Arquivo da categoria: Internet

NetStation 2015

Numa das sessões da manhã de hoje na conferência internacional NetStation 2015. Radio, Sound, and Internet, na Universidade do Minho. Pedro Portela e Fábio Ribeiro com a comunicação Serial: a importância da estética sonora na popularização de um podcast e Ana Sofia Andrade com o texto A voz do dia-a-dia e a voz profissional. Eu falei sobre Fernando Curado Ribeiro e o seu livro Rádio. Produção, Realização, Estética (1964), em especial os relacionados com a estética sonora e ligações com obras sobre rádio editadas na França pós-II Guerra Mundial e que influenciaram a sua escrita: Sudre, 1945; Thévenot, 1946; Cordier, 1950; Pradalié, 1951 [a última fotografia pertence à organização do evento].

Notas de Circunstância

Notas de Circunstância é um novo espaço de análise e de reflexão, textos de ficção, produções iconográficas ou documentos originais criado por José-Manuel Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Université Libre de Bruxelles. Nobre-Correia faz parte das redacções de uma revista belga (desde há 16 anos) e de duas revistas espanholas em papel, mas decidiu optar pelo formato electrónico, mais económico e mais global.

Desejo muitos e bons trabalhos a Notas de Circunstância.

Saúde e internet

Assinado por Rita Espanha, Rita Veloso Mendes, Rui Brito Fonseca e Tiago Correia, saiu agora o livro Os portugueses, a saúde e a internet, uma edição da Fundação Calouste Gulbenkian para o Projeto SER (Saúde Em Rede) do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL). A obra reflete a análise sobre a relação dos portugueses com as tecnologias de informação quanto a assuntos de bem estar e de saúde (p. 2).

Na introdução, lê-se que não “é despropositado pensar na possibilidade de uma cirurgia que esteja a decorrer em Portugal seja participada por médicos em Berlim ou Oslo. O conceito de colaboração ganha uma outra dimensão prática e operacionalidade. […] Por outro lado, a informação clínica disponível on-line permite que o cidadão informado possa também ser um ator consciente e mais responsável na gestão da sua saúde individual, mas também na saúde da sua comunidade” (p. 1).

Se a primeira parte do livro aborda conceitos essenciais para a compreensão das tecnologias da informação em saúde, a segunda parte mostra os resultados de um inquérito por questionário efetuado à população residente em Portugal continental, com idade igual ou superior a 15 anos (808 inquéritos). Por fim, o estudo reflete sobre o espaço das tecnologias de informação e os seus recursos no campo da saúde.

Os investigadores delinearam quatro perfis: 1) não relação com a internet (33,7% dos inquiridos), 2) relação habitual com a internet (29,2%), 3) info-exclusão (21,6%), 4) relação diária com a internet (15,5%). Curiosamente, entre os utilizadores habituais de internet o grau de confiança nesse recurso é menor relativamente a outros meios de informação (p. 34), passando pela compra de medicamentos, produtos dietéticos ou de estética e bem estar (p. 35). Sabendo-se que a proporção de indivíduos que consulta internet anda à volta de 45%, a percentagem de pessoas que procura informação sobre saúde, estética e bem estar situou-se nos 25,7%, em que a grande maioria pertence a pessoas que utilizam habitualmente a internet (p. 22). Os indivíduos procuram obter informações especializadas sobre um problema de saúde (86,1%), aumentar o conhecimento geral sobre saúde (82,7%) e partilhar experiências sobre problemas de saúde (41,7%), entre outros objetivos de pesquisa (p. 29). Os assuntos procurados incluem boa forma e exercício físico, nutrição e problemas alimentares, beleza e bem estar, doenças sexualmente transmissíveis, métodos anticoncecionais, fertilidade e gravidez, toxicodependências (p. 26).

