Luz de Lisboa

luz de lisboacidade do solramalhete

No Museu de Lisboa – Torreão Poente, ao Terreiro do Paço, inaugura amanhã a exposição A Luz de Lisboa, abrindo ao público no dia 17 de Julho (vai até 20 de dezembro de 2015).

A Luz de Lisboa tem como objetivo apresentar, pela primeira vez, uma exposição sobre o fenómeno mundialmente reconhecido da luz natural de Lisboa, luz considerada única e especial que continua a encantar todos os dias portugueses e estrangeiros. A exposição apresenta obras do acervo do Museu de Lisboa menos conhecidas do público e desafia o visitante a olhar a cidade, tomando consciência da luz que a atravessa, como se de um voo de pássaro sobre Lisboa se tratasse.

Comissariada pela Profª Doutora Ana Eiró, professora de física e ex-diretora do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, e por Acácio de Almeida, diretor de fotografia no cinema português e estrangeiro. [imagens: cartaz; cartaz do espólio IHRU SIPA; Carlos Botelho, Ramalhete de Lisboa]

[imagens e texto fornecido pela organização e promoção da exposição]

Mar me Quer

A portuguesa Cucha Carvalheiro, que nasceu em 1948 e dirigiu o Teatro da Trindade (2009-2013), o moçambicano Alberto Magassela, que nasceu em 1966, e o angolano Daniel Martinho são os atores que entram na peça Mar me Quer, a partir de um conto do moçambicano Mia Couto, nascido em 1955, que este e a moçambicana Natália Luiza, nascida em 1960 e co-directora artística do Teatro Meridional, adaptaram.

As personagens são Mulata Luarmina e Zeca Perpétuo, já velhos e a viverem junto à praia, amigos porque vizinhos e sozinhos ao mesmo tempo, procurando estabelecer laços mais fortes para ficarem um com o outro, e Avô Celestiano, a sabedoria do tempo, já falecido mas que aparece nos sonhos de Zeca e o orienta a conquistar o coração daquela mulher. Se não o conseguir, o prémio é a morte.

75 minutos oníricos, como diria Natália Luiza enquanto aconselhava a desligar os telemóveis, antes da entrada na sala. A representação retomava a estreia da peça em 2001 no Teatro Taborda, em Lisboa. Catorze anos depois, os artistas e a encenadora estavam mais velhos mas mais conscientes da precariedade da vida e das suas situações. Em vez de usarem uma peça buscando o discurso social e político, mais apto para estes tempos difíceis, o Teatro Meridional, aqui em Lisboa, levou os espectadores a um espaço sonhável.

Valeu a pena. Eu sai do teatro calmo e a refletir no tema principal e nas ideias em torno desse desejo de harmonia entre duas pessoas já velhas mas sozinhas. Os segredos que existiam entre os dois foram-se esbatendo. Ele, que tinha medo das gaivotas porque empurrara a mulher para o precipício, ela porque fora a mulher que desaparecera no mar, com todos a julgarem que morrera. Assim, a morte e os seus agentes humanos estão presentes em toda a história. A passagem na vida parece uma experiência de dias e noites com relatos, amizades, histórias e sortilégios, sem que o tempo, como os ocidentais pensam, se encontre. O espaço cénico e figurinos de Marta Carreiras e a música de Rodrigo Leão contribuem para o deslumbramento desenhado pela fala dessas personagens às vezes irrealistas às vezes poéticas mas sempre compreensíveis e com uma alegria sadia mas comedida. Ainda outras vezes o uso das palavras diverte, porque cria trocadilhos e imagens mentais ricas.

mar me quer

Diz Mia Couto sobre este conto, aconselhado para o oitavo ano: “Um dia o padre Nunes me falou de Luarmina, seus brumosos passados. O pai era um grego, um desses pescadores que arrumou rede em costas de Moçambique, do lado de lá da baía de S. Vicente. Já se antigamentara há muito. A mãe morreu pouco tempo depois. Dizem que de desgosto. Não devido da viuvez, mas por causa da beleza da filha. Ao que parece, Luarmina endoidava os homens graúdos que abutreavam em redor da casa. A senhora maldizia a perfeição de sua filha. Diz-se que, enlouquecida, certa noite intentou de golpear o rosto de Luarmina. Só para a esfeiar e, assim, afastar os candidatos. Depois da morte da mãe, enviaram Luarmina para o lado de cá, para ela se amoldar na Missão, entregue a reza e crucifixo. Havia que arrumar a moça por fora, engomá-la por dentro. E foi assim que ela se dedicou a linhas, agulhas e dedais. Até se transferir para sua atual moradia, nos arredores de minha existência” (Leya). Ou ainda como escreve o autor: “Mas é pena eu e a vizinha não nos simetricarmos. Por que ambos somos semiviúvos: nunca tivemos companheiro, mas esse parceiro, mesmo assim, desapareceu” (primeiro capítulo do conto).

