Arquivo da categoria: Rádio

A rádio na JJ – Jornalismo e Jornalistas

“O objetivo do texto é traçar linhas de atuação da informação na Emissora Nacional no final do Estado Novo e início do regime democrático. Passou-se de uma época assente em valores noticiosos oficiais, imutáveis e apologéticos das realizações políticas de Salazar, Caetano e Tomás para um período experimental e pleno de contradições, com preocupações diferentes como condições de vida
do povo e exaltação de uma sociedade mais justa”, escrevo no começo de texto agora publicado na revista Jornalismo e Jornalistas (número 61, respeitante a outubro-dezembro de 2015). O número é dedicado aos 80 anos da entrada em funcionamento da Emissora Nacional e tem textos de Luís Bonixe, Elsa Costa e Silva, Madalena Oliveira, Ana Isabel Reis, Maria José Brites, Ana Jorge e Mário Rui Cardoso, além de uma entrevista à provedora do ouvinte Paula Cordeiro.

[textos e imagens retiradas de Rádio & Televisão, 8 de abril de 1972, Flama, 3 de novembro de 1972, e Diário Popular, 6 de maio de 1974]

Trindade Guedes, o repórter de rádio

António Trindade Guedes nasceu no Peso da Régua em 1937, mas foi para o Porto muito jovem para trabalhar e estudar. Chegou a andar na Escola Industrial Infante D. Henrique mas desistiu. Desde esse tempo, ligou-se ao futebol: foi jogador (treinado por Artur Baeta), treinador (Salgueiros, Coimbrões, Lousada) e dirigente (Coimbrões; presidente do Conselho Técnico da Associação de Futebol do Porto). Entrou para a rádio nos Emissores do Norte Reunidos, onde fez o programa Penalty com o produtor Fernando Gonçalves. Em 1972, ligou-se a Artur Agostinho. Nesse ano, tornou-se produtor independente e criou o programa Alvo, emitido diariamente às 13:00 durante anos. Teve ainda o programa Panorama, com médicos a colaborarem com ele, aos sábados e domingos. Quando Ribeiro Cristóvão assumiu a condução do desporto na Rádio Renascença passou a trabalhar com ele. Recentemente, com a criação do quarto canal da Renascença, a Rádio Sim, o programa Alvo continua a emitir, agora aos sábados e domingos.

No livro, António Trindade Guedes recorda que foi o único jornalista de rádio presente na Taça Intercontinental de 1987. Noutro jogo de 1987, João Pinto, jogador do F. C. Porto, interrogado sobre a previsão do resultado entre o seu clube e o Bayern de Munique, respondeu com uma frase que ficou famosa: “Olhe, ó Trindade Guedes, prognósticos, prognósticos, só no fim do jogo” (p. 78). O radialista entrevistou muitos atletas, como Eusébio, Rui Costa, Vítor Damas e Fernando Gomes, e dirigentes como Pinto da Costa e Pimenta Machado. É conhecido pela marca TG, iniciais do seu nome profissional.

Leitura: Elvira Rodrigues e Germano Almeida (2015). Trindade Guedes. O Homem e o Repórter. Vila do Conde: Verso da História. 128 p., 19,95 euros.

To dente or not to dente

Vera Lagoa teve uma coluna muito lida no Diário Popular ao longo da década de 1960 e primeira metade da de 1970. Festas, recados e sugestões sociais, programas culturais (mais na versão moderna de socialites) e comentários irónicos constituíam algumas das linhas da sua coluna Bisbilhotices. Em 1968, ela fez sair um volume com os textos de anos anteriores. Um deles foi intitulado To Dente or Not Dente e era uma crítica a programa de rádio (24 de julho de 1966). Melhor, a uma locutora e produtora a falar de uma receita culinária. Como figurava um dente de alho na receita, a locutora acabou o seu comentário a dizer: To Dente or Not to Dente.

O texto de Vera Lagoa aponta o primeiro nome da locutora, o que nos leva a Maria Carlota Álvares da Guerra (mãe do jornalista João Paulo Guerra e da atriz Maria do Céu Guerra). A locutora, mas também autora de livros, não teria ficado nada satisfeita com esta crítica. E, de imediato, reagiu, conforme se lê no blogue de João Paulo Guerra: “Uma vez a Vera Lagoa – que nutria pela minha mãe um ódio de estimação amplamente retribuído – atreveu-se a meter-se com ela numa crítica no Diário Popular, zurzindo uma crónica da rádio. Maria Armanda Falcão, o nome real de Vera Lagoa, tinha-se separado recentemente de José Tengarrinha e, na resposta à crítica venenosa no Diário Popular, a Maria Carlota escreveu, ainda com mais veneno, qualquer coisa como isto: «Para que você me atingisse precisaria de ter garra. E você já nem sequer tem garrinha»”.

Tengarrinha seria, nas décadas seguintes, conhecido como historiador, docente universitário e líder político (MDP-CDE). O livro de Vera Lagoa, Bisbilhotices, foi editado pela Ibis.

[agradeço ao meu amigo e colega Gonçalo Pereira Rosa o ter-me indicado o livro, por ele conter alguns comentários sobre rádio. A minha leitura e a retirada deste texto foi imediata]

“A rádio não tem emissão educativa. É essencialmente distração”. Da tradição à modernidade radiofónica (1961-1969)

“O texto faz a análise de diversos elementos que contribuíram para as grandes alterações do panorama radiofónico português ao longo da década de 1960. Entendo que as mudanças nesse período agitaram a rádio mas confirmaram-na como um meio muito robusto, apto a inovações e criação de novos públicos. No trabalho, são estudados alguns intervenientes na cena radiofónica (realizadores, escritores, locutores), programas, produtores independentes e relação da atividade de rádio com a produção de fonogramas.Não é objeto do texto o arranque do jornalismo radiofónico em 1961 nem a novidade provocada pela programação de FM”. Para ler o texto completo, carregar aqui. Texto apresentado em 28 de fevereiro de 2012.

Quando a rádio mandava na RTP

O Diário Popular, de 31 de março de 1968, publicava uma notícia sobre a assembleia-geral da RTP. Os corpos gerentes eram: a presidente da assembleia-geral o Posto Emissor de Radiodifusão do Funchal, o Conselho de Administração tinha elementos de Rádio Clube Português e Rádio Renascença e Manuel Bivar (diretor técnico da Emissora Nacional) e o Conselho Fiscal tinha elementos de Rádio Clube de Moçambique e dos Emissores do Norte Reunidos. Por Rádio Clube Português, estava Alberto Lima Basto, falecido pouco depois e substituído por Júlio Botelho Moniz.

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (4)

Neste texto de Álvaro Andrade, editado no Diário Popular de 25 de agosto de 1970, o tema foi a locução radiofónica. Olavo d’Eça Leal era uma personalidade multifacetada: crítico de cinema, desenhador, pintor. E entrou para a Emissora Nacional como locutor mas também autor de múltiplos diálogos, que alimentou ao longo de décadas de profissão. Um dos textos iniciais dele foi A Voz da Rádio (depois título de livro e que eu aproveitei, numa espécie de homenagem, no título de livro que publiquei em 2005, mas com a frase no plural). Olavo diria que nem sempre o locutor era compreendido pelos ouvintes, às vezes engana-se (por exemplo, pronuncia mal as palavras), precisa de longo tempo para se formar numa escola de locutores, dada a profusão de conhecimentos a aprender, e tem um ordenado que apenas chegava para viver decentemente.

Álvaro Andrade, também funcionário da Emissora Nacional e chefe de redação em Rádio Semanal à época, desempenhou o papel de crítico do cronista. Não seria melhor ele pedir aumento de salário diretamente ao presidente da Emissora Nacional?

Nacionalização da rádio foi há 40 anos

Foi a 2 de dezembro de 1975 que o decreto-lei 674-C/75 determinou a nacionalização da rádio em Portugal, acabando com marcas como Rádio Clube Português e Emissores Associados de Lisboa.