Há um elemento do livro que me chamou uma atenção particular: o crescente ceticismo de populações mais escolarizadas face a esferas periciais, o que enquadra a ideia de uma fase de quebra de legitimidade da medicina (p. 63). Eu constatara isso na minha tese de doutoramento, quando estudei o aparecimento e desenvolvimento de uma doença transmissível sexualmente e o seu impacto nos media. Há elementos novos que o estudo acrescenta, caso da redução de despesa pública na saúde acarretar uma quebra de confiança na autoridade médica. Claro que, em caso de uma dúvida, um indivíduo consulta outro médico particular (75%), consulta outro médico do SNS (11%) ou procura informação na internet (3%), em termos de relação diária (p. 65).

O YOUTUBE ESTÁ CADA VEZ MAIS PERTO DA TELEVISÃO

No final da passada semana, o YouTube criou um “palco” para eventos ao vivo (youtube.com/live). Assim, após inscrição, os espectadores podem assistir a espectáculos e eventos transmitidos por parceiros da Google, como shows, actividades desportivas e entrevistas. O YouTube planeia testar uma versão da plataforma de modo a que cada utilizador da plataforma possa ver os seus próprios shows em tempo real. Há programas a emitir no momento em que o utilizador acede, em simultâneo, e outros com horário previsto para emissão, como na plataforma da televisão por cabo existem canais diferentes com programação específica. Mais de dois mil milhões de vídeos são vistos diariamente no YouTube, o que quer dizer: consumir mais tempo online em vez do tempo dedicado à televisão (via Google).

MYSPACE EM QUEDA

No Público de hoje, Vítor Belanciano escreve sobre a ascensão e queda da rede social MySpace. Nasceu em 2004, pelas mãos de Chris DeWolfe e Tom Anderson, com a capacidade de os músicos colocarem directamente os seus temas num perfil em vez de usarem o sistema de distribuição tradicional e de toda a cadeia de valor até então em uso: formar uma banda, conseguir um contrato, editar um disco e passá-lo na rádio e na televisão, com concertos incluídos. Apareceram fenómenos como Arctic Monkeys e Lily Allen, surgidos do nada. Até 2008, 180 milhões de pessoas adoptaram a rede. Uma alteração dera-se, entretanto: em 2005, Rupert Murdoch comprara o MySpace por 580 milhões de dólares. Com o aparecimento do Facebook, a rede MySpace quis competir, alargando o nicho inicial da música a elaboração de perfis, troca de fotografias, músicas e textos. A estratégia de seguimento revelou-se um desastre, com novo desenho gráfico (275 milhões de dólares de custo), além de que apareceram sítios mais atraentes como Last.fm ou Spotify e o próprio Facebook. O MySpace perdeu 130 milhões de utilizadores, passou da segunda plataforma mais visitada, depois da Google, para o actual 58º lugar. Murdoch acumulou dívidas e despediu e encerrou escritórios já este ano, como aqui escrevi. Agora o patrão do grupo Media News Corp procura compradores para o sítio musical.

IMPRENSA E INTERNET

Na sua coluna do Diário de Notícias publicada hoje, J.-M. Nobre-Correia escreve sobre sucessivas crises que abalaram a imprensa: a rádio nas décadas de 1940 e 1950, a televisão nas décadas de 1960 e 1970, a perda dos monopólios com proliferação de rádios e televisões nas décadas de 1970 e 1980, a internet com abundância de fontes de informação e interactividade e possibilidade de criação de media nas décadas de 1990 e 2000. Para combater a quebra de vendas, abriram-se portas à “economia da gratuidade” e a passagem das “informações de serviço e dos classificados esvaziou seriamente duas funções sociais primárias dos jornais”. Mas a internet não permitiu atingir os resultados esperados em termos de pagamento das consultas, de assinaturas e de receitas publicitárias. O novo tablet da Apple parecia alterar esta situação, mas J.-M. Nobre-Correia apresenta razões para um novo falhanço.