Atividades criativas (entretenimento) dos lisboetas na passagem do século XIX para o XX

No começo da década de 1970, Costa Júnior publicou no Diário Popular páginas curiosas sobre a Lisboa antiga. A 29 de setembro de 1970, ele escreveu sobre os domingos dos lisboetas e as suas diversões. Elas não eram muitas, até porque havia pouco dinheiro para gastar. Alguns dos divertimentos residiam em passear no Passeio Público (atual Avenida da Liberdade) para a má língua, assistir à procissão da Senhora da Saúde ou espreitar uma solenidade a que comparecesse a família real. Dos cafés, o jornalista destacou o Martinho da Arcada, o Central, o Suíço e os dois Marrares. As festas mais apreciadas no começo do século XX seriam as burricadas de Cacilhas à Cova da Piedade, à Amora e ao Alfeite. Das gravuras presentes no artigo, recomendo que se ampliem as da barraca da feira de Alcântara e da procissão (um dia destes coloco imagens atuais da procissão).

1970.09.23.3 (Lisboa antiga)

Socos, de LaBute

socos1De Neil LaBute (nascido em Detroit, em 1963), já vira Há Muitas Razões para uma Pessoa Querer Ser Bonita (2008), no Teatro Aberto (2013). Agora, como exercício final do segundo ano do curso profissional de atores da escola ACT, 19 jovens atores e atrizes interpretam Socos (1994). O número de personagens é bem menor, mas a representação no Teatro Comuna (Lisboa) permite que cada personagem seja interpretado por dois ou mais elementos da escola.

São três histórias principais, monólogos na multidão a que se juntam monólogos rapidamente representados no começo do intervalo e fora do palco. As histórias não são narradas sequencialmente mas cruzadas, indo do mais simples e menos dramático para o mais complexo e obscuro. Como se lê no texto fornecido aos espectadores, as histórias iniciam “acontecimentos aparentemente comuns da vida quotidiana, e acabam por surpreender ao revelar, com crescente intensidade dramática, o lado obscuro da alma humana, os segredos escondidos atrás das fachadas e as trágicas consequências dos pequenos acasos”. Ou como anteontem me dizia, quase pelas mesmas palavras, Pedro Lopes no final da sua dissertação de mestrado sobre melodrama.

A primeira história é a de um casal de namorados que fala dos acontecimentos de um fim de semana passado em Nova Iorque. O assassinato de um indivíduo por causa das suas tendências sexuais interliga-se. A segunda história é a de um homem de negócios. A empresa em que trabalhava começou a despedir pessoas. Em casa, num momento em que a mulher e a sogra tinham saído para compras, ele adormece no sofá. Quando acorda, a sua filha bebé está morta. Ele não conseguiu explicar o sucedido. A terceira história é a de uma rapariga de 13 anos seduzida pelo professor. A criança nascida só conhece o pai com 14 anos. Esta é, para mim, a história mais violenta, revelando um mundo cruel e sem esperança. Por instantes, estive para sair da sala no intervalo e não regressar.

A peça de LaBute é constantemente percorrida pela palavra grega adakia (ou pela ausência de lembrança), o equilíbrio aristotélico entre extremos. Melhor: a injustiça das situações humanas, porque os indivíduos são seres mortais.

Sofia de Portugal, atriz conhecida pelo trabalho quer em teatro quer na televisão e professora da escola ACT, assina a encenação. Às histórias, ela acrescenta uma grande criatividade, com recursos materiais (como os copos na mesa, as cenas em cima da mesa ou quase debaixo da mesa, as danças de tango) como imateriais (a estátua em alguns momentos, a câmara lenta noutros, apelando à memória de outras indústrias criativas). A sua condução de artistas pareceu-me muito boa, pois o nível de desenvoltura (voz, gestos, ocupação de espaço) não é igual em todos. Mas o todo – a ideia de festa lentamente desfeita, passando dos risos e da descontração para a tristeza e choro após o assassinato do homem no Central Park – foi sendo bem edificada. A cena final das velas, ofuscada a anterior quase orgia de bebida e tabaco, trouxe um grande dramatismo. Para mim, deste modo, acabou bem a representação. Acrescento o grande entusiasmo e envolvimento dos 19 jovens artistas, expresso nos gritos de alegria quando se retiraram do palco.

Tradução do texto por João Lourenço e Vera San Payo de Lemos

socos2

[imagem retirada da página do Facebook a promover a peça].

Sobre o melodrama

Hoje, na Universidade Católica Portuguesa, foi defendida a dissertação de mestrado de Pedro Lopes, Imitação da Vida. A Escrita Cinematográfica e o Melodrama. No trabalho, o autor presta uma homenagem aos filmes realizados por John Stahl (1934) e Douglas Sirk (1959), a partir de um romance de Fannie Hurst, na busca da evolução do melodrama desde o seu aparecimento como género no teatro e a sua evolução com o cinema. Pedro Lopes estudou também as obras tardias de Douglas Sirk e olhou a reinvenção do melodrama a partir da década de 1970 em realizadores como Rainer Werner Fassbinder, Pedro Almodóvar e Todd Haynes. O trabalho hoje defendido serviu de moldura teórica para a escrita de uma longa metragem, a realizar para o próximo ano.

Pedro Lopes trabalhou para a Casa da Criação onde colaborou na escrita de novelas da TVI (Saber Amar, Queridas Feras e Morangos com Açúcar). Licenciado em História, o agora mestre em Ciências da Comunicação estreou-se na SIC como autor principal em Perfeito Coração. Depois, foram Laços de Sangue, telenovela vencedora de um Emmy, Dancin’ Days e Sol de Inverno. O diretor de conteúdos da SP Televisão também escreveu séries para a RTP.