O preâmbulo do decreto é muito estranho. Começava por referir as telecomunicações para chegar à rádio, indicando o uso, em condições de precária eficácia, de 34 das 121 frequências de onda média internacionalmente disponíveis. Mais à frente formulava que a quase totalidade dos países europeus concedia exploração da radiodifusão a uma única empresa, destacando países como a Alemanha Democrática, a Checoslováquia, a Hungria e a Rússia, países então com regimes de partido único, e esquecendo a Inglaterra e a Alemanha Federal. A somar à explicação preambular, o articulado apresentava razões de ordem técnica, económica e política.

Ora, a única razão plausível para o decreto-lei fora a última – a política. Isso lia-se mais à frente, de modo cristalino: “é manifesto que tem estado longe de exemplar o comportamento da generalidade das nossas estações emissoras. Apaixonadas e parciais, onde lhes cumpria que fossem serenas, objetivas e isentas, não raro panfletárias, têm chegado por vezes ao extremo limite dos convites à sedição. […] O Conselho de Revolução e o Governo não poderiam continuar a assistir, sem uma adequada intervenção, à natureza verdadeiramente contrarrevolucionária de algumas das nossas estações emissoras, pese isso à bem intencionada generosidade de alguns dos seus agentes”.

Pelo decreto-lei, eram nacionalizadas, à exceção de Rádio Renascença – por causa da Concordata com a Santa Sé – as estações Rádio Clube Português, Emissores Associados de Lisboa, Sociedade Portuguesa de Radiodifusão e Alfabeta. Nascia a Empresa Pública de Radiodifusão, que incluía a Emissora Nacional.

A nacionalização estava prevista desde meados de 1974. Depois, desde setembro de 1975 tornava-se evidente a falta de controlo político da informação, em especial após a tomada de assalto da embaixada de Espanha. Nos dias antes do golpe militar, era visível a perturbação e o aumento de tensão entre os que triunfaram e os que perderam nesse dia. A possibilidade de guerra civil aumentava, com sedes de partidos políticos assaltadas e grupos de revolucionários a guardarem as rádios. O emissor da Rádio Renascença explodira. A Emissora Nacional passou a emissão para o Porto, mas alguns trabalhadores ficaram na rua do Quelhas, a guardar não se sabe muito bem o quê. O móbil direto da nacionalização foi, assim, o golpe militar de 25 de novembro de 1975. Como resultado, só na Emissora Nacional, a purga atingiu cinquenta profissionais, alguns despedidos e outros suspensos.

Duas notas suplementares, a primeira das quais referida no Diário de Notícias, de 31 de outubro de 1975, em que trabalhadores do Ministério da Comunicação Social expressaram voto de desconfiança em Ferreira da Cunha, secretário de Estado da Informação. Um comunicado ligava-o à ditadura derrubada em 25 de abril de 1974, tendo colaborado diretamente com o CDI (Centro de Documentação Internacional), criado em 1966 pelo ministro da Educação e elaborado relatórios com informações fornecidas pela PIDE e pela Legião Portuguesa. O CDI tinha um ficheiro de estudantes universitários. Ferreira da Cunha era colaborador antigo de Costa Gomes, então presidente da República, desde o tempo em que este fora chefe de estado maior das Forças Armadas antes de 1974, o que pode limitar a pressuposição lançada em outubro de 1975.

Outra nota vinha igualmente no Diário de Notícias, de 9 de setembro de 1975, referindo um dissídio na Emissora Nacional no setor desportivo. Em comunicado, “consideram os trabalhadores dos Serviços Informativos e dos Estúdios da Emissora Nacional que o fenómeno desportivo implica um tratamento radiofónico (relatos, elaboração de programas, etc.) que só poderá resultar capaz, se feito por especialistas. A especialização que os signatários reivindicam é facilmente comprovada pela incapacidade dos «repórteres desportivos (?)» que no passado domingo asseguraram a Tarde Desportiva. Consideram, portanto, os subscritores que a função do repórter desportivo (relator) nada tem a ver com a função de locutor, pelo que os serviços desportivos que realizarem deverão ser justamente remunerados, já porque não fazem parte das suas obrigações como locutores, já porque o contrário seria exploração do seu trabalho”. Mais à frente: “Diz o Departamento de Informação (?) que não foi possível resolver doutro modo o conflito de trabalho e que optou pelo recurso a novos elementos, na sua grande parte pouco experimentados, pedindo depois compreensão dos ouvintes para as suas deficiências e acreditando na melhoria da qualidade”. O país estava muito estranho – e perigoso.

O preâmbulo do decreto-lei 674-C/75 estava errado, o que significa: assente em bases falsas. Ao indicar o uso de 34 das 121 frequências de onda média internacionalmente disponíveis. em condições precárias, ignorava a existência e aceitação, desde décadas, desse conjunto de estações. A União Europeia de Radiodifusão zelava bem pela distribuição das frequências em ondas médias, além de que o decreto ignorou totalmente a existência da frequência modulada, que estava a popularizar-se. Mau grado a menor qualidade de emissões das estações minhocas (caso dos Associados de Lisboa), a rádio foi marcada por forte censura durante o Estado Novo. Mas a rádio no geral soube inovar. Rádio Clube Português, por exemplo, foi a primeira estação portuguesa a emitir 24 horas diárias sem interrupção em 1963, pioneira face a vários países europeus como a Inglaterra. Goste-se ou não, a Emissora Nacional criou um estilo musical com o seu Centro de Preparação de Artistas da Rádio – o designado nacional-cançonetismo. A Rádio Renascença criou uma boa rede de emissores em FM que chegava a todo o país. A geração de programas como Em Órbita ou Página 1 e seus locutores e colaboradores não pode ser ignorada neste balanço.

A lei acabou com os excessos, como passar, numa mesma emissão do Programa da Manhã, oito vezes A Internacional [Fernando Serejo (2001). “Rádio – do marcelismo aos nossos dias (1968-1990)”. Observatório, 4: 65-95]. Mas criou uma empresa de radiodifusão excessiva: 2600 trabalhadores e património que incluía um cinema (Nimas), uma editora discográfica (Imavox) e uma exploração agrícola. Se juntar foi complicado, mais difícil foi desfazer, quando a Rádio Comercial se tornou privada pela reforma política de desnacionalização em 1993.

Música ao vivo e música gravada na rádio

No seu livro, Crisell (2012) interroga-se: a rádio nasceu para transmitir música ao vivo ou música gravada? Ora, estão aqui dois eixos estruturantes da rádio musical. E o autor distingue os programas em direto e os registos feitos pelas próprias estações, que incluíam gravações comerciais, como os discos de gramofone.

Os primeiros discos de alumínio captavam até 15 minutos de som. Na década de 1930, em especial em 1934, máquinas portáteis de gravar som foram ligadas aos noticiários e documentários na BBC. A prática de programas pré-gravados aumentou durante a II Guerra Mundial, por necessidade de não ter emissões ao vivo e em direto, temendo bombardeamentos. Tal obrigava a BBC a submeter previamente os seus textos ao ministério da Informação. A BBC fornecia também programas gravados para o ultramar, e recebia programas de auditório dos Estados Unidos, casos de Bob Hope, Bing Crosby e Glen Miller.

No pós-guerra, a tecnologia tornou-se melhor, mais barata e flexível. Se, na década de 1960, metade dos programas da BBC eram em direto, em meados da década de 1970 raramente havia já programas em direto.

Leitura: Andrew Crisell (2012). Liveness & Recording in the Media. Hampshire e Nova Iorque: Palgrave

Teatro radiofónico em 1974

Em 1974, ainda havia teatro radiofónico em Rádio Clube Português, como este recorte do Diário Popular, de 21 de setembro de 1974, mostra. Era uma tempo de experimentação, e o romance de Soeiro Pereira Gomes, Esteiros, era adaptado à rádio, em 23 episódios com quinze minutos cada. Dos atores, destaco Carmen Dolores, Maria do Céu Guerra, Rogério Paulo e Mário Sargedas. A direção de produção pertencia a Fernando Curado Ribeiro.

