INDÚSTRIAS CRIATIVAS

Na passada quinta-feira, dia 7, realizou-se uma tertúlia sobre Indústrias Criativas e Mundo Digital nas instalações do Fórum Dança, na Lx. Factory, com moderação de Madalena Zenha. Falaram Miguel Martins (jornal Expresso), Miguel Carretas (passmúsica e AUDIOGEST) e eu próprio [imagens de telemóvel com fachadas de edifícios da Lx. Factory e interior da livraria Ler Devagar].

Miguel Martins falou de crimes públicos (ou público criminoso) quando se consome internet. Para ele, pirataria já perdeu essa identificação passando a ser crime público, com base em três palavras do domínio da internet (upload, tag, share). Miguel Carretas considerou que é impossível concorrer com o gratutio e que, no limite, proteger a criação artística e proteger a liberdade de criação. Ele, profundo conhecedor da indústria da música, descreveu os modelos de negócio e identificou as perdas nas vendas, o que afecta os criadores e os artistas.

A primeira parte do meu texto abordou a distinção entre indústria(s) cultural(ais) e indústrias criativas. A origem do conceito indústrias culturais data da década de 1940, sofrendo alterações nas décadas de 1980-1990. As primeiras são do domínio da reprodutibilidade técnica (Walter Benjamin) e foram objecto inicial de análise de autores da corrente crítica: Theodor Adorno e Max Horkheimer. Eles, refugiados alemães nos Estados Unidos, contestaram a cultura de massa, como o cinema, a fotografia, a música (jazz) e, depois, a televisão. Viram a perda da ideia de cidadão, agora transformado em consumidor, alienado pela permanente novidade de produtos que se compram e vendem. Na década de 1980, autores franceses como Edgar Morin, Patrice Flichy e Bernard Miège deram conta das transformações do conceito. Por um lado, havia a arte e a criatividade inerentes às produções estéticas da cultura de massa. Por outro lado, o que se chamou de cadeia de valor (os estádios de produção) em cada indústria cultural era diferente. Por exemplo, a incorporação de valor num filme é distinta da do romance. Neste, há um autor que publica numa editora que o distribui por livrarias; naquele, o autor não é apenas um mas múltiplos ou múltiplas entidades: argumentista, realizador, actores, responsável pela fotografia, responsável pela música, produtor. Por outro lado ainda, distinguem-se obras de consumo imediato ou de fluxo (um jornal diário perde valor no dia seguinte) e de stock (um filme, um livro ou um disco podem ser vistos e ouvidos em qualquer tempo, desde que possua qualidade, fazendo parte do património da cultura humana). A economia e a racionalidade encontram a filosofia.

As indústrias criativas englobam as artes criativas e de performance, os locais e a arquitectura. Elas foram desenvolvidas na segunda metade da década de 1990, em especial em países como o Reino Unido e a Austrália. Por duas razões, a primeira das quais se prende com a compreensão do valor do PIB quando se juntam as indústrias de reprodutibilidade técnica (cinema, disco, televisão, imprensa) com as actividades da cultura (museus, exposições, concertos ao vivo, turismo, moda). As diferentes actividades e profissões cruzam-se. Um exemplo: um actor de teatro participa numa novela de televisão ou num filme. Outro exemplo: uma loja de vestuário pode incluir uma secção de adereços de teatro e ficar situado perto de estúdios de vídeo. A outra razão foi mais evidente no Reino Unido e transportável para áreas urbanas e industriais de outros países: indústrias como a de construção naval, têxtil, da metalurgia, entraram em decadência na Europa devido a preços mais baixos de produção no Oriente. Isso levou ao desemprego e a uma malha urbana empobrecida. Os sítios podem ser revitalizados com novas funções. Os museus de Londres (Tate Modern) e Bilbau (Guggenheim) deram uma nova vida aos locais onde estão implantados, com a criação de outras actividades complementares. A Lx. Factory, embora sem a criação de um pólo novo, pode servir de exemplo português.


2 thoughts on “INDÚSTRIAS CRIATIVAS”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *