Arquivo da categoria: Rádio

RÁDIO

Governo lança literacia pela rádio

O governo moçambicano lançou anteontem um programa de literacia através da rádio, com o objectivo de atingir inicialmente perto de 20 mil pessoas nas províncias de Maputo (capital), Manica e Cabo Delgado, respectivamente no sul, centro e norte do país. O programa foi lançado pelo ministro da Educação Aires Aly durante uma visita do presidente Armando Guebuza. Para além do programa com 45 lições radiofónicas e duração de três meses, o projecto engloba a produção de manuais para professores e alunos [fonte: European Journalism Centre].

É uma espécie de telescola, como o nosso país teve com o alargamento da televisão a todo o país e que funcionou durante anos para as crianças do ensino primário em locais de difíceis condições de escolas.

Voxx: o adeus definitivo

Os emissores da anterior rádio Voxx vão transmitir a rádio Cidade FM. Ao mesmo tempo, a frequência desta última (107,2 Mhz) dará lugar à Foxx FM, com formato de “música urbana negra”. Prevê-se que estas alterações ocorram no final do Verão [fonte: Meios & Publicidade].

RÁDIOS LOCAIS

Decorreu ontem e hoje o congresso da APR (Associação Portuguesa de Rádio). Não pude estar presente.

Contudo, ontem, o Jornal de Notícias publicou uma curta entrevista que me fez, a propósito do tema rádios locais. Sobre o momento das emissoras no presente momento, disse: “Existem 352 rádios locais no país, o que me parece um exagero, porque é quase uma por concelho e alguns concelhos não têm capacidade económica para alimentar uma emissora. Tem existido uma articulação entre várias estações, nomeadamente no interior, na Beira Alta e em Trás-os-Montes, no sentido de se conseguir alguma capacidade económica e de estrutura. O que tem acontecido é que as redacções podem ser comuns e podem emitir as mesmas notícias. Do ponto de vista da publicidade obtêm algum ganho”.

Sobre o desenvolvimento regional que as rádios locais podem prestar, respondi: “A legislação que tem a ver com o fim das rádios piratas é de 1989. Na fase final do governo socialista, em 2001, já se falava em alguma alteração na legislação da rádio. Nos governos de coligação PSD/CDS procurou-se alterar essa lei, mas acabou por não ir avante. Era uma legislação mais liberal, isto é, as rádios locais deviam contribuir para o desenvolvimento regional, deviam falar das regiões, das cidades. Ora o que acontece é que não têm feito esse papel porque muitas delas são gira-discos e em termos de notícias transmitem o que lhes chega da Agência Lusa ou dos jornais. Isto é, nos últimos anos não tem havido nada de bom nas rádios locais”.

A outra pergunta, sobre o futuro da rádio e o que se esperava do congresso da rádio organizado pela APR, a minha resposta foi a seguinte: “Neste momento não [prevejo um futuro risonho]. Não sei o que vai ser discutido no congresso, mas julgo que irão pedir uma nova legislação, no sentido daquilo que tinha sido pensado no governo anterior, ou seja, uma liberalização. Haveria assim a possibilidade de mais rádios poderem ser compradas por um só proprietário, isto é, a lei da concentração não se ficar só pelas cinco frequências; o direito de as rádios não terem de emitir durante 24 horas, mas um mínimo, a resposta deveria ser: um máximo de 18, o que permite que não haja emissão durante a madrugada. E permitir que os alvarás de transferência de propriedade sejam mais rápidos na sua solução”.

Finalmente, quando o jornalista quis saber porque é que não há reportagens mas apenas música, disse: “É evidente que é muito mais fácil fazer playlists do que elaborar reportagens, no fundo tomar a rádio como ela era. Há um jornalista da TSF do Porto, João Paulo Meneses, que tem um blogue onde faz referências habituais exactamente a esse estado actual da rádio. Ela deixou de ser de proximidade, deixou de ter uma relação com o público e tornou-se apenas uma mera divulgadora de discos de playlist. É completamente impessoal. Aliás, há muitas rádios que, durante a noite, nem sequer têm animadores: ligam o computador, que faz a selecção aleatória das músicas”.