A história da rádio

Na secção Histories and historiographies of radio da conferência da ECREA, Radio Research Conference 2015, realizada em Madrid (28-30 outubro), destaco as comunicações de Anja Lindelof (Universidade de Roskilde; Radio, music and liveness) e Steen Kaargaard Nielsen (Aarhus University; Danish radio broadcasting on trial – revisiting the 1931-debate on “living music” versus “mechanical music”), ambos dinamarqueses.

Anja Lindelof destacou o papel da orquestra sinfónica (orquestra de câmara) da rádio pública dinamarquesa, nascida em 1925 e desaparecida em 2014. No diapositivo abaixo, ela falaria das lutas de sobrevivência da orquestra. Primeiro, a atual modernidade da rádio implica o desaparecimento de um modelo com quase cem anos. Se a transmissão para restaurantes, por exemplo, pedida em 1937, perdeu total significado, ou o registo de discos pela estação de rádio foi abandonado pela atividade privada, o conceito de orquestra sinfónica representa uma mentalidade em termos de produção presente. Curioso em 1949 a separação entre rádio clássica e rádio de música ligeira, pelas semelhanças com a ação da nossa Emissora Nacional de Radiodifusão. A recente luta pela sobrevivência passou pelos patrocínios, pela criação de uma marca e por festas, como se se tratasse de uma banda que tem contactos massificados nos concertos. A autora teve tempo ainda para refletir na idade de ouro da música de câmara na rádio e na distinção entre alta e baixa cultura. O trabalho de Anja Lindelof inspirou-me a traçar uma linha na investigação que não imaginava existir.

Anja Lindelof

Já Steen Kaargaard Nielsen, a trabalhar na edição de um livro sobre a matéria da querela em 1931 entre música ao vivo e música gravada, que o diapositivo abaixo (cartune) ilustra, tem igual paralelo na vida cultural portuguesa, o que indica que as realidades sociais e tecnológicas não andam distantes de país para país. Steen Nielsen desenvolveu uma ideia de som natural e de som metálico, de efemeridade da emissão radiofónica – e da sua imaterialidade, acrescento. Claro que a música ao vivo atingia poucas pessoas e identificadas com um estatuto social mais elevado, ao passo que a música gravada, a partir do momento da massificação e baixa de preços dos discos e dos dispositivos mediados da música, tornou-se uma espécie de propriedade do povo. O autor referiu ainda a importância dos jovens na renovação musical, pelo que falou de movimentos juvenis. Uma última nota: na Dinamarca, fala-se mais de música de ritmo do que música popular.

Steen Kaargaard Nielsen

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (3)

No Diário Popular, de 18 de agosto de 1970, Álvaro de Andrade escreveu sobre o Quarteto Vocal da Emissora Nacional, recordando a composição do grupo e suas histórias desde 1947. Ele incluía Mota Pereira (baixo, professor liceal e profissional da Emissora), tenor Guilherme Kjölner, barítono Paulo Amorim e Fernando Pereira, popular cantor de opereta, sob a direção do maestro Belo Marques. Mota Pereira, depois de atuar em recitais na Rádio Nacional de Espanha, trouxe a ideia e pô-la em prática.

Retorno e Simplesmente Maria

Dulce Maria Cardoso (1964) foi para Angola em tenra idade, saindo de lá em 1975, quando diferentes movimentos políticos encetaram uma violenta guerra para controlo do poder político. O romance O Retorno narra uma vinda precipitada de uma família branca no seu êxodo.

A autora coloca um narrador a contar a história da vinda, em três momentos, de muita rapidez de ocorrências mas de grande lentidão a apresentar essas ocorrências. Trata-se de um permanente diálogo interno de um adolescente de quinze anos (até aos dezoito), das conversas tidos com familiares e amigos, e da interpretação desses diálogos. O livro, bem escrito, é, assim, constituído por um enorme monólogo, onde se veem as forças e as fragilidades de um conjunto de indivíduos perante um momento de vida social que não dirigem mas gostariam de liderar. Um dos momentos interessantes e mais perspicazes é a distinção entre Angola – de largos horizontes – e a metrópole – de ruas estreitinhas e gente de pequenas invejas.

Rui, o narrador, a irmã, pouco mais velha, a mãe, sempre doente com espíritos, e o pai, homem que fazia transporte de mercadorias em Angola, preso mesmo quando fazia a mala para sair do país, são o mundo mais íntimo. Mas o romance tem mais personagens, com fino recorte social e cultural.

Se a primeira parte trata a partida, a segunda parte narra a vida no hotel no Estoril, onde os retornados em si discutem um cada vez menos provável regresso às colónias, com os homens com um fumo negro na manga do casaco em sinal de luto, e Rui e a família esperam o pai preso em Luanda. A terceira parte, mais pequena, é a do reencontro do pai, regressado depois de torturado e com muitas cicatrizes no corpo devido a essa violência.

No livro, há três referências à rádio. Uma, na p. 166, revela o excesso de canções revolucionárias em 1975 nas rádios nacionais. As outras duas referências, nas páginas 27 e 196, com alusão à radionovela Simplesmente Maria. A irmã Maria de Lurdes, ou Milucha, sonhava que a personagem Alberto a esperava à sua chegada ao aeroporto da metrópole. Rui admirou-se de a irmã contar algo tão infantil. Antes e depois da novela, a estação dava o nome completo dos desaparecidos na mortandade de Sanza Pombo.

A radionovela passou em Portugal em 1973 e 1974. Com a revolução de abril de 1974, os produtores pensaram que ela podia ser eliminada, como acontecera com o concurso de misses de Portugal, a que Vera Lagoa, depois diretora do semanário O Diabo, dava tanta colaboração.

Tomé Barros Queirós foi o produtor da radionovela. Ele abandonara uma carreira de sucesso de cantor de opereta em 1960 e passou a dedicar-se a atividades publicitárias, que incluíam a rádio. No romance de Dulce Maria Cardoso, a radionovela é deslocada para 1975. Não sei se ela foi também transmitida em Angola ou se é um artifício de ficção. O importante no livro é a colocação de uma informação importante – a lista de pessoas que teriam morrido em ataques guerrilheiros. Tal dá conta da dimensão da tragédia.

O primeiro romance de Dulce Maria Cardoso, Campo de Sangue (2001), recebeu o Grande Prémio Acontece. Seguiram-se os romances Os Meus Sentimentos (2005), Prémio da União Europeia para a Literatura, e O Chão dos Pardais (2009), Prémio Pen Club, O Retorno é de 2011.

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (2)

Em 1936, ao microfone de Rádio Clube Português, surgiu a orquestra Aldrabófona, cerca de vinte elementos com idades entre os 12 e os 30 anos. Álvaro de Andrade recorda-a, no Diário Popular de 11 de agosto de 1970. Ele foi vê-la um dia e ao vivo no estúdio grande da Emissora Nacional, onde colaborava então.

Hino, Danúbio Azul, Atalaia, Eneida, Sinos de Mafra, secção brasileira, Fragateiros de Lisboa, Canções e Cantares e Marcha de Lisboa seriam alguns temas ou tipos musicais ouvidos nessa audição, a fazer perceber um repertório entre a música clássica leve e as modas populares. Os instrumentos confirmam isso: violas, guitarras, harmónios, pífaro, berimbaus, harmónicas de boca e pandeireta. Não há violinos ou violoncelos, por exemplo, muito embora o estúdio tivesse um piano ao centro, talvez utilizado. Dos nomes dos músicos, aparece apenas António, que cantou a solo, como diz o programa, e a indicação do maestro, “um rapazinho de grandes óculos à Harold”.

