser outras.

PUBLICIDADE NA TELEVISÃO

“Em Outubro de 2010, foram exibidas 62 462 peças publicitárias nos ecrãs da RTP1, RTP2, SIC e TVI, considerando todos os tipos de publicidade à excepção das auto-promoções dos canais. Este montante equivale a uma média diária de 504 inserções de publicidade por canal. Face ao período homólogo do ano anterior, observou-se uma diminuição de 5.3% no número de inserções publicitárias comerciais” (Marktest).

PUBLICIDADE NA TELEVISÃO

“Em Outubro de 2010, foram exibidas 62 462 peças publicitárias nos ecrãs da RTP1, RTP2, SIC e TVI, considerando todos os tipos de publicidade à excepção das auto-promoções dos canais. Este montante equivale a uma média diária de 504 inserções de publicidade por canal. Face ao período homólogo do ano anterior, observou-se uma diminuição de 5.3% no número de inserções publicitárias comerciais” (Marktest).

A PUBLICIDADE SEGUNDO EDUARDO CAMILO

“A reflexão que agora propomos constitui o resultado das lições que temos vindo a proferir sobre a temática da publicidade, na licenciatura em Ciências da Comunicação e no Mestrado em Comunicação Estratégica: Publicidade e Relações Públicas da Universidade da Beira Interior. Os seus conteúdos também reflectem o trabalho realizado no âmbito das linhas de investigação “IPOCOM – Imagens e Processos de Comunicação” e “Informação e Persuasão” do Labcom e as iniciativas de reflexão e de dinamização científica, decorrentes da participação no Grupo de Trabalho de Publicidade & Comunicação da SOPCOM – Sociedade Portuguesa de Comunicação. Subjacente a este ensaio encontra-se a pretensão de conseguir responder a uma questão central: o que é a publicidade enquanto fenómeno de comunicação de massa?” (da introdução do livro de Eduardo Camilo, Homo Consumptor. Dimensões Teóricas da Comunicação Publicitária).

MERCADO PUBLICITÁRIO

“De acordo com o estudo Publicidade do Estado e audiências realizado pela ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social, durante o ano de 2009 o mercado publicitário nacional representou, a preços de tabela, pouco mais de quatro mil milhões de euros. A fatia do Estado – sem contar com autarquias, instituições de ensino, tribunais, Presidência e Assembleia da República – ascendeu a 408 milhões de euros. O meio preferido pelo Estado para anunciar é a televisão – que tem uma quota de 83,68 por cento -, seguido de muito longe pela imprensa (10,32) e só depois pela rádio (6). O Correio da Manhã, do grupo Cofina, lidera o investimento publicitário estatal na imprensa, cabendo-lhe uma fatia de 30,16 por cento, seguido pelo Jornal de Notícias (18,96), Diário de Notícias (12,02), Expresso (10,76), Público (8,61), i (5,74) e Visão (4,32), Sol (4,01), Sábado (3,08) e Focus (0,86) e 24 Horas (1,48). A televisão, que entre 2008 e 2009 viu a sua facturação publicitária ao Estado subir de 332,7 milhões de euros para 341,7, tem na TVI o maior destinatário do investimento estatal” (Público).

A PUBLICIDADE SEGUNDO DOIS ESPECIALISTAS

O Diário Económico, na edição do dia 5 deste mês, pôs duas gerações de publicitários a falar sobre o sector: Vera Nobre da Costa (anterior presidente da Young & Rubicam) e Pedro Pina (presidente da McCann Erickson).

Com a actual situação de crise financeira, as empresas que procuram publicidade para as suas marcas e produtos, dentro de uma lógica de rentabilidade, tentam interferir no trabalho da agência e na qualidade do processo criativo. Além disso, para os dois publicitários, a nova geração aparece mal formada. Embora com o conhecimento das tecnologias e das redes sociais, perdeu-se o sentido da curiosidade.

A rentabilidade da área passa por consolidação, fusões e saídas de parceiros, em especial as pequenas agências. As mudanças são também evidentes a nível dos media (o glamour passa da televisão para a internet, que utiliza uma abordagem multiplataforma), com uma quebra nas áreas de marketing e media e aumento na considerada área de engenharia da comunicação.

UM TIPO DE PUBLICIDADE

“Revista [título]. Promoção Você dá o Tom! Você escolhe o que quer ganhar. Sorte sua. Uma Scooter [marca] ou um curso de corte criativo e coloração na [empresa] em Londres. Na promoção Você dá o Tom, você escolhe o prêmio que mais combina com você. Pode ser um curso de corte criativo e coloração na [empresa] em Londres ou uma Scooter [marca]. Para concorrer basta responder à pesquisa no [sítio da internet]. Mande já suas informações e participe. A sorte é toda sua. E a escolha do prêmio também”.

INVESTIMENTO PUBLICITÁRIO EM MARÇO DE 2010

Segundo a Media Monitor, a Euro RSCG foi a agência com mais investimento publicitário durante o mês de Março, com € 35,5 milhões, a preços de tabela, seguindo-se a Ogilvy & Mather (€ 28,9 milhões) e a Publicis (€ 23,9 milhões). Dos anunciantes, o primeiro é Unilever (€ 20,3 milhões), seguido pela P&G (€ 13,8 milhões) e a L’Oreal (€ 13,1 milhões) [fonte: Meios & Publicidade].