REDES SOCIAIS NO NORTE DE ÁFRICA E MÉDIO ORIENTE

A rede social Twitter confirmou ontem ter estado fechada pelas autoridades egípcias. Quando a revolta no Egipto parecia tomar o mesmo rumo dos acontecimentos da Tunísia, onde os governantes que se mantinham no poder há décadas foram contestados e expulsos, o governo egípcio desligou o acesso à rede social. Na Tunísia, grande parte da população, em especial a mais jovem, usou o Twitter, Facebook e YouTube nesse levantamento, repetindo manifestações semelhantes ocorridas no Irão em 2010.

As redes sociais estão a desempenhar um papel de mobilização social igual ao do telemóvel no começo da década passada. Acaba por ser mais eficiente dada a malha de redes pessoais ser mais complexa, capilar e dispersa mas chegando aos mesmos receptores que o telemóvel, para não falar na menor eficácia de contactos via panfleto em papel quando não existiam estas tecnologias electrónicas. Por seu lado, a televisão faz a recolha e tratamento de informação, conferindo uma narrativa aos dados dispersos que chegam às redacções. A televisão amplia, a televisão chega aos outros lugares, aos outros países, permite ensaios noutros espaços, comparabilidades e hipóteses de mudança.

WIKIPEDIA

“Com mais de 100 mil voluntários, a Wikipedia é já uma das maiores fontes de informação global. A uma velocidade de 600 palavras por minuto, durante 24 horas por dia, uma pessoa poderia ler cerca de 27 milhões de palavras durante um mês. Em média, a cada 30 dias, a Wikipedia – que celebra amanhã 10 anos de existência – vê serem-lhe acrescentadas 30 milhões de vocábulos” (Económico).

RISCOS NA INTERNET

Portugal é um dos países com menor incidência de riscos online para crianças e jovens, abaixo da média europeia (12%), segundo resultados do inquérito inédito a 23000 crianças europeias de 9 a 16 anos, apresentados em Outubro de 2010 no Luxemburgo, no Safer Internet Forum, pela equipa do projecto EU Kids Online, coordenado pela Professora Sonia Livingstone da LSE (Reino Unido).

Apenas 7% das crianças e jovens portugueses declarou já se ter deparado com riscos como pornografia, bullying, mensagens de cariz sexual, contacto com desconhecidos, encontros offline com contactos online, conteúdo potencialmente nocivo gerado por utilizadores e abuso de dados pessoais. A maioria das crianças não declarou ter tido qualquer experiência perturbadora online e sente-se confortável em actividades na internet que alguns adultos consideram arriscadas. Contudo, os jovens portugueses de 11 a 16 anos estão entre os que mais declaram ter sentido bastantes vezes que estavam a fazer um uso excessivo da internet (49%), muito acima da média europeia (30%).

O inquérito, cujo trabalho de campo foi feito na Primavera de 2010, revelou também que 78% das crianças e jovens portugueses entre 9 e 16 anos usam a internet, estando entre os que acedem mais à internet nos seus quartos (67%) do que noutros lugares da casa (26%). Esta diferença é mais acentuada do que a média europeia (respectivamente 48% no quarto e 37% noutros lugares da casa).

Cristina Ponte, coordenadora nacional do projecto e professora de Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa, alerta que estas conclusões podem denunciar um padrão: “a utilização da internet pelas crianças e jovens portugueses nos seus quartos pode conduzir a um uso menos controlado da internet e a uma falta de acompanhamento por parte dos pais, que pode diminuir a falta de apoio das crianças em caso de haver exposição a alguns riscos online. O inquérito veio também mostrar que são as mais novas as que mais expressaram desconforto pelas situações de risco que experimentaram”.

No próximo dia 4 de Fevereiro, realiza-se uma conferência nacional para discutir como Portugal aparece no retrato. Saber mais.