 

Livro sobre rádio, som e internet

Acaba de ser publicado o livro digital Radio, Sound and Internet, organizado por Madalena Oliveira e Fábio Ribeiro.

Do editorial, assinado pelos organizadores, retiro o seguinte:

“At odds with the idea that radio is an archaic and nostalgic medium, the Internet has been understood as a kind of new transistor. However more than an expanded form of wireless communication, the Web corresponds to a new age for radio and audio media. Born to be blind, or non-visual, for the first time radio has been seriously challenged by the empire of images. Due to its optical nature, the Internet has actually “forced” radio to become visible, given that there is no other way to tune in a radio broadcaster on the Internet than “navigating through” icons. Although more visibility usually means less capacity to listen to something, the Internet has also brought new forms of listening to. Podcasts and audio on demand are today a sophisticated, but absolutely simple, way of providing listeners with new audio productions. Corresponding to a new way of listening to radio and a new paradigm of audio content distribution, as acknowledged by Ignacio Gallego (2010), podcasting represents one of the most innovative audio services provided by Internet. Adapted both to information and fiction/entertainment, this format changed the way radio has always been regarded. If in the past it was exclusively dedicated to live broadcast, which meant that audience and broadcast were simultaneous, today radio is, likewise other mainstream media, a platform of customized content”.

A história da rádio segundo Álvaro de Andrade (1)

Álvaro de Andrade não escreveu propriamente uma história da rádio, mas deixou algumas memórias escritas nas páginas do Diário Popular. Procurarei recuperar os seis ou sete textos que editou, a começar pelo publicado a 4 de agosto de 1970. Do que se lê, trata-se da memória de dois dos locutores mais antigos da Emissora Nacional, a que Álvaro de Andrade esteve ligado na época inicial. Os pioneiros, como lhe chama, são Fernando Pessa e João da Câmara.

Álvaro de Andrade, do qual já escrevi aqui na sua faceta de homem ligado ao teatro, dirigiu dois semanários de rádio (Rádio Semanal e Rádio Nacional), organizou o Anuário Radiofónico Português (1937, 1938) e foi adjunto da direção de Serviços de Produção da própria Emissora Nacional.

De Pessa destacaria a “voz inteligente, agradável, otimista”. A ida do locutor para Londres no período da II Guerra Mundial criou um vazio, preenchido com as crónicas e os programas emitidos pela BBC. De Câmara, destacaria as reportagens das missas dominicais da igreja de São Domingos e a apresentação dos programas de ópera no São Carlos, com “a facilidade elegante e culta da locução e a pureza da linguagem, aliadas ao timbre equilibrado e insinuante da sua voz clara”.

Oitenta anos de rádio pública (ainda)

Há um mês, a rádio pública comemorou os seus oitenta anos de emissão. Em 4 de agosto de 1935, o então presidente da República Óscar Carmona visitava oficialmente a Emissora Nacional, pelo que essa é a data simbólica de inauguração. Esta fora prevista para 1 de agosto, mas um impedimento pessoal de Carmona fez deslizar a visita para três dias depois. Por isso, também se costuma associar a data de arranque ao dia inicial de agosto. O conceito de rádio pública é recente, pois até 1974 a Emissora Nacional era designada por rádio oficial, pertença do Estado.

Eu dei uma colaboração neste 4 de agosto, falando para a RTP online, com perguntas de Rui Santos.

80 anos de rádio pública

A inauguração oficial da Emissora Nacional esteve marcada para 1 de agosto de 1935. Mas o marechal Carmona não pôde e só visitou a Emissora Nacional no dia 4 de agosto. O importante é que a semana passou em festa na rádio pública, então designada como rádio oficial. Amanhã, passam 80 anos da presença pública do presidente da República na Emissora.

Então, a presidência da Emissora Nacional estava a cargo de Henrique Galvão (anos mais tarde, ele rebelar-se-ia contra Salazar, em que a ação mais espetacular foi o desvio do navio Santa Maria). Galvão sucedera a António Joyce, homem muito ligado à música clássica mas sem experiência de contabilidade empresarial, o que fez derrapar as contas da estação. Para complicar as coisas, o orçamento era gerido pelos CTT, dirigido por Luís Couto dos Santos. A nova programação refletia um gosto mais popular, encontrado, por exemplo, no programa Hora da Saudade (com mensagens de portugueses para familiares residentes ou a trabalhar nas colónias africanas ou noutros países) e os Jogos Florais. Nos anos seguintes, nasceram outros programas que marcaram a Emissora, como Domingo Sonoro, Serão para Trabalhadores, teatro radiofónico, programas infantis e relatos de futebol. Dos locutores do primeiro período destaco Áurea Rodrigues, Maria Rezende e Fernando Pessa. António Ferro sucederia a Galvão na direção da Emissora em 1941.

Amanhã, na rádio pública, uma emissão especial (ver aqui): “Em oito horas de emissão não cabem oitenta anos de história da Rádio pública. Ainda assim, protagonistas de ontem e de hoje, sempre com os olhos no futuro, vão passar pela Antena 1 contando um tempo que foi e desvendando um outro que está a chegar. E, claro, a música vai estar sempre por perto. Aquela que integra a memória da Rádio, a que a canta a Rádio e a que faz hoje o quotidiano da Rádio. Ao vivo, das 10h00 às 18h00, Rogério Charraz, Oquestrada, Marco Rodrigues, Viviane, Paulo de Carvalho, António Manuel Ribeiro, Miguel Ângelo e Luís Represas vão cantar nesta emissão com realização de Armando Carvalhêda e produção de Ana Sofia Carvalheda”. Ver ainda aqui várias histórias da rádio (sons e imagens).

Os meus parabéns à RDP, que mantém o património da rádio de 1935.

Rádios piratas e rádios na internet

rádioO livro Das Piratas à Internet: 25 Anos de Rádios Locais foi organizado por Ana Isabel Reis, Fábio Ribeiro e Pedro Portela e editado pelo CECS (Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho). Tem data de publicação de dezembro de 2014 e foi divulgado essencialmente em formato ebook.

É um belo livro, desde já porque se trata de um livro sobre rádio. Depois, recolhe muitos autores especializados além dos organizadores: Alberto Arons de Carvalho, Elsa Costa e Silva, Luís Bonixe, Madalena Oliveira e Luís António Santos. Em terceiro lugar, uma boa surpresa: entrevistas a profissionais da rádio: António Colaço, António Macedo, Carlos Daniel Alves, David Pontes, Francisco Amaral, João Paulo Meneses, Joaquim Franco, José Carlos Barreto e José Coimbra. Em quarto lugar, o projeto gráfico (e edição digital), a cargo de Alberto Sá e de Ricardina Magalhães.

Na nota introdutória, os organizadores lembram o marco significativo da lei da rádio de 1988 e da atribuição de frequências locais em 1989, tópicos para reflexão do fenómeno das rádios locais. O texto de Ana Isabel Reis dá uma boa perspetiva da evolução histórica (pp. 11-26), onde define três gerações (ou etapas, na minha leitura): entusiasmo amador, interesse dos poderes locais, projetos profissionais. Algumas centenas de projetos idealistas terão ido para o ar, com a legislação de 1988 a atenuar esse entusiasmo não ligado a práticas comerciais e organizativas. No Porto, a Rádio Caos, em Lisboa, a TSF, são dois exemplos olhados pela autora. Mas também a Rádio Antena Livre (Abrantes) e a RUC (Coimbra) figuram na lista, com bastante detalhe. O texto de Arons de Carvalho é mais político e sobre a legislação. As responsabilidades políticas dele aparecem aqui bem expressas. Destaco o seu ponto de vista sobre mudanças recentes, com os processos de concentração, as modificações de projeto nas rádios locais e a possibilidade de nova vaga de experimentalismo e poesia com o licenciamento de rádios comunitárias.