PUBLICIDADE


Regresso às aulas, shampô e férias em Portugal – eis alguns dos anúncios actualmente nos mupis de Lisboa. Os primeiros dois anúncios partem de caras conhecidas: Carolina Patrocínio (televisão) e Cristiano Ronaldo (futebol). Os outros mostram paisagens do país.

Da publicidade do Turismo de Portugal, retiro as frases: 1) 159 castelos – qual vai ser a sua próxima conquista?, 2) 26797 aldeias – que caminhos vai descobrir?, 3) 226 bandeiras azul – onde vai fazer o seu castelo?

CARTAZES POLÍTICOS

Os cartazes das campanhas eleitorais (legislativas e autárquicas) já estão nas ruas. Curiosamente, em Lisboa há uma preponderância maior de cartazes das legislativas, nomeadamente nas áreas de grande tráfego, e em muitas das cidades do país os cartazes de candidatos às câmaras têm mais impacto.

Da selecção de imagens a seguir, o único cartaz para as autárquicas engloba a coligação a que o Partido Comunista pertence. O cartaz do MPT é o mesmo das recentes eleições europeias. Em todos não achei qualquer elemento relevante quer em termos de ideias quer em termos estéticos, como aliás já vira e comentara os cartazes das europeias. Mas considero desastroso o cartaz do MMS. Falar da Conchichina remete para os imperialismos ocidentais e povos submissos e explorados no oriente (a Conchinchina foi a colónia criada por França no século XIX no sul da Indochina, onde ficam os actuais países do Laos, do Cambodja e parte do Vietname), e, ao mesmo tempo, espaço onde se poderiam enviar assassinos, criminosos e ladrões europeus, a par de políticos de oposição aos regimes. Além de que os desenhos dos líderes dos partidos parlamentares são horripilentas caricaturas. Não é um cartaz civilizado, mesmo que não se goste desses políticos, é um cartaz anti-sistema e simplesmente feio (nem sequer o posso rotular de piroso ou parolo).

[ver blogue dedicado ao assunto: Imagens de Campanha]

A VIDA DO QUEIJO LIMIANO

Na segunda-feira passada, dia 24, o jornal Público editou uma peça sobre os cinquenta anos do queijo Limiano (texto de Sara Dias Oliveira; infografia de Joaquim Guerreiro).

O texto começa assim:

  • Há mais de duas décadas que o Limiano é o queijo flamengo mais vendido em Portugal. Chamaram-lhe propositadamente “o feio” pelo seu aspecto tosco e ainda hoje é embalado à mão bola a bola. A receita, seguida à risca há meio século, foi criada por uma dupla de profissionais na arte de fazer queijo na fábrica Lacto Lima, em Ponte de Lima. A cada passo, o Limiano reafirma a sua posição de líder: acaba de ser eleito Sabor do Ano 2009 na categoria de queijo flamengo, pela segunda vez consecutiva, e de conquistar o prémio Superbrand pelo quarto ano sem interrupções.

Continua mais à frente:

  • O flamengo ocupa 40 por cento do mercado de queijo no nosso país. O Limiano detém 19 por cento da quota do flamengo, seguido do Terra Nostra, fabricado nos Açores pela mesma empresa, com 18 por cento. A Agros ocupa a terceira posição.


O produto da fábrica Lacto Lima, em Ponte de Lima foi comprado, em 1996, pelo grupo francês Bel (51%), e detido a 100% pelo mesmo grupo em 2004. Em 1999, passava a ser produzido em Vale de Cambra. A Bel Portugal comercializa ainda os queijos Terra Nostra, A Vaca Que Ri, Pastor, Loreto. A sua facturação atingiu cerca de € 120 milhões em 2008.

Além da história da marca de queijos, interessa-me o cartaz. A rapariga que aparece tem um penteado que nos leva ao tempo da criação do queijo. Lembra-nos as vedetas de cinema de finais da década de 1950, antes da ruptura estética da pop – e as fotos das nossas mães ou irmãs nesse tempo.

A rapariga está muito maquilhada, o que nos leva a querer saber a sua idade: 20 anos? Ou já fez 30 anos? É, simultaneamente, jovem e madura, pelo estilo clássico de roupa que veste. E também atraente e ingénua, olhando para nós com um sorriso que mistura coqueteria e franqueza.

Estas qualidades associam “genuinamente”, como diz a publicidade, rapariga e queijo. Ele próprio artesanal, logo ingénuo num tempo de automatismos, feio e deselegante mas com qualidades: O masculino (o queijo) combina com uma mulher bonita, certamente com actividade profissional mas atenta às coisas da casa, numa época em que a mulher se emancipava da servidão do lar, oposição de géneros que resulta numa confluência, numa fusão – “sempre juntos”.

OS NOVOS TERRITÓRIOS DA PUBLICIDADE

IV Jornadas de Publicidade 2009. Uma iniciativa do Grupo de Trabalho de Publicidade e Comunicação da SOPCOM.

Data: 5 de Novembro de 2009; Local: auditório IEC, Universidade do Minho (Braga); Organização: DCC – Universidade do Minho.

Temas para comunicações: Media digitais vs tradicionais, Planeamento estratégico, Eficácia na comunicação, Estratégias publicitárias nas redes sociais, Marketing viral, Media ambiente – o espaço como meio de comunicação, Publicidade de guerrilha.

O resumo das comunicações não deve ultrapassar as 500 palavras, com submissão até 30 de Junho de 2009. Contactos: Ana Duarte Melo (anamelo@ics.uminho.pt) e Sara Balonas.