Rádios piratas e rádios na internet

rádioO livro Das Piratas à Internet: 25 Anos de Rádios Locais foi organizado por Ana Isabel Reis, Fábio Ribeiro e Pedro Portela e editado pelo CECS (Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho). Tem data de publicação de dezembro de 2014 e foi divulgado essencialmente em formato ebook.

É um belo livro, desde já porque se trata de um livro sobre rádio. Depois, recolhe muitos autores especializados além dos organizadores: Alberto Arons de Carvalho, Elsa Costa e Silva, Luís Bonixe, Madalena Oliveira e Luís António Santos. Em terceiro lugar, uma boa surpresa: entrevistas a profissionais da rádio: António Colaço, António Macedo, Carlos Daniel Alves, David Pontes, Francisco Amaral, João Paulo Meneses, Joaquim Franco, José Carlos Barreto e José Coimbra. Em quarto lugar, o projeto gráfico (e edição digital), a cargo de Alberto Sá e de Ricardina Magalhães.

Na nota introdutória, os organizadores lembram o marco significativo da lei da rádio de 1988 e da atribuição de frequências locais em 1989, tópicos para reflexão do fenómeno das rádios locais. O texto de Ana Isabel Reis dá uma boa perspetiva da evolução histórica (pp. 11-26), onde define três gerações (ou etapas, na minha leitura): entusiasmo amador, interesse dos poderes locais, projetos profissionais. Algumas centenas de projetos idealistas terão ido para o ar, com a legislação de 1988 a atenuar esse entusiasmo não ligado a práticas comerciais e organizativas. No Porto, a Rádio Caos, em Lisboa, a TSF, são dois exemplos olhados pela autora. Mas também a Rádio Antena Livre (Abrantes) e a RUC (Coimbra) figuram na lista, com bastante detalhe. O texto de Arons de Carvalho é mais político e sobre a legislação. As responsabilidades políticas dele aparecem aqui bem expressas. Destaco o seu ponto de vista sobre mudanças recentes, com os processos de concentração, as modificações de projeto nas rádios locais e a possibilidade de nova vaga de experimentalismo e poesia com o licenciamento de rádios comunitárias.

A perspetiva mais económica é apresentada por Elsa Costa e Silva, na sequência de outros estudos que a autora tem feito sobre os media. Destaco o texto das pp. 52-56, com atenção à propriedade e concentração da rádio local em Portugal. O fracasso dos ideais de 1989 foi a concentração e a perda de (alguma) diferenciação dos projetos ao longo do país. Agora, muitas das frequências locais são repetidores de estações com sede em Lisboa – boas para quem se desloca de automóvel ao longo do país e ouve a sua estação em todo ele. No período entre 2006 e 2011, a autora estima 43 operações de retransmissão autorizadas pela ERC.

Seguindo um percurso sólido na análise do jornalismo na rádio, com um ponto alto na sua tese de doutoramento e posterior publicação, Luís Bonixe identifica rotinas e constrangimentos no jornalismo radiofónico. Com dados sobre 50 jornalistas trabalhando em 35 rádios locais, o autor traça uma radiografia precisa: metade são mulheres, 42% têm entre 31 e 40 anos de idade, 24% são jornalistas há menos de cinco anos mas 18% trabalha como jornalista da rádio há mais de 11 anos, 74,19% formaram-se em ciências da comunicação, 42% indica que o reduzido número de profissionais afeta o seu dia a dia de trabalho. Madalena Oliveira prefere destacar a proximidade, o caráter intimista e de sotaque na rádio local, a diferença entre as categorias temática e generalista. A autora foca a linguagem simples e descomplexificada e a orientação local para a promoção musical mas também a participação do ouvinte através do telefone, em busca do popular e do trivial.

As Raposas no Teatro Aberto

raposasLuísa Cruz desempenha muito bem o papel de Regina Giddens na peça As Raposas, de Lillian Hellman. Não é um registo autobiográfico da escritora, apesar dela ter observado uma realidade semelhante na sua infância, a dos jogos de poder dentro da família. Cada elemento vangloriava-se de ser mais rico e hábil nos negócios que os outros familiares, tema usado com frequência nas reuniões familiares mais ou menos regulares à volta da mesa. A Regina da peça representada no Teatro Aberto é paciente, tenaz e dura para com os irmãos e o marido. Ela sabe esperar o seu momento de ataque, aliás secundada por um dos irmãos, Benjamin Hilton (Virgílio Castelo), que, no final, reconhece que perdeu mas há mais situações no futuro. O mundo, a seus olhos, é construído por ganhos e perdas, processo dinâmico a que os mais fortes e ágeis estão atentos.

O cenário fixo, desenhado por António Casimiro e João Lourenço , decompõe-se em três espaços. A sala, onde decorre a maioria dos diálogos, o fundo, de entrada para a casa e onde se observa o verde da paisagem, a escada, onde o desenlace se dá: Henrique Giddens, regressado a casa após vários meses numa clínica, morre de ataque cardíaco no momento em que procurava um remédio. A mulher, Regina, mantém-se fria sentada no sofá à espera que ele morra. Em jogo estavam 30 milhões de euros em ações, roubados pelo sobrinho Leonardo (Pedro Caeiro) e que Henrique não queria que fossem para Regina. Roubo, traição, perfídia e interesses individuais face ao coletivo são tópicos fundamentais da peça.