Valerá a pena comparar este texto com a comunicação de Francisco Rui Cádima ao congresso, conforme se pode ler no seu blogue irreal tv.

AS RÁDIOS PORTUENSES EM 1948

“As emissoras do Porto têm o privilégio de fazer publicidade, o mesmo não acontecendo às de Lisboa que a isso não estão autorizadas. Resultou dessa circunstância que a discoteca das estações do Porto continua a ser melhorada consideravelmente, enquanto as emissoras alfacinhas estão a servir-se de discos velhos, com ruído de agulha resultante do seu uso”, assim escrevia Manuel Correia de Brito, no semanário Brisa, de Março-Abril de 1948.

O mesmo articulista, que era simultaneamente director da Portuense Rádio Clube, naquela cidade do norte do país, escrevia ainda:

radioporto4.jpg

radioporto5.jpg

Já o número de Setembro de 1948 da mesma revista dava uma notícia má para as rádios do Porto: “o cancelamento da publicidade que vinham fazendo os postos particulares de radiodifusão” daquela cidade, seguindo o exemplo do aplicado a Lisboa. Mas ao protesto segue-se uma nota de compreensão: “Evidentemente que a publicidade, tal qual estava a ser feita nos postos portuenses, tornava-se intolerável, mas nada melhor do que a regular, com uma doutrina que assentasse nestas bases fundamentais: limites mínimos de preços, publicidade artística e receitas totalmente aplicadas no progresso da rádio”.

Arqueologia industrial

As rádios entravam no período de férias (era hábito as emissões fecharem em Setembro, prática que vinha desde o começo da rádio comercial), “prematuramente”, considerava Manuel Correia de Brito. Cessando a publicidade, acabavam “determinados programas que estavam a ser subsidiados por firmas comerciais”. Vivia-se já do patrocínio directo a programas radiofónicos. Esmorecia o peso da Portuense Rádio Clube, do mesmo modo que o Rádio Clube do Norte. Manter-se-iam, até 1974, estações populares como a Ideal Rádio, a Orsec e a Electro-Mecânico, associadas nos Emissores Norte Reunidos, funcionando numa mesma frequência apesar de estúdios separados [imagens de Jorge Guimarães Silva, do sítio As rádios no Porto, 1920–1970, cedidas para ilustrar este post, a quem agradeço].

radioporto6.jpgradioporto.bmpradioporto2.JPGradioporto3.JPGradioporto7.jpg

ÉVORA HÁ 70 ANOS

Gosto particularmente de ler biografias. Em regra, são leves e levam-nos a um outro tempo e gostos, permitindo perceber melhor os quadros de épocas já perdidas. Aprendi-as a ler há uns anos, a pensar em textos de história dos media, quer no campo da imprensa quer no da rádio, onde canalizei energias para o período de fins do séc. XIX até finais da década de 1930. Podem ter, contudo, um aspecto menos positivo: o ajuste de contas.

Sempre que encontro uma biografia, em especial se dedicada a uma localidade, precipito-me a comprar e a ler. Foi o que aconteceu com o livro de Maria Amélia Cutileiro Índias, intitulado Évora, ontem e hoje. Reflexões e memórias de uma inconformista, com quem me deparei ontem à noite, antes de ver um filme medíocre. E a capa do livro funcionou como elemento complementar de atracção, tal a beleza da fotografia.

ameliaindias4.JPGO que me interessou no livro de Maria Amélia Cutileiro Índias foi o seu tempo de infância e juventude passados em Évora. Nascida em 1928 numa cidade de interior do país, no arranque de um novo regime político, o registo da depois professora universitária da Universidade de Évora impressiona pelos traços sociológicos e etnológicos dessa época já recuada, nomeadamente os lazeres. Começa logo no princípio do livro: “Numa época em que a televisão não chegara ainda a Portugal, em que os aparelhos de rádio eram poucos e caros e em que o cinema no Salão Central poucas vezes acontecia, as diversões da população eborense centravam-se nos bailes, nos teatros das colectividades ou, mais raramente, no teatro Garcia de Rezende, quando uma companhia de Lisboa se deslocava a Évora” (p. 22).