A perspetiva mais económica é apresentada por Elsa Costa e Silva, na sequência de outros estudos que a autora tem feito sobre os media. Destaco o texto das pp. 52-56, com atenção à propriedade e concentração da rádio local em Portugal. O fracasso dos ideais de 1989 foi a concentração e a perda de (alguma) diferenciação dos projetos ao longo do país. Agora, muitas das frequências locais são repetidores de estações com sede em Lisboa – boas para quem se desloca de automóvel ao longo do país e ouve a sua estação em todo ele. No período entre 2006 e 2011, a autora estima 43 operações de retransmissão autorizadas pela ERC.

Seguindo um percurso sólido na análise do jornalismo na rádio, com um ponto alto na sua tese de doutoramento e posterior publicação, Luís Bonixe identifica rotinas e constrangimentos no jornalismo radiofónico. Com dados sobre 50 jornalistas trabalhando em 35 rádios locais, o autor traça uma radiografia precisa: metade são mulheres, 42% têm entre 31 e 40 anos de idade, 24% são jornalistas há menos de cinco anos mas 18% trabalha como jornalista da rádio há mais de 11 anos, 74,19% formaram-se em ciências da comunicação, 42% indica que o reduzido número de profissionais afeta o seu dia a dia de trabalho. Madalena Oliveira prefere destacar a proximidade, o caráter intimista e de sotaque na rádio local, a diferença entre as categorias temática e generalista. A autora foca a linguagem simples e descomplexificada e a orientação local para a promoção musical mas também a participação do ouvinte através do telefone, em busca do popular e do trivial.

Impressões do jornalista após a Expo de Osaka

Disse Adelino Gomes, à chegada de Osaka, Japão, onde foi reportar a Expo 70 para o Rádio Clube Português: “séculos de História, de progresso científico, que estão em cada um dos pavilhões das setenta e sete nações presentes” (Diário Popular, 28 de março de 1970). O jornalista falaria para Portugal via satélite, sem retorno de som de Lisboa, junto a técnicos que apenas falavam japonês e a oitocentos homens de informação de todo o mundo.

 

A ausência de programação de rádio para as crianças

Hoje, no dia mundial da criança, o Pedro, o Afonso, a Laura, o Francisquinho e muitas outras crianças deram a voz na rádio (Antena 1) para os separadores. Não ouvi as outras rádios, pois a maior parte do dia foi passado fora de casa.

Curiosamente, na edição deste mês da revista Ecos do Minho, da Associação Pediátrica do Minho, o cónego João Aguiar Campos, presidente da administração do grupo Renascença (r/com), publica um curioso artigo, Apontamentos sobre uma Ausência, onde o tema é a programação para público infantil. Ele parte da ideia de inexistência (ou quase total ausência) de programas de rádio orientados para as crianças, com base na sua experiência e em investigação como a de Ângela Silva (A Programação Infantil nas Rádios Portuguesas: dos Primeiros Ensaios ao Desafio do Online) [http://ubithesis.ubi.pt/handle/10400.6/1282] e na minha própria (A Rádio em Portugal, 1941-1968), onde tenho um capítulo sobre programas infantis na Emissora Nacional (1934-1975) [estes duas marcas também podem ser lidas como 1935-1974], onde escrevi sobre Madalena Patacho e Odette de Saint-Maurice, embora não com a profundidade que o assunto ainda merece.

O texto do responsável da Renascença ainda dedica atenção aos trabalhos de outros investigadores como Nelson Ribeiro, Paula Cordeiro, Madalena Ribeiro, João Paulo Meneses e autores brasileiros.

[o meu obrigado ao Paulo Cezar Lepetri por me ter dado a conhecer a revista e o artigo]

Recepção dos media pelo género feminino

O livro organizado por José Ricardo Carvalheiro, As Caixas Mudaram o Mundo? Usos Femininos dos Media no Estado Novo, resulta da investigação inserida num projecto da Universidade da Beira Interior financiado pela FCT. Objectivo: saber os consumos dos media e a sua recepção pelo género feminino a partir da década de 1940, ou, como o livro diz mais acertadamente: “trabalhar com memórias acerca da recepção mediática na ditadura” (p. 10).

O meu ponto de descoberta foi o texto do organizador do livro “História oral, memória e recepção mediática”. Nele, o autor procura “reconstituir e compreender o passado” (p. 45), o que o leva a captar as práticas e os contextos de uso dos media e os compreender na dimensão diacrónica (histórica). No texto, também se fala de memória e identidade, biografias e apreensão da recepção no passado e da interpretação dos textos às práticas significativas. Como corpo de observação empírica, a equipa de investigação conduziu 57 entrevistas a mulheres nascidas antes da Segunda Guerra Mundial e o início das emissões de televisão (1939-1957) em associações na Covilhã e em Coimbra em núcleos fabris e de serviços das duas cidades (p. 134). A partir das entrevistas, a equipa procurou reconstituir histórias de vida. Aqui, reside a riqueza da investigação agora publicada e que, além de José Ricardo Carvalheiro, inclui os nomes de João Carlos Correia, Maria João Silveirinha, Sara Portovedo, Diana Tomás e Catarina Valdigem.

Um dos outros capítulos que gostei de ler foi o dedicado às narrativas de vida de quatro lisboetas sobre a recepção da rádio, igualmente escrito pelo organizador do volume. Carvalheiro destaca as estruturas de relevância e as práticas criativas de recepção (p. 160). O livro insere-se na colecção “Comunicação, História e Memória”, da MinervaCoimbra, dirigida por Isabel Vargues. Da colecção, já fiz aqui comentários do livro de Carolina Ferreira Os Media na Guerra Colonial.

Leitura: José Ricardo Carvalheiro (2014). As Caixas Mudaram o Mundo? Usos Femininos dos Media no Estado Novo. Coimbra: MinervaCoimbra, 284 páginas, 21 euros

A rádio em 1985

A capa reproduz um altifalante de excitação directa em leque Gaumont. O livro 60 Anos de Rádio em Portugal foi publicado em 1986 pela RDP (rádio pública) e pela editora Vega e reproduz as comunicações realizadas no colóquio sob aquele nome, nos dias 23 e 24 de Maio de 1985, no Fórum Picoas, em Lisboa. À época, actuais e antigos dirigentes da rádio (como Maria da Paz Barros Santos e José Manuel Nunes), profissionais destacados (como Fernando Curado Ribeiro e Fernando Serejo), novos protagonistas (como Emídio Rangel), especialistas em audiências e publicidade (como Rui Dias José e João David Nunes), professores de comunicação (como Adriano Duarte Rodrigues) passaram esses dias a falar de rádio.

Um dos textos que melhor fixei foi o de José Manuel Nunes. Ele falou de recursos humanos (a partir de estudo feito por Ana Paula Ferreira e Maria Leonor Nunes). Então, a rádio pública tinha 22 categorias profissionais, como realizadores, assistentes de realização, locutores, animadores de emissão, jornalistas, sonorizadores, assistentes musicais, assistentes literários e arquivistas musicais. Do conjunto dos trabalhadores da rádio, ele extraiu 570 produtores do discurso radiofónico, dos quais 348 se situavam na faixa etária entre 35 e 50 anos, mas poucos abaixo dos 30 anos. Ao contrário, havia uma forte juvenilização e predominância masculina nos jornalistas. 28,1% dos produtores de discurso possuíam o antigo 7º ano do liceu, 23,2% o antigo 5º ano e 10,3% o ensino básico. Apenas 7,8% tinha licenciatura. O então director de Programa colocou uma questão premente na época, a do ingresso de muitos funcionários em 1976, quando se formou a RDP, e 1980, ano de eleições.

A síntese final (pp. 233-238) apontou 11 pontos principais dos trabalhos do colóquio: 1) conceitos e ideias, 2) rádio-teatro, 3) rádio nova/rádio velha, 4) rádio e juventude, 5) pesquisa de audiência, 6) regionalização da rádio, 7) publicidade, 8) recursos humanos, 9) informação, 10) emissões em onda curta, e 11) planeamento e gestão.