Das outras personagens, retive a de Betty Hilton (Gracinda Nave), a mulher-boneca e que foi a oportunidade para Oscar Hilton (Marco Delgado) aceder à riqueza e aristocracia à moda americana. Hábil a tocar piano, ela confessa não saber fazer nada na vida e passa os dias a beber para esquecer a perdida Quinta dos Leões e o tempo dos seus pais, que procuravam ser mais honestos entre si e respeitosos da condição dos seus trabalhadores. O negócio, agora em desenvolvimento, com a entrada de um financeiro para expandir linhas de produtos, William Marshall (Eurico Lopes), permitia um leve sonho dela regressar a esse tempo de inocência. Mas os restantes elementos da família logo se encarregaram de eliminar essa possibilidade.

A peça teve adaptação ao cinema em 1941, com realização de William Wyler e Bette Davies no papel de Regina, e à ópera em 1947, com o título Regina e música de Marc Blitzsein. Em Portugal, a peça, com o título As Pequenas Raposas, foi estreada em 1966, com Eunice Muñoz, Maria Lalande, Rogério Paulo, Henriqueta Maia e João Perry, entre outros. Então, Perry fazia de Leonardo, o filho de Oscar que roubou as ações de Henrique; agora, faz o papel do mais velho.

Por instantes, a partir das diferentes posições de cada membro da família representada, lembrei-me da história do banqueiro Ricardo Salgado, da família deste e do Banco Espírito Santo.

Impressões do jornalista após a Expo de Osaka

Disse Adelino Gomes, à chegada de Osaka, Japão, onde foi reportar a Expo 70 para o Rádio Clube Português: “séculos de História, de progresso científico, que estão em cada um dos pavilhões das setenta e sete nações presentes” (Diário Popular, 28 de março de 1970). O jornalista falaria para Portugal via satélite, sem retorno de som de Lisboa, junto a técnicos que apenas falavam japonês e a oitocentos homens de informação de todo o mundo.

 

O que são e para que servem as indústrias culturais e criativas?

Hoje, publiquei as notas de uma disciplina iniciada este ano na licenciatura de Comunicação Social e Cultural com o nome de Indústrias Culturais e Criativas. Por opção pessoal, foi também o último ano que a lecionei. Dividi-a em três blocos – matéria teórica, leituras para fazer e apresentar na aula por parte da turma e presença de convidados. O que são e para que servem as indústrias culturais e criativas, perguntei à partida. Trata-se afinal do tema central deste blogue alimentado desde 2003, responsabilidade que eu nunca pensei em prolongá-la por tanto tempo.

A uma introdução rápida do conceito fundador de Adorno e Horkheimer em 1947, alarguei o âmbito do tema e falei de conceitos retirados de Bernard Miège, David Hesmondhalgh (2007, The Cultural Industries. London: Sage), Justin O’Connor (2007, The Cultural and Creative Industries: A Review of the Literature, texto de trabalho não editado), Christiane Eisenberg, Rita Gerlach, Christian Handke (eds., 2006, Cultural industries. The British experience in international perspective) e Dieter Putcha, Friedrich Schneider, Stefan Haigner, Florian Wakolbinger e Stefan Jenewein (2010, The Berlin Creative Industries. An empirical analysis of future key industries. Heidelberg: Gabler). Acrescentei o fantástico livro de Rosamund Davies e Gauti Sigthorsson (2013, Introducing the Creative Industries. Los Angeles e Londres: Sage), o necessário embora controverso Richard Florida (2002, The Rise of the Creative Class: and how it’s transforming work, leisure, community. Nova Iorque: Basic Books) e o relatório de Augusto Mateus sobre indústrias criativas (2013), com as sinergias cultural, turística e industrial. Dos convidados, tive presente Alexandre Rodrigues (fãs de videojogos), Pedro Russo Moreira (música e rádio no Estado Novo), Joana Linda Correia (fotografia e artes performativas), Pedro Lopes (produção de ficção televisiva), Ana Garcia Martins (blogues, moda e tendências de consumo), João David Nunes (gestão das indústrias culturais), João Porto (audiências dos media), Anabela Mota Ribeiro (jornalista), Miguel Fernandes e Francisco Garcês (comunicação audiovisual no poder local) e José Carlos Alfaro (livreiro). Após estas presenças inquiri a turma para catalogar cada convidado nas três categorias de organização como o livro de Davies e Sigthorsson explica: freelancers, pequenas e médias empresas, grupos de media e indústrias criativas.

O trabalho produzido na turma foi muito rico, como os seus trabalhos finais refletem. A aluna polaca escreveu sobre as indústrias culturais e criativas de Varsóvia, a aluna basca escreveu sobre a realidade em Bilbau, ensinando que há mais coisas além do museu Guggenheim, os alunos portugueses escreveram sobre Lisboa. Um elemento da turma ficou tão entusiasmado que me falou querer já estagiar numa nova empresa aqui em Lisboa na área das indústrias culturais e criativas. Outro elemento de alegria foi o falarmos uma linguagem nova, com conceitos que, de início, pareciam estranhos. Quase todos os elementos da turma destacaram as discussões tidas entre eles sobre o que ouviram dos convidados e os ensinamentos recolhidos nesses contactos.