PERFIL DOS UTILIZADORES DO FACEBOOK E DO TWITTER

“No Facebook há mais jovens e no Twitter há mais ricos. Os utilizadores da rede de Mark Zuckerberg são mais fiéis, mas os fãs do «passarinho azul» escrevem mais. […] A rede social criada em 2004 por Mark Zuckerberg agrega 500 milhões de utilizadores, ao passo que o Twitter, fundado em 2006 por Jack Dorsey, Evan Williams e Biz Stone, conta com 106 milhões de cibernautas registados. […] 76% dos utilizadores do Twitter têm um curso superior e/ou frequentam a universidade, valor que desce para os 50% no Facebook. […] cerca de 30% [dos utilizadores do Twitter] situam-se entre os 26 e os 34 anos, ao passo que 29% dos 500 milhões de facebookers têm entre 18 e 25 anos” (fonte: Diário de Notícias).

QUESTÃO DE CONSUMIDORA

Em mensagem publicada ontem no blogue Jonasnuts, Maria João Nogueira queixa-se de receber uma nota de citação pessoal para apagar posts colocados no seu blogue sobre uma compra na empresa Ensitel. A questão está já colocada em tribunal. Os media clássicos estão hoje a fazer eco da pressão da Ensitel, a qual considera que o resultado é contraproducente para a sua imagem.

A história é simples: Maria João Nogueira recebeu de presente um telemóvel, o qual apresentou um defeito. Não foi satisfeita a sua exigência de troca, arrastando-se o incidente por longos meses. Ela aproveitou o blogue para mostrar o seu desagrado. Com o tempo, está a haver um crescimento em forma de bola de neve. Mesmo que a empresa consiga o seu desiderato – eliminar os posts do Jonasnuts – a má imagem sobre ela não vai desaparecer. A internet deixa sempre rastos: Maria João Nogueira conhece bem os mecanismos da internet (porque trabalha e tem responsabilidades numa empresa do sector). A meu ver, a Ensitel precisa de criar um gabinete de crise e alterar estratégias na sua comunicação corporativa.

Maria João Nogueira foi uma das principais animadoras do encontro de blogues que organizei em 14 de Novembro de 2008, aparecendo no começo do pequeno vídeo que acompanhava essa mensagem (e que agora reproduzo).

https://player.vimeo.com/video/2245775

Actualização (1.1.2011, às 11:22): ontem, último dia de 2010, a empresa resolveu seguir o mais sensato. Em comunicado, a Ensitel escreveu: “Nos últimos dias temos ouvido as vossas opiniões. Nunca foi nossa intenção limitar a liberdade de expressão da Maria João Nogueira, mas apenas assegurar a defesa da nossa marca. Mas vemos agora que a nossa atitude não foi a mais adequada e por isso vamos retirar de imediato a acção judicial. Pretendemos também, no futuro, estar mais atentos ao que os nossos clientes dizem online, de modo a podermos assegurar que a vossa experiência com a Ensitel é o mais positiva possível. Nesse sentido estamos a preparar novas maneiras de poderem comunicar connosco, sempre que tenham um problema numa das nossas lojas ou com um dos nossos produtos”. Fica registado.

CURTAS-METRAGENS NA INTERNET

Pergunta Killian Fox (Observer) se estamos a meio de uma revolução de curtas-metragens. Segundo ele, até há pouco tempo ver uma curta-metragem implicava ir a um festival, apanhar uma compilação em DVD, ter a sorte de ver um programa de televisão. Agora tudo o que há para fazer é aceder à internet. A última década viu uma explosão do vídeo online, caso do YouTube e de sítios de partilha de alta cultura como o Vimeo, que alteraram o modo de ver e de relacionar do cinema e do vídeo com os seus públicos.

Muitos cineastas ainda recusar colocar os seus trabalhos na internet, mas as vantagens são difíceis de ignorar, mesmo que isso signifique perder receitas em publicidade. O volume de curtas-metragens que estão disponíveis gratuitamente online é elevado e, apesar de um lote delas variar entre o mau e o feio, restam muitas mais. Bons exemplos: I’m here, de Spike Jonze, e Peter & Ben, de Pinny Grylls. Ver mais em Futureshorts.