Telefonia e “assaltos” carnavalescos

A autora viu morrer o pai aos 10 anos. Se, até aí, havia um trem de vida desafogado em família de classe média, depois começariam as dificuldades. Estava-se em 1938. Escreve Maria Amélia Cutileiro Índias: “Um outro entretenimento que também escapou aos cortes orçamentais foi o rádio – a «telefonia sem fios» ou apenas «telefonia» como então se chamava. E, desde o teatro radiofónico muito apreciado pela mãezinha às transmissões dos espectáculos de ópera, que a Madina [irmã mais velha da autora] ficava a ouvir até tarde, passando pela música ligeira ou pelos serões da FNAT – designada actualmente por INATEL – que a todas agradavam, foram muitos os momentos de prazer que o aparelho de telefonia nos proporcionou” (p. 67). Anos mais à frente, em 1944, quando uma doença grave a obrigou quase a ficar isolada em casa, os consolos eram “a leitura, a audição da Emissora Nacional e do Rádio Clube Português, as estações que melhor se ouviam no nosso rádio, a escrita” (p. 93).

No Carnaval, havia os “assaltos” em casas particulares. Jovens mascarados entravam em casa e eram recebidos com alegria e servidos de comida que nessa casa existisse, e que se podia prolongar com um baile. Para a autora: “Por vezes, os assaltantes levavam consigo alguns instrumentos musicais, que seriam tocados no caso de não haver discos na casa assaltada, pois o baile precisava de música” (p. 51).

Estava assim reconstituida uma época: 1) escassez de discos em termos de posse individual, fazendo-se o uso mais antigo de tocar música; 2) formação cultural através da rádio (uma espécie de paleo-rádio, para “apanhar” a designação de Umberto Eco relativamente à época da paleo-televisão, onde passavam programas de cultura erudita como a ópera, antes da necessidade de medir audiências como sucesso dos canais comerciais da neo-televisão).

Leitura: Maria Amélia Cutileiro Índias (2004). Évora, ontem e hoje. Reflexões e memórias de uma inconformista. Lisboa: Colibri. 161 páginas, €10. Observação: chamo a atenção para o carinho com que Fernando Mão de Ferro, o editor da Colibri, dedica a este tipo de obras, ao longo dos anos que eu acompanho o seu trabalho. Em mim, a permanente gratidão por ter editado o livro Olhos de boneca, um texto que escrevi sobre telecomunicações e que saíu em 1999.

A PROGRAMAÇÃO DA EMISSORA NACIONAL A 1 DE JANEIRO DE 1935

EN.JPGFaz hoje setenta anos que a programação da Emissora Nacional, no seu primeiro período de emissão, foi a seguinte (segundo o jornal O Século):

Às 12: abertura da estação; discos; às 12 e 25: concerto pelo Septimimo de Flaviano Rodrigues: «Paris-Vienne», marcha, Clerice; «Cleopatra», abertura, Mancinelli; 2º andamento da «Sinfonia Patética» de Tchaikovsky; «Bailado índio», da ópera «Lakmé», Delibes; às 13: noticiário; concerto pelo Septimimo de Flaviano Rodrigues: «Mazurca», Rui Coelho; «André Chenier», selecção da ópera «Giordano»; «Danse Persanne», Guiraud; às 13 e 30: «Crónica automobilística», do livro «Ó Chico não sejas azelhudo», de Sanches de Castro; às 13 e 35: discos; às 14: fecho.

A Emissora Nacional ainda estava no seu período experimental. As emissões oficiais começariam a 1 de Agosto de 1935 (e inauguração a 4). Como se observa, o tipo de programação era essencialmente de música clássica, estrutura que vinha das estações privadas pioneiras e da alta cultura dominante no meio musical.