A história de uma repórter intrépida contada por Gonçalo Pereira

Quando escrevi aqui sobre o livro de Gonçalo Pereira Parem as Máquinas!, anotei que faltavam histórias de mulheres jornalistas. O autor quase não descansou até editar a história da repórter Fernanda Reis.

«Salte!»

Fernanda Reis não assimila de imediato as implicações daquela ordem. Foi proferida num tom imperativo, mas com uma calma totalmente desajustada da realidade que se vive a bordo daquele bombardeiro pintado com as cores da Organização das Nações Unidas (ONU). Foi o soldado encarregado da metralhadora que ordenou a Fernanda que saltasse para o vazio, o mesmo soldado que, instantes antes, ficara com um «dos braços inutilizados por uma rajada de metralhadora inimiga».

«Salte!»

Assim começa a história de Fernanda Reis na guerra da Coreia, em 1952. Portuguesa, aluna de Medicina até ao segundo ano, piloto de automóveis nos tempos livres e repórter, mulher de “moral duvidosa”, como a rotulou a polícia política portuguesa em 1940, foi para o Brasil e trabalhou para jornais do Rio de Janeiro, como A Noite e O Globo. A jornalista esteve no centro da guerra e relatou-o. Se quiser continuar a ler, veja aqui: http://ecosferaportuguesa.blogspot.pt/2015/06/fernanda-reis-reporter-intrepida-na.html.

O jornal do futuro em 1969

As eleições de outubro de 1968 levariam Francisco Pinto Balsemão ao parlamento, enquanto deputado da ala liberal da União Nacional. Ele já era um homem dos jornais, como um dos responsáveis do Diário Popular. Aqui, no seu jornal, uma notícia sobre uma conferência por ele dada a um curso de jornalismo (22 de março de 1969). Mais tarde, em 1973, fundaria o Expresso.

O curso era promovido pelo Sindicato Nacional dos Jornalistas, ainda antes das licenciaturas em jornalismo e comunicação. Na conferência, Balsemão falava em computadores e atraso tecnológico em Portugal e desenvolvia o neologismo tecnetrónica, sociedade onde se juntavam as ideias de tecnologia e eletrónica. Diria: “As empresas de Imprensa, para se manterem, para ganharem dinheiro, precisam de acompanhar o progresso tecnológico”. Reconheço a importância da pertinente e permanente ideia em Balsemão ao longo de décadas até hoje.

1969.03.22 (recortado)

El humor en la historia de la comunicación en Europa y América

Antonio Laguna Platero e José Reig Cruañes (eds.) (2015) escrevem, na introdução do livro: “El humor como la risa no sólo son formas de expresividad y comunicación sino que, de acuerdo con distintas investigaciones psicológicas o fisiológicas, son medios importantes para la propia salud. Teorías sobre el poder curativo de la risa, sobre los beneficiosos efectos en todo tipo de traumas del ser humano, circulan hoy en día de una manera generalizada sustentadas en una amplia bibliografía. Es lógico, por tanto, entender por qué la receptividad del mensaje humorístico es y ha sido siempre elevada. No sólo por lo atractivo del mensaje, casi siempre adornado con imágenes y poco texto, sino por la predisposición del receptor a su consumo. Una predisposición que, como hemos señalado, supera el nivel intelectual para recalar en el emotivo. Con la risa –se ha teorizado– el individuo expresa emociones, libera tensiones, muestra placer”.

O livro resulta das comunicações apresentadas ao XIII Congresso Internacional da Asociación de Historiadores de la Comunicación realizado em Cuenca, Espanha, em outubro de 2013 (ler aqui). Eu escrevi sobre um programa radiofónico de humor, A Voz dos Ridículos.

Televisão e sociedade

Fernando Correia era jornalista do Diário Popular. Este texto, publicado em 22 de setembro de 1969 (pouco antes das eleições para deputados), terá sido uma marca do então jovem profissional e que se viria a notabilizar nos media. Aqui, sob o título Televisão e Sociedade, ele escreveu: “O valor social da Televisão é, hoje em dia, um facto incontroverso e que se mede, até, através dos resultados concretos obtidos em alguns países, onde a sua utilização como meio de formação e informação tem contribuído decisivamente para o progresso cultural e a consciencialização do povo”.

O texto dividia-se em alguns subtítulos: a chave da questão, o rótulo e o conteúdo, a publicidade, a resistência dos intelectuais, contradições. Com notas de rodapé e bibliografia então muito recente, o texto aproximava-se de um ensaio. O autor especializar-se-ia depois nesse tipo de trabalho.

Museu do Trabalho Michel Giacometti (Setúbal)

Instalado numa antiga fábrica conserveira, desde 1987, relevo a reconstituição da mercearia da Liberdade (que existiu na avenida da Liberdade, em Lisboa) e da fábrica da indústria conserveira, bem como os equipamentos e utensílios do trabalho da terra recolhidos pelo etnomusicólogo Michel Giacometti. A visita guiada foi muito bem conduzida e pude aperceber-me de todo o processo de trabalho da conserva de peixe. Na década de 1920, Setúbal tinha perto de 130 fábricas, empregando muita mão de obra da região mas também de zonas portuárias como Murtosa e Aveiro (mais a sul, há cerca de cem anos, pescadores daquelas zonas implantaram a pesca de xávega em Santo André, mais a sul de Setúbal).