TESE DE MESTRADO TRANSMITIDA PELA INTERNET

A dissertação Fontes de notícias: ações e estratégias das fontes empresariais nas relações com jornalistas de economia e negócios, de Aldo Antonio Schmitz, será defendida amanhã, dia 17 de Dezembro, sexta-feira, às 9:00 de Brasília (11:00 de Lisboa), na sala de videoconferência do Centro de Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, Brasil) e transmitida aqui. Além do orientador, Francisco José Karam, o júri inclui os professores Jorge Kanehide Ijui (este e o orientador pertencem à UFSC) e Wilson da Costa Bueno, da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). No trabalho, o mestrando fez 440 entrevistas com 71 executivos, 92 jornalistas de economia e negócios e 277 assessores de comunicação empresarial para verificar e demonstrar as acções e as estratégias, inclusive os equívocos, das fontes de notícias.

YOUTUBE

“Em Julho deste ano o YouTube tinha já ampliado o tempo de duração dos vídeos para 15 minutos e agora o popular site de vídeos anunciou que o tempo dos ficheiros passará a ser ilimitado. Actualmente esta opção ainda está em fase de testes por alguns utilizadores. […] Esta mudança acontece igualmente numa altura em que cada vez mais sites – nomeadamente o Hulu e o Netflix – estão a oferecer aos utilizadores episódios completos e filmes através da Internet e ainda numa altura em que o YouTube – detido pelo Google – tenta que os seus utilizadores vejam os vídeos disponíveis online nos seus grandes ecrãs da sala através do Google TV” (Público).

O CIBERJORNALISMO EM PORTUGAL SEGUNDO HELDER BASTOS

As Origens e evolução do Ciberjornalismo em Portugal: Os primeiros quinze anos (1995-2010), livro escrito por Helder Bastos, docente da Universidade do Porto, foi apresentado ontem, no âmbito do II Congresso Internacional de Ciberjornalismo (Jornal de Notícias). Continua a ler-se no mesmo jornal: “«O livro é composto pelos antecedentes à chegada do Ciberjornalismo e depois, pelo seu nascimento em 1995 com o JN Online, sendo que é a partir daí que começo a desenvolver a história», explicou o autor. O docente referiu que apesar dos grandes avanços registados a nível de multimédia, «há ainda um longo caminho para andar”, a começar por “arranjar maneira de fazer pagar os sites» e a «contratar equipas que trabalhem só para o online».

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIBERJORNALISMO

Vai decorrer nos dias 9 e 10 de Dezembro o II Congresso Internacional de Ciberjornalismo (instalações da licenciatura de Ciências da Comunicação da Universidade do Porto, à Praça Coronel Pacheco, Porto). Modelos de negócio para o jornalismo na Internet e Redes sociais e ciberjornalismo são temas estruturantes do evento, com personalidades de relevo nas temáticas em questão a nível nacional e internacional. O evento é organizado pelo Observatório do Ciberjornalismo, do Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação (CETAC.media) e integra, também, o programa de comemorações dos 10 anos daquela licenciatura.

Na ocasião, será lançado o livro Origens e Evolução do Ciberjornalismo em Portugal: Os Primeiros Quinze Anos (1995-2010), de autoria de Helder Bastos (9 de Dezembro, 17:30, local do congresso).

WIKILEAKS DESLIGADO E LIGADO DE NOVO

O EveryDNS.net, fornecedor do domínio onde o sítio Wikileaks está alojado, decidiu desligá-lo. Justificação: os ciberataques ao domínio faziam prever o colapso da rede a que se liga o Wikileaks. O Wikileaks revelou milhares de documentos secretos de países como os Estados Unidos (fonte: BBC News).