50 anos do programa Em Órbita

DP, 10.7.1968[programação de Rádio Clube Português em FM, Diário Popular, de 10 de Julho de 1968]

Gostaria de saber mais sobre o programa Em Órbita, que iniciou a sua emissão faz hoje cinquenta anos na programação de FM de Rádio Clube Português (1 de Abril de 1965), para escrever aqui. Mas fico-me como colector e reorganizador de informação. Os melhores textos que conheço sobre o programa continuam a ser os de José Matos Maia, Luís Pinheiro de Almeida e Rui Vieira Nery (este a partir do que Matos Maia identificou).

Desde 1963 que a estação tinha uma programação em FM distinta da de ondas médias e onde começou a actividade um conjunto de profissionais, inicialmente amadores ou jovens entusiastas da rádio. Em Março de 1965, o horário das 19:00 às 20:00 ficava vago e foi endereçado o convite a Pedro Albergaria e Jorge Gil, que com João Manuel Alexandre começaram o programa.

O indicativo inicial foi um instrumental dos Kinks, Revenge, de co-autoria de Ray Davies e de Larry Page (que foi produtor/manager dos Kinks), então inédito em Portugal, apresentado por Pedro Castelo, o primeiro locutor, a que se seguiu Cândido Mota, o apresentador que se tornaria a voz mais conhecida do programa (ver Antena, 1 de Agosto de 1968, em reprodução aqui ao lado). Ao longo do tempo outros apresentadores estiveram no programa: Jorge Dias, Jaime Fernandes, Fernando Quinas e João David Nunes. Bandas inglesas e norte-americanas começaram a ser conhecidas em Portugal graças a esse programa, como Simon e Garfunkel, Donovan, Tim Buckley, Beach Boys, Janis Joplin, Doors, Bee Gees, Jefferson Airplane e Procol Harum, que outros programas como a 23ª Hora, de João Martins, em Rádio Renascença, procuravam seguir.

Em Agosto de 1967, o Em Órbita passou pela primeira vez um tema português, A Lenda de El-Rei D. Sebastião, do Quarteto 1111. O program tinha uma frase marca: “um programa feito por nós e dito por mim”, o que fazia do programa uma obra colectiva. Rui Vieira Nery faria uma excelente análise ao programa (citado a partir do livro de José Matos Maia, Telefonia, por dificuldade de eu não encontrar o original):

“Tudo começou com um grupo de jovens profissionais da rádio que em meados da década de 60, em pleno reino do nacional-cançonetismo, de Rafael e de Gianni Morandi, tocava regularmente o que de melhor e mais avançado se fazia na música popular anglo-americana, constituindo um espaço radiofónico alternativo que serviu de referência de qualidade a toda uma geração marcada pelo movimento associativo universitário, pela resistência antifascista, pelo trauma da guerra colonial, pela ruptura com os códigos morais pequeno-burgueses dos filmes cor-de-rosa de Doris Day e Marisol”.

Na fase pop do Em Órbita, o programa ganhou prémios (Ondas, Barcelona, Casa da Imprensa, ambos em 1967). Na fotografia um pouco abaixo, vêem-se os autores do programa no prémio da Casa da Imprensa 1967 (Antena, 15 de Fevereiro de 1968). A partir de 1969, nasciam as Novas Aventuras do Em Órbita, com introdução de música clássica. A primeira fase do programa terminara a 31 de Maio de 1971. Para Jorge Gil, “Foi uma opção consciente. A música anglo-saxónica já nada me dizia. A minha transformação operou-se enquanto estudante de Arquitectura, em Belas-Artes, com as lições de Conjugação das Três Artes, de Manuel Rio de Carvalho” (Luís Pinheiro de Almeida, em 1 de Abril de 2000). Data desta altura, julgo, o novo indicativo, retirado da peça de Richard Strauss, Assim Falava Zarathustra. Houve ainda um terceiro indicativo, retirado de The Fair Queen, de Henry Purcell.

Para um dos produtores do programa, Pedro Albergaria (entrevista a Luís Garlito em 1 de Junho de 1995; Arquivo da RTP AHD 14946): “andámos uns meses a emprestar os discos ao programa que se chamava Ritmo 64. Quem fazia a locução, um deles, era o Pedro Castelo. Chegámos a uma certa altura que também achámos que começava a ser demais. «Então estamos aqui a fazer o programa de borla para outra pessoa»? Um dia, o meu pai, que era muito amigo do Júlio Botelho Moniz, um dia, estávamos a jantar e disse: «queres fazer um programa de rádio»? «Quero». Telefonou ao Júlio Botelho Moniz e disse: «olha, o meu filho quer fazer um programa de rádio». «Então, ele que venha amanhã falar comigo». Eu e o Jorge Gil fomos ao Rádio Clube Português, falámos com o Júlio Botelho Moniz, e ele diz: «então, pronto, está tudo bem, começam depois de amanhã». Nós ficámos assim um bocado a olhar um para o outro. «Depois de amanhã? E nome para o programa? E locutor»? Que nem nos passava sequer pela cabeça falar ao microfone. Tivemos de fazer isto em dois dias e o Em Órbita começou no dia 1 de Abril [de 1965], mentira quase. […] Provavelmente, não dormimos. A escolha do locutor para o programa foi a parte mais fácil porque nós já conhecíamos bem o Pedro Castelo do outro programa. Aí não houve grande problema na escolha. O que é que ia fazer o programa? Tocar só discos? Tínhamos de escrever textos? Acho que fomos apanhando pouco a pouco a fórmula. Ao fim de seis, sete meses, foi a fórmula definitiva do Em Órbita. Ao princípio, andámos à procura de como é que tudo aquilo ia funcionar. A escolha do nome foi o antigo director do Rádio Clube Português, o Álvaro Jorge. Ele saiu-se com este Em Órbita. E, pronto, naquela altura, estava muito na moda. Todos os dias, havia coisas que era a grande novidade quando se punha uma coisa em órbita. No dia 1 de Abril de 1965, com este indicativo. Era um dos nossos grupos ingleses preferidos, completamente desconhecido em Portugal, e esse álbum que está aí, o primeiro álbum que eles gravaram, tinha um instrumental. Os Kinks. O único instrumental que eles gravaram. Estivemos indecisos entre este tema dos Kinks e um tema do Booker T. & the MG’s, Green Onions“.

Já Jorge Gil, em entrevista que me deu (17 de Janeiro de 2012), diria: “Eu tive acesso, nesse aspecto talvez privilegiado, eu tinha vinte anos nessa altura, por duas fontes distintas, a uma discografia totalmente nova e que estava a irromper com imensa força em Inglaterra e nos Estados Unidos. Que era um repertório completamente desconhecido em Portugal, mas completamente. […] Julguei que havia uma generosidade, uma entrega, uma pesquisa de outras sonoridades que não as sonoridades que estavam em moda, pelo menos na Europa. E essa generosidade é tão vital, do seu ponto de vista de construção musical tinha muitas coisas comuns com a tradição musical barroca, medieval europeia. […] Como é que eu tive acesso a ela? Por duas vias distintas. Uma, o meu irmão estava a estudar na Suíça nessa altura, em Lausanne, e enviava-me regularmente gravações que ele achava interessantes para Lisboa. Outra via, na Valentim de Carvalho trabalhava um senhor chamado Mário Martins. […] Foi assim que eu descobri por exemplo um disco completamente perdido, mas que estava perdido cá ou foi perdido cá, como estava perdido na própria Inglaterra. Uma gravação chamada Go Now. Foi o primeiro EP que os Moody Blues editaram. Foi assim que eu descobri por exemplo um disco completamente perdido, mas que estava perdido cá ou foi perdido cá, como estava perdido na própria Inglaterra. Uma gravação chamada Go Now. Foi o primeiro EP que os Moody Blues editaram”. A mudança, para Jorge Gil, foi com “a industrialização. Aquilo estava a ser diferente porque as pessoas, de repente, descobriram, o poder económico descobriu que tinha ali um filão de ouro inesgotável. O Woodstock foi um primeiro prenúncio da queda”. Aí, o programa Em Órbita começaria a trilhar outra rota, agora cada vez mais com Jorge Gil a comandar, nomeadamente após o afastamento de João Manuel Alexandre.