A ausência de programação de rádio para as crianças

Hoje, no dia mundial da criança, o Pedro, o Afonso, a Laura, o Francisquinho e muitas outras crianças deram a voz na rádio (Antena 1) para os separadores. Não ouvi as outras rádios, pois a maior parte do dia foi passado fora de casa.

Curiosamente, na edição deste mês da revista Ecos do Minho, da Associação Pediátrica do Minho, o cónego João Aguiar Campos, presidente da administração do grupo Renascença (r/com), publica um curioso artigo, Apontamentos sobre uma Ausência, onde o tema é a programação para público infantil. Ele parte da ideia de inexistência (ou quase total ausência) de programas de rádio orientados para as crianças, com base na sua experiência e em investigação como a de Ângela Silva (A Programação Infantil nas Rádios Portuguesas: dos Primeiros Ensaios ao Desafio do Online) [http://ubithesis.ubi.pt/handle/10400.6/1282] e na minha própria (A Rádio em Portugal, 1941-1968), onde tenho um capítulo sobre programas infantis na Emissora Nacional (1934-1975) [estes duas marcas também podem ser lidas como 1935-1974], onde escrevi sobre Madalena Patacho e Odette de Saint-Maurice, embora não com a profundidade que o assunto ainda merece.

O texto do responsável da Renascença ainda dedica atenção aos trabalhos de outros investigadores como Nelson Ribeiro, Paula Cordeiro, Madalena Ribeiro, João Paulo Meneses e autores brasileiros.

[o meu obrigado ao Paulo Cezar Lepetri por me ter dado a conhecer a revista e o artigo]

As telecomunicações em 1989

Em 1989, um grupo de profissionais das telecomunicações quis fazer um vídeo sobre a atividade. Retiro a ficha técnica: “TLP em Linha com o Futuro (1989), coordenação Maria Conceição Ramires, realização António Clemente, Manuel Aguiar Costa, Rogério Santos e Rui Medeiros, operador de câmara Américo Barros, produção Centro de Formação TLP-Porto”. O vídeo segue parcialmente a ideia que eu desenhara em livro (Da Telefonista ao Digital).

No vídeo, de passagem, fala-se de correio eletrónico (email) e de telemóveis (ainda ligados ao automóvel por uma ligação física). Os computadores que se veem são anacrónicos e a palavra internet ainda não é dita. O vídeo feito em VHS ou Betamax, não me recordo, foi agora passado para formato digital, perdendo alguma qualidade na definição das cores. Agora, vale apenas como documento.

Parem as máquinas

São 23 histórias deliciosas do jornalismo, desde o final da monarquia até ao pós-1974. Quase todos os jornalistas referidos no livro ficaram para a história e para a cultura nacional, como Ferreira de Castro, Félix Correia, Urbano Carrasco, Urbano Tavares Rodrigues, Maurício de Oliveira, José Mensurado, Eduardo Gageiro (foto-jornalista), Nuno Rocha, José Goulão e Carneiro Jacinto. Do ponto de vista político, estes jornalistas podem até ter visões diferentes, mas o que sobressai das histórias é o lado épico, divertido, ou até tendencioso e falso, umas resultaram de atos corajosos dos jornalistas, outras são embustes que levaram à publicação de notícias depois desmentidas, mas sempre resultado da paixão de quem escreve nos jornais de papel.

Por gosto pessoal, destaco as histórias em torno das fotografias do embarque da fuga do último rei de Portugal, do acompanhamento dos funerais dos regicidas de 1908, da entrevista ao membro do grupo que fuzilou Mata-Hari, à paródia em torno da “morte” de Peyradon e dos “árabes” que queriam comprar petróleo em Angola. E diverti-me ao conhecer as razões para o duelo entre dois jornalistas consagrados à época: Pinheiro Chagas e Magalhães Lima.

Gonçalo Pereira Rosa narra as histórias com um sentido quase policial, que nos leva a querer chegar até ao fim da mesma para saber que desenlaces ocorrem. Ele, que revela um sentido apurado de humor, tem muitas qualidades de escrita, quase ao nível do romancista ou da História romanceada: ao facto verdadeiro, ele junta pequenas cores de aguarela. Ao que junta duas outras características: fica a saber-se o que aconteceu ao jornalista ou à personalidade retratada, com uma curta biografia em cada história; imagens de jornal, fotografias da época ou desenhos modernos que nos remetem para os jornalistas ou personalidades. O que torna o livro um produto cultural muito interessante. Cada história ocupa uma média de 10 páginas, o que permite ao autor apresentar o facto, situá-lo no contexto do tempo e do espaço e trazer as histórias quase à atualidade, género “estes homens podiam ser nossos contemporâneos”.