Contudo, hoje de manhã voltava a ficar em linha a partir de endereço suíço (wikileaks.ch) (fonte: Público).

REDE SOCIAL

Dirigido por David Fincher, A Rede Social (The Social Network) é um filme sobre os fundadores da rede social Facebook, nomeadamente sobre Mark Zuckerberg (interpretado por Jesse Eisenberg). Zuckerberg, um geek da informática, apresenta-se no filme como procurando alcançar popularidade no ambiente competitivo da Universidade de Harvard.

No processo judicial que o opõe a colegas e amigos com quem se comprometera a trabalhar como programador informático, uma advogada diz-lhe que ele não é cretino mas faz tudo para o ser. Em especial quando se cruza com o co-fundador do Napster Sean Parker (Justin Timberlake). A ideia é que “não se chega a 500 milhões de amigos sem fazer alguns inimigos”.

REDE SOCIAL

Dirigido por David Fincher, A Rede Social (The Social Network) é um filme sobre os fundadores da rede social Facebook, nomeadamente sobre Mark Zuckerberg (interpretado por Jesse Eisenberg). Zuckerberg, um geek da informática, apresenta-se no filme como procurando alcançar popularidade no ambiente competitivo da Universidade de Harvard.

No processo judicial que o opõe a colegas e amigos com quem se comprometera a trabalhar como programador informático, uma advogada diz-lhe que ele não é cretino mas faz tudo para o ser. Em especial quando se cruza com o co-fundador do Napster Sean Parker (Justin Timberlake). A ideia é que “não se chega a 500 milhões de amigos sem fazer alguns inimigos”.

INTERNET NO LAR

O relatório anual de 2010 do Bareme Internet (Marktest) contabiliza 2,204 milhões de lares em Portugal Continental com acesso à internet a partir de computador, valor que representa 62,9% do universo de lares em estudo.

Assim, a penetração de internet aumentou mais de 26 vezes nos últimos 14 anos, passando de 2,4% em 2002 para os agora 62,9% observados. A internet atinge 95,1% dos lares da classe alta, baixando para 67,7% na classe baixa. Os lares do Interior Norte e do Sul têm valores inferiores à média, enquanto nas outras regiões o acesso à internet é já comum à maioria dos lares, chegando aos 72,1% na Grande Lisboa.

15 ANOS DE JORNALISMO ONLINE

“O jornal Público foi o pioneiro em Portugal do jornalismo na internet” (editorial de hoje do jornal Público).

Saúdo a comemoração. Contudo, a expressão acima citada deveria ser escrita do seguinte modo: “O jornal Público foi um dos pioneiros em Portugal do jornalismo na internet”. Na realidade, o primeiro jornal a ter edição na internet foi o Jornal de Notícias, a 26 de Julho de 1995; seguir-se-ia o jornal Público, a 22 de Setembro do mesmo ano. Cito o texto de Helder Bastos, então jornalista do diário portuense precisamente na edição online, no texto que publicou no nº 42 da revista Jornalismo & Jornalistas:

“Antes dessa data [22.9.1995], o jornal já colocava online, de forma esporádica, artigos do jornal impresso. Mas, durante cerca de três anos, o site limitou-se a fornecer uma versão electrónica do jornal impresso. Foi em Setembro de 1999, em plena crise de Timor-Leste, que começou a produzir informação própria, com a introdução do serviço «Última Hora»”.