Outro elemento é a da transmissão em directo por uma pequena orquestra, o Septimimo. Um terceiro elemento a destacar (mas já na emissão da noite) é a da palestra de Fernando Homem Cristo, sobre As cores, a política e a moda, programa de doutrina política do Estado Novo.

Observação: o 1º de Janeiro de 1935 foi uma terça-feira.

Observação 2: este é o ano em que a RDP (anterior Emissora Nacional) comemora setenta anos de existência oficial. Os meus parabéns antecipados à estação pública.

RÁDIOS LOCAIS DE VISEU

João Magalhães Correia defendeu tese de mestrado em 1 de Junho último, na Universidade de Coimbra. Fui convidado a ser o arguente da sua tese, sorte a minha, pois gosto da rádio e aprendi muito com aquela tese. Agora, João Correia dá uma entrevista ao Jornal do Centro, conduzida pela Liliana Garcia (jornal e jornalista foram ambos premiados nos recentes Prémios Gazeta do Clube de Jornalistas, a 13 de Setembro). Quer a tese quer a entrega de prémios foram publicitadas neste blogue. Retiro uma pequena fatia da excelente entrevista, onde João Correia fala das rádios locais de Viseu:

“Em 1983, nasceu a Rádio Clube do Interior (RCI); em 1984, surge a Escala. A RCI começou por emitir na sala de estar do senhor Villas Boas. Era perto dos Bombeiros Municipais”. A Rádio Escala estava instalada “numa garagem na Estrada Nacional N.º 2, em casa do Fernando Brites. Essa garagem tinha duas hipóteses de entrada: pela estrada, ou por uma quinta. Eu, quando me pediram para fazer o teste de voz, fui pela quinta e lembro-me de, às quatro da manhã, andar a fugir de um cão. Rasguei-me todo. Depois é que passámos para a Sé, até à altura dos concursos de atribuição de alvarás”. A ideia mais viva que tem “é no RCI. Levantava-me às cinco e meia, vinha a pé – morava em Abraveses – e pegava na edição às sete da manhã. Já apanhava os jornais que as distribuidoras deixavam ao fundo da porta, e fazia o dossier de imprensa. Ficava até às nove e entrava no trabalho a horas. Trabalhava na Auto Costa, na Feira de São Mateus. Ao fim do dia, saia muitas vezes da empresa e ia à rádio outra vez”.

Ao João Correia vai o meu incentivo para escrever um livro sobre a história dos bastidores das rádios locais de Viseu. Todos ficaríamos a lucrar com tal iniciativa.

[o link para a notícia do Jornal do Centro foi estabelecido através do blogue A Rádio em Portugal, de Jorge Guimarães Silva, sempre muito atento às questões deste meio de comunicação]

DA MINHA LEITURA DOS JORNAIS DE HOJE

Antena 2 – há uma notícia no Público sobre a alteração de programas da rádio clássica, nomeadamente o programa da manhã (7 às 10 horas). Até há relativamente pouco tempo, este programa tinha dois animadores por dia. Desde o Verão, o modelo alterou-se, ficando quase sempre apenas um por dia. Agora, o animador dos dias úteis é João de Almeida, que já assinava apontamentos com muito interesse. A acompanhá-lo, Ana Paula Russo (que transita das equipas anteriores), às segundas e sextas, e Judite Lima, das terças às quintas.

Apenas duas notas sobre a notícia e sobre o que eu ouvi na Antena 2, hoje de manhã. A mudança das equipas da manhã significa que o modelo falhou, pois ele é relativamente recente [após a reforma do animador anterior do programa da manhã, que tinha, aliás, um nome do programa mais sugestivo, O despertar dos músicos, do que Acordar a dois – pela sua dupla conotação (pode indicar o despertar em cada dia com dois animadores distintos mas também querer implicar o revigorar de uma antena sonolenta na sua programação)]. Estou a pensar em Gabriela Canavilhas, que deveria fazer uma enorme ginástica de tempo, agora que a Orquestra Metropolitana lhe ocupa o tempo todo. Por outro lado, a notícia refere que a verdadeira alteração de programas só se vai dar em Janeiro, o que prova que as alterações foram ajustes a pessoas que estavam com poucas possibilidades de continuar.