Na interpretação de Luís Pinheiro de Almeida, “não estávamos perante um programa que promovia «estrelas da rádio» (muito comuns na época), quer fossem os seus autores ou o apresentador (na altura dizia-se «locutor»), mas anunciava, isso sim, uma certa radicalidade, um corte com a tradição de falsa intimidade com o ouvinte, tantas vezes expressa, pelos chamados «locutores da voz doce» e suas companheiras de emissão, no “amigos ouvintes, muito boa noite; somos a vossa companhia durante estes próximos minutos”. A atitude de passar a música do Quarteto 1111 foi também a de levar o Em Órbita a eleger a canção Strangers in the Night, de Frank Sinatra, como a pior canção do ano.

Sobre a música do Quarteto 1111 no Em Órbita, foi lido um texto por Cândido Mota:

Em Órbita vai proceder hoje à transmissão de um trecho de música popular portuguesa. Porque se trata de uma medida sem precedentes neste programa, e por termos o maior respeito pela nossa própria coerência e por todos quantos nos acompanham com a sua adesão consciente e construtiva, tem pleno cabimento algumas palavras introdutórias ao trecho que vamos apresentar. Desde sempre que alguns dos mais conhecidos intérpretes e conjuntos portugueses de música ligeira que nos têm procurado, seguindo modalidades várias de aproximação no sentido de Em Órbita divulgar as suas respectivas realizações, em amostra, em disco ou em registo magnético. Em face dessas sucessivas tentativas, sempre nos recusámos em aludir, por considerarmos que a totalidade dessas realizações não justificava o nosso interesse em abrir excepções, quer por entendermos que a sua transmissão iria ocupar tempo que poderia ser preenchido com larga vantagem pela nossa música habitual, quer por considerarmos que nenhuma delas reunia as condições mínimas para poder representar qualquer coisa de semelhante a uma tentativa honesta e inédita do lançamento das bases da música popular portuguesa que todos nós em boa consciência queremos renovada por inteiro de alto a baixo. Por varias vezes e sob diversos pretextos temos aqui exprimido alto e bom som que somente transmitiríamos qualquer modalidade de música popular portuguesa que tivesse um mínimo daqueles requisitos que poderemos condensar assim: 1 ° – Autenticidade aferida em função do ambiente e da sociedade portuguesa e da tradição folclórica do nosso país. 2° – Afastamento radical da utilização puramente oportunista de padrões internacionais e pseudo internacionais, impossíveis de transpor com verdadeira honestidade para o nosso meio. 3° – Rompimento frontal com as formas de música popular comercial mais divulgadas em Portugal e que se caracterizam pela teimosa insistência em seguir os figurinos caducos e provincianos de Aranda do Douro, San Remo ou Benidorm. 4° – Demonstração de um poder criador e interpretativo que ultrapassasse de forma a não deixar dúvidas, apelando a uma imitação grotesca que se faz no estrangeiro, quer na forma de copia pura e simples, quer na de adaptações apressadas, quer na utilização de uma língua, de um estilo ou de um som de importação, tudo defeituosamente assimilado. Estes portanto os requisitos mínimos que sempre exigimos a nós próprios e aos que nos procuraram com pedidos de transmissão. Nunca nos limitámos porém a uma recusa seca e peremptória. Os nossos pontos de vista sempre os exprimimos desenvolvidamente em particular e em público. Os que nos ouvem com regularidade, devem recordar-se do que aqui foi dito sobre este mesmo tema no ano passado. As nossas sugestões sobre os caminhos a seguir na nossa opinião ficaram então bem claras. Recordemos algumas delas: Recurso ao folclore português nas suas múltiplas variedades e manifestações. A ligação intima à realidade portuguesa nos seus mil e um aspectos e facetas. Recurso à poesia portuguesa popular ou erudita, medieval, clássica ou contemporânea. O aproveitamento das formas melódicas e rítmicas da musica popular portuguesa, ainda não adulterada. A revisão total dos temas e respectiva forma de expressão com base na construção lírica dos poetas da literatura portuguesa, do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende aos poetas da actual geração de Coimbra. Sem preocupações de síntese, estas são algumas das formas possíveis no nosso entender de encarreirar a música popular portuguesa para alguma coisa de novo, de verdadeiro e de autentico. Há anos que vimos proclamando. Nunca ninguém demonstrou ou procurou demonstrar que no plano dos princípios e em concreto, estávamos errados. Posto isto temos, para nós, que o trecho que vamos hoje apresentar, preenche os requisitos mínimos para a sua divulgação por este programa com todas as implicações que a sua transmissão através de Em Órbita acarretam. Tendo por título A Lenda del Rei D. Sebastião, é escrito por um português é tocado e cantado por portugueses. Não vamos fazer uma apreciação exaustiva desta gravação, das suas qualidades que são muitas, e dos seus defeitos que terá alguns. Vamos apenas apontar o que nela se nos afigura existir de importante e de novo. Assim é desde logo um apontamento especial sobre os aspectos puramente interpretativos, instrumentais e vocais, e num período em que neste programa se dá cada vez mais importância aos criadores e cada vez menos aos intérpretes, a gravação que vamos apresentar tem qualidade interpretativa mais do que suficiente, e uma nota que sobressai com rara evidencia O que neste trecho impressiona mais, o que nele se inclui de mais nitidamente inédito, é que em cima de uma melodia de encantadora simplicidade, há uma história singela, popular, portuguesa, dita em versos directos, certeiros, desenfeitados. Conta-se uma história, uma lenda. Como lenda que é trazida até hoje pela herança popular, pertence ao folclore, ao património mais íntimo da comunidade e dos costumes do nosso país. Depois, é um tema eterno, de criação nacional e de validade perene e universal. É um Sebastianismo colectivo que na lenda se retrata É a ideologia negativista dos que têm uma crença irracional em coisas, em valores e em poderes que não existem, dos que se deixam enganar pelos falsos Messias do oportunismo e da mistificação. A lenda del Rei D. Sebastião, escreveu José Cid, é o Quarteto 1111″ (Oocities).

O programa passou a uma segunda fase. Continuando a seguir o texto de Vieira Nery (ainda segundo citação de Maia):

“a vocação alternativa do Em Órbita não se tinha esgotado, quando a consagração institucional do seu primeiro figurino ameaçava transferi-lo das convulsões do desafio para a rotina fácil do sucesso, o programa reconverteu-se radicalmente em termos que muitos consideram quase suicidas e dedicou-se exclusivamente à música erudita, com destaque para o repertório barroco. Os seus níveis de audiência desceram vertiginosamente e tudo indicava que a sua própria sobrevivência estaria em breve seriamente ameaçada. A nova aposta do Em Órbita assenta sobretudo não só na promoção de um repertório pré-romântico quase desconhecido entre nós como na insistência na sua execução com instrumentos e práticas interpretativas originais, um movimento que em toda a Europa lutava ainda arduamente pela conquista de uma credibilidade que lhe era negada pelos herdeiros da tradição interpretativa oitocentista. O combate de Jorge Gil, que ficara sozinho à frente do programa, começou pouco a pouco a surtir efeito. Os níveis de audiência começaram de novo a subir (no início da década de 80 eram já dos mais altos da rádio portuguesa) e a consequência mais evidente deste fenómeno que se foi verificando foi uma procura crescente de gravações de música antiga no mercado discográfico nacional. A partir de 1985 o Em Órbita passou a promover concertos de música antiga. Começou com a Orquestra Barroca de Amsterdão, dirigida por Ton Koppman, para celebrar os tricentenários de Bach e Handel, e prosseguiu com produções tão importantes como a primeira audição moderna de La Guerra de los Gigantes de Sebastian Duron, pelo Hesperion XX, o Tristão e Isolda medieval de Bóston Camerata, os concertos de música de câmara de Jordi Savall, Ton Koopman e do Musica Antiqua, de Colónia ou a apresentação monumental das Vésperas de Monteverdi dirigidas por Savall, poucos dias antes da sua gravação num dos álbuns mais unanimemente aclamados da discografia europeia dos últimos anos”. Nessa altura, a Portugal Telecom patrocinou o Em Órbita, ao abrigo da Lei do Mecenato Cultural.