Actualização (23.9.2010, 21:12)
1. A entrevista feita por João Pedro Pereira a José Vítor Malheiros editada no Público de 23 de Setembro de 2010 vem repor alguma da informação produzida acima. Reproduzo: “Não foi em 1995 [a criação do site]. Isto tem uma pré-história. A 22 de Setembro de 1995, lançámos a primeira edição diária integral na Internet. Fomos o primeiro jornal a fazê-lo. O JN fez algumas coisas antes, costuma apresentar-se como um pioneiro nesta área. Eles foram pioneiros em algumas coisas, nós fomos noutras, não vale a pena entrar nessa discussão. No entanto, começámos a fazer umas brincadeiras logo em 1994. Tínhamos um site, que não era visitado praticamente por ninguém. Publicávamos notícias, fazíamos coberturas online, a partir da redacção, de alguns eventos, mas foram só experiências. A compreensão de que a Internet ia ser muito importante para os jornais surgiu em 1994″. José Vítor Malheiros, enquanto esteve como jornalista no Público, foi um profissional que muito admirei. Logo, tomo como verdadeira a explicação que faz, o que me leva a repensar o escrito ontem, dia 22 de Setembro.
2. Muitas vezes, penso como um blogue pode fazer serviço público. Quando escrevi a mensagem sobre a qual estou a reflectir, não dediquei toda a atenção ao texto de Helder Bastos, publicado na JJ, nem pensei no impacto que a minha pequena notícia teria (131 visualizações entre ontem e hoje). Helder Bastos, ao abordar a história do ciberjornalismo em Portugal, dividiu-a em três períodos: a) implementação (1995-1998), b) expansão ou boom (1999-2000), c) depressão e estagnação (2001-2010). O texto é, pois, um esforço notável ao condensar a actividade do jornalismo electrónico ao longo de década e meia, em que o primeiro período é o do registo das experiências e dos primeiros domínios oficializados, caso da RTP, em Maio de 1993. O segundo período é o da euforia e dos grandes projectos, com grupos de multimedia a apostarem em portais. Houve uma grande procura de jornalistas online. Mas a passagem de 2000 para 2001 foi dramática: demissão dos directores da Lusomundo.net, integração de redacções, dispensa de pessoal. A nova economia perdia impacto. O terceiro período, a que Bastos chama de depressão e estagnação, tem a ver com o período mais recente. Contudo, parecer-me-ia interessante desagregar esse longo período e encontrar outro, de 2004-2005 para a frente, fruto do aparecimento do Youtube e do desenvolvimento dos podcasts, conjunto de inovações que tem redimensionado e dinamizado os media electrónicos. Isto sem falar no jornalismo cidadão e na criação de redes sociais, como o Facebook e os blogues, muito bem utilizados pelos media de qualidade.

Actualização (25.9.2010, 21:50)

Paulo Querido, escreve no dia 22 sobre Os 15 anos do Público.pt e os pioneiros do jornalismo na Internet: quem conta um conto (com actualizações posteriores), onde narra outros pormenores da história dos 15 anos do online em Portugal. Conta nomeadamente: “Em Julho de 1995 já existia há alguns meses uma edição regular na Internet de um jornal português. O Blitz era divulgado, em versão full text, a partir de uma BBS tanto quanto me lembro desde 1994. A sua primeira edição web foi em Novembro de 1994 (c.f. obra O passado da Internet, Libório Silva, Centro Atlântico). Em Agosto de 1995 (ou seja: depois do Jornal de Notícias mas antes do Público), a Rádio Comercial teve a primeira emissão na web. Não recordo se foi um «conteúdo» jornalístico ou musical: algum dos leitores poderá lembrar-se? Se falamos de edições próprias para a Internet, que o Público passou a ter apenas em Setembro de 1999, então teremos de falar do Correio Informático/Computerworld, da Recortes, da Dígito, do Top 5% webzine e, se bem me recordo, do próprio Tek Sapo – tudo sites com jornalistas a produzir notícias originais, artigos e fotos, em contínuo, uns desde 1995, outros 96. Um deles, o Correio Informático/Computerworld, vazava também a edição que era publicada em papel, já desde 1995, e publicava notícias apenas na edição online, para exaspero do seu proprietário”. Todo o texto dele merece ser lido com atenção. É que as memórias de várias fontes, caso de jornalistas que estiveram no começo da actividade, contribuem para um muito melhor conhecimento do que se passou.