Duas notas para além da notícia. Uma, a do regresso de Judite Lima, com o seu Jardim da Música, ao sábado de manhã, o horário que ela já teve. A outra é o aniversário do programa Ritornello, de Jorge Rodrigues, hoje dia mundial da música. Saúdo ambos.

ZÉ NUNO… SENA SANTOS

São as primeiras e as últimas palavras da coluna de Eduardo Prado Coelho, no Público de hoje, coluna que acabei de ler agora mesmo. Claro que se refere a José Nuno Martins, de quem escrevi ontem aqui, e Francisco Sena Santos, que era a “voz” da Antena 1, e de quem também já escrevi aqui.

Como sempre, li atentamente o que Prado Coelho escreveu. E subscrevo. Acrescento, no rol de nomes que ele elenca, que António Pinto Ribeiro está a fazer o doutoramento no ISCTE. Mas não poderá ele fazer mais coisas? Será que o país, como diz Prado Coelho, é tão grande que permita ter estes nomes – a que ele acrescenta Mega Ferreira e Vicente Jorge Silva – na prateleira?

COMO SE FAZ A PENETRAÇÃO DAS ONDAS HERTZIANAS: O CASO DE MARROCOS

Vem ontem no El Pais o modo como as ondas hertzianas são “conquistadas” por novos colonizadores. O exemplo é Marrocos. A peça, escrita por Ignacio Cembrero, dá conta da perda da influência da língua espanhola nos media audiovisuais do vizinho do Sul.

Nos anos de 1970, era aceite ver, ouvir e aprender a língua e a cultura espanhola através da televisão. Mas hoje as influências são outras: de Espanha só se sintoniza quando há jogos de futebol. A audiência marroquina busca os canais nacionais (58%), os canais árabes generalistas, como a libanesa LBC, a egípcia ESC e a Al-Jazeera (30%), e os canais ocidentais (12%). Já na Tunísia, os canais pan-árabes têm uma quota de 42%, seguidos dos nacionais (40%) e dos franceses (18%), e, na Argélia, a televisão francesa atinge metade dos telespectadores, repartindo-se as audiências ainda pelos canais árabes (30%) e pelas cadeias nacionais (20%). Estes são dados da Sigma Conseil, um instituto de sondagens que opera no Magrebe.

O artigo, que é muito curioso dado que os imigrantes marroquinos têm um peso destacado em Espanha, dá conta de algumas modificações recentes no panorama audiovisual de um país próximo de Espanha (e nosso também): Marrocos. Há 14 meses atrás, a então embaixadora americana exigiu – no campo da rádio – uma alteração à lei daquele país, de modo a implantar a estação de FM Sawa, a versão árabe da Voice of America. O êxito da sua programação – uma mistura de música árabe e anglo-saxónica com a informação – conduziu a que 73% da população de Casablanca e Rabat, as duas maiores cidades do país, sintonizassem a Sawa (inquérito da AC Nielsen de Abril último). A percentagem sobe a 88% entre os jovens com menos de 30 anos.

Mas a próxima liberalização do audiovisual em Marrocos está a mexer com outros países. Chirac, o presidente francês, já prometeu instalar a Médi Sat no próximo ano, uma estação de televisão. E a BBC pressionou para que pudesse emitir televisão, embora as autoridades tenham remetido para depois da alteração legislativa. Já na Tunísia, a francesa TF1 e a italiana Finvest (de Berlusconi) associaram-se à primeira cadeia privada, Hannibal TV, que começará a emitir no próximo mês de Outubro.

O jornalista pergunta: e Espanha, o que está a fazer? É que apenas a Radio Exterior de España emite em árabe e somente 14 horas semanais, muito menos que a RAI italiana.