O autor acrescenta outra qualidade. Ele é um historiador – não das estruturas mas da micro-história. A ele interessa-lhe a ocorrência, a cintilação, o gesto – e depois junta, interpreta, avalia e anuncia. Parece inaugurar um género – o do historiador-jornalista. Não nos dá o ambiente pesado da redação, mas o lado do repórter, do que está em campo e julga apanhar a “cacha” que o pode tornar conhecido, mas nem sempre preocupado com o que ganha financeiramente. Repito: o autor é historiador, pois o seu livro recolhe dados obtidos nos arquivos da Torre do Tombo e da Biblioteca Nacional. Por vezes, cruzamo-nos nesses sítios fantásticos.

Uma única falha no livro: os jornalistas são do género masculino. Não há nenhuma história que mostre a perspetiva feminina?

Gonçalo Pereira Rosa tem o mestrado em Ciências da Comunicação e doutoramento em Sociologia, é professor na Universidade Católica e diretor da National Geographic portuguesa. Como leitor de livros de media, gostaria que a sua tese de doutoramento (sobre jornalismo e ambiente) fosse publicada tão depressa quanto possível.

Leitura: Gonçalo Pereira Rosa (2015). Parem as máquinas! Lisboa: Parsifal, 254 páginas, 16 euros

Percurso

O livro de Yves Eyot era sobre arte, cultura e estética. Havia um capítulo longo dedicado à arte pré-histórica nas suas formas de arquitetura e escultura. Fixei esta parte e escolhi para apoio à aula. Utilizei alguns diapositivos com imagens retiradas de livros de história da arte. De repente, dei-me conta da discrepância de datas face a outra fonte bibliográfica. Dois autores sobre a mesma ocorrência identificavam anos diferentes. A aula estava a correr bem, mas a incongruência embaraçou-me. Era ao começo da noite de um dia de outubro de 1981. No final do semestre, a turma e os professores fizeram um almoço de confraternização, onde evoquei a falha.

Logo depois, iniciava o ensino de teorias da comunicação, percurso até hoje prolongado, nos últimos 12 anos na Universidade Católica Portuguesa. Por isso, hoje, no final do ano letivo, apresentei o pensamento de autores da teoria da ação linguística, entre os quais John Austin e Paul Grice. Atos de fala, performatividade, sujeito locutório, ilocutório e perlucotório, princípio cooperativo e relevância foram tópicos referidos. Noutra aula da semana, noutra matéria, lemos um capítulo do livro de David Hesmondhalgh sobre indústrias culturais, que me acompanha desde o começo deste blogue.

No decurso destes anos, além das teorias da comunicação desfiei sociologia do jornalismo, história dos media e análise de públicos e muito mais e autores como Michael Schudson, Nelson Traquina, Paddy Scannell, Michel Foucault, Gilles Deleuze (muito menos) e Harold Adam Innis. Nunca falei de Paul Ricoeur, embora tenha preparado uma aula, adiada por decisão própria, em que ele, Innis e Braudel dialogavam com outros. Mesmo sabendo que estes dois últimos estão fora de moda, o texto está guardado no computador há quase um ano, à espera de ser retomado.

Quando chegava a casa, o perfume das tílias invadia a rua, anunciando junho. E os jacarandás já mostravam as suas flores azuis. A natureza está exuberante.

Felisbela Lopes apresenta livro sobre jornalismo em Lisboa

Foi hoje ao fim da tarde que Carlos Magno, presidente da ERC (à esquerda) apresentou o livro de Felisbela Lopes, docente da Universidade do Minho (ao centro), e com Zita Seabra, responsável pela editora Alêtheia. O livro chama-se Jornalista. Profissão Ameaçada. Começa do seguinte modo: “Os jornalistas vivem hoje sob permanente pressão. Pressão para ser rentável. Pressão para fazer a cobertura de determinado acontecimento. Pressão para ouvir este ou aquele interlocutor”.

Em poucas palavras de apresentação, a editora regozijou-se por, no livro, se juntar a academia e os profissionais da coisa. Depois, Carlos Magno, na linguagem simultaneamente jornalística e erudita que o caracteriza, referiu o texto como sendo de leitura não necessariamente linear mas uma obra para ser consultada e revisitada. Para ele, a autora apagou-se face aos inquiridos, deixou falar cem jornalistas, que responderam ao inquérito que está na base do livro e sem se importarem de responder a questões polémicas. O que significa que os profissionais estão à espera de ser desafiados na sua profissão, embora possam ter dificuldade de auto-reflexão. O livro, para Carlos Magno, mostra as pressões económicas, políticas e de mãos invisíveis que marcam a agenda mediática, e contra a qual os jornalistas se devem erguer.

Quer Carlos Magno quer Felisbela Lopes expressaram uma posição semelhante face à atual discussão sobre a legislação sobre a cobertura da campanha eleitoral que se avizinha. Para o primeiro, os diretores dos media devem fazer e conduzir a discussão. E devem defender o espaço editorial. Magno olha o problema de dois ângulos: 1) à profissionalização das fontes de informação corresponde a proletarização dos jornalistas, 2) recuperação do poder do editor como responsável do espaço editorial. Ele frisaria ainda mais dois pontos: 3) criar alternativas à existente agenda mediática, 4) juntar, como no presente livro, a experiência dos jornalistas e a investigação académica.

Este último tópico foi recuperado por Felisbela Lopes, que destacou a disponibilidade dos jornalistas para responderem às suas perguntas. A autora acredita no futuro do jornalismo, apesar de encontrar tensões agravadas (pressões económicas e políticas como o começo do seu livro anuncia). “A pressão de lucro não pode ser cega”, num enunciado próximo do manifesto.