Os produtores do programa, apesar do sucesso em Rádio Clube Português, procuraram também a Emissora Nacional. Em dois anos seguidos foram apresentadas propostas, ambas durante a direcção de Clemente Rogeiro, o primeiro discutido no Conselho de Planeamento de Programas na reunião de 8 de Junho de 1970. A emissora pública procurava programas destinados à juventude, mas o parecer foi negativo. A resposta seria seca, com a Emissora Nacional a considerar a proposta em próximo programa-tipo. Daí uma segunda insistência dos produtores, discutida em reunião de 17 de Junho de 1971. Um dos dirigentes, Adolfo Simões Müller, estudara a proposta, chamara os responsáveis e achara boa a proposta. O número dois da estação, Alberto Represas, indicaria dificuldades financeiras e técnicas.

De acordo com Luís Pinheiro de Almeida, Jorge Gil arquiva em casa milhares de páginas com os textos do programa da segunda fase: “Cada programa tem 20 páginas de texto”. Ao recusar publicar os textos, considera-os “orais, unicamente para serem lidos na rádio”. Depois, em 1993, o programa saía da Rádio Comercial, porque não tinha cabimento na nova grelha da rádio. A 3 de Abril de 1998, voltava semanalmente à Antena 2, às sextas-feiras, das 23:00 às 01:00.

O Em Órbita reflecte o novo gosto trazido pela FM de Rádio Clube Português – o dos produtores ligados à elite cultural, numa retoma da tradição que presidiu ao aparecimento da rádio como meio de comunicação. No caso, podemos falar de uma elite da burguesia da linha de Cascais, pois a equipa por detrás da produção do programa vinha dessa origem. Filho do engº Gil, dono do cinema Império (hoje espaço de um culto religioso), Jorge Gil é o mais característico: arquitecto, pintor, melómano e leitor sério de Heidegger, ele experimentou a viragem cultural, passando da cultura da música pop para a música séria. Pedro Albergaria chegou a trabalhar na editora Valentim de Carvalho e foi responsável pela rede de FM de Rádio Clube Português. João Alexandre, de crítico do regime enquanto estudante universitário passou a homem ligado a empresas até morrer em acidente de viação ao conduzir um carro rápido na marginal de Cascais. Talvez o luto tenha levado Jorge Gil a uma dramatização no programa e o tenha tornado um ícone da rádio portuguesa.

Indústrias culturais no Estado Novo: o caso da música ligeira

meireles

Ontem, a aula de Indústrias Culturais e Criativas foi preenchida com um convidado que tem trabalhado a intersecção de indústrias culturais e Estado Novo: Pedro Russo Moreira. A sua tese de doutoramento, “Cantando espalharei por toda parte”: programação, produção musical e o “aportuguesamento” da “música ligeira” na Emissora Nacional de Radiodifusão (1934-1949), trabalhou as indústrias da música no Estado Novo (disco, edição de partituras e rádio). O autor defende ter havido durante o Estado Novo uma grande actividade das indústrias culturais ligadas à música e às artes performativas. Na sua apresentação, ele referiu a escuta doméstica da rádio, defendeu a perspectiva de a Emissora Nacional de Radiodifusão ser criada, entre outras razões, para satisfazer a comunidade de músicos e, no seu todo, a indústria da música.

Nessa época, ouvir rádio era a classe média e média alta urbana escutar concertos de música séria (clássica). Havia um índice elevado de desemprego entre os músicos, pois o disco, mais barato e sempre disponível a ser tocado, acabara com as orquestras de salão e de variedades que existiam no centro das grandes cidades. A entrada do maestro Pedro Freitas Branco, durante a primeira direcção da Emissora Nacional, a cargo de António Joyce, foi muito favorável à criação de orquestras. Apesar de haver discos, não havia música gravada suficiente para preencher as horas de emissão sem estar a repetir os mesmos sons. Salazar, na perspectiva de Pedro Russo Moreira, queria uma rádio para “dar música” ao povo, de modo literal. Mas as finanças da rádio pública começaram a ficar mal: Joyce era músico mas não contabilista. Joyce criara uma estrutura musical semelhante à BBC, contratando cerca de 90 músicos e organizando 11 orquestras. Isso levou a que fosse nomeado outro director da Emissora, Henrique Galvão, que ocupou o cargo entre 1935 e 1939. Ao projecto artístico da primeira direcção sucedeu um período em que funcionou um espírito reformador. O número de orquestras foi reduzido e, com isso, os custos baixaram. Com Galvão, o número de orquestras ficou em três. Os grandes objectivos de Henrique Galvão, que entraria muito depois em dissidência com Salazar, eram fazer a Emissora Nacional ouvir-se em todo o país e chegar ao império através das ondas médias. António Ferro sucederia no cargo entre 1941 e 1949, trabalhando um conceito de “aportuguesamento” da música ligeira, isto é, adaptando a estilos modernos, tipo jazz e swing, o repertório rural existente. Além disso, ele desenvolveu a ideia de política do espírito (a propaganda através das indústrias culturais e criativas) e a marca “não aborrecer, nunca aborrecer”, através da música ligeira. Até aí, a Emissora era conhecida como a “Maçadora Nacional”.

Um outro ponto desenvolvido na aula por Pedro Russo Moreira foi o da produção musical, com análise das orquestras fixas, compositores, vedetas de rádio, programas radiofónicos e cantores. Aí, havia uma divisão de trabalho decomposta em maestro e orquestras, compositores e cantores, modelo inspirado na BBC. O meu convidado ainda se referiu a quatro marcos essenciais na história da rádio pública de então, com a criação do Gabinete de Estudos Musicais (1942), concurso de artistas ligeiros (1943), Centro de Preparação de Artistas da Rádio (1947) e programa Serões para Trabalhadores. A parte mais saborosa da aula foi deixada para o fim, com a passagem de áudios de canções da época (irmãs Meireles [na imagem no cimo], irmãs Remartinez, Júlia Barroso) e análise da carreira internacional de algumas artistas da época.

Eugénia Maria

Vera Lagoa (pseudónimo de Maria Armanda Falcão, a primeira apresentadora das emissões experimentais da RTP em Setembro de 1956) teve uma coluna popular no Diário Popular, chamada Bisbilhotices. Na de 7 de Fevereiro de 1968, ela escreveu sobre uma locutora – Eugénia Maria – e a sua homenagem por ter ganho um prémio da Casa da Imprensa. Como coluna de mexericos sociais, retiro uma frase do texto: “Eugénia estreou um vestido que a emagrecia imenso, de gola e punhos brancos, que foi muito admirado”. Na prosa, não sabemos qual o prémio que ela ganhou, nem o programa (Talismã, Rádio Clube Português) nem o produtor (Gilberto Cotta, e não somente Cotta), mas ficamos a conhecer a impressão causada pelo vestuário. Vera Lagoa foi, no meu entender – para além das opiniões políticas que ela produziu em semanário muito posterior a esta data -, o modelo de comentário das revistas populares, de televisão e cor de rosa que existem hoje.