JOSÉ NUNO MARTINS

Como ando com as leituras dos jornais em atraso, só agora li o texto de Adelino Gomes, editado na Pública de ontem, sobre José Nuno Martins. Eu, que fui um ouvinte atento de programas dele, em especial Os cantores do rádio, não posso deixar de anotar e saudar aqui no blogue o texto do jornalista sobre o realizador de programas de rádio.

Recordo com muita alegria a música que servia de introdução a Os cantores do rádio, de Chico Buarque da Holanda. Em português de Portugal, os cantores cantam na rádio, o meio de comunicação, servindo o artigo masculino para designar o aparelho de recepção [ou telefonia, como é vulgar dizer-se em Lisboa], ao passo que, no português do Brasil, o masculino designa também o meio. Já não tenho a certeza, mas o programa era emitido à hora de almoço de um dos dias do fim-de-semana. Chico Buarque, Toquinho, Maria Betânia, Gilberto Gil e Gal Costa emparelhavam com outros músicos mais populares e regionais. Havia sempre uma grande animação naquele programa, além de música constantemente renovada, bem apresentada e enquadrada.

José Nuno Martins também passou por outro programa de culto (pelo menos para mim), o Em Órbita, entre os anos 1960 e 1970. Mas não me lembro tão bem dele como o Cândido Mota ou o Júlio Isidro. E ainda João David Nunes, por exemplo, de quem José Nuno Martins era amigo desde o liceu, leio agora no texto da Pública. Ora, o radialista regressou este Verão à rádio, à Antena 1. Chorou, escreve Adelino Gomes, depois de década e meio a fazer outros trabalhos, nomeadamente no vídeo. E vai começar um programa de música brasileira na nova grelha da estação pública. É o regresso da magia radiofónica.

EPISÓDIOS CONTADOS POR EDUARDO STREET

Enquanto iniciava a preparação das aulas desta semana, prestei toda a atenção ao pequeno programa (Episódios contados, pequeno em dimensão, claro) dentro do grande programa Jardim da música, de Judite de Lima, na Antena 2, que escuto sempre que posso.

Foi há minutos atrás que ouvi Eduardo Street e tomei umas pequenas notas. Fiquei a saber que Eduardo Street prepara para Outubro um programa nas manhãs de domingo, uma memória semanal da Antena 2. O segundo canal da RDP começou a emitir em 1944; comemorar-se-ão pois 60 anos em breve. Ao longo dos anos, o canal teve vários nomes: Programa 2, Lisboa 2, RDP 2, Antena 2. Por volta de 1954-1955, emitia cinco horas diárias, depois do horário da Rádio Universidade.

Eduardo Street recordou alguns dos nomes dos locutores, que não tive tempo para apontar todos. Por isso, prefiro não escrever os poucos que consegui fixar. Mas registei o quanto importante era a escolha dos locutores, selecta, podemos dizer. Apesar de haver estórias curiosas que ilustram pela negativa essa escolha. Um dia, faltando o locutor, foi arranjado um à pressa. Então, durante a transmissão de uma peça, o locutor aumentaria e baixaria o som, enunciando o nome do compositor, do maestro, dos músicos!

Boa sorte ao programa de Eduardo Street, por um fã da rádio.

ANUÁRIO DO OBERCOM

Na sua newsletter de 27 de Agosto, o Obercom fez editar breves análises dos sectores dos media, telecomunicações e sociedade da informação, e chama a atenção para dados de 2003 e de outros sectores da comunicação, pelo que se recomenda a sua visita.

Retiro apenas alguns dados pertencentes à rádio. Assim, o Obercom destaca, para 2003, o protocolo de prestação de serviços assinado entre a Associação Portuguesa de Radiodifusão (APR) e a LUSA, que resulta um novo serviço, LUSA Rádio, disponibilizando um serviço diário com som e texto para rádio. O Obercom salienta também a reestruturação do sector empresarial do Estado na área do audiovisual, com a incorporação das estações de rádio e televisão públicas na nova RTP – Rádio e Televisão de Portugal, SGPS, S A. Já em 2004, foi apresentada uma proposta de revisão da Lei da rádio (a retomar em Setembro no parlamento).