[ouvir parte da apresentação de Felisbela Lopes em  https://soundcloud.com/rog-rio-santos-6/felisbela-lopes]

Começar a Acabar, de Beckett, por João Lagarto

O velho estava à espera da morte. Talvez dentro de uma ou duas semanas, no próximo mês (“Em breve estarei morto finalmente apesar de tudo”). Já não veria passar as festas, como a Assunção. É um longo solilóquio de um homem marginal, sem abrigo, ao mesmo tempo que uma espécie de filósofo. A longa vida servira para isso – para olhar a realidade e dar um retrato. Incluindo uma discussão científica.

Agora, que esperava a morte, sentia a falta de um amigo para conversar. Ou da mulher, que nunca teve, e, por consequência, dos filhos e dos netos (“Nunca amei ninguém, acho eu, senão lembrava-me”). Podia comentar o que pensava de cada um e aguardar o jantar, num lugar reconhecido pelos outros. Por isso, falou do pai e da mãe, de memórias muito antigas.

Rapidamente nos apercebemos que as relações com eles não foram boas. O pai, que lhe chamava aborto, morreu cedo. À mãe, chamava-lhe Mad (o d servia para distinguir de má). A mãe chamava-lhe Dad, nome que não era o dele, mas talvez lhe lembrasse o seu pai (marido dela). Ela era muito nova quando ele nasceu, pelo que as idades de mãe e filho não eram muito distantes, em especial quando ele já estava a envelhecer. Ele visitava-a e comunicava com ela por código, em especial para obter dinheiro. Ela falava com a dentadura postiça, como se fossem castanholas.

Dele, fica-se a saber que andou na escola, onde aprendeu muito, incluindo geometria. Mas não se sabe se e onde trabalhou. Talvez tivesse sido sempre vagabundo. A sua vida de homem isolado levou-o a encontrar jogos e entretenimentos próprios, como o dos dezasseis seixos que ele armazenava nos seus quatro bolsos. Como chupar cada um deles sem saber que já o tinha chupado antes dos restantes?

Em jovem, gostava de andar na rua, recordando que deixava a mãe à janela. A parede era cinzenta, o friso da janela era verde e a mãe, à medida que se afastava de casa, era um ponto delgado branco a acenar com a mão. Ele detestava a cor branca. Até sonhava com animais de cor branca, o que aumentava a sua fúria. Naqueles tempos em que ele esperava morrer, uma tarefa muito lenta, ele queria ter menos fúrias e estar calmo. O que era difícil.

A apreciação que o velho faz de si não é agradável. Há um momento em que o velho se reconcilia com a vida, ao dizer que não se arrependia de nada do que fizera na vida.

Beckett não fez um retrato feliz da humanidade. E João Lagarto representou muito convincente no papel da personagem. Um sobretudo roto e cheio de pó, o cabelo despenteado, com tosse frequente, algumas imprecações de permeio, uma queda no chão mas o retomar da energia, os passos lentos, a voz por vezes forte e por vezes mais íntima e próxima dos espectadores.

Seria no novo Teatro do Bolhão (Porto), agora tornado centro por excelência da cultura da cidade, que João Lagarto representa Começar a Acabar, monólogo escrito por Samuel Beckett para o amigo Jack MacGowran. Na estreia, teriam sido convidados os mendigos de Dublin para assistir. João Lagarto, que estreou em 2006 no Teatro Nacional D. Maria II, que eu não assistira, voltou à peça.

À Espera de Godot e Ah, os Dias Felizes são as peças mais conhecidas do autor irlandês que viveu uma parte significativa da sua vida em Paris. Da atual peça, que começou por ser a agregação de textos fragmentárias de Beckett, pode ver-se um curto vídeo aqui.

Museu Nogueira da Silva (Braga)

Jorge Barradas tem diversas obras no museu António Nogueira da Silva (Braga). Dono da Casa da Sorte, negócio de venda de lotarias iniciada em Braga e alargada a todo o país, Nogueira da Silva (1901-1976) começou a investir em arte, cujo espólio se vê no museu. Filantropo, ficou o bairro com o seu nome e a escola, a conclusão a igreja dos Congregados, o apoio à Universidade Católica e o legado da Casa da Sorte aos seus funcionários são marcas da sua ação. Por ocasião da sua morte, a casa e toda a coleção de arte passou para a universidade do Minho. Nogueira da Silva era amigo de Salazar, que pernoitaria naquela casa quando se deslocava a Braga. No seu escritório, são evidentes as obras do homem do Estado Novo.

Mobiliário, tapeçaria, pintura, louça, faiança e alfaias religiosas são áreas que se encontram no museu. Não há propriamente uma linha cultural específica na aquisição de obras por parte de Nogueira da Silva, mas é relevante o conjunto. Acresce-se o jardim decorado e com um mural de Jorge Barradas.

Esta semana, Braga comemora a sua origem romana, o que traz muita alegria à cidade no seu perímetro histórico.

Do blogue: reflexões e actualidade sobre indústrias culturais (imprensa, rádio, televisão, internet, cinema, videojogos, música, livros, centros comerciais) e criativas (museus, exposições, teatro, espectáculos).