Relativamente à publicidade institucional estatal, em 2003 a rádio acolheu 38,2% (70.728 €) do total da mesma (aproximadamente 185.000 €), cabendo às estações nacionais 11,4% e às estações locais 26,8%. Quanto ao share, e seguindo ainda a mesma newsletter, as cinco maiores estações nacionais são a RFM (24,9%), a Rádio Renascença (18,2%), a Rádio Comercial (8,2%), a TSF/Rádio Press (5,6%) e a Antena 1 (4,7%).

RADAR FM

Após ter colocado uma mensagem no último sábado, onde mencionei a Radar FM, um amigo chamou-me a atenção para algumas ambiguidades no projecto desta estação de rádio.

Apesar de diferente de outras estações, é possível estabelecermos comparações com um outro projecto, infelizmente já desaparecido, a XFM. Enquanto nesta, havia programas de autor, na Radar eles não são muito assumidos. O mais conhecido espaço é o de Sofia Morais, voz a que já nos habituáramos desde o tempo da rádio para uma imensa minoria. A Radar tem alguns apontamentos, como a revista de imprensa (manhã cedo nos dias úteis), informação sobre cinema, teatro, exposições e festas em Filofax (dias úteis, também de manhã), reggae, soul, funk e derivados em Música Enrolada, referências à revista Monde Bizarre e novidades da Radio One e da XFM londrinas. Sem esquecer as múltiplas alusões à realização de concertos da empresa Música no coração, que faz parte da Lusocanal, grupo que ainda detém ainda a Oxigénio (mais especializada em música electrónica, ao passo que a Radar se dedica a música de guitarras) e a Festival (uma emissora popular do Porto).

Há, portanto, uma constante circulação de interesses entre o passar discos e a publicitação de concertos, que não importa aqui dizer se é positivo ou não. Como se trata de uma actividade comercial, a rádio tem toda a legitimidade em seguir o caminho que quiser. Mas o defeito que se aponta a outras estações – o de serem gira-discos – também ocorre na Radar. É possível detectar uma playlist ao longo do dia de emissão. Por outro lado, durante o fim-de-semana não parece haver suficiente número de animadores, pelo que a emissão é automática. E falta o aspecto analítico do medium e das correntes estéticas musicais que a estação passa, componente pedagógica fundamental.

JOÃO OLIVEIRA (1899-1982) – UMA MEMÓRIA DA RÁDIO

joliveira.JPGJoão Oliveira Alves “Pitança” foi representante da Rádio Marconi em Portugal, conhecendo de perto o inventor e empresário italiano que deu o nome a uma das mais importantes empresas de telecomunicações no começo do séc. XX.

Pelo menos desde 1914 que João Oliveira se dedicou a experimentar a rádio. Primeiro, com galenas; depois, fez uma adaptação revolucionária – ligar o rádio à electricidade, em 1924. Até aí, os receptores funcionavam alimentados por enormes baterias. Por isso, recebeu um prémio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

Também esteve ligado ao movimento que defendeu a superioridade técnica do receptor superheterodino sobre o regenerativo (a caricatura que representa João Oliveira foi publicada no Comércio do Porto, em 10 de Outubro de 1982, cerca de três meses após a morte daquele pioneiro da rádio em Portugal).

[Dica de Jorge Guimarães Silva, do blogue A Rádio em Portugal].

BLOGS DE REFERÊNCIA NA RÁDIO

Apesar das questões da rádio serem muitas vezes descuradas (falta, por exemplo, uma adequada análise sociológica da rádio; a história da rádio em Portugal é escassa e descontinuada no tempo), há já um conjunto de blogs sobre a rádio que merece o seu elencar, ainda que incompleto. Dos meus blogs de referência, escolho: Blogouve-se, Jornal Rádio, A Rádio em Portugal, Telefonia sem Fios, JornalismoPortoRádio, A Minha Rádio e Clássicos da Rádio. São sítios que dão informação, têm estórias interessantes sobre a rádio e fóruns de discussão ou